Ir direto ao conteúdo

Redes Sociais do Jus Navigandi

  1. Helena Souza
    27/08/2011 06:44

    Tenho pesquisado a respeito do regime da separação obrigatória de bens, no que tange a partilha,o cônjuge superstite que foi co-responsável por todo o patrimônio adquirido,tem direito a herança? E se o de cujus deixou filhos de outro casamento,como fica a partilha?
    Vejo que há muitas controvérsias sobre o assunto na doutrina e na jurisprudência.
  2. Adv. Antonio Gomes
    28/08/2011 21:32

    Vejamos o fundamento para litigar pelos bens adquiridos pelo casal durante a vigencia do casamento, in verbis:

    A súmula 377 do STF e a sua aplicabilidade no Código Civil de 2002



    O Código Civil brasileiro de 2002 tipificou como regimes de bens a serem estipulados pelos nubentes: o da comunhão parcial de bens; o da comunhão universal de bens; o da participação final nos aquestos e o da separação de bens. Inserindo-se em algum destes quatro regimes, os cônjuges podem livremente optar sob qual modo serão regidas suas relações patrimoniais durante a vigência do casamento. Na falta de estipulação expressa, as relações dos cônjuges reger-se-ão pelo regime da comunhão parcial de bens.

    No regime da comunhão parcial de bens comunicam-se os bens que sobrevierem ao casal, na constância do casamento, com as exceções previstas no artigo 1658 do Código Civil. Tal regime de bens não está atrelado a um pacto antenupcial, tendo em vista o seu caráter legal, ou seja, aquele que vigora caso não haja convenção entre os cônjuges, ou sendo esta nula ou ineficaz.

    O regime da comunhão universal de bens, por sua vez, somente concretiza-se com a formulação de um pacto antenupcial formalizado através de escritura pública. No referido pacto podem as partes convencionar cláusulas específicas, como por exemplo, excluir determinado imóvel do regime de bens estipulado. Esta espécie de regime importa a comunicação de todos os bens presentes e futuros dos cônjuges e suas dívidas passivas, com as exceções previstas no artigo 1668 do Código Civil.

    No regime da participação final dos aquestos, cada cônjuge possui patrimônio próprio e lhe cabe, à época da dissolução da sociedade conjugal, direito à metade dos bens adquiridos pelo casal, a título oneroso, na constância do casamento. Este é o regime menos utilizado na atual conjuntura brasileira e a sua principal peculiaridade é a permissão de os cônjuges convencionarem no pacto antenupcial a livre disposição dos bens imóveis, desde que particulares, conforme preceitua o artigo 1656 do Código Civil.

    Pois bem, passaremos à questão em debate, qual seja, o regime da separação de bens. Esta espécie de regime se subdivide em separação convencional de bens e separação obrigatória ou legal de bens. Na primeira, estipulada através de um pacto realizado por uma escritura pública anterior ao matrimônio, os bens permanecerão sob a administração de cada um dos cônjuges, que os poderá livremente alienar ou gravar de ônus real. A segunda, por sua vez, se dá através de uma imposição legal e rege as relações patrimoniais das pessoas que se casarem com inobservância das causas suspensivas da celebração do casamento, da pessoa maior de sessenta anos e de todos os que dependerem, para casar, de suprimento judicial.

    O regime da separação obrigatória ou legal de bens era previsto no artigo 258, parágrafo único do Código de 1916. Para muitos doutrinadores este regime acabou por prejudicar em muitas vezes as partes hipossuficientes no momento da celebração do casamento, além de ferir um princípio constitucional consagrado, o da autonomia da vontade. Pessoas jovens, por exemplo, que ainda não tinham completado a idade núbil e que dependeram, por algum motivo, de autorização judicial para se casarem, encontravam-se completamente desamparadas, exceto quando estivessem inseridas dentro de um quadro social de alto poder aquisitivo. Diante de diversas incertezas e demandas judiciais, o Supremo Tribunal Federal pacificou entendimento, por meio da Súmula 377: “ No regime da separação legal de bens, comunicam-se os adquiridos na constância do casamento”. Não obstante a incorreção e o temor oriundos do texto do parágrafo único do artigo 258 do antigo Código Civil, o legislador do Código Civil de 2002 incorreu no mesmo equívoco ao inserir no referido diploma legal o artigo 1641, com as mesmas limitações previstas no antigo código.

    Com a publicação do Novo Diploma Civil em 2002, novos questionamentos insurgiram-se. A aplicabilidade da Súmula 377 no novo cenário jurídico nacional vem gerando enormes debates entre os doutrinadores mais respeitáveis no campo civil brasileiro. A corrente que defende a inaplicabilidade da mencionada súmula a partir da publicação do Código de 2002 baseia-se na idéia de que há somente um regime da separação de bens. Ou seja, tanto o legal quanto o convencional possuem os mesmos efeitos e as mesmas restrições. Para Francisco José Cahali: “A separação obrigatória passa a ser, então, um regime de efetiva separação dos bens, e não mais um regime de comunhão simples (pois admitida a meação sobre os aqüestos), como alhures. A exceção deve ser feita, exclusivamente, se comprovado o esforço comum dos cônjuges para a aquisição de bens, decorrendo daí uma sociedade de fato sobre o patrimônio incrementado em nome de apenas um dos consortes, justificando, desta forma, a respectiva partilha quando da dissolução do casamento. Mas a comunhão pura e simples, por presunção de participação sobre os bens adquiridos a título oneroso, como se faz no regime legal de comunhão parcial, e até então estendida aos demais regimes, deixa de encontrar fundamento na lei”.

