Ir direto ao conteúdo

Redes Sociais do Jus Navigandi

  1. ro73
    25/04/2013 23:59

    Não quero que o pai reconheça minha filha,dou obrigada e fazer o teste?
    Quando ela nasceu tive que registra-la só no meu nome, por isso assinei um termo no cartorio mesmo.Tive que ir ao forum dizer quem era o pai.Agora depois de 1 ano fui chamada pr ir conversar com o juiz.Sou obrigada a fazer o teste?
    Sendo que ele nunca me ajudou em nada e agora tem outra companheira.Tenho medo que a companheira dele faça algo ruim, já que passou umas mensagens.
    Sei que a partir do momento que ele registra tem direito a pegar, e não quero isso.O que devo fazer?
  2. Arnaldo Sales Jr
    26/04/2013 00:09

    Você pode recusar o exame de DNA mas isto contará como prova a favor do pai. O melhor é permitir o teste e resolver a questão definitivamente.

    Quanto à guarda, as mudanças não serão automáticas. Se você tem receios fundamentados, converse com um advogado e mostre as mensagens.
  3. ALGO+
    26/04/2013 00:32

    Sugiro também que vc peça o acompanhamento do Conselho Tutelar.
  4. ro73
    26/04/2013 23:14

    Obrigada pelas informações, mas queria deixar um recado que procurei esse site para tirar as duvidas sb a minha questão e não para saber que não sou dona da minha filha.Sou sim a dona da minha filha, afinal de contas ela ta só no meu nome e ainda e de menor e não sabe responder por ela, e se o pai dela quisesse assumir ele ja teria feito isso sem fzr o teste.E dzr que só quem sabe da temperatura da panela sou eu. E mt facil chegar e dizer que ele e o pai e tem direito, mais quem passou por todas as dificuldades foi eu;
  5. eppp
    27/04/2013 01:01

    ro,

    Não sou advogado, ok?

    Olha, pense como quiser, só não vá falar para o juiz que vc é a dona da sua filha. É a pior frase que vc pode escolher.

    Pq vc acha que a justiça está se mexendo? Não é por sua causa e nem por causa do pai. É para garantir o direito da sua filha a ter um pai. E somos todos nós que pagamos imposto que estamos pagando isso.

    Lembre-se: para a justiça, esse é um direito da sua filha, é com o bem-estar dela que eles estão preocupados. Você pode preferir que ela não tenha um pai na certidão, mas a justiça prefere que tenha. E a sjutiça tem meios para fazer o que quer.

    Eu não sei como funcionam esses processos de reconhecimento na prática (não foi vc que inicio o processo, certo?) Eles acontecem automaticamente, mas não sei como funcionam. Depois poste aqui o desenrolar, gostaria de saber o que acontece na prática com esses processos.

    De qq forma, isso ainda vai demorar um belo tempo...
  6. O pensador
    27/04/2013 09:01

    "ro73
    26/04/2013 23:14
    Obrigada pelas informações, mas queria deixar um recado que procurei esse site para tirar as duvidas sb a minha questão e não para saber que não sou dona da minha filha.Sou sim a dona da minha filha, afinal de contas ela ta só no meu nome e ainda e de menor e não sabe responder por ela, e se o pai dela quisesse assumir ele ja teria feito isso sem fzr o teste.E dzr que só quem sabe da temperatura da panela sou eu. E mt facil chegar e dizer que ele e o pai e tem direito, mais quem passou por todas as dificuldades foi eu;"

    Ah tá. A Sra. então é DONA da sua filha, como se sua filha fosse um bem e a Sra. a proprietária.

    Ah tá. Ela está em seu nome, assim como um carro ou uma casa.

    Que eu saiba é o nome da Sra. que consta na certidão de nascimento de sua filha e, para esclarecer devo dizer que a paternidade ou maternidade é fato jurídico independente de um acordo de vontades e sim decorrente de situação de fato.

    Sua ótica acerca da maternidade está completamente equivocada, sua filha não é objeto e sim sujeito de direito.

