direito do deficiente auditivo

andréa cristina perguntou Quarta, 06 de agosto de 2008, 15h46min

BOA TARDE,MEU FILHO TEM DEFICIENCIA AUDITIVA GRAVE ,ELE TEM 11 ANOS E ESTÁ NA ALFABETIZAÇÃO,ESTUDA DESDE OS 2 ANOS DE IDADE,MAIS NÃO CONSEGUE APRENDER MUITA COISA,OUVI DIZER QUE EXISTE UM BENEFÍCIO CONSEDIDO PELO GOVERNO QUE DÁ UM SALÁRIO MÍNIMO PARA OS PORTADORES DESTAS DEFICIENCIAS,POIS ELE PRECISA FAZER TRATAMENTOS E EU NÃO TENHO CONDIÇÕES DE PAGAR.GOSTARIA DE SABER ,SE É QUE ELE TEM O DIREITO ,DE ONDE PROCURAR ESSE AUXÍLIO,SE É PELO INSS,ENTRE OUTRAS INFORMAÇÕES.DESDE JA OBRIGADA.ANDRÉA WEBER

Respostas

31

  • cleo_1

    oi gostaria de saber ,criança com perca auditiva profunda nao tem direito a beneficio ?ja passei com meu sobriho 2 vz por perito do inss e nas duas vz foi negado ! sendo que o medico nem se quer olhou para criança !me disse que deficiencia auditiva na é deficiencia eque nao o impede de trabalhar!mais uma criança é imdependente ?/ ja responde pelos seus atos?sendo que seu pai ganha um salario minimo sao 4 pessoas na familia ;sendo este o segundo motivo do segundo deferimento !com 415 reais nao da nem para comer e para o leite das crianças e as roupas remedios ,que muitos nao possuem no centro de saude ! custo de viagens para tratamento em bauru,e agora que vai para escola como manter o estudo dele ? nao temos condiçoes !meu muito obrigado..... cleo

  • cecilia_1

    minha neta tem 07 anos, nasceu com paralisia facial, ela faz fisioterapia, eu gostaria de saber se ela tem direito a aposentadoria, qual o procedimento.

    fico no aguardo de alguma novidade.


    Grato
    Cecília.

