Ir direto ao conteúdo

Redes Sociais do Jus Navigandi

  1. Luciele
    15/08/2012 14:06

    Recentemente me separei do meu namorado o qual tenho um filho de 1 ano e 7 meses. Ele voltou com sua primeira esposa e tem me solicitado constantemente para levar nosso filho para passar o dia na nova casa dele. Não gostaria que a atual esposa tivesse contato com o meu filho por diversos motivos, mas também não posso afastá-lo do pai. Já deixei claro que ele pode vir em casa visitar o filho o dia e hora que ele quiser, desde que não fique na presença dela. Minha dúvida é. Se eu ou mesmo ele colocar esse caso na Justiça, a Juiza poderá determinar que ele pegue meu filho a cada 15 dias com direito a PERNOITE, ou vai depender muito da avaliação da Juiza. Existe uma idade mínima para que o Pai tenha direito em dormir com a criança? Ele ainda mama, não está habituado com pessoas estranhas. Sei que cada caso é um caso, mas qual a possibilidade de eu conseguir que essas visitas ocorram apenas na minha casa ou na casa dos avós (pais deles)?
  2. Miles Edgeworth
    15/08/2012 14:10

    As possibilidades são de 50% para que você consiga o que deseja e 50% para que não. Mas uma coisa eu digo, em algum momento essa criança irá pernoitar com o pai, e com a nova companheira dele. Você não poderá impedir isso pra sempre.
  3. Luciele
    15/08/2012 14:30

    Eu tenho consciência de que mais cedo ou mais tarde isso irá acontecer, por este motivo que questiono se existe uma idade limite para isso. Gostaria que ele dormisse com o Pai a partir do momento que ele já soubesse verbalizar as coisas que possam ocorrer, do tipo: hoje fiz isso, comi isso, isso me traria muito mais segurança, com uns 3 a 4 anos.
  4. Edic
    15/08/2012 18:44

    NO MOMENTO, se o caso for levado à justiça, as visitas provavelmente serão na sua casa, visto que a criança mama no peito, mas cada caso é um caso. No entanto, vá se preparando pois logo, logo ele vai poder sim levar a criança para a casa dele inclusive com pernoite e desta forma não há como vc impedir a criança de conviver com a atual dele ou qualquer outra pessoa do meio dele, a não ser que vc PROVE que a pessoa em questão ameaça a integridade física e pscológica da criança, pois é um direito do pai e sobre tudo da criança . Não há idade mínima para isso, pois cada caso é um caso, mas digamos que no seu caso, ali pelos 2 anos ou 2,5 anos a criança já poderia ao menos passar o dia com pai sem a sua supervisão, mas como eu disse antes, cada caso é um caso.

    Um abraço
  5. Luciele
    16/08/2012 11:15

    Obrigada Edic por suas orientações. Pode parecer despeito da minha parte por ele estar com outra mulher, mas a questão é bem mais abrangente. Até acredito que ela não seria capaz de fazer nenhum mal ao meu filho, mas baseado na criação que ela deu para seu próprio filho, tenho receio que não terá os mesmos cuidados com o meu, quando ele estiver lá, afinal meu filho sempre será o filho da outra! Abraços.
  6. LMR dúvida
    16/08/2012 11:49

    Pq pessoas que separam , não conseguem aceitar a tal situação da separação , eu vivo um caso parecido, mas minha atual situação é que sou a nova esposa , tenho um filho de 6 anos que chama meu marido de pai ( pois o bilogico não aceitou a separação e sumiu), e meu marido tem uma menina de 4 anos, a mãe dela fez como essa mulher , de tudo para separar ela de mim, na realidade isso é medo , medo de que o filho goste da nova esposa do pai, isso é ridiculo , o q importa é o bem estar da criança , pai e mãe serão sempre , pq a nova esposa não pode ser uma amiga , eu sou , o medo da ex do meu marido se concretizou , a filha dela prefere a minha casa , pq será? eu nunca falo mal da mãe dela, a respeito e faço que tenha os mesmos direitos e obrigações que meu filho, não fazemos diferença , o q um tem o outro tem tbm............vá viver sua vida , não atrapalhe a vida do seu filho , vc sempre será a mãe dele....mas nada impede que ele sinta carinho por esta nova pessoa.
  7. MSF F
    16/08/2012 13:56