    É direito de sua filha poder conviver com o pai. Negar isso tem um nome: alienação parental.

    Sua vontade é insignificante neste caso. Prevalece o direito e o interesse da criança.
  7. Hedon
    27/04/2013 09:48

    Pelo menos essa não foi dissimulada, foi direta. No meu entender, pior são aquelas que fazem todo um discurso pela criança, mas no fundo só pensam nelas, se sentem proprietárias dos filhos mas fingem que querem o melhor pra criança.
  8. GLC
    27/04/2013 12:02 | editado

    Não é a sua vontade que prevalece senhora, mas sim da Justiça, através da LEI Nº 8.560, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1992. e do Provimento nº 16 do Conselho Nacional de Justiça ( Pai presente) que estabelece que as instituições de ensino indique qual o aluno não tenha o nome do pai ao Juiz, inclusive o o próprio cartório pede o nome do pai quando a mãe vai registrar para levar ao Juiz, daí a mãe é convidada para dizer quem é o nome do pai biológico, pois é um direito da criança em figurar o nome do pai no Registro de Nascimento, quer queira ou não é sua obrigação indicar o verdadeiro nome do pai.
  9. ro73
    27/04/2013 22:45 | editado

    [...] Sei que ele e o pai sim, mais por tras disso vem uma companheira dele louca que pode tentar qlqr coisa contra minha filha.Vc deixaria sua filha(o) por conta de uma pessoa assim? Sendo que hj nos jornais só vemos violências de pais e filhos.Imagina que não e nem do sangue...
  10. ro73
    27/04/2013 22:52

    Não sei se foi um deboche HEDON, mais estou priorizando o bem estar da minha filha, que sei que ao meu lado ela esta mais segura.Até que tenha uma idade para se defender das pessoas que estão tão sem amor ao próximo.Não quero me aproveitar de tirar dinheiro dele,pois sou capaz de sustentar ela sozinha,quanto ao nome ir para a certidão e o minimo, pior e entregar ema vida na mão dele sabendo que não sei o que pode acontecer com ela.Não por ela mais sim pela companheira.
  11. ro73
    27/04/2013 22:56

    Quanto ao GLC, foi sim o cartorio que mandou eu indicar o nome do pai, fiz a minha parte vou ser chamada em breve, mais o que eu puder fazer para prorrogar essa situação eu vou fazer para não precisar entrega-la em 15 e 15 dias como manda a lei...Até pq eu não vou esconder a ela quem e o pai, só não acho que uma criança de 1 ano e quatro meses não pode responder por ela.
  12. ro73
    27/04/2013 23:01

    Sei que as palavras DONA ficou mt forte...Mais FOI um modo de falar que eu que faço parte da rotina dela,que estava e estou do lado dela todos os dias, com choros e sorrisos, não o pai...Se ele quisesse ser o dono ou fzr parte disso teria registrado.Que não aconteceu por conta de sua companheira que fez a cabeça dele e o trouxe preferiu isso...Agora me fala que PAI É ESSE???
  13. Renato Casado
    29/04/2013 10:57

    Alguém consegue imaginar uma pessoa se dizendo vítima do sistema e que por conta disto resolveu furtar um carro? Uma pessoa falando em discriminar negros? Uma pessoa falando em comprar e não pagar? Não consigo imaginar alguém buscando meios de conseguir este tipo de coisa, mas, tristemente vejo as pessoas falando em não deixar o filho ter pai como se isto fosse algo a ser sequer ser pensado.

    Quando vai chegar o dia em que as pessoas terão vergonha de falar um absurdo como este? Onde está a moderação nestes casos? Se há regras morais a serem observadas neste foro porque uma proposta de retirar do filho o direito de ter pai não vista como algo que afronte?
  14. Ananana
    29/04/2013 11:18

    "Quando vai chegar o dia em que as pessoas terão vergonha de falar um absurdo como este?"

    Quando homens serem pais de verdade.

    "Onde está a moderação nestes casos?"

