Dívida com cartão de crédito

Deixei de pagar o cartão de crédito da IBI card em 10/05/2005, pois, os juros estavam altos e não consegui cumprir com minhas obrigações, desde então tento de todas as formas fazer um acordo, onde esses juros dimiuem e eu possa pagar, mas, pelo contrario eles são irredutiveis em baixar os juros e minha divida só aumenta, enquanto isso meu nome fica sujo e não consigo obter novos créditos, onde posso recorrer judicialmente, para que eles sejam punidos por isso e o problema seja resolvido, pois, só falta 01( um) anos para essa divida cadudar. desde já aghradeço.

Respostas

93

  • jose carlos xavier da silva_1

    caro paulo,
    voce poderá ingressar com uma ação no juizado espacial civel onde mora ou poderá recorrer ao nudecon- órgão da defensoria especializado neste tipo de questão.

    o endereço do nudecon é : av. presidente vargas, 670, 10º andar, centro.
    tel 22992264/2267
    boa sorte!

  • CIBELE BORGES

    Caros,

    Também estou com um problema parecido com o do colega acima.
    Não consegui honrar com o meu compromisso junto ao cartão de crédito em razão dos altos juros que estão cobrando. Sendo assim, desde agosto desse ano que não consigo fazer nenhum pagamento ao cartão, pois percebi que estava pagando sempre o mínimo da fatura e a dívida só aumentava.
    Já entrei em contato com a administradora do cartão várias meses, tentando negociar a redução dos juros, mas não tive sucesso e o meu nome está negativado do spc / serasa. Como devo proceder se não conseguir nenhum acordo com a administradora aqui em sp? se não chegarmosa um acordo, qual o próximo procedimento que a administradora do cartão poderá tomar? me acionar judicialmente? como isso ocorre?
    outra dúvida: ouvi falar que depois de 5 anos a dívida "caduca"? é isso mesmo? como assim? "caduca" somente no serasa / spc, mas na administradora sempre continuarei devendo, certo?
    Desde já agradeço e fico no aguardo, pois estou desesperada, querendo resolver essa pendência...

  • Linha Direta do Consumidor

    Prezada Cibele e colegas.

    A situação assim se posiciona: Como o Código Civil trata especificamente de títulos de crédito, ele deveria ser usado em lugar do Código de Defesa do Consumidor, que é mais abrangente. Ficaria assim: em seis meses termina o prazo para a cobrança do título (cheque sem fundo, por exemplo). Após este período, o credor poderia cobrar a dívida por meio de duas ações de cobrança: ação monitória ou de conhecimento condenatória (rito comum). Durante todo o trâmite, o devedor terá seu nome inscrito nas listas de inadimplentes. Passados três anos, o serviço de proteção ao crédito teria o dever de tirar o nome da pessoa da lista.
    Outro posicionamento é entender que o Código de Defesa do Consumidor é uma lei mais específica que o NCC, por isso vale o que está descrito nele. Assim, as anotações de inadimplência devem permanecer nos cadastros de inadimplentes pelo prazo máximo de cinco anos. Esta, por exemplo, é a interpretação que a Serasa dá a lei.

    No caso em tela sobre os chamados juros sobre juros - anatocismo, tem sido alvo de vários julgados a favor e contra. Confiram jungados no STJ. Contudo, a a questão crucial é a forma de argumentação em uma petição. Assim, sugiro que não esperem qualquer espécie de ação. Ingressem na justiça pedido a Revisão do Contrato de Cartão de Crédito.

    Estamos à disposição: www.ezizzi.com e www.forumdoconsumidor.blogspot.com

  • Cristhiane Marie

    Estou com uma dúvida sobre acordo com cartão de crédito, sendo o mesmo " Ibi Card" o juros do mesmo é muito alto e estou pagando o mínimo, resolvi ligar para firmar acordo, mas a atendente me pediu que esperasse 30 (trinta dias) após o vencimento do mesmo. Sendo assim além de ter que esperar trinta dias, vou ter que pagar o juros dos dias não pagos, isso é correto? Não posso firmar acordo antes de completar trinta dias de inadiplência!?

    Agradeço desde já,
    Cristhina.

