Procuração pública para venda de uma casa de herdeiros.

Temos 2 imóveis de herdeiros na BAHIA para vender,mas meus irmãos moram muito avastados , tipo eu em SP,OUTROS RJ,PARAÍBA E RN ,gostaria de mandar uma procuração para meus irmão mais novos que moram na BAHIA venderem a casa, EU por ser a mais velha posso fazer uma procuração pública dando autorização para a venda do imóvel,vísto que os outros moram em estados diferentes e por telefone já deixaram claro que permitem a venda? Como seria está procuração?Tem algum MODELO que possa me mandar...ME AJUDE!

Respostas

24

  • Jaime - Porto Alegre

    TITIANE
    Vá a um tabelionato com todos os dados do outorgado e do imóvel e mande lavrar um procuração pública com poderes para venda do imóvel.
    Um abraço,
    Jaime

  • Dr. ALFREDO BARRETO

    TITIANE, desculpa eu descordar um pouco da orientação do colega Jaime, mas na verdade se os imóveis são de herança, você NÃO POSSUI PODERES SOZINHA SOBRE ELES! Uma procuração feita somente por vc outorgando terceira pessoa a efetuar a venda poderá lhe trazer problemas e para quem comprar se um dos seus irmãos der para trás e questionar a venda. O mais correto seria cada irmão que mora distante ir a um cartório e fazer uma procuração autorizando vc a tomar providências de venda, inclusive, passando uma procuração a pessoa de sua escolha, assim todos os herdeiros lhe respaldarão para tal feito. Todo imóvelou ouro bem que é deixado de herança com herdeiros vivos e diversos, carece de inventário ou, no mínimo, formalidades legais como um acordo consensual entre os herdeiros que pode ser feito através dessa citada autorização de venda mediante procuração passada a vc pelos outros herdeiros... Boa sorte.

  • Alexandre - MS

    vc fala em herança, mas ja houve inventário??

    se nao houve, esse é o primeiro passo.

    porem, se a propriedade ja esta regularizada (consta o nome dos irmaos na matricula do imovel) vc pode sim atraves de procuração pública dar poder para um dos irmaos assinar por vc no ato da venda.

  • Jaime - Porto Alegre

    Em que pese o Dr. Alfredo Barreto, "descordar", a minha resposta parte do pressuposto de que o imóvel é de herança mas já houve o inventáro epartilha.
    Um abraço,
    Jaime

  • Dr. ALFREDO BARRETO

    Segue ai minhas desculpas ao colega Jaime quando discordo dele em seu primeiro comentário, porém, realmente se já houve INVENTÁRIO e PARTILHA e, somente se já houve, ai sim a jovem poderá outorgar terceira pessoa a vender os imóveis mediante procuração...

    Boa Sorte

  • Ana Moura

    Pergunta: Sou inventariante de Espólio de meu marido e há um imóvel com permissão judicial (Alvará) para a venda do mesmo. Minha advogada tem uma procuração minha desde o início do processo do Inventário com poderes ad juditia e extra juditia. A advogada exigiu de mim uma Procuração Pública para ela acompanhar a transação da venda, juntamente comigo também presente ao ato. Essa procuração é, no caso, obrigatória? Por quê?

  • Jaime - Porto Alegre

    Ana Moura
    Como vc acompanhará pessoalmente todos os atos da transação, a procuração é dispensável. Aliás, embora seja conveniente como orientadora, sequer é necessário a presença do advogado, já que a pessoa autorizada a outorgar a escritura é o inventariante e não o advogado.
    Um abraço0,
    Jaime

  • Ana Moura

    Pergunta: Sou inventariante de Espólio de meu marido e há um imóvel com permissão judicial (Alvará) para a venda do mesmo. Minha advogada tem uma procuração minha desde o início do processo do Inventário com poderes ad juditia e extra juditia. A advogada exigiu de mim uma Procuração Pública para ela acompanhar a transação da venda, juntamente comigo também presente ao ato. Essa procuração é, no caso, obrigatória? Por quê?
    O artigo 657 do Novo Código Civil diz que a Outorga do mandato está sujeita a forma exigida por lei para o ato a ser praticado. No caso, trata-se da venda de um dos imóveis do espólio com mais cinco herdeiros. Mesmo assim, é necessária a procuração pública para minha advogada?
    Em caso negativo a minha advogada deve me acompanhar apenas? E se ela se recusar? Como devo proceder?