    Bem isso LMR dúvida.
    Sou casada a 3 anos, meu esposo tem uma ex, e com ela uma filha de 3 anos e oito meses, já comi o pão que o diabo amaçou por causa dela( a ex ).
    Nosso casamento já começou tumultuado, ela não aceitava que ele visse a filha, ele sempre pagou pensão, e ajudava em tudo que ela precisava, tinha as visitas regulamentadas judicialmente, mais ela nunca aceitava ele levar a filha, botava condições, não aceitava que ela fosse na minha casa, não queria ela perto de mim, e só aceitava as visitas se ela estivesse junto. Sempre usou a nenem pra tudo, até na minha dieta, que tbm tenho uma nenem de 1 ano e 7 meses, ela usou a nenem pra me atingir, achava que tinha o poder, e que podia fazer tudo o que quisesse, e que nós eramos obrigados a aceitar. Tudo que precisava mandava buscar na minha casa. E quando chegava os fds de buscarmos a pequena pra ficar em casa ela simplesmente sumia com a menina. Resultado:
    Ela foi viver com um cara, e um belo de um dia ele bêbado, agrediu a criança, deixando hematomas do rosto dela, e a ela (a mãe), tentou esconder, só ficamos sabendo porque parentes dela ligaram contando. Ao chegarmos lá com o conselho tutelar, ela tinha escondido o marido e a criança, pra que não fossem vistas as marcas no rostinho dela.
    Meus esposo então fez o que a muito tempo tinha vontade de fazer, entrou com pedido de guarda, foi uma luta muito difícil, e hj faz 1 ano que a nenem vive com a gente, crio ela como minha filha, amo ela, tudo o que faço por uma , faço pela outra tbm, ela me chama de mãe, e não quer nem ouvir falar em voltar a morar com a mãe, e ela ficou com o direito de visita, mais não pode nem sequer pensar em levar na casa dela, enfim conseguimos paz.Cuidado mães, em acharem que tem poderes absolutos sobre seus filhos, vcs tem que pensar que pai tbm ama incondicionalmente, e querem o bem de seus filhos.
    Parem de achar que toda madrasta, será a madrasta do caso Nardoni, madrastas tbm são mães., e existem muitas mães que não chegam aos pés de uma madrasta.
  8. LMR dúvida
    16/08/2012 14:11

    concordo com vc MSF F
    parabéns pela sua atitude
    o mais importante é o bem estar da criança
    sempre.......
  9. Luciele
    28/08/2012 14:05

    Cara amigas, LMR dúvida e MSF F, vocês estão fazendo um Pré-Julgamento sobre minha pessoa, principalmente porque se encontram na outra posição. Quando meu namorado estava separado da atual, após muita relutância, a atual autorizou que a menina convivesse comigo também, e assim tive a oportunidade de observar a maneira com que ela era cuidada. E é justamente com base nas minhas observações, que reluto em mandar meu filho para lá. Essa filha do casal todas as vezes que esteve comigo (dentro da casa dos avós), pois ela não permitia que fosse na minha casa, encontrava-se com roupa encardida, mal vestida, cabelo despenteado. Ela tem um cabelinho bem crespo, o que requer cuidados especiais e a mãe por preguiça nunca cuidou. Na hora do almoço a menina queria comer sentada no chão, colocavam a comida dentro de uma bacia plástica com tudo misturado (arroz, alface, farofa) e lá ela almoçava sentada no chão, parecendo um animalzinho. Com 3 anos de idade ela corre pelo quintal com um espeto de carne na mão. Com apenas seus 3 anos de idade, na hora do banho, o pai dava um sabonete na mão dela, abria o chuveiro e ordenava que ela tomasse banho, isso tudo sozinha. Ela andava com uma mamadeira de café com leite (fria) pra cima e pra baixo e alternava com um copo de coca cola, ou seja, sem nenhum limite, nenhum referencial. Chegou a se queixar para o pai que estava com incômodo nas partes genitais e ao examina-la superficialmente verifiquei que havia algumas bolinhas. Cansei de presenciar ela no banheiro e ao sair não realizar a higiene corretamente. Ai eu me pergunto? Se com a filha, sangue do sangue, a atenção e o tratamento dado é dessa forma, imagine como será com o filho da outra? Será que existirá realmente um cuidado especial? Uma preocupação se a fralda está cheia, se a criança está com fome, frio? Aí vocês dirão, mas peraí, isso são mal tratos, basta provar para a Juíza que o casal fere a integridade física da criança e que você necessita de visitas supervisionadas. De que forma farei isso, se a garota já se acostumou assim, todos os envolvidos acham absolutamente normal esse comportamento e ainda jogam na minha cara que isso a torna uma criança independente? Não quero esse tipo de independência ao meu filho, quero que ele tenha uma educação simples e digna, com limites e qualidade de vida. Não julgue o livro pela capa, estou bem longe de evitar o contato do meu filho com ela por motivos pessoais e sim por não querer que ele viva essa experiência tão triste e que não posso mudar. Esse é o motivo maior do meu desespero em imaginar que meu bebê, tão bem cuidado, com horários para mamar, comer, dormir, brincar possa passar enquanto estiver lá.
  10. Luciele
    28/08/2012 14:06 | editado