    Há ainda aqueles que acreditam no enriquecimento sem causa, como o professor José Fernando Simão, ao afirmar: “Com a devida vênia e homenagem especial aos amigos que pugnam pela não revogação da Súmula 377, entendo estar revogada a disposição. Isso porque, a Súmula 377 não evita o enriquecimento sem causa, mas contrariamente, GERA O ENRIQUECIMENTO SEM CAUSA. Isso porque, em razão da Súmula a comunhão dois aqüestos é considerada automática, independentemente da prova de esforço comum. Assim, se um senhor de 90 anos se casa com uma moça de 18 anos, pelo regime da separação obrigatória em razão da idade, e depois de casado adquire uma casa e um carro, os bens são considerados aqüestos em decorrência da súmula e a jovem nubente terá direito automaticamente à meação. E por quê? PORQUE A SÚMULA 377 NÃO EXIGE PROVA DO ESFORÇO COMUM. Em conclusão, a Súmula deve ser entendida como revogada. Caso um dos cônjuges casados pelo regime da separação obrigatória de bens tenha efetivamente contribuído com a aquisição dos bens, fazendo a prova do esforço comum, terá direito à participação sobre eles. Afasta-se definitivamente a presunção contida na Súmula 377 e a separação obrigatória passa a ser considerada realmente absoluta”.

    Filio-me, porém, à corrente minoritária, que defende a manutenção da eficácia da Súmula 377 do STF pelas razões a seguir expostas. Primeiramente, é necessário perceber que a redação do artigo 1641 do Código atual é, praticamente, idêntica à do parágrafo único do artigo 258 do antigo diploma. Diante disso, conclui-se que as mesmas razões que invocaram os ministros do Supremo a editarem a Súmula 377 permanecem até os dias de hoje, não havendo motivo algum para sua inaplicabilidade. Ao meu ver, os motivos para a concretização da referida súmula reforçaram-se ainda mais. Uma pessoa com mais de sessenta anos, por exemplo, com o avanço da medicina e das condições de saúde e alimentação, tem pleno discernimento de todas as obrigações que se submeterá ao contrair um matrimônio. Uma pessoa sexagenária não pode ser tratada como desprovida de sanidade mental plena e ser constrangida em qualquer hipótese a casar-se sob um regime a ela imposto.

    Outro argumento favorável à manutenção da eficácia da súmula 377 se dá quando se observa a redação do artigo 1647 do Código Civil vigente: “Estipulada a separação de bens, estes permanecerão sob a administração exclusiva de cada um dos cônjuges, que os poderá livremente alienar ou gravar de ônus real”. Uma simples leitura do artigo acima nos leva a entender que esta premissa se dá somente no regime da separação convencional de bens. O regime da separação legal não é “estipulado”, mas imposto a todos a ele sujeitos, desprovido de qualquer manifestação de vontade.

    Por fim, salientamos que ao estabelecer que na separação obrigatória de bens comunicam-se os bens adquiridos na constância do casamento, o STF não deixou desamparadas as pessoas que poderiam ser prejudicadas por aquelas que contraírem matrimônio com inobservância das causas suspensivas da celebração do casamento, nem, muitos menos, desprotegeu os maiores de sessenta anos e os que dependerem, para casar, de suprimento judicial. A súmula é expressa no sentido de que somente aquilo que for adquirido na constância do casamento, partilha-se com o outro cônjuge. Ou seja, nada daquilo que pertencia à pessoa hipossuficiente antes do matrimônio comunicar-se-á com o outro e, sendo assim, a junção dos bens adquiridos na constância da sociedade conjugal tende somente a beneficiar a parte resguardada pela imposição do regime da separação obrigatória de bens.

    Fonte:http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=4929
  3. Helena Souza
    28/08/2011 23:12

    Muito obrigada, foi muito útil a sua exposição!
    O Dr.sabe de alguns julgados e jurisprudência neste sentido?
  4. Adv. Antonio Gomes
    28/08/2011 23:27

    Vários, por outro lado, sem tempo e/ou disposição para efetuar a referida pesquisa.

    Boa sorte,

    Att.

