Ir direto ao conteúdo

Redes Sociais do Jus Navigandi

  1. Rodrigo Martins ... rpmartins@gmail.com
    29/06/2007 06:35

    Apenas um questionamento para reflexão. Minha dúvida é no caso da mãe renunciar sua quota de herança, o filho menor, pode interceder sua decisão através do pai?

    Em um caso de que a mãe não queira participar da partilha, seu filho deve acatar as decisões da mãe?
  2. Joao Celso Neto/Brasíla-DF
    29/06/2007 09:13 | editado

    Eu entendo que a mãe tem o direito de renunciar à herança. Porém o pai teria que anuir com essa renúncia, se for o caso do regime conjugal assim impor.

    Porém já vivi a experiência de o juiz determinar a expressa manifestação dos filhos MESMO MAIORES quanto à atitude de seus pais.

    Se houver divergência entre pai e mãe, creio complicar e inviabilizar a renúncia, smj.

    E havendo menores, pode ser invocada a manifestação do Curador de Menores, para evitar que a renúncia prejudique no futuro o menor.

    Sobretudo porque está se tornando cada vez mais comum uma pseudo-renúncia (a parte recebe seu quinhão em dinheiro e finge haver renunciado, formalizando essa renúncia nos autos por termo ou em cartório).
  3. Fabio_1
    30/06/2007 07:13

    Rodrigo


    Se renuncia feita pela mãe for abdicativa e seu marido comparecer ao ato no caso do regime de bens for o da comunhão universal de bens, e ainda ela ter mais irmãos, é totalmente possível a renuncia.

    Não há em se falar da presença dos filhos nessa situação, até porque eles não podem suceder representando a renunciante (na forma abdicativa), conforme disposto do artigo 1811 do C. Civil. Salvo se ela for a única filha e dessa forma eles, os filhos, herdam por direito próprio ou por cabeça.

    O que o colega João Celso afirmou na "pseudo-renuncia", ao meu ver é caso de simulação e, portanto, o négocio é nulo de pleno direito.

    Espero ter ajudado
  4. Joao Celso Neto/Brasíla-DF
    30/06/2007 08:34

    Fábio,

    em tese concordo com você.

    Mas, como escrevi, VIVI a experiência pessoal de minhas filhas terem de outorgar procuração (elas não têm jus postulandi) para confirmarem a renúncia que fizemos à herança quando meu sogro morreu.
    Igual exigência foi feita às filhas de meu cunhado, outro renunciante em favor da viúva (que restou herdeira única e universal): suas filhas tiveram que se manifestar nos autos do inventário para ratificarem a decisão paterna. Somente a renúncia da terceira filha, solteira e sem filhos, foi admitida de plano.
  5. Fabio_1
    02/07/2007 06:18

    João

    Entendo o teu caso vivido. Porém, se a renúncia foi em favor de alguém, na realidade quis dizer que o "renunciante" aceitou a herança e está cedendo a alguém.

    Essa modalidade é de cessão de direitos hereditários (renúncia translativa - in favorem) a título gratuito, ou seja, doação.

    Vejo que no teu caso houve equívoco do juíz, uma vez que ele quis a anuência dos filhos do renunciante (aqui, no caso concreto, é cedente da herança, a título gratuito), para que futuramente não haja questionamento destes.

    Ocorre que esse raciocínio é erroneo, pois os herdeiros prejudicados pelas doações feitas de seus ascendentes são protegidos pelo instituto da Colação, lá no artigo 2002 do Código Civil.

    Ou seja: no teu caso, mesmo os filhos comparecendo em juízo confirmando a "renuncia" (leia-se doação - na forma de cessão de direitos hereditários a título gratuito em favor de um terceiro, isto é, renuncia translativa - in favorem), eles vão poder utilizar do instituto da colação caso haja inoficiosidade da transmissão, em se tratando de excesso, ferindo-se a legítima que a eles cabiam.

    Bom, este é o meu entendimento.

    Espero ter sido claro.

    Abs.
  6. Joao Celso Neto/Brasíla-DF
    02/07/2007 07:01

    Esclarecendo mais:

    surpreendi-me com a exigência do juiz carioca (moro em Brasília, onde não acredito que haveria tal exigência).

    Igual surpresa tive porque uma das minhas sobrinhas é advogada em SP e não se admirou, pois também acha que o juiz estava certo.

