Ir direto ao conteúdo

Redes Sociais do Jus Navigandi

  1. José Ruiz
    07/04/2008 06:07

    Prezados Srs.,

    Vivencio uma situação parecida com alguns casos narrados neste fórum, ainda que com suas peculiaridades.

    Tenho uma empregada doméstica contratada com carteira assinada em 01/04/2007. Essa funcionária tem como atividade os serviços domésticos normais, na parte da manhã, e, exclusivamente, cuidar da minha filha de 7 anos, na parte da tarde. Ressaltei a palavra “exclusividade” porque na parte da tarde ela não tem nenhuma outra tarefa que não seja cuidar da nossa filha: somos uma família de 3 pessoas, eu e minha esposa trabalhamos fora o dia todo e minha filha estuda de manhã.

    Nos últimos meses, entretanto, essa empregada doméstica, que mudou o humor, inclusive, vem negligenciando sua tarefa na parte da tarde. Minha filha tem reclamado que ela passa as tardes assistindo televisão, sem lhe dar atenção. A cerca de um mês atrás minha filha me ligou chorando, porque supostamente a empregada tinha lhe machucado e as reclamações tem aparecido de parte a parte.

    Desde então, tenho tido conversas com a empregada e lhe advertido quanto a necessidade de exercer essa função de forma adequada (o que significa dar atenção, prover eventuais necessidades, impor autoridade – e, para tanto, em casos de desobediência, basta dar um telefonema para mim ou para a minha esposa), etc. Mas isto não está dando certo. Pelo contrário, cada dia que passa a empregada dá maiores sinais de total negligência com suas funções na parte da tarde.

    No dia 02/04 passado, minha filha ficou bastante tempo jogando pedras da janela do apartamento, até atingir o vidro de um carro que passava embaixo, sem que a empregada tomasse qualquer iniciativa (esse fato gerou um prejuízo de R$ 380, já pago). Segundo relatos da dona do veículo, do administrador do prédio e de alguns funcionários, ela ficou um bom tempo fazendo isso, sem interferência da empregada. No entanto, quando a dona do veículo foi lá bater à nossa porta, a empregada imediatamente reconheceu que havia sido a nossa filha mesmo. No dia 06/04 descobrimos, por acaso, que um coleguinha esteve no nosso apartamento (há cerca de 1 mês atrás) e junto com a minha filha pularam a janela do quarto de empregada e acessaram uma área do prédio muito perigosa, com acesso a um vão de mais de 6 metros de altura. A empregada estava lá, não fez nada, não falou nada, não disse nada para a gente. Descobrimos porque encontramos marcas de mãos na mureta que dá acesso ao vão (e as mesmas marcas na porta do quarto de empregada) e “interrogamos” nossa filha. Ela confessou ter feito isso, junto com o coleguinha (7 anos também). As crianças subiram a referida mureta, poderiam ter caído e sofrido terríveis danos físicos.

    Ficamos muito assustados com esses fatos, especialmente pelo total descaso da pessoa que contratamos para cuidar da nossa filha.

    A empregada vai ser demitida de qualquer forma. Porém, é razoável demiti-la por justa causa, com base na “desídia no desempenho das respectivas funções”? Até então eu havia feito somente advertências verbais (até porque, na nossa situação, é difícil: não dá prá ficar punindo esse tipo de pessoa, já que uma vingança poderia se desastrosa – a demissão tem que ser tempestiva e sem aviso). O que tenho em mãos é a cobrança do vizinho (que teve o para-brisas do carro quebrado) e fotos das marcas de mãos na mureta da área externa do prédio, que só pode ser acessada por funcionários (com escada) ou através do quarto da empregada.

    Agradeço a todas as informações.
  2. jose tomaz da silva - sbc / sp
    07/04/2008 11:30

    Caro José Ruiz.....


    É claro que, independente de qualquer coisa, que a dispensa tem que ser efetivada de pronto, àfim de evitar a ocorrência de uma "desgraça" maior.

    Constantemente, vemos na mídia, "barbaridades" envolvendo este tipo de pessoal.


    Para a Justa Causa, voce é quem terá que fazer a prova. Será que o seu vizinho, iria até a Justiça do Trabalho para confirmar os fatos?

    Voce teria além dele, outras pessoas para confirmar tudo o que vem ocorrendo?

    Quanto as fotos, elas não vão ajudar. Teriam que ser de feitas pela perícia técnica.


    Minha sugestão é dispensar pagando todos os direitos, até para evitar, como voce diz, eventual "vingança".


    Os direitos da doméstica, são o Aviso Previo, saldo salárial, 13º. salario, férias devidas e ou proporcionais.


    FGTS é opcional, e o Seguro Desemprego, só se voce estiver depositanto o FGTS.


    Abraços

    J. Tomaz
  3. marco.c.s
    07/04/2008 11:52

    prezado José Luiz, boa tarde;

    proceda a demissao imediatamente por desídia no desempenho da função (clt 482, e ) ; com essa demissao por justa causa o senhor estara isento do pagamenteo de aviso Previo, saldo de salario, se houver, 13º. salario e férias (proprocionais/devidas).

    veja bem, entendo que, com o pagemento das verbas rescisorias, o senhor pretende evitar conflito futuro; só que, em se efetuando esse pagamento, o senhor estara descaracterizando a justa causa, pense nisso!

    se o senhor pretende poupar sua filha de qqaer risco, faça a demissao normal, pague as verbas rescisorias devidas e pronto!

    mas cabe ao senhor, e so ao senhor , avaliar a situação e optar pela melhor solução.

    saudaçoes

    marco
  4. José Ruiz
    07/04/2008 12:20

    Obrigado pelas respostas,

    Minha principal dúvida é se a condição atual justifica uma justa causa. Ao Sr. José Tomaz, não sei se a vizinha se prontificaria a ir na Justiça do Trabalho, mas para pagá-la eu solicitei (e ela prontamente atendeu) um documento fazendo a cobrança e narrando os fatos, que tenho em mãos nesse momento. Como se trata de um ambiente familiar, fora o comentário com outras pessoas, só eu e minha esposa vivenciamos os fatos.

    Sr. Marco C.S., a preocupação com vingança é enquanto a funcionária está dentro da minha casa, ou seja, não é prudente ameaçá-la com uma advertência mais forte. Aviso prévio, nem pensar. Depois de demitida, acho difícil ela fazer alguma coisa (moro em prédio - condomínio fechado - e pretendo, como fiz na entrada, comunicar o condomínio sobre a saída dela).

    A minha preocupação é que, apesar das evidências, a justiça entender que não há provas suficientes e eu acabar tendo que arcar com mais despesas.
  5. jose tomaz da silva - sbc / sp
    07/04/2008 12:51

    Caro José Ruiz....


    Como disse o colega Marco, cabe a voce decidir a forma de fazer a dispensa.


    Por outro lado, tenha ainda em conta que, mesmo pagando tudo, que ela poderá entrar com reclamatória contra voce. Ela tem 2 anos após o desligamento para fazer isto.

    Veja aí na sua cidade, se não existe a Comissão de Conciliação Prévia (veja no sindicato das empregadas domésticas). Se existir, leve o caso até lá, onde voce poderá fazer um acerto, e ficar mais tranquilo em relação à futuras reclamações.

    Abraços

    j. tomaz
  6. marco.c.s
    07/04/2008 13:59

    Sr. Ruiz, boa tarde:

    como muito bem pontuou o j. Tomaz, o risco de reclamação trabalhista permanecera qqer que seja a modalidade de dispensa, sem ou com justa causa.

    Todavia, em se tratando de familia, o que parece ser mais acertado é pronta e imediata providencia quanto a sua consulta, de forma a minimizar riscos para todos.

    Saudaçoes

    marco
  7. Ricardo Ribeiro_1
    24/01/2009 13:58

    Minha empregada doméstica fez um curso técnico de enfermagem e agora está realizando o estágio obrigatório em um hospital para conclusão do curso. Ela dorme no emprego e eu a dispenso todas as sextas-feiras às 18h para que ela possa fazer seu estágio no final de semana, desde que ela vá para a casa da irmã dela pois tenho medo de que ela possa trazer alguma infecção hospitalar em suas roupas aqui pra casa (eu tenho dois filhos: um de 5 anos e uma menina de 10 meses). Acontece que ela, após o expediente, tem ido quase todos os dias para seu estágio e retornando aqui pra casa com a roupa que ela usou no hospital; fora o fato de que as vezes chegas atrasada para o emprego. Tive uma conversa com ela e pedi que ela fosse somente aos finais de semana para o hospital e expus os motivos. Eu disse que não poderia proibi-la, pois afinal ela tem o direito de ir e vir após seu expediente, e nos primeiros dias até que ela me atendeu, mas logo voltou a fazer seu estágio durante a semana. Pergunto se posso demiti-la por justa causa alegando que eu, minha esposa e principalmente meus filhos estamos correndo o risco de ela trazer alguma doença aqui pra casa. Qual artigo da CLT poderia basear sua demissão por justa causa? Agradeço quem puder colaborar.

    Ricardo.

Participe do Fórum

Entre com seu cadastro do Jus Navigandi:

Esqueceu sua senha?

Não tem Facebook e quer participar do Fórum?

Faça perguntas, responda dúvidas e discuta assuntos jurídicos. É fácil e grátis!

JUS NAVIGANDI NAS REDES SOCIAIS