  • JULHIANO SPALL

    DIGNIDADE HUMANA E O DIREITO AO AUXÍLIO-DOENÇA NA PREVIDÊNCIA SOCIAL
    LOAS




    Por muito tempo venho notando que se exclui o Direito a um benefício natural e determinado, o Auxílio-doença que é direito adquirido como eu entendo, aos deficientes físicos e mentais, uma parcela que se sente devidamente excluída da Previdência Social devido a um quesito precário, na elaboração das exigências Previdenciárias. A exigência de que os componentes integrantes da família, a soma das suas rendas não podem ultrapassar a ¼ do salário mínimo, nessa exigência aos trabalhadores que saem de casa e ganham apenas 1 (um ) salário mínimo sofrem pela manutenção de seu filho, muitas vezes em estado doentio avançado. Esta classe que é excluída do direito ao Auxílio-Doença, direito Constitucional, sofre essa exclusão social Previdenciária. Com base em atuações profissionais no âmbito Social-Previdenciário, os Indeferimentos de Auxílios-Doença é grandioso dentro das necessidades particulares de famílias que possuem uma renda superior ao mínimo exigido pela Previdência Social. Neste conceito em que me abraço em particular, vejo que a exigência da Previdência Social derruba uma regra Constitucional, que é a dignidade humana e a Saúde que é um direito das pessoas e dever do Estado. Assim entendo que uma regra de uma Entidade Governamental, um Ministério integrante do Estado de Direito derruba a ordem Nacional e Social das pessoas necessitadas, uma exigência que se sobre sai ao direito prescrito na Carta Magna de uma nação. Aos doentes em questão é exigido a comprovação de renda, não superior a ¼ do salário mínimo vigente no país, um absurdo aos meus olhos, visto que quem ultrapassa esse valor deve manter seu filho para o resto da vida particular ou seja, os gastos com médicos, remédios, fisioterapeutas, psiquiatras, entre outros, torna a sua própria renda mínima em mantenedor do seu filho doente, e para o sustendo da família no geral não sobra nada. Os gastos com os profissionais da saúde é um assombro aos que os necessitam, e vendo essa exigência da Previdência Social, deslumbra a incoerência social do país. O salário ou a renda familiar não pode ser quesito para requerimento de um benefício já pré-determinado pela Constituição Nacional, ou seja, uma regra básica que é a Dignidade Humana. Em hipótese nenhuma poderia ser exigência para determinação de deferimento de benefício social seja qual for a remuneração da família, entendo que o doente tem direito a um auxílio do governo, independente dos demais integrantes da família, assim nessa ordem como a APAE que paga com serviço assistencial, a Previdência Social é um mero pagador em valores do Governo. O Auxílio-Doença remuneratório é na verdade o pagamento sustentável a dignidade humana de uma pessoa, dentro de um Governo Solidário e Democrático. Independente do salário familiar o necessitado deve ser sim submetido a avaliação pericial médica, mas a comprovação de renda familiar é absurdo, mesmo que uma família empresária tenha sua renda bem maior ao mínimo exigido pela previdência, entendo que o necessitado tem seu direito constitucional para o recebimento de um auxílio do Estado Democrático de Direito. Entendo eu que a obrigação do Estado de pagar uma renda ao deficiente, é na verdade o auxílio pela sua incapacidade laboral (trabalho) e a sua incapacidade de se sustentar e ter a sua dignidade humana preservada. Nesse âmbito social, essa premissa da sustentabilidade humana é o reconhecimento humanitário do Governo em reconhecimento pelo seu afeto Democrático Constitucional. Prescrito nos artigos da Constituição Federal de 1988 do Brasil, a dignidade humana é direito do povo e dever do estado, onde que em seu artigo 6º os direitos sociais estão expressos firmemente na questão do direito a: educação, SAÚDE, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a PREVIDÊNCIA SOCIAL, a proteção a maternidade, e à infância, a ASSISTÊNCIA AOS DESAMPARADOS, na forma desta Constituição. E assim como uma ordem nacional inviolável, entendo que um requisito errôneo não pode ser aplicado para determinação de um auxílio Constitucional Nacional. A erroneabilidade desta regra Social pesa contrária a regra Constitucional para fins de requerimento sustentável de uma pessoa necessitada e a abrangência desta sistemática e a sua força de exclusão toma de assalto a força de uma regra magnânima e superior. Vejo que aos pais a obrigação de manter seu filho necessitado é realmente familiar, e nessa sistemática não se pode colocar empecilho para condicionar os próprios pais como impedimento ao recebimento do Auxílio-Doença prestado ao deficiente. A regra como visto agora deslumbra a divergência para concessão do Benefício devido, e, nessa amarga determinação Previdenciária se exclui o próprio filho devido ao seu lucro familiar e que não é devido ao filho por ele não possuir condições laborais de trabalho digno e de sustentabilidade futura. Essa regra de referência para condicionamento de concessão de benefício Previdenciário, é um castigo verdadeiro na SISTEMÁTICA social. Visto que a renda familiar contemplada pelos integrantes da família é na verdade a burocracia determinante primordial para análise dogmática de concessão previdenciária na questão de benefício assistencial. A regra que se pesa na ordem previdenciária onde se aplica o argumento de composição familiar, vincula totalmente os “ajudantes” do necessitado donde essa regra é inserida para que se dispense a concessão do benefício, visto que aos moradores junto ao deficiente, exclui o direito deste que é Constitucional devido de recebimento do benefício. Nessa regra esnobe, mesmo que se aplicando um fator determinante para concessão de benefício, não se pode condicionar o salário alheio ao verdadeiro necessitado por que ele é o requerente verdadeiro e não os demais viventes do âmbito familiar. A verdade deve ser dita, o necessitado está com seus direitos excluídos devido aos que o representam e o ajudam nesta pacata incoerência social se deixa de prestar o verdadeiro direito social que é o Auxílio-Doença, dever do Estado prescrito na Constituição Federal de 1988.