    A moderação está no bem estar da criança, que possui o direito de ser amada e não de ser obrigada a estar com quem não possui real interesse nela.

    "Se há regras morais a serem observadas neste foro porque uma proposta de retirar do filho o direito de ter pai não vista como algo que afronte?"

    Se há regras morais a serem observadas não haveriam discussões sobre pensão, sobre atenção, sobre descaso dos pais perante os filhos que colocaram no mundo.
  15. Renato Casado
    29/04/2013 11:34

    Ananana,

    "Quando homens serem pais de verdade."

    Eu poderia citar milhares de exemplos de mulheres que levam as filhas pra prostituição, citar os milhares de casos sobre a alienação parental praticados em sua esmagadora maioria pelas mulheres, mas, se o fizesse entraria no seu jogo de transformar isto em uma briga de sexos. Uma briga suja e asquerosa que é feita por pessoas que tiveram experiências pessoais com seus ex parceiros e tentam separar o mundo entre homens e mulheres bons e homens e mulheres ruins.

    Não defendo homens nem mulheres, defendo o direito sagrado de uma criança ter um pai, na verdade ter O pai. Sim, aquele que a mulher escolheu ao se deitar com ele. Este, bom ou ruim é o pai dela e é ele que ela deve ter como pai. Pais não são produtos de supermercados em que escolhemos o melhor e pronto, esta oportunidade já tivemos antes de conceber a criança.

    "Ah, mas o pai é traficante, é drogado, não visita.... etc, etc, e etc".

    É este o pai que a mãe decidiu dar pra criança e agora, querer trocá-lo é vigarice. Vigarice com a própria criança que será privada de saber seu passado biológico. Amamos nosso filhos com os seus defeitos e não os trocamos caso se debandem para algo ruim e o raciocínio é o mesmo com pai e mãe. Queremos o nosso e não a atriz da globo, a ministra do stj, a cantora famosa, amamos o nosso.

    São milhares os casos em que adultos buscam pelo pai que lhes foi tirado quando ainda crianças. O que quem defende este absurdo precisa entender é que a vontade deles jamais mudará a vida real. Afastar pais e mães dos filhos só lhes trará dor.

    Esta é uma vontade exclusiva da mãe ou do pai que afasta. Nunca uma criança vai querer ficar sem o pai dela, mesmo que ele seja bandido. Não fosse assim, os presídios não estariam cheios de crianças em dias de visita.

    Para mulheres que odeiam os homens (esta raça ruim que você diz), vivam suas vidas rodeadas de mulheres, mas os filhos, querem os pais deles e ainda que, agora que é indefeso consigam afastá-los o reencontro é fato certo e este reencontro só irá remoer muita coisa ruim que a mãe acabou por fazer ao criar esta situação.
  16. eppp
    29/04/2013 11:38

    ro,

    Se vc não e um advogado não precisa se participar da conversa.

    OK, obrigado pela educação. Mas mesmo assim vou insistir: vc fez uma pergunta jurídica e ACHA que está recebendo respostas morais. Seja mais inteligente que isso e tire alguma coisa dessas respostas. Eu não sou advogado, mas aqui tem advogado muito bom.

    Tentando de novo: se vc falar para o juiz que vc é dona da sua filha, o juiz vai pensar mais ou menos o que o pessoal está falando aqui. Por educação, ele não vai responder no mesmo nível, mas vai agir.

    Então, tentando de novo te dar um conselho jurídico: o melhor que vc faz é procurar um advogado, confiar nele e seguir as instruções dele. Se for caro e vc quiser ir sozinha, NÃO FALE PRA O JUIZ QUE VC É DONA DO SEU FILHO. Escravos que tinham dono. Mude a postura ou o juiz vai pensar o que o pessoal está escrevendo aqui.

