Como poderia proceder para retirar co-herdeiros do imovel, para fazer a venda e devida partilha.

Maria Isabel_1 perguntou Terça, 07 de junho de 2011, 10h44min

Olá meu nome é Maria Isabel, atualmente moro no interior e meus pais (já falecidos)deixaram um imovel na capital, para cinco filhos, dois também falecidos, já foi feito o inventário,a partilha e espólio, eu e minhas duas irmãs gostaríamos de vender o imóvel que há 13 anos é ocupado pela minha cunhada e meus sobrinhos todos maiores, casada em regime de comunhão parcial de bens com meu irmão falecido e nunca pagou aluguel. Fiz a avaliação do imóvel e ela disse que tinha interesse em comprar, só que ela quer pagar só 50% do que vale o imóvel e não estamos de acordo, ela não desocupa o imóvel e eu já pedi diversas vezes, as pessoas vão lá pra ver o imóvel e ela deprecia o imóvel, retira a placa a imobiliária ou as vezes diz que não está a venda e não vai sair agora, só quando tiver outro lugar para morar. o que posso fazer, alguem porfavor me ajude, estou desempregada e pago aluguel, não acho justo esta situação, pois sou herdeira legitima. Já falei até que poderia cobrar os alugueis retroativos, com juros e correção e não estamos fazendo, para ver se a pressiono a sair e desocupar o imóvel. Ela afirma que não posso, pois não tem contrato e nunca lhe foi cobrado nada, ainda é sarcastica e ironica! Desde já grata, Isabel

Respostas

1

  • Jaime - Porto Alegre

    Jaime - Porto Alegre

    Maria Isabel_1
    Quanto a mula empaca, tem que rebocar. Para vc cobrar aluguel dela, primeiro tem que propor uma ação de arbitramento de aluguel e só depis disso é que pode cobrar.
    Como ela está dificultando e não tem interesse em comprar a parte dos outros herdeiros, terão que promover a extinção do condomínio pela via judicial, primeiro oferecendo a ela oficiamente dando um prazo para se pronunciar, esgotado esse prazo aí terão que entrar com ação de extinção do condomínio. Nesse caso o imóvel será vendido judicialmente.
    Isso não é bom, pois além de gastos com o processo, ainda correm o risco da avaliação judicial ser inferior ao preço de mercado.
    Mas já que empacou, é o caminho.
    Um abraço,
    Jaime