    ...
  11. MSF F
    28/08/2012 15:37

    Luciele

    Não quis te julgar, sei que cada caso é um caso, só quis te mostrar que nem todas as madrastas são ruins, e que por mais que vc consiga adiar, um hora seu filho vai conviver com ela.
    No seu caso vejo que vc é uma mãe muito dedicada e zelosa, mais se o pai entrar na justiça, ele vai acabar conseguindo o direito de ter pernoite com o filho, meu esposo tinha, ele pegava toda quarta, durante 2 horas, todos os domingos, e a cada 15 dias ele pegava no sábado pra posar e só devolvia no domingo a tarde, e era um acordo judicial.
    Pode ser que vc consiga evitar as pernoites por algum tempo, devido ainda amamentar seu filho, mais te digo que mais cedo ou mais tarde isso vai acontecer.
    E quanto aos "cuidados" que vc relatou, vai ter que confiar no pai da criança, porque se ele ama o filho e quer telo por perto, vai ter que cuidar muito bem, caso contrário poderá perder o direito de levar o filho pra casa dele.
    Ele tem o direito de conviver com o filho, e o filho tbm tem esse direito, e quanto mais cedo eles começarem a ter essa convivência melhor.
    E quanto a vc querer que ele visite só na sua residência, sob seus olhares, vou te afirmar que isso causa muito mais problemas, do que vc permitir que ele leve o filho.
    É claro que a atual esposa não vai se sentir confortável com a situação de que ele toda vez que quiser ver o filho tenha que ir na sua casa, e ficar lá na sua presença, a ex do meu marido exigia isso no começo, e depois saia falando pras pessoas que ele ia lá pra ver ela, que ficava cantando ela, tudo conversa, aí passei a ir com ele nas visitas, vc acha que ela gostou?? claro que não, ela ainda gostava dele, era esse o problema, a rua era publica, ele tinha o direito de visita, pegava a filha e a gente ficava alguns minutos com ela ali na rua, brincando, conversando com ela, e a mãe com cara de mal amada no portão. Legal isso??? claro que não né, mais pior seria ela ficar se achando, e espalhando pra Deus e o mundo que ele ia lá pra ver ela. Com o tempo ela arrumou um namorado, e começou a aceitar que ele levasse a nenem pra casa.
    E te digo mais, seu filho tem uma irmã, não acha justo que ele possa conviver com ela?? são irmãos, vc aceitando isso ou não.
    Espero que vcs entrem num acordo, pense em permitir que ele passe pelo menos um domingo com o filho a casa 15 dias.
  12. Jade Souza
    Este usuário conecta-se ao Fórum usando uma conta do Facebook. Veja como fazer isso.
    28/08/2012 15:47

    MSF e LMR deviamos fazer um blog das madrasta boas.... rsrs
  13. LMR dúvida
    28/08/2012 16:32

    eu estou na luta pela minha ruivinha, amo tanto quanto amo meu filho de sangue.
    acabou o relacionamento ambos tem o direito de recomeçar , mas nunca deixarão de seremos pais , quem ganha com tudo isso são os pequenos.........
  14. SIRLEI DO CARMO
    28/08/2012 17:34

    Faça igual minha tia , alegou que a madrasta era ruim, louca que maltratava a criança e que ela tinha medo de deixar a criança perto da tal , minha tia exigiu uma assistente social durante as visitas, e que a tal nao fosse junto o meu tio , nunca levou minha prima para a casa dele . Sei que é uma forma errada de agir mais , enquanto vc estiver se sentindo assim melhor fazer igual minha tia .Pois chegara a hora que vc vai se sentir melhor e deixará o filho passear com o pai , pois acredito que conhecera outra pessoa .

    Eu mesma tenho um filho , o pai so paga a pensao e nem visita o filho , tem dias que eu quero sair e nao posso pq meu filho precisa ir para a escola , ou esta doente, as vezes penso que precisaria de um tempo so para mim mesma , e nao posso telo pq meu filho so tem a mim . Amo meu filho , e entendo que sou a unica pessoa que realmente se importa com ele , pois o pai deposita a pensao por medo de alguma açao judicial , mais nao se importa com o filho ! Estou abdicando de minha vida sentimental ,e social por ele ! Ele so tem a mim ... Entao pense nisso e boa sorte .
  15. Material Enem
    Este usuário conecta-se ao Fórum usando uma conta do Facebook. Veja como fazer isso.
    28/08/2012 18:10

    Olá, Boa noite

    Minha vizinha está passando por um problema: Ele tinha a pensão do seu marido, era funcionário da marinha, que era dividade com uma jovem fruto de um concubinato. Após essa jovem ficar maior de idade e ter deixado de receber o a pensão, a mulher que recebia parte da pensão deveria receber o valor integral ?
    Isso já faz quase 2 anos e a viúva não recebe o valor integral da pensão.

    Grato,

    Filipe Cipriano
  16. Pai Desempregado
    29/08/2012 11:58

    Jade Souza, MSF e LMR

    Vou falar co minha esposa pra entrar nessa tbm

    rssrs

Participe do Fórum

Entre com seu cadastro do Jus Navigandi:

Esqueceu sua senha?

Não tem Facebook e quer participar do Fórum?

Faça perguntas, responda dúvidas e discuta assuntos jurídicos. É fácil e grátis!

JUS NAVIGANDI NAS REDES SOCIAIS