Roubaram meu carro em fevereiro de 2012, com 50 prestações para pagar, tentei alguns acordos com a financeira mas não obtive exito, pois as prestações que devo e no valor de 684,00 e eles deixam o valor de 678,00, como minha esposa usava o carro para ir trabalhar ai ficou a prestação mais a passagem dos onibus, ja não tinha condições para tudo isso,agora ela foi dispensada do trabalho. A empresa que cuida do financiamento não mais entrou em contato, ,todos esse acontecidos estão me empedindo de trabalhar, pois presciso do nome limpo para trabalhar e manter minha casa com minha familia e honrar meus compromissos

Respostas

38

  • 0
    R

    Rodrigo Santos Domingo, 24 de junho de 2012, 10h43min

    Se o carnezão estiver no seu nome, impossível, meu caro, pois banco usa todos os recursos disponíveis, sem perdão.

  • 0
    E

    Eddu Domingo, 24 de junho de 2012, 10h48min

    Vou tentar uma audiencia, pois não me nego a pagar, mas que seja um valor que eu tenha condições

  • 0
    B

    Biodegradavel Domingo, 24 de junho de 2012, 17h33min

    Tese de responsabilidade governamental. Uma vez que o cidadao nao pode pagar o carro que comprou mesmo assinando um CONTRATO de que iria pagar, culpa-se o Estado e cobra-se dele tendo em vista a ingenuidade do dito cujo cidadao.

  • 0
    E

    Eddu Segunda, 25 de junho de 2012, 9h00min

    Quando comprei o carro nossa ideia era menos sacrificio para minha esposa trabalha r, sendo que o gasto com onibus e tempo ate chegar no trabalho era muito. Mas como disse no inicio acabamos ficando com a divida e tendo que pagar as passagens pois fomos furtado, levaram nosso carro, e tem mais, o B.O levou das 15 hrs até + ou= 22 hrs para ser feito na delegacia de Campinas, e acabamos indo fazer o B.O na cidade de Nova Odessa, Alem de ser furtado, ainda passamos por humilhações pelo nosso direito.

  • 0
    .

    .ISS Segunda, 25 de junho de 2012, 9h16min

    Um seguro teria resolvido tud, agor é chorar sobre leite derrramado.

  • 0
    S

    Sven Suspenso Segunda, 25 de junho de 2012, 10h17min

    Pois é, o seguro é pra isso. Só se anda sem seguro se tem condições de comprar um outro carro. Não há de se falar em responsabilidade governamental. O consulente foi negligente ao não contratar um seguro adequado.

  • 0
    D

    Dr. Antonio C. Paz -www.acpadv.adv.br Segunda, 25 de junho de 2012, 11h37min

    Verifique se no Contrato há cláusula cobrando seguro contra roubo em favor da financeira.

    Caso a compra do veículo foi feita através de LEASING, há solução.

    Veja a notícia que foi recentemente publicada na internet.


    Rio - A Justiça decidiu proibir a cobrança de leasing em casos de contratos rescindidos por causa de roubo, furto ou devolução amigável do automóvel. Com isso, está suspensa a cobrança de futuras prestações nessa modalidade de crédito no estado do Rio.

    A decisão partiu da 2ª Vara Empresarial, que suspendeu a cobrança de prestações a vencer em certos casos. As operadoras recorreram, mas a 16ª Câmara Civil do Tribunal de Justiça do Estado do Rio negou o pedido. A ação coletiva de consumo contra as empresas foi movida pela Comissão de Defesa do Consumidor da Alerj.

    Os contratos das operadoras preveem a obrigação do consumidor fazer um seguro em benefício da financeira. Dessa forma, em caso de roubo ou furto, as companhias recuperam o investimento feito na aquisição do veículo. Portanto, no entendimento da Justiça, nenhuma outra cobrança pode ser feita ao dono do veículo.

    “Operadoras de leasing querem continuar praticando cobrança abusiva, mas, no que depender de nós, não vão”, disse a presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da Alerj, Cidinha Campos.

    O leasing é uma forma de financiamento no qual operadoras cedem o bem , fazendo cobranças por prestações mensais até a quitação do bem.


    CONSUMIDOR — Ponto positivo para compradores que continuavam a ter que pagar, por contrato, leasing às operadoras mesmo após furto ou roubo ou devolução amigável do veículo.


    OPERADORAS — A cobrança é considerada “abusiva” por Cidinha Campos, da Alerj. Clientes precisavam continuar pagando prestações mensais por algo que não mais possuíam.

    Publicado na internet por Pablo Vallejos

  • 0
    E

    Eddu Terça, 26 de junho de 2012, 0h01min

    E seguro teria resolvido a falta de segurança que o estado nos da sem ter dinheiro para comprar outro em caso de roubo, mas fazer o que quando se lida com gente que se une para brigar por futebol e não pelo seus direitos.

  • 0
    E

    Eddu Terça, 26 de junho de 2012, 0h42min

    O valor do seguro tive que pagar em impostos, para minha saude e segurança.

  • 0
    L

    Laerte Silveira Terça, 26 de junho de 2012, 7h24min

    Caro Baixinho,

    Ey sei pelo que você está passando, é uma sensação de total impotência que aconteceu comigo também, só que bem pior pois meu carro roubado era meu sustento.

    Meu financiamento também foi pelo CDC e descobri depois que fui roubado que na verdade eu não tinha financiado um carro mas sim tomado um empréstimo no Banco Santander e a garantia de pagar esse empréstimo foi levado pelo ladrão.

    Mas fazendo várias pesquisas vi que a taxa de juros cobrada de nós é a mais alta do mundo, justamente para compensar essas situações de inadimplência.

    Como eu também precisava do meu nome, eu contratei um advogado de minha confiança que fez um processo muito criativo e de forma muito inteligente ele conseguiu uma liminar para o Banco tirar o nome do Serasa.

    Depois disso o processo durou mais 2 anos e acabamos fazendo um acordo com o banco onde eu paguei mais duas parcelas e tive o contrato quitado.

    Meu advogado infernizou o setor do Banco que autoriza os acordos até que conseguiu.

    Se não fosse a Justiça e o auxilio dele eu estaria perdido e com a dívida em meu nome por 5 anos, sem contar que ficaria recebendo as ligações dos insuportáveis escritórios de cobrança.

    Um grande abraço,

    Laerte Silveira
    laerte_silveira@ig.com.br

  • 0
    E

    Eddu Terça, 26 de junho de 2012, 15h24min

    Obrigado Sr. Laerte, procurarei um advogado que se interesse pelo causo

  • 0
    E

    Eddu Sábado, 14 de julho de 2012, 20h30min

    Olá, volto para dizer que isso a todos que recebi uma proposta da financeira, pois devo ainda 24 mil do meu carro roubado, eles me propõe que eu pague 51 parcelas de 731 reais, mais as custas do novo contrato, pedi para mandarem um email desta proposta indecente, eles me falaram que não tem acesso a email, dá para acreditar|

  • 0
    .

    .ISS Domingo, 15 de julho de 2012, 10h30min

    Por mais que vc acredite que a proposta seja indecente uma coisa é certa o valor do finaciamento que vc fez terá que ser pago, a Financeira não tem culpa po vc ter o carro furtado.

  • 0
    E

    Eddu Domingo, 15 de julho de 2012, 19h49min

    Realmente, a culpa foi pela falta de segurança da qual pagamos impostos para ter, mas pesquisei, tem a questão dos juros abusivos que já existia, e agora estão aumentando o valor da divida, e cobrando taxas e custas para um novo contrato de refinanciamento.

  • 0
    N

    Novo Advogado Duque de Caxias/RJ Sexta, 27 de julho de 2012, 11h46min

    alhenfer,

    Um tese que demonstre a responsabilidade do Estado em pagar as prestações do carro uma vez que a segurança pública falhou, ocasionando o roubo do carro.
    Devido o carro ter sido roubado justamente pela falta de segurança pública (que é dever do Estado), o Estado deve ser responsabilizado por isso.

    Agora, tem que desenvolver com mais profundidade de argumentos jurídicos.

  • 0
    M

    Marsh Simpson Sexta, 27 de julho de 2012, 13h15min

    seria ótimo HVG, pois nos falta segurança mesmo, e hj em dia é dificil pagar prestação de carro, licenciamento, ipva, seguro obrigatório + manutenção e combustivel e ainda ter que pagar caríssimo pelo seguro.

  • 0
    .

    .ISS Sexta, 27 de julho de 2012, 13h47min

    Já tentaram essa tese e nunca foi aceita, duvido que um dia será.

Receba os artigos do Jus no seu e-mail

Encontre um advogado na sua região