minha filha de 9 anos é obrigada a viajar com o pai ?

o pai da minha filha sempre q pegava ela deixava na casa da mae dele, nunca ficava com ela . e uma época ele e a mãe dele tomava conta dela no periodo da manhã antes dela ir para escola, mas eram inumeras discussões pois eles deixavam minha filha andar na rua sozinha com a prima que também é menor ( 10 anos na época)e minha filha tinha 7 anos apenas por isso comecei a proibir alguns passeios e não deixo ele viajar com ela. se eu entrar na justiça para requerer a pensão alimenticia , mediante esses fatos posso proibi-lo de passar as férias com ela ?

Respostas

28

  • mateus ad hoc

    mateus ad hoc

    O Pedido de Alimentos corre independentemente da questão das visitas.

    O Juiz só proíbe o pai e a mãe de passar férias alternadas com a menina se ficarem provados fatos graves que não recomendem esse tipo de contato mais prolongado.

    Se o juiz achar que o pai ou a mãe estão simplesmente querendo dificultar o contato do outro com a criança, sem razão justificável, vai é aumentar o período que o genitor prejudicado passa com a criança.

    Se o pai ou a mãe não tem contato suficiente com a menina, o juiz vai procurar aconselhar para que tenha mais contato.

  • Sebastião Leão

    Sebastião Leão

    Gostaria de saber, uma pessoa e separada do marido, a mãe da criança, ela resolve deichar seus filhos com o pai por algum tempo, passado este tempo ela vai busca-los e a atual esposa não os entrega. Neste caso o que devo faze.

  • Osvaldo Sergipe

    Osvaldo Sergipe

    Se ele nao entrou com acao na justiça requerendo a guarda judicial, entao a mae pode ir na justiça e pedir busca e apreensao, caso o pai se negue a entregar as crianças.
    Se o pai tem a guarda judicial, entao ela tem que entrar no forum e requerer a reversao de guarda. Se o pai nao entrou ainda com acao requerendo a guarda judicial, entao faça urgentemente e com pedido de tutela antecipada.

  • SRT08

    SRT08

    Oi Mateus !
    Acho que você não entendeu , ele deixa a filha andar na rua sozinha.
    Não deixar viajar por egoismo é uma coisa , não deixar por preservar a integridade fisica é outra.
    E tem outros fatos envolvidos , como por exemplo ele grita com a criança e diz que ela vai ter que ir queira ou não, e a criança entra em crise de nervos, chora e treme !!
    e tem o mesmos direitos desde que tenham as mesmas responsabilidades, na minha opinião os casos tem que ser analisados com mais cautela, quem sabe assim, crianças não seriam arremessadas pela janela, judiadas por madrasta , ou até mesmo mortas por pais que não querem pagar pensão...isso acontece é só assistir noticiário, em primeiro lugar só da mãe ter que ir ao juiz pedir que o pai dê uma vida digna ao filho , prova que o amor já não é tão grande...Claro que há casos em que pais são maravilhosos e as mães ruins, por isso digo que tem que ser muito bem analisado, porque crianças não são bobas elas sentem o ambiente em que vivem e sabem os pais que tem, principalmente quando o pai pensa em si somente e se sobrar tempo nela, é fácil dizer que as mães são culpadas quando sofrem tanto por acompanhar uma simples febre de um filho enquanto o pai que estava na balada se recusa a acordar cedo pra leva-la ao médico e a manda ir de ônibus !! Desculpe, mas é só uma opinião minha , de uma situação que milhares de familias passam .

  • mateus ad hoc

    mateus ad hoc

    Sim.

    Se um pai ou uma mãe proibir o outro de sair com o filho, pode até ser acusado de Alienação Parental.

    Se a acusação for grave e muito bem provada, esse pai ou essa mãe que proibiu pode até perder a guarda do filho para o outro.

    Acho que o que você deve fazer é entrar urgente com uma Ação de Regulamentação de Visitas, com advogado ou defensor público, pra que no fórum decidam se, quando e como ele poderá visitar a menina, e viajar com ela.

  • mateus ad hoc

    mateus ad hoc

    Você pode também, além disso, chamar o Conselho Tutelar (e a polícia!!) sempre que achar que alguém tá colocando a menina em situação de risco.

  • pappai

    pappai

    dependendo de onde vc mora (nao apenas cidade, mas bairro e etc), não é um problema muito grande andar na rua, perto de casa, com a prima de 10 anos.... aos 10 anso eu pegava onibus sozinha... hj acho isso inviável, mas poder andar e brincar na rua, não é uma monstruosidade....