    Sorte sua que aparentemente o pai não quer a guarda da menina; quando vc fala assim, dá uma bela chance para ele alegar alienação parental e pedir a guarda.
  17. Renato Casado
    29/04/2013 11:57

    FJ,

    Pesquisei os posts na Anana e descobri que ela tem um filho que não vê o pai sempre, que ela tem um novo companheiro e que o filho o tem como pai. Se conclui com isto que ela tem uma causa debaixo do braço e claro, opina de forma a garantir sua realidade. Não posso dizer que ela seja uma alienadora, só um processo sério analisando os fatos o fariam, mas poso concluir que ela, por ter uma experiência ruim com um homem sempre se posiciona como se homens fossem maus e mulheres fossem vítimas deste ser do mal.

    Prefiro me posicionar sobre o que é melhor pra criança. Já me envolvi com mulheres que considero asquerosas e mulheres exemplares, isto é do jogo da vida, só não posso transformar isto em uma briga de sexos.

    Como você sabe tenho filhos, tenho a guarda compartilhada e tenho uma nova companheira que os ama muito, mas ela JAMAIS será a mãe deles. Acho que minha nova esposa é infinitamente melhor que a mãe deles, mas JAMAIS permitirei que a chamem de mãe, porque a Mãe deles é e sempre será a que os pariu.

    É um direito deles saber, conviver e ter por referência a mãe de verdade e não a que eu escolher. Teria um rio de argumentos para desqualificá-la, mas é inadmissível que alguém que ama seu filho de verdade imponha a ele uma ausência de pai ou de mãe. De todas as mazelas do ser humano a que mais me choca é a coragem que as pessoas têm de fazer com exatamente com aqueles que mais deveriam amar uma crueldade deste tamanho.

    Aqui no jus, na TV, em nossa vida social, todos os dias vemos adultos buscando seus pais, querendo saber quem são, querendo conviver com eles. O Filme a morte inventada é um soco no estômago desta gente e é impressionante como eles seguem fazendo isto.

    Posam de gente boa, que querem somente o bem pro filho, mas na verdade estão despejando todo seu rancor com aquele que não deu certo como marido. As frases são escancaradamente rancorosas e elas nem se dão conta disto. Colocam este ódio do ex por cima do amor que tem pelos filhos. SE há crime maior, desconheço.
  18. ananathalia
    29/04/2013 13:09

    Vou falar com vc de mãe pra mãe: eu entendo que vc tenha medo, afinal casos como o da isabela nardoni nao deixa negar o que madastras podem fazer com enteados e se ela mandou mensagens te ameaçando pior ainda, mas, ele tem direitos infelizmente, nem que ele chegasse a requerer isso quando seu filho tivesse uns 10 anos, o juiz vai da o direito pra ele de ter guarda compartilhada, ou a visitas, ou ele passar na casa dele, e se vc agir assim perante o juiz é capaz de perder a guarda, se vc se recusar fazer o dna, o juiz pode expedir um mandato dai vc tem que fazer se nao vai presa... e a sua filha, como nao pode responder por ela eh o juiz q responde, nao tem nada que vc possa fazer.
  19. eppp
    29/04/2013 14:10

    ananathalia, uma correção: entendo que o juiz não pode obrigá-la a fazer o exame, mas pode considerar o exame como positivo caso ela recuse.
  20. Boadrasta 26
    29/04/2013 14:37

    ananathalia

    afinal casos como o da isabela nardoni nao deixa negar o que madastras podem fazer com enteados

    Não se pode generalizar! O caso da Isabela foi uma tremenda crueldade praticado por aqueles 2 monstros, mas isso não quer dizer que toda madrasta irá fazer a mesma coisa ou maltratar. Mesmo porque se você pesquisar vai encontrar muito mais casos de maus tratos cometidos por mães do que de madrastas. E o que mais se vê são mães dissimuladas que arranjam qualquer desculpa esfarrapada pra gerar um conflito, e sempre cai pra cima da mulher do cara, nunca vi

Participe do Fórum

Entre com seu cadastro do Jus Navigandi:

Esqueceu sua senha?

Não tem Facebook e quer participar do Fórum?

Faça perguntas, responda dúvidas e discuta assuntos jurídicos. É fácil e grátis!

JUS NAVIGANDI NAS REDES SOCIAIS