    Contudo, não se ganha nada (ao contrário) em discutir com juiz em casos como esse, nem valia a pena agravar da decisão, era mais rápido e simples atender ao despacho.

    Outra coisa: o NCCB NÃO ADMITE mais que se renuncie "em favor de alguém especificamente", sendo a renúncia em favor do monte. Por exemplo, se somente nós (o casal) tivéssemos renunciado, a parte renunciada iria ser dividida entre os herdeiros remanescentes.

    O código de 1916 permitia q renúncia em favor de um outro herdeiro, que ficaria com o quinhão do renunciante somado ao seu. Isso permitia que se vendesse partes da herança por debaixo dos panos, o que o novo código procurou coibir.

    O instituto da renúncia, a meu sentir, é algo pessoal, não deveria depender de nada, salvo se, havendo menores, o Curador entenda que haveria prejuízos a eles. Ou o renunciante fosse de alguma forma incapaz, pródigo, interdito, etc.

    Veja-se o caso do formal de partilha levado a juízo pelos herdeiros para mera homologação. Algum deles pode se contentar com um quinhão menor por entender que tem, por exemplo, um irmão mais pobre e que necessita mais do que ele. Assim, no caso de dois irmãos, um pode propor ficar com 25% e o outro com os 75% restantes da parte que caberia aos dois. Não deixa de ser uma renúncia parcial. E, entendo, o juiz não deve interferir na vontade manifestada, ainda que peça a ratificação oral, em sua presença, quanto a ser aquilo mesmo a vontade dele, e pedir-lhe motivos para a atitude.
  7. Rodrigo Martins ... rpmartins@gmail.com
    02/07/2007 07:40

    A questão é a renúncia da mãe em favor de irmão/mãe, não há meio legal para coibir a renúncia havendo filho menor (da mãe renunciante)?

    É sabido que poderá ocorrer a dissolução da herança, seja por mal uso ou inexperiência dos favorecidos, o menor deve pagar por atos dos pais ou poderá ser representado por um deles em seu favorecimento?

    No resumir é garantir que o filho pelo menos tenha uma poupança para manter estudos futuros.
  8. Joao Celso Neto/Brasíla-DF
    02/07/2007 09:09 | editado

    Rodrigo,

    pensei que eu deixara claro a questão.

    Neste caso, quem tem interesse em coibir a renúncia? o pai da criança? o Curador de Menores (obrigatoriamente ouvido quando há menores, exatamente para evitar possíveis e potenciais prejuízos presentes e futuros)? terceiros que nada tenham a ver com a família?

    Se a mãe renunciante não é casada, o pai da criança vai ter que provar sua legitimidade (DELE) para intervir. Se for casada com o pai, ele necessariamente tem que concordar com a renúncia (a chamada outorga uxória).

    Eu também dissera que no RJ há entendimento quanto à necessidade ou exigência de manifestação dos filhos quando seus pais renunciam a heranças.

    Esses filhos não podem ser representados, no ato, pelos pais, por razões óbvias: se foram eles, pais, que renunciaram, estariam confirmando, não a vontade dos filhos, mas a sua própria vontade expressa na pretendida renúncia.

    Em matéria de Direito Privado, a questão é delicada, no máximo, cabendo a oitiva do Curador de Menores quando existem menores. Se este não opinar contra, ou o juiz não desconfirar de algo, dificilmente se poderia impedir a tal renúncia, que, repito, será em favor do monte a partilhar, não mais sendo possível renunciar em favor de um ou uns determinados herdeiros.

    Dou por encerrada minha participação neste debate, pois não tenho mais nada a acrescentar ou esclarecer.
  9. Rodrigo Martins ... rpmartins@gmail.com
    02/07/2007 13:50

    100% entendido e compreendido, no meu questionamento seria o pai o interessado em coibir a renúncia, se há a legitimidade de sua parte, nem tudo está perdido.

    Eu deveria ter narrado os fatos mais claramente, obrigado pela atenção dispensada neste assunto em particular.

    Rodrigo.

Participe do Fórum

Entre com seu cadastro do Jus Navigandi:

Esqueceu sua senha?

Não tem Facebook e quer participar do Fórum?

Faça perguntas, responda dúvidas e discuta assuntos jurídicos. É fácil e grátis!

JUS NAVIGANDI NAS REDES SOCIAIS