  • SRT08

    SRT08

    pappai , em relação a sua resposta , deixar filhos menores sozinhos em casa , ou andar na rua é abandono de incapaz , não sou advogada mas acompanho as leis.
    vc não vê na t.v esses dias adolescentes de 17 anos foram presos em um baile funk e os pais estão respondendo processo por abandono de incapaz.
    cada um dá a educação que acha cabivel a seus filhos e eu não admito minha filha andar sozinha na rua pois ainda não sabe se defender , e o mundo hj não perdoa, pedofilia virou moda !

  • Elisete Almeida

    Elisete Almeida

    SRT08;

    Não lhe retiro a razão, com crianças todo cuidado é pouco, uma rápida distração é o suficiente para uma bela asneira e um grande susto.

    No entanto, o colega matheus, quis lhe alertar para o que pode ocorrer em Tribunal, isto é, se não ficar provado que o pai não age com a vigilância necessária, o juiz pode entender que a mãe está a tentar dificultar os contatos da criança com o pai e aumentar o período de convivência com este.

    Boa sorte!

    Cumprimentos

  • SRT08

    SRT08

    Olá Elisete !
    Obrigada pelo apoio , entendi o ponto de vista do Mateus sim, só quis explicar que outros pontos envolvem a situação que não é por egoísmo que não deixo, aliás , tenho vários e-mails para provar que sempre cobro a presença dele na vida dela.
    Abçs

  • Elisete Almeida

    Elisete Almeida

    pappai;

    Vou lhe contar uma historinha verídica: certa vez estava na casa de uma tia e o filho dela (meu primo) de 7 anos pediu para ir andar de bicicleta, ela deixou. Ora, eles moravam numa rua muito pacata, daquelas que começam no nada e terminam no menos ainda, passados alguns minutos escutamos um barulho de freio na rua e um monte de gente saiu a gritar, fomos lá ver o que passava e encontramos o meu primo preso por baixo do carro de uma senhora.

    É certo que não devemos prender as crianças numa redoma de vidro, porém, devemos sempre estar atentos, pois a vivacidade é muita e o juízo é pouco.

    Cumprimentos

  • pappai

    pappai

    se vc olhar bem minha primeira resposta, verá que falei que dependendo de onde morar, isso não é um problema tão grande...
    Me mudei de São Paulo exatamente para poder criar meus filhos mais soltos.... dependendo da cidade, muitas crianças (até mesmo de 7 anso) vão para a escola sozinha e, graças a Deus ainda podem brincar na rua e não ser preso embaixo das asas dos pais.....

    Em muitas cidades isso é inviável.... mas o que sei é que tem muita gente que faz regras para o pai poder estar com os filhos... e se nao fosse por deixar andar um pouco na rua, seria pq prende demais em casa e o torna excessivamente dependente.... cada caso é um caso....

    a questão que coloquei nesse ultimo post é: o pai não pode ficar com o filho SOMENTE da maneira e fazendo o que a ex acha certo... ele tb é o pai... e tb tem que achar certo.... Talvez sejam feitas muitas coisas q o pai nao concorda e acaba nem ficando sabendo, pq a justiça faz dos pais, pais de fim de semana... e nao conseguem participar da vida dos filhos....

    cada caso é um caso...

  • Elisete Almeida

    Elisete Almeida

    pappai;

    desculpa, talvez tenha me expressado mal. Eu me enquadro dentre as pessoas que defendem a guarda compartilhada e sou totalmente contra visitas quinzenais. Entendo que ambos os progenitores devem conviver o máximo possível com os filhos.

    Daí a dizer que "não é um problema muito grande andar na rua, perto de casa", discordo, já tive conhecimento de alguns acidentes por causa disto. Veja o ex. do meu priminho, morava num bairro no fim do mundo, onde nada acontecia, numa rua super calma. Acidentes acontecem, mas se pudermos evitá-los é melhor.

    Vou só lhe deixar mais uma historinha verídica: o filho de uma grande amiga, aos doze anos de idade, estava a retornar da escola junto dos amiguinhos, os meninos, no terminal de ônibus, estavam na galhofa e empurraram o filho desta amiga para frente de um ônibus em movimento. Sabe qual foi o resultado? Meia perna amputada.

    Volto a dizer, com criança todo o cuidado é pouco.

    Cumprimentos

  • pappai

    pappai

    eu tb acho que tem que ser cuidados.... mas não acho que tenham que ficar trancafiados em casa... acho que temos que criar os filhos para o mundo e prepara-los desde pequenos....
    esse seu ultimo exemplo... do menino de 12 anos.... então vc acha que um adolescente de 12 anos não pode andar nada sozinho??? aos 12 anos hj, eles já fumam, já bebem e já transam.... muitas mães permitem até de ir a festas e matines.... mas andar na rua não pode....
    isso não é zelo... isso é paranóia.... crianças podem cair do proprio apartamento e morrer (como ja foi visto diversas vezes por aí)... todos estamos susceptiveis a acidentes... inclusive as crianças....
    acho que o jeito não é trancafia-los em casa jogando video-game e computador.... e sim, ensina-los desde cedo a se cuidarem tb....

