Ir direto ao conteúdo

Redes Sociais do Jus Navigandi

  1. JUNQUEIRA/SP
    20/11/2010 18:54

    Usuário suspenso

    Numa ação de reconhecimento e dissolução de uniào estável, após prazo para apresentação nos memoriais as alegações finais, quanto tempo geralmente o processo fica concluso até ser dado a sentença? Isso varia de acordo com a Comarca, até mesmo depende de que vara da família está? Geralmente, qual prazo máximo que pode demorar? Existe alguma forma da qual se pode agilizar essa fase processual?
    Agradecido.
  2. Adv. Antonio Gomes
    20/11/2010 19:17

    O padrão 30 dias concluso para sentença, podendo chegar a 90 dias. Trata-se de prazos impróprio. Deve o advogado da causa procurar o magistrado pessolmente para sabre sobre a questão.

    Att.

    Adv. Antonio Gomes.

    Um dia uma canoa boiando...

    Em uma idade ameaçada, tinham disposto alguns vigias que dessem aviso do que ao longe avistassem. Os habitantes queriam evitar surpresas, e ter tempo de preparar heróica resistência. Os vigias descobrem ao longe uma coisa. O que será? É uma poderosa esquadra que se aproxima. “Alerta!” bradaram. A coisa chega mais perto. “Não é esquadra”, disseram, “há de ser alguma nau.” Por fim a onda atira à praia o objeto de tão sérios cuidados; era simplesmente uma velha canoa que vinha boiando.

    MORALIDADE: Assim é tudo, perigo, desgraça. prosperidade, prazer; de longe é alguma coisa de perto é nada.
  3. JUNQUEIRA/SP
    20/11/2010 20:06

    Usuário suspenso

    Se for julgada procedente a ação e determinado pagamento de alimentos, é necessário pagar estas verbas enquanto é processado eventual recurso?
  4. Adv. Antonio Gomes
    20/11/2010 20:11

    Sim, uma vez que decisão que determina verba alimentar, em caso de recurso, não goza de efeito SUSPENSIVO, sendo assim, é obrigado começar ou continuar a pagar.

    Att.

    Adv. Antonio Gomes.

    Era uma vez rato e o elefante.


    Uma grande reunião de pessoas admirava em uma feira o monstruoso tamanho de um elefante; um ratinho indignando-se exclamou: “Fortes babacas ! o que tem que ver essa montanha informe de carne? Sem graça, sem beleza, mal pode mover-se; e o admiram! Mas, nós, ratinhos, corremos, pulamos, saltamos, somos cheios de graça, e em vez de nos prestarem a admiração devida, juram-nos guerra e extermínio. Será porque somos nacionais, e esse monstro é estrangeiro?” Enquanto assim repreendia os babacas, despercebido o ratinho é apanhado por um gato, que logo lhe mostra a diferença que há entre um elefante e um camundongo.

    MORALIDADE: A vaidade e a inveja fazem muitas vítimas; até os ratos querem que se lhes dê a importância dos elefantes.

Participe do Fórum

Entre com seu cadastro do Jus Navigandi:

Esqueceu sua senha?

Não tem Facebook e quer participar do Fórum?

Faça perguntas, responda dúvidas e discuta assuntos jurídicos. É fácil e grátis!

JUS NAVIGANDI NAS REDES SOCIAIS