Ir direto ao conteúdo

Redes Sociais do Jus Navigandi

  1. Marcelo Xavier da Silva
    15/04/2011 23:04

    No dia 03 de março de 2011 precisei fazer um depósito na conta de minha cunhada, ao digitar os números para depósito acabei por errar a agência de sua conta e por conseqüência o valor caiu na conta de outra pessoa . Abaixo estão as contas da pessoa em que o depósito caiu por engano e de minha cunhada respectivamente

    Ag-0577 CC-10021179-8 Nome: TEUNA LIMA SECUNDINO
    Ag- 1833 CC-10021179-8 Nome: MARCIA MARIA S

    Mesmo sabendo que tinha cometido este erro, estava tranqüilo pois sei que não fui o primeiro e nem serei o único a cometê-lo, em um ambiente bancário com milhões de contas um erro assim deveria ser passível de ser previsto pelos bancos e com certeza também teria algum processo administrativo para que o dinheiro fosse estornado.
    No mesmo dia me dirigir à minha agência bancaria e expliquei o ocorrido ao Sr. Christiano Reis, funcionário do banco e Solicitei que o valor fosse estornado o quanto antes.
    Na ocasião o Sr. Christiano me disse que como o valor caiu em uma conta de outra agência, nada poderia fazer , ele simplesmente me orientou a ligar para o gerente da agência em que o depósito caiu e explicasse o ocorrido e que este gerente entraria em contado com a sua correntista informando-a do fato e solicitando autorização para o estorno, se a mesma não autorizasse nada poderia ser feito
    Mesmo achando muito estranho tudo aquilo que ele havia me informado , insistir para que ele ligasse(e não eu, como ele havia sugerido ) para a agência em questão e tentasse resolver o problema. O Sr. Cristiano entrou em contato com a agência da Senhora Teuna e me disse que os funcionários de lá iriam tentar localizá-la para solicitar o consentimento do estorno e que eu deveria aguardar pois nada mais poderia ser feito.
    Passando-se uns dois a três dias retornei a minha agência para ter notícias sobre o fato. O Sr. Christiano me disse que eles não a haviam localizado e deveria aguardar mais um pouco. Muito preocupado perguntei se ela já não havia sacado o dinheiro e o mesmo após consultar o sistema, disse que não.
    Por ainda não concordar com este procedimento adotado pelo Sr. Christiano, resolvi tirar a dúvida com uma amiga minha que é gerente bancária. Após explicar todo o problema, ela me informou que este é um fato comum de acontecer e de simples solução ( O que eu já havia imaginado ).
    Simplesmente eu teria que fazer uma solicitação por escrito à minha agência bancária explicando todo o fato. Esta solicitação daria amparo para que o valor fosse estornado No mesmo dia. Ao saber disso retornei à minha agência e perguntei ao Sr. Christiano sobre este procedimento... E para surpresa minha ele disse que já o conhecia e foi somente então que o mesmo pediu-me que fizesse um documento por escrito para que ele pudesse solicitar o estorno. Até então já haviam se passados mais de 15 dias do fato e no dia 22 de março o dinheiro voltou para minha conta.
    Fica nítido, pois, que o banco teria sim como estornar um valor que caiu de forma indevida na conta de outra pessoa sem que esta precisasse autorizar. Bastando apenas que os procedimentos administrativos para o caso fossem tomados o momento da ciência do fato
    Muito estranho foi o que ocorreu no dia seguinte a devolução do dinheiro... O mesmo fora debitado da minha conta... Retornei a minha agência pra saber o porquê disso, e fui informando pelo próprio Christiano que a mulher havia sacado o dinheiro e por isso que este valor foi debitado.
    Acredito ter havido sucessões de erros por parte do Banco do Brasil, mais com certeza que a principal está no fato de que, existia um processo administrativo para que tudo fosse agilizado no menor tempo possível e que era de conhecimento do funcionário do banco , o qual não tomou as providências em tempo oportuno , lembrando ainda que o dinheiro só foi sacado há mais de 15 dias do ocorrido. Cabe ainda ressaltar que as duas agências em questão são do Banco do Brasil


    A pergunta é o seguinte: Quando ocorreu o fato, fui ao banco no mesmo dia para resolver o problema más por desconhecer o procedimento administrativo correto confiei (mesmo com certa relutância) no que o funcionário me disse e quando percebi que o mesmo não estava agindo de forma correta para o caso, alguns dias haviam se passado tornan-se ineficiênte o procedimento certo. Como poderei provar todas as circunstâcia acerca do fato, já que quase todo procedimento foi feito apenas informalmente
  2. Jaime - Porto Alegre
    15/04/2011 23:49

    Usuário suspenso

    Marcelo Xavier
    Na minha modesta opinião vc não está com a razão. Veja bem, vc depositou numa determinada conta. O fato de vc alegar no banco que fez o depósito errado, não autoriza o banco a extornar o depósito, pois depois que o dinheiro entra numa conta, somente com autorização do titular esses valores podem ser movimentados. Evidentemente que faltou boa vontade do banco em gestionar junto à agência na qual caiu o depósito para que entrassem em contado com o titular da conta para extonar o valor.
    Assim, não tendo acontencido e tendo a titular da conta sacado o valor e se recusado a devolver, vc pode fazer um BO por apropriação indébita por parte da titular da conta. O banco não tem culpa do seu erro.
    Um abraço,
    Jaime
  3. francyone
    19/07/2011 00:51

    Jaime, concordo com a sua posição. Mas o que acontece nos casos em que há negligência do caixa, quando o mesmo procede o depósito com erro?
    Sei que o titular da conta creditada deve consentir, afinal a importância passa a integrar a seu patrimônio, mas, em casos em que o erro parte do caixa não seria o Banco o responsável em tentar sanar o erro?

    Por favor, aguardo sua resposta, "estou nesta situação".

    Abraço.
    Francione
  4. Jaime - Porto Alegre
    19/07/2011 09:46 | editado

    Usuário suspenso

    Vc declara que digitou o número da agência errada, portanto, a culpa parece-me ser sua e não do banco.

Participe do Fórum

Entre com seu cadastro do Jus Navigandi:

Esqueceu sua senha?

Não tem Facebook e quer participar do Fórum?

Faça perguntas, responda dúvidas e discuta assuntos jurídicos. É fácil e grátis!

JUS NAVIGANDI NAS REDES SOCIAIS