  • SRT08

    SRT08

    Na minha opinião não dá pra criar os filhos muito soltinhos hoje em dia não , principalmente porque as leis hoje estão mais na mídia, o pai do menino de 14 anos que atropelou a menina e matou de jet ski tbm devia pensar dessa forma, que devemos dar liberdade, mas dificilmente um adolescente sabe gozar de liberdade com responsabilidade ,jamais permitiria minha filha com 12 anos ir a uma festa a noite sozinha , trancafiar em casa não , mas até 18 anos ela é minha responsabilidade e deve satisfação de onde vai, com quem vai , o que vai fazer e a hora que volta com certeza saberei pois irei busca-lá nos lugares . Conhecer os amigos com quem anda e mante-los próximo e saber como são criados , chatice né....
    Um dia, quando os meus filhos forem crescidos o suficiente para entender a lógica que motiva pais e mães, eu hei de dizer-lhes: - Eu os amei o suficiente para ter-lhes perguntado aonde vão, com quem vão, e a que horas regressarão.

    - Eu os amei o suficiente para não ter ficado em silêncio, e fazer com que vocês soubessem que aquele novo amigo não era boa companhia.
    - Eu os amei o suficiente para fazê-los pagar os doces que tiraram do supermercado, ou revistas, do jornaleiro, e fazê-los dizer ao dono: "Nós tiramos isto ontem, e queríamos pagar".
    - Eu os amei o suficiente para ter ficado em pé, junto de vocês, duas horas, enquanto limpavam o quarto, tarefa que eu teria feito em 15 minutos.
    - Eu os amei o suficiente para deixá-los ver, além do amor que eu sentia por vocês, o meu desapontamento e também as lágrimas nos meus olhos.
    - Eu os amei o suficiente para deixá-los assumir a responsabilidade das suas ações, mesmo quando as penalidades eram tão duras que me partiam o coração.
    - Mais do que tudo, eu os amei o suficiente para lhes dizer NÃO, quando eu sabia que vocês poderiam me odiar por isso (e em alguns momentos até me odiaram).

    Essas eram as mais difíceis batalhas de todas.

    Estou contente, venci... Porque, no final, vocês venceram também! E qualquer dia, quando os meus netos forem crescidos o suficiente para entender a lógica que motiva pais e mães; quando eles perguntarem se os seus pais eram maus, os meus filhos vão lhes dizer:


    "Sim, os nossos pais eram maus. Eram os piores do mundo. As outras crianças comiam doces no café e nós só tínhamos que comer cereais, ovos, torradas. As outras crianças bebiam refrigerantes, comiam batatas fritas e sorvetes no almoço, e nós tínhamos que comer arroz, feijão, carne, legumes e frutas. Nossos pais tinham que saber quem eram os nossos amigos e o que nós fazíamos com eles.

    Insistiam em que lhes disséssemos com quem íamos sair, mesmo que demorássemos apenas uma hora ou menos. Nossos pais insistiam sempre conosco para que lhes disséssemos sempre a verdade, e apenas a verdade.

    E, quando éramos adolescentes, eles conseguiam até ler os nossos pensamentos. A nossa vida era mesmo chata!
    Nossos pais não deixavam os nossos amigos tocarem a buzina para que saíssemos; tinham que subir, bater à porta, para que os nossos pais os conhecessem.

    Enquanto todos podiam voltar tarde da noite, com 12 anos, tivemos que esperar pelo menos até os 16 para chegar um pouco mais tarde; e aqueles chatos levantavam para saber se a festa foi boa (só para verem como estávamos, ao voltar).

    Por causa dos nossos pais, nós perdemos imensas experiências na adolescência: nenhum de nós esteve envolvido com drogas, roubo, atos de vandalismo, violação de propriedade, nem fomos presos por crime algum.

    FOI TUDO POR CAUSA DOS NOSSOS PAIS!

    Agora, que já somos adultos, honestos e educados, estamos fazendo o melhor para sermos PAIS MAUS, como eles foram".

    EU ACHO QUE ESTE É UM DOS MALES DO MUNDO DE HOJE:

    NÃO HÁ PAIS MAUS O SUFICIENTE!


    Esse texto tirei da internet, traduz o que falta no mundo hoje em dia, liberdade demais confunde !!