Ir direto ao conteúdo

Redes Sociais do Jus Navigandi

  1. Moacir Caravelas
    21/10/2013 21:08

    A presidenta Dilma Rousseff sancionou uma lei, que A partir de agora, no caso de um formando em medicina, por exemplo, o diploma deverá constar a palavra “médico”,mesmo vale para "engenheiro", "arquiteto", "biólogo", entre outras profissões.
    E quem se formou em direito, qual será a profissão?
    O bacharel só pode ser Advogado, se passar no Exame da OAB.
    Como fica quem se formou em direito e qual é a profissão que constará no diploma?
    Ainda segundo a lei, as pessoas já diplomadas poderão requerer das universidades a reemissão gratuita dos diplomas, com a devida correção, segundo regulamento do respectivo sistema de ensino só posso pedir esta correção só depois de ter passado no exame da OAB? alguém pode me esclarecer?
  2. dr. rdsang
    21/10/2013 21:51

    Qual a lei companheiro...?
  3. JezaBela
    21/10/2013 22:54

    Usuário suspenso

    Formado em Direito é Bacharel em Direito, para se denominar Advogado tem de passar pela OAB.
  4. Moacir Caravelas
    22/10/2013 17:42

    PUBLICADO EM 6 DE ABRIL

    Parece piada, mas juro é verdade. Neste governo, aliás, o que não tem faltado é verdade que parece piada. Espantado com a informação enviada pelo comentarista Marlon, fui conferir no Diário Oficial da União. E lá estava a Lei n° 12.605, de 3 de abril de 2012, que “Determina o emprego obrigatório da flexão de gênero para nomear profissão ou grau em diplomas. O texto diz o seguinte:

    A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

    Art. 1°. As instituições de ensino públicas e privadas expedirão diplomas e certificados com a flexão de gênero correspondente ao sexo da pessoa diplomada, ao designar a profissão e o grau obtido.

    Art. 2°. As pessoas já diplomadas poderão requerer das instituições referidas no art. 1o a reemissão gratuita dos diplomas, com a devida correção, segundo regulamento do respectivo sistema de ensino.

    Art. 3°. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

    Brasília, 3 de abril de 2012; 191o da Independência e 124o da República.

    DILMA ROUSSEFF
  5. Paulo dos Reis
    22/10/2013 17:56

    Acredito que a finalidade desta lei é evitar discriminações em relação ao sexo do formando.

    Por exemplo: para o homem seria: BACHAREL EM DIREITO; para mulher: BACHARELA EM DIREITO
  6. Moacir Caravelas
    22/10/2013 18:12

    Lei n° 12.605, de 3 de abril de 2012
  7. Sven
    22/10/2013 19:27

    Usuário suspenso

    Já leu a lei 12605? É exatamente o que Paulo falou. Não permite que quem estudou biologia é biólogo, continua bacharel, só que agora, já que temos presidenta, temos bacharela também.

    Sinceramente, se fosse mulher, não gostaria de ser chamado de bacharela.
  8. eppp
    22/10/2013 19:50

    Tem coisa q parece piada... preocupação besta... a palavra "presidente" é machista.

    E se eu, bissexual, me formar em medicina? Não admito ser chamado de médico nem de médica. Tem que ser "medic@". Ou "médico/a". Ou "médica/o".

    Cirurgia de mudança de sexo autoriza a reemissão do do diploma?
  9. Thiago Ferrari Turra
    Este usuário conecta-se ao Fórum usando uma conta do Facebook. Veja como fazer isso.
    23/10/2013 10:09 | editado

    É flexão de gênero como já disseram: bacharel em Direito e bacharela em Direito, licenciado em Letras e licenciada em Letras, etc.

    Não tem nada a ver com constar advogado(a)/médico (a), etc já desde logo no diploma, inclusive porque todas as profissões regulamentadas exigem inscrição no órgão de classe, para seu exercício.

    Att.

Participe do Fórum

Entre com seu cadastro do Jus Navigandi:

Esqueceu sua senha?

Não tem Facebook e quer participar do Fórum?

Faça perguntas, responda dúvidas e discuta assuntos jurídicos. É fácil e grátis!

JUS NAVIGANDI NAS REDES SOCIAIS