    Essa regra se espelha em conformidade com o sentido de valores lucrativos, e não valores morais e sociais que na verdade deveria ser alimentado pelo Governo e a aplicação do sentido na elaboração deste requisito Previdenciário, foi e é falho pois na verdade se alimenta dos qualificados em salários muito mais do que os que necessitam da ajuda. E nessa mera comparação condicionada ao modo comparativo de direitos, vejo a quietude dos membros Governamentais a respeito disso, o assombro que permanece presente na massa da sociedade é o efeito da má elaboração Previdenciária Social. Se comenta nos furtos na Previdência e os roubos cometidos pelos próprios servidores dentro da Previdência Social, e essa massa que não descoberto a tempos furtaram o níquel dos homens e pessoas acometidas de necessidades extremas e delas retirada o seu direito real Previdenciário. A influência que me acolhe neste momento é o sentimento verdadeiro da incoerência social prestada a sociedade, nesta regra como já explanei anteriormente, esboça-se uma dinâmica de dês respeito a Dignidade humana das pessoas, sendo elas acometidas de haver o que é seu por direito Constitucional. O seu direito verdadeiro de receber o auxílio devido se esbarra na moléstia dos valores, o conflito social se aplica as provocações dos constituintes na honra de aplicarem normas daninhas à sociedade. E essa regra existente, penosa por seus vês, está desligando pessoas doentes e amparadas a beira do enclausura mento eterno por eles não serem possuidores de abstinências e movimentos próprios para o seu sustento eterno. Diante disto o meu pensamento é de que futuramente se exclua esse requisito bravo no requerimento ao auxílio-doença onde se procura a manutenção das pessoas impossibilitadas de se sustentarem permanentemente. Para o requerimento ao auxílio-doença vejo apenas o aval do médico-perito, visto que dentro do sentido exame médico é comprovado a incapacidade laboral de trabalho e de sustentabilidade própria. E assim como já coloquei, os participantes (que prestam ajuda ao doente necessitado) não podem ser colocados como impedimento do recebimento Previdenciário, pois nesta análise está seriamente conglomerado os quesitos necessários para concessão de benefício assistencial. Para um perfeito entendimento cito que o valor exigido pela previdência é ilegal, imoral e inaceitável por que aos integrantes da moradia está-se criando o ponto crucial do desvincula mento do doente-deficiente à Previdência Social, e assim se exclui o necessitado dependente dos seus direitos constitucionais previdenciários. Ele que é o maior e em primeiro grau, o doente, ele é quem deve ser analisado e não os demais que fazem parte da composição familiar. Os valores que são pré-estabelecidos para que seja analisado o requerimento e posteriormente a concessão do benefício assistencial, deve ser extinto por que fere gravemente a Constituição Federal de 1988 do Brasil. E nessa análise póstuma vejo que a realidade e a veracidade das minhas idéias bem como o meu raciocínio são de tamanha continência moral por que vejo realmente a não necessidade de avaliação com posicional da família para o requerimento do auxílio-doença à Previdência Social. Tendo como informações contemporâneas, tive o privilegio de atender e encaminhar à Previdência Social pessoas deficientes e ao azar das exigências fora negado o Auxílio-Doença pelo fato de que o pai, viúvo e residente com a nova companheira ambos trabalhando, ultrapassavam o bendito requisito de não poder ultrapassar o ¼ do salário mínimo, e, por fim foi indeferido o benefício do próprio filho necessitado. Tendo isso e tantos outros exemplos práticos e profissionais, sinto a necessidade de me expor radicalmente a respeito do fato. A veracidade e bravura deste efeito social estão radicalizadas pelo empenho negativo dos governantes e legisladores, mas o fato é que devo me encaminhar direcionalmente e diretamente à Previdência Social primeiramente, e se assim mesmo se ser pelo menos analisado a questão, então vejo a necessidade de ir ao alcance pontual de nosso Governo. A incontinência dos próprios Senhores na regra social e previdenciária, é a realidade da nação onde que se martiriza a população sofrida e necessitada e se acaricia os maiorais. O (LOAS) por si só é o atendimento viável aos doentes e sofredores de acometimentos doentios, feridos por efeitos trágicos e muitas vezes irreversíveis. Nessa gleba de solicitantes de benefícios, o amálgama dos indeferimentos sociais é sem sombra de dúvida esse ponto malvado que inibe o comprometimento do dever ser, do dever receber, do dever ser atendido, entre outros, feri bravamente as páginas de nossa Soberania Nacional, a Constituição Federal do Brasil.

