Ir direto ao conteúdo

Redes Sociais do Jus Navigandi

  1. Mklopes
    27/04/2008 12:19 | editado

    Prezados colegas! Analisem a seguinte situacao e me dêem uma luz. Fui procurado por um amigo (réu) o qual esta sendo executado pelo 732 e já teve o pedido de penhora portas a dentro. Ele estava morando na casa da sogra e na primeira vez que o OJ foi cumprir o mandado, relatou que nao havia bens a penhorar. A Juiza não satisfeita mandou que ele retornasse novamente ao mesmo local. Na sua segunda vez que o OJ foi cumprir mandado na casa da sogra do meu amigo , esta informou que o réu não mais residia ali. O OJ relatou esse fato no processo, o qual no momento encontra-se com a DP para dar o seu parecer quanto ao fato do réu nao mais residir no endereco da intimacao.
    Um outro ponto a destacar é que o réu tinha proposto um parcelamento da dívida, mas não tinha ocorrido uma resposta da autora se aceitava ou não.
    Eu o orientei que, como não há bens a serem penhorados, não há mais nada que a autora possa fazer.
    Em relacao a proposta que ele fez, eu pretendo fazer uma peticao reconsiderando essa proposta, ou seja, ela não tem mais interesse em parcelar.
    Perguntas:
    1) A juíza pode determinar o parcelamento neste caso, tendo o réu reconsiderado a proposta?
    2) Na procuracao eu preciso informar o endereco residencial, sendo que a sogra informou que ele nao mora mais ali. Esse fato pode ser visto como má-fe?
    3) É possivel fazer a procuracao sem citar o endereco?
    4) Qual seria o outro caminho, caso ele nao queira pagar a divida?

    Antecipadamente, agradeco aos colegas a ajuda.

Participe do Fórum

Entre com seu cadastro do Jus Navigandi:

Esqueceu sua senha?

Não tem Facebook e quer participar do Fórum?

Faça perguntas, responda dúvidas e discuta assuntos jurídicos. É fácil e grátis!

JUS NAVIGANDI NAS REDES SOCIAIS