Ir direto ao conteúdo

Redes Sociais do Jus Navigandi

  1. Martha
    20/10/2004 12:14

    Em 2002 fiz uma procuração pública concedendo direitos irrevogáveis e irretratáveis para uma pessoa, para que essa me representasse em uma venda de um imóvel.Acontece que o imóvel não foi vendido e hoje já não tenho interesse na venda e muito menos que essa pessoa me represente. Como posso fazer para revogar essa procuração?
    Obrigada!

    Martha

  2. Carlos Abrão
    21/10/2004 17:51

    Prezada Martha,

    De forma geral, para anular uma procuração, deve-se fazer o mesmo procedimento utilizado para concedê-la.

    Para anular uma procuração pública, basta voltar ao cartório onde ela foi feita e revogá-la, creio que pagará a mesma taxa de sua abertura.

    É importante informar a pessoa a quem você "passou" aquela procuração dando-lhe ciência de que perdeu sua valida.

    Outra forma seria a judicial.

    Carlos Abrão.

  3. Martha
    22/10/2004 18:40

    Obrigada pela respostata Carlos, mas já estive no Cartório e o escrivão falou que só posso anular a procuração através de uma ordem judicial. Na verdade gostaria de saber como fazer isso e o embasamento legal.
    Obrigada!

  4. Carlos Abrão
    24/10/2004 13:44

    Prezada Martha,

    Você assinou a procuração à luz da lei 3.071/1916( antigo código civil).

    “Art. 1317. É irrevogável o mandato:

    I – quando se tiver convencionado que o mandante não possa revogá-lo, ou for em causa própria a procuração dada;”

    A procuração é em causa própria quando o mandante(você) cede ou transfere ao mandatário( seu procurador), irrevogavelmente, o direito de dono de certa coisa ou negócio, de que ele trata como próprio ou no seu interesse, agindo porém em nome do mandante.

    Seria como se tivesse vendido o imóvel para o mandatário.

    Parece-me que não é o caso.

    Conforme descrito em seu texto, os direitos são irrevogáveis e irretratáveis, ou seja, se o mandatário tivesse vendido o imóvel, seria um negócio perfeito, irrevogável e irretratável.

    Assim, entendo que não constando “procuração em causa própria” e que “a procuração é irrevogável”, você poderá revogá-la no próprio cartório onde a cedeu.

    Claro que para verificar a pertinência da minha interpretação é necessária uma orientação de um advogado que terá acesso ao texto da procuração.

    Ele também irá orientá-la sobre a via judicial para o seu pedido, caso seja necessária.

    Carlos Abrão.

  5. Zenaide
    25/10/2004 23:15

    Prezada Martha

    Meu entendimento é que pode ser revogada a procuração por intermédio de uma "notificação judicial"(art. 867 do CPC e 682 do CC). Feita a notificação, a partir daquele momento o procurador não poderá proceder a negociação para o qual foi contratado. Deve ser ressalvado o direito de terceiros que ignorando a revogação venha a transacionar com o procurador. Para dar mais segurança, é bom cientificar o Oficial do Registro de Imóveis.
    Procure um advogado

  6. themis helena kindlein vicentini
    02/09/2005 17:05

    Revogar em cartório todos os termos da procuração outorgada e mencionar a pessoa a quem fora constituida, noticiando que todos os atos praticados pela procuradora após a revogação são totalmente nulos e passíveis dos rigores da lei, conforme se vê dos atos ilícitos.

  7. Paulo Cesar Luiz
    Este usuário conecta-se ao Fórum usando uma conta do Facebook. Veja como fazer isso.
    24/09/2012 12:48

    Vendi um apartamento da Cohab em 1992, fazendo uma procuração, após isto ele morou uns dez anos e repassou a terceiros o apto, sendo que fiquei uns dez anos no SEPROC´pois eles não pagaram as prestações, agora já passou uns quatro moradores eu posso pedir o contrato na cohab e registrar o imóvel e pedir reintegração de posse, já que terei que pagar os atrasados na cohab. posso revogar esta procuração já que não cumpriram os termos dela. Obrigado Que Deus abençoe vcs.

Participe do Fórum

Entre com seu cadastro do Jus Navigandi:

Esqueceu sua senha?

Não tem Facebook e quer participar do Fórum?

Faça perguntas, responda dúvidas e discuta assuntos jurídicos. É fácil e grátis!

JUS NAVIGANDI NAS REDES SOCIAIS