    Julhiano Spall
    Despachante Previdenciário
    CRDD/RS1289

    CANELA RS

  • Andréia Santana

    Gostaria de saber se o deficiente auditivo tem direito aos benefícios da LOAS? Caso não tenha, quais justificativas se aplicam a essa questão?
    Quais procedimentos devo tomar para adquirir uma sala destinada ao atendimento educacional especializado? Como poderei adquirir recursos para trabalhar com crianças portadoras de deficiências?

  • marcio salgado

    Bom dia tenho 30 anos sou deficifiente auditivo,mas nunca usei isso ao meu favor, trabalho sou casado tenhos duas filhas sou conciderado um homem normal, mas agora eu gostaria de saber se eu posso pedir aquele colante de deficiente para por no meu carro, e tirar a carterinha de onibus gratuita tambem, e ter desconto em varios lugar

  • Marcelo Palhares

    Cara Vanessa,

    abaixo cito algns sites explicando a estória, os direitos, a participação do Poder Público.

    http://www.dhnet.org.br/direitos/sos/def/pessoas_deficientes.html


    Outro site que traz muitas informações e poderá servir de grande utilidade:

    http://www.adaps.org.br/conteudo.htm


    Acho louvável, procurar a Prefeitura da sua cidade para checar o que pode ser favorável.

    Abaixo segue o Estatuto, seria interessante fazer uma leitura:

    DECRETO No 3.298 — ESTATUTO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

    Diário Oficial da União, 21 de dezembro de 1999

    Regulamenta a Lei no 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção, e dá outras providências.

    O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição, e tendo em vista o disposto na Lei no 7.853, de 24 de outubro de 1989,

    D E C R E T A :

    CAPÍTULO I
    Das Disposições Gerais

    Art. 1º A Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência compreende o conjunto de orientações normativas que objetivam assegurar o pleno exercício dos direitos individuais e sociais das pessoas portadoras de deficiência.

    Art. 2º Cabe aos órgãos e às entidades do Poder Público assegurar à pessoa portadora de deficiência o pleno exercício de seus direitos básicos, inclusive dos direitos à educação, à saúde, ao trabalho, ao desporto, ao turismo, ao lazer, à previdência social, à assistência social, ao transporte, à edificação pública, à habitação, à cultura, ao amparo à infância e à maternidade, e de outros que, decorrentes da Constituição e das leis, propiciem seu bem-estar pessoal, social e econômico.

    Art. 3º Para os efeitos deste Decreto, considera-se:
    I - deficiência – toda perda ou anormalidade de uma estrutura ou função psicológica, fisiológica ou anatômica que gere incapacidade para o desempenho de atividade, dentro do padrão considerado normal para o ser humano;
    II - deficiência permanente – aquela que ocorreu ou se estabilizou durante um período de tempo suficiente para não permitir recuperação ou ter probabilidade de que se altere, apesar de novos tratamentos; e
    III - incapacidade – uma redução efetiva e acentuada da capacidade de integração social, com necessidade de equipamentos, adaptações, meios ou recursos especiais para que a pessoa portadora de deficiência possa receber ou transmitir informações necessárias ao seu bem-estar pessoal e ao desempenho de função ou atividade a ser exercida.

    Art. 4º É considerada pessoa portadora de deficiência a que se enquadra nas seguintes categorias:
    I - deficiência física – alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo humano, acarretando o comprometimento da função física, apresentando-se sob a forma de paraplegia, paraparesia, monoplegia, monoparesia, tetraplegia, tetraparesia, triplegia, triparesia, hemiplegia, hemiparesia, amputação ou ausência de membro, paralisia cerebral, membros com deformidade congênita ou adquirida, exceto as deformidades estéticas e as que não produzam dificuldades para o desempenho de funções;
    II - deficiência auditiva – perda parcial ou total das possibilidades auditivas sonoras, variando de graus e níveis na forma seguinte:

    a) de 25 a 40 decibéis (db) – surdez leve;
    b) de 41 a 55 db – surdez moderada;
    c) de 56 a 70 db – surdez acentuada;
    d) de 71 a 90 db – surdez severa;
    e) acima de 91 db – surdez profunda; e
    f) anacusia;
    III - deficiência visual – acuidade visual igual ou menor que 20/200 no melhor olho, após a melhor correção, ou campo visual inferior a 20º (tabela de Snellen), ou ocorrência simultânea de ambas as situações;
    IV - deficiência mental – funcionamento intelectual significativamente inferior à média, com manifestação antes dos dezoito anos e limitações associadas a duas ou mais áreas de habilidades adaptativas, tais como:

    a) comunicação;
    b) cuidado pessoal;
    c) habilidades sociais;
    d) utilização da comunidade;
    e) saúde e segurança;
    f) habilidades acadêmicas;
    g) lazer; e
    h) trabalho;

    V - deficiência múltipla – associação de duas ou mais deficiências.

    CAPÍTULO II
    Dos Princípios

    Art. 5º - A Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, em consonância com o Programa Nacional de Direitos Humanos, obedecerá aos seguintes princípios;

    I - desenvolvimento de ação conjunta do Estado e da sociedade civil, de modo a assegurar a plena integração da pessoa portadora de deficiência no contexto sócio-econômico e cultural;
    II - estabelecimento de mecanismos e instrumentos legais e operacionais que assegurem às pessoas portadoras de deficiência o pleno exercício de seus direitos básicos que, decorrentes da Constituição e das leis, propiciam o seu bem-estar pessoal, social e econômico; e
    III - respeito às pessoas portadoras de deficiência, que devem receber igualdade de oportunidades na sociedade por reconhecimento dos direitos que lhes são assegurados, sem privilégios ou paternalismos.

    CAPÍTULO III
    Das Diretrizes

    Art. 6º São diretrizes da Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência:

    I - estabelecer mecanismos que acelerem e favoreçam a inclusão social da pessoa portadora de deficiência;
    II - adotar estratégias de articulação com órgãos e entidades públicos e privados, bem assim com organismos internacionais e estrangeiros para a implantação desta Política;
    III - incluir a pessoa portadora de deficiência, respeitadas as suas peculiaridades, em todas as iniciativas governamentais relacionadas à educação, à saúde, ao trabalho, à edificação pública, à previdência social, à assistência social, ao transporte, à habitação, à cultura, ao esporte e ao lazer;
    IV - viabilizar a participação da pessoa portadora de deficiência em todas as fases de implementação dessa Política, por intermédio de suas entidades representativas;
    V - ampliar as alternativas de inserção econômica da pessoa portadora de deficiência, proporcionando a ela qualificação profissional e incorporação no mercado de trabalho; e
    VI - garantir o efetivo atendimento das necessidades da pessoa portadora de deficiência, sem o cunho assistencialista.

    CAPÍTULO IV
    Dos Objetivos

    Art. 7º - São objetivos da Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência:

    I - o acesso, o ingresso e a permanência da pessoa portadora de deficiência em todos os serviços oferecidos à comunidade;
    II - integração das ações dos órgãos e das entidades públicos e privados nas áreas de saúde, educação, trabalho, transporte, assistência social, edificação pública, previdência social, habitação, cultura, desporto e lazer, visando à prevenção das deficiências, à eliminação de suas múltiplas causas e à inclusão social;
    III - desenvolvimento de programas setoriais destinados ao atendimento das necessidades especiais da pessoa portadora de deficiência;
    IV - formação de recursos humanos para atendimento da pessoa portadora de deficiência; e
    V - garantia da efetividade dos programas de prevenção, de atendimento especializado e de inclusão social.

    CAPÍTULO V
    Dos Instrumentos

    Art. 8º - São instrumentos da Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência:
    I - a articulação entre entidades governamentais e não-governamentais que tenham responsabilidades quanto ao atendimento da pessoa portadora de deficiência, em nível federal, estadual, do Distrito Federal e municipal;
    II - o fomento à formação de recursos humanos para adequado e eficiente atendimento da pessoa portadora de deficiência;
    III - a aplicação da legislação específica que disciplina a reserva de mercado de trabalho, em favor da pessoa portadora de deficiência, nos órgãos e nas entidades públicos e privados;
    IV - o fomento da tecnologia de bioengenharia voltada para a pessoa portadora de deficiência, bem como a facilitação da importação de equipamentos; e
    V - a fiscalização do cumprimento da legislação pertinente à pessoa portadora de deficiência.

    CAPÍTULO VI
    Dos Aspectos Institucionais

    Art. 9º - Os órgãos e as entidades da Administração Pública Federal direta e indireta deverão conferir, no âmbito das respectivas competências e finalidades, tratamento prioritário e adequado aos assuntos relativos à pessoa portadora de deficiência, visando a assegurar-lhe o pleno exercício de seus direitos básicos e a efetiva inclusão social.

    Art. 10. - Na execução deste Decreto, a Administração Pública Federal direta e indireta atuará de modo integrado e coordenado, seguindo planos e programas, com prazos e objetivos determinados, aprovados pelo Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa Portadora de Deficiência - CONADE.

    Art. 11. Ao CONADE, criado no âmbito do Ministério da Justiça como órgão superior de deliberação colegiada, compete:
    I - zelar pela efetiva implantação da Política Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência;
    II - acompanhar o planejamento e avaliar a execução das políticas setoriais de educação, saúde, trabalho, assistência social, transporte, cultura, turismo, desporto, lazer, política urbana e outras relativas à pessoa portadora de deficiência;
    III - acompanhar a elaboração e a execução da proposta orçamentária do Ministério da Justiça, sugerindo as modificações necessárias à consecução da Política Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência;
    IV - zelar pela efetivação do sistema descentralizado e participativo de defesa dos direitos da pessoa portadora de deficiência;
    V - acompanhar e apoiar as políticas e as ações do Conselho dos Direitos da Pessoa Portadora de Deficiência no âmbito dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios;
    VI - propor a elaboração de estudos e pesquisas que objetivem a melhoria da qualidade de vida da pessoa portadora de deficiência;
    VII - propor e incentivar a realização de campanhas visando à prevenção de deficiências e à promoção dos direitos da pessoa portadora de deficiência;
    VIII - aprovar o plano de ação anual da Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência - CORDE;
    IX - acompanhar, mediante relatórios de gestão, o desempenho dos programas e projetos da Política Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência; e
    X - elaborar o seu regimento interno.

    Art. 12. - O CONADE será constituído, paritariamente, por representantes de instituições governamentais e da sociedade civil, sendo a sua composição e o seu funcionamento disciplinados em ato do Ministro de Estado da Justiça.
    Parágrafo único. Na composição do CONADE, o Ministro de Estado da Justiça disporá sobre os critérios de escolha dos representantes a que se refere este artigo, observando, entre outros, a representatividade e a efetiva atuação, em nível nacional, relativamente à defesa dos direitos da pessoa portadora de deficiência.

    Art. 13. - Poderão ser instituídas outras instâncias deliberativas pelos Estados, pelo Distrito Federal e pelