ACIDENTE DE TRÂNSITO - ENGAVETAMENTO.

Alessandra Rúbia de Oliveira Magalhães perguntou Quinta, 27 de setembro de 2007, 10h35min

Há dois meses fui vítima de uma acidente de trânsito. Circulava pela via expressa (pista da esquerda) da Marginal Tietê (SP) a 60 km por hora (+/-). O trânsito estava intenso. Repentinamente, o veículo da frente parou e freei bruscamente. Então, o carro de trás que estava numa velocidade um pouco maior, sem conseguir frear, bateu na minha traseira e me jogou contra o carro da frente. Ao todo, foram 05 veículos envolvidos. O meu foi o que sofreu maior estrago. Ocorre que o condutor do veículo que bateu na minha traseira autorizou apenas o conserto da traseira do meu carro, não assumindo a culpa pelos prejuízos causados na parte dianteira do meu veículo.

Gostaria de opiniões sobre este assunto e sobre a responsabilidade do condutor que bateu na minha traseira.

Obrigada. Alessandra.

Respostas

7

  • Adv. Antonio Gomes

    Restando provado que você só bateu na trazeira do primeiro veículo porque foi empurrado pelo terceiro veículo a responsabilidade do terceiro é tolal inclusive me face do primeiro.

    Caso reste provado que você bateu no primeiro veículo e só depois sofreu a colisão por traz, está correto o terceiro em se responsabilizar pela parte trazeira, nesse caso você além de arcar com os seus custos dianteiro terá que indenizar a trazeira do primeiro veículo.

    Presume-se que em caso de acidentes dessa forma o motorista não mantinha a distancia regulamentar para com para com o veículo a sua frente, se assim mantivesse não bateria na trazeira dele, por isso há que se provar que foi empurrado pelo outro que vinha atraz.

  • Marcus Aurelius Minervino Junior

    Uma amiga teve o mesmo problema aqui em brasilia.
    Ela estava parada em um sinal de transito, atras de outros 2 carros, quando uma Picape Cherokee bateu fortemente na traseira do carro dela, fazendo com que o carro dela batesse no da frente, que por conseguinte tambem bateu no proximo. O carro dela ficou praticamente destruido. O dono da Cherokee, saltou, disse que so ia pagar o estrago da parte de tras do carro. Ele era um juiz, e sabe como e.. Eles sempre tem razao. Ele alegou que ela nao guardava distancia do carro da frente. Minhas perguntas sao:

    1) Que distancia e esta?
    2) Ela vale para carros parados em sinais, ou so vale para carros em movimento?
    3) Embora nunca (nunca mesmo) tenha visto alguem guardar mais de 1 ou no maximo 2 metros de sistancia do carro da frente em um sinal, imagino se um cara betendo a 100km por hora na sua traseira, se qualquer distancia razoavel seria suficiente. Entao, ele esta certo?
    4) Caso nao esteja, e ja que ouve pericia no local, a quem ela pode recorrer?

    Muito obrigado

  • AGNALDO CAZARI

    Caro Marcus,


    Aos seus quesitos:

    1) A distância de segurança a que se refere o CTB em seu art. 192 é para veículos em movimento, uma vez que, aos que se encontram parados, essa distância deve ser aquela necessária apenas para uma possível manobra. Tanto para o da frente como para o de trás.
    2) Portanto, só para os que estão em movimento.
    3) Tem razão. Só que o Código também estabelece que o condutor de veículos que estejam se aproximando de cruzamentos ou de faróis, devem reduzir a velocidade, nunca se aproximarem a 100 Km/h. Justamente porque, onde haja um farol é sinal de trânsito urbano e a velocidade máxima urbana é de 60-70 Km/h em vias expressas.
    4) Se houve perícia, esta deve ter constatado possíveis sinais de frenagem da tal Cherokee. Esses sinais são capazes de induzir o perito a um calculo aproximado da velocidade. Se esta for imcompatível com a via. Bingo. O Juiz dançou. Se for compatível com o local, somente sua amiga poderá dizer a distância a que estava do veículo da frente e, dependendo, deverá pagar.


    Espero ter ajudado um pouco.

    Abraços.

  • Marcus Aurelius Minervino Junior

    Muito obrigado pela ajuda. Parece que o Juiz, que como e evidente nao tem nenhuma consideracao, alegou que existe Jurisprodencia. Achei algo sobre o assunto no TJDF. Acho que nao vai ser facil para esta minha amiga. Ela esta contra o poder. Um detalhe, varios amigos comentaram que ja aconteceu algo semelhante com eles, mas sempre o que pagou foi o que bateu primeiro.
    Nao e facil nao ter poder, nao?
    Um grande abraco e obrigado novamente.

  • AGNALDO CAZARI

    Colega Marcus,

    Aprenda a não desistir tão rápido. Lembre-se: "o que não está no papel, não está no mundo".
    Não basta apenas ser juiz de direito. Tem que provar o que se alega.



    Boa sorte e Abraços.

  • Jefferson_1

    Boa noite
    se possivel queria tira umas duvidas .
    me envolvi num acidente a uma semana atras aonde o carro freio bruscamente e um outro q vinha atras dele nao conseguiu para e bateu na traseira dele .
    eu vinha atras e tbm bati na traseira desse segundo carro .
    o dono do primeiro foi embora e nem quis saber de nada ja meu carro e o outro ficarao no local pq nao tinah como ser removido no momento , o proprietario do veiculo assionou o seguro dele e anotou a minha placa mais nao falou nada ..
    queria saber se por ser trata de engavetamento de transito e umas das lantenas de dele ja tava quebrada e nao teve policil nem nada no local . oq ele pode ta fazendo contra mim e se realmente o prejuizo fica todo para mim ....

    att. J. E. A ...

  • Rogerio

    ola, me envovi em um acidente a dois dias 17/06. estava de moto em uma via de mao unica, com duas faixas centido bairro-centro. entao o transito reduziu de velocidade quase parando vinha eu entre os carros com sinal verde para fluxo de veiculos, entao um pedestre atravessou a via da direita para a esquerda nao houve tempo de desviar ou parar antes do pedestre. bati a moto no pedestre me desequilibrou me lançando em outro carro do meu lado esquerdo o motorista do veiculo anotou minha placa falou para min pagar o veiculo dele pois foi minha moto que o acertou .
    gostaria de saber de quem e as responsabilidades minha ou do pedestre obrigado