  • Pedro Jorge Mendonça de Barros

    Paulo Moreira, a operadora do cartão não tem obrigação de diminuir a dívida muito menos os juros, pois, foi contratado pelo Sr., através de um contrato de adesão. De outra sorte, você pode pedir judicialmente, a revisão do contrato por juros abusivos, onde o juiz fará uma analise da taxa de juros do risco da operadora, etc.. Com isso poderá considerar o juros abusivo, reduzindo-o. De mesma sorte, o Sr. Poderá alegar a cobrança de juros sobre juros, anatocismo, como o Dr. Estêvão informou, a julgados contra e a favor, como também, deve ter sido cobrado vários tipos de taxas pela inadimplência, que poderá ser revista judicialmente(Cobranças referida a boletos, empresa de cobrança etc.). Não vislumbro nenhuma possibilidade de punição para empresa, pois, estava só cumprindo o contrato.
    nenhuma possibilidade de punição para empresa, pois, estava só cumprindo o contrato.
    Cristhiane, esta pratica é muito comum entre operadoras de cartão de credito, acredito de se tratar de uma pratica abusiva, induzindo a pagar os juros altíssimos, com meras promessas de acordo no futuro, desta forma, acredito que há possibilidade de ajuizar uma ação, pelos mesmos motivos citados para o Sr. Paulo Moreira, alegando, também, má-fé da operadora, pela pratica abusiva.

  • jorge nogueira_1

    SRº PEDRO.

    O que quiz dizer foi, quando estou numa situação de dificuldade mais quero está limpo na praça e procuro uma empresa para entrar em acordo para pagamento total da minha divida, a empresa tem que no ato sentar comigo (consumidor) e entrar em acordo. Veja meu caso abaixo e verifique se estou agindo corretamente.

    O caso é, eu Jorge também estou com problemas com este cartão ( IBI )
    Alguns meses perdi o emprego de representante, mais continuei pagando as minhas dividas, só que este mês estou vendo que posso pagar só o minimo( sabemos que pagar minimo vira "bola de neve") e então tentei entrar em acordo com a empresa:
    1º O atendente disse que não podia pois estava com os pagamentos em dia,
    2º Para fazer o acordo deveria não pagar a fatura e voltar daqui a 30 dias,
    3º O atendente utilizou a afirmação que meu nome não entraria no SPC,

    A minha fatura vencia dia 5/12 e procurei o Procon dia 06/12. No ato eles fizeram o acordo comigo e aceitei, ao chegar em casa verifiquei que algo estava errado e retornei ao Procon dia 07/12.
    Em contato com o representante do Procon descobri que eles (IBI) colocaram juros na minha divida de um dia de atraso e, utilizaram juros sobre juros que é proibido LEI da USURA.
    Desfiz do acordo e estou levando o caso a justiça, por:

    Afirmação falsa de que meu nome não entraria no SPC.
    Utilização de juros sobre juros proibido - LEI DA USURA.
    Não entrar em acordo com consumidor no ato da procura.

    Atenciosamente,
    Jorge Nogueira - BA

  • Pedro Jorge Mendonça de Barros

    Sr. Jorge, data vênia.
    A empresa não é obrigada a fazer qualquer tipo de acordo com o consumidor (redução do juros, parcelamento da dívida), pelo simples fato que o credor não é obrigado a receber quantia diversa do que lhe é devido.
    Isso não quer dizer que a empresa não possa fazer um acordo, só estou dizendo que ela não é obrigada, sendo assim, uma ação jamais poderá ter esse fundamento. Alias, é ate melhor para empresa fazer um acordo, ela também que receber. Tenho certeza que o Sr. Foi atendido no PROCON, houve uma ligação, para um numero exclusivo, rapidamente foi atendido o acordo e foi dado todas as possibilidades de parcelamento etc, estou certou? Eu estagiei no PROCON, ocorre que temos uma linha direta com as principais empresas, onde facilita a comunicação com pessoas que tem autônima para resolver problemas, diferentemente da central de atendimento. Por sua vez a empresa prefere fazer um acordo amigável, a receber uma possível multa administrativa.
    Como eu já afirmei acima, considero esta prática abusiva (ter que para de pagar a fatura por trinta dias), apesar de ser uma norma da empresa é claramente prejudicial ao consumidor.
    Como também disse anatocismo tem julgados contra e a favor.
    No seu caso, acho que você deveria entrar com uma ação de revisão de juros, c/c com danos e perdas, nos mesmos modos da resposta de seis dias atrás.
    Abraços.

  • Priscilla de Marco

    Dr. Estevão, já trabalhei no banco e nunca vi dívidas de cartão de crédito serem retiradas do cadastro do serasa, se fossem superiores a 5 anos.
    Poderia explicar-me tal questão ???