    Adv.Antonio Gomes
  5. somia
    11/01/2013 15:43

    Gostaria de me corresponder com Helena Souza pois temos historia parecida , aguardo contatos
  6. somia
    11/01/2013 16:37

    Gostaria de expor minha historia e receber esclarecimentos . Em 2008 conheci um viuvo e fomos morar juntos; apos um ano nos casamos com separação obrigatoria de bens como previa a lei pois sendo ele uma pessoa da justiça não poderia jamais ignorar a lei. Antes de nos casarmos ele fez inventario com os dois filhos. Eu vendi um carro e uma casa e compramos antes do casamento um terreno onde hoje temos uma casa. Apos o casamento adquirimos ourtos bens em nome dos dois. Apenas o ultimo imovel ainda não tem documentos pois falta uma parcela a ser paga. E agora que fiquei viuva devo pagar sozinha? Os filhos querem que eu pague aluguel da casa ´é correto? Em meu caso deve se aplicar a sumula 377? Sou Meiera?
  7. dinahz
    11/01/2013 20:12

    Somia

    Pelo que entendi no seu relato, com base em algumas pesquisas sobre as decisões judiciais, você é meeira dos bens adquiridos na constância do casamento.
    Se não entrar em acordo com os herdeiros, entre na justiça.
  8. somia
    11/01/2013 22:52

    Ok dinahz obrigada pelo conselho pois nestes momentos a pessoa fica muito confusa.
  9. somia
    11/01/2013 23:21

    casamento com viuvo com mais de 60 anos precisa de pacto antinupcial?
  10. Thiago Silva.
    11/01/2013 23:50

    Somia, não existe obrigatoriedade para pacto antenupcial após os 60 anos.

    Unica obrigatoriedade que a lhe estabelece é quanto ao Regime de Bens para o Casamento sendo obrigatório o Regime de Separaão de Bens para pessoa maior de 70 anos de idade;
  11. somia
    12/01/2013 08:52

    Quem se casou em 2009 como é o meu caso era a partir de 60anos mas agora com a nova lei como fica , prevalecea lei vigente ?
  12. somia
    12/01/2013 09:53

    No meu caso que o casamento foi realizado em 2009, neste momento qual lei será aplicada para a divisão dos bena adquiridos durante o casamento a que vigorava na epoca ou a de agora que obrigatorio apos os 70 anos
  13. Thiago Silva.
    12/01/2013 10:21

    Quando se trata de Lei Civil, ela não retroage.

    Vale a Lei em vigor.
  14. somia
    12/01/2013 10:49

    Bom, neste caso acredito que será aplicada a sumula 377 ou não?
  15. Thiago Silva.
    12/01/2013 11:01

    Isto mesmo.

    Apesar de correntes contrárias, a Sumula 377 do STF está em vigor.

    Portanto, é um dever do juíz de instância inferior observá-la.
  16. Thiago Silva.
    12/01/2013 11:04

    Aconselho você a pegar um bom advogado com pulso e experiência.

    Pois terá muita briga e confusão na sua partilha.

    Te garanto isso.
  17. somia
    12/01/2013 15:14

    Gostaria de saber como foi resolvida a situação de Helena Souza por ser identica a miha
  18. alguem com duvidas em direito
    15/01/2013 00:36

    E como fica a situação dos filhos do primeiro casamento, no caso de homem divorciado que se casou com mais de 60 anos depois de viver varios anos maritalmente com a segunda esposa com quem teve dois filhos? O casal adquiriu apartamento em bairro nobre e terrenos que serao vendidos para pagamento das custas e impostos do processo.
    A viuva messmo casada em separação de bens é meeira e tem direito de moradia no apartamento que foi o unico bem que sobra depois da venda dos terrenos.
    Os filhos do primeiro casamento teriam o direito de pleitear suas partes em dinheiro, ou eles simplesmente tem que aceitar que estao a mercê da decisao da viuva?
    Como ficaria essa situação se os filhos do primeiro casamento não querem abrir mão do seu percentual no imovel.
    Trata-se de imovel cujo valor da tranquilamente para em caso de venda a viuva possa adquirir outro tao confortavel quanto o atual.
    Mas ela não quer fazer nada disso, nem quer vender o imovel e nem pagar em dinheiro a parte dos referidos herdeiros.
    A viuva é jovem, saudavel, e se for preciso aguardar a morte dela, para serem beneficiados isso nunca acontecera porque um desses filhos do primeiro casamento é portador de cancer, e provavelmente morrerá antes dela.
    Como se resolveria a questao onde ha dois direitos reais e diferentes se conflitando: o da viuva moratr no imovel e o dois herdeiros que dela não sao filhos de receberem sua parte?
  19. somia
    17/01/2013 19:45

    Me tire esta duvida: meu casamento é com separação obrigatoria.; com uma parte de um dinheiro de uma herança meu marido comprou os moveis para nossa casa. Agora com seu falecimento os filhos querem o dinheiro de volta; qual é o correto neste caso?
  20. somia
    31/01/2013 22:48

    Preciso de informação urgente


    Sou viuva de um civil aposentado como delegado. Gostaria de saber se tenho direito a pensão integral pois estou recebendo apenas a metade do que ele ganhava. Quando fui dar entrada no pedido da pensão fui informada que receberia um certo valor pois não teria descontos.

Participe do Fórum

Entre com seu cadastro do Jus Navigandi:

Esqueceu sua senha?

Não tem Facebook e quer participar do Fórum?

Faça perguntas, responda dúvidas e discuta assuntos jurídicos. É fácil e grátis!

JUS NAVIGANDI NAS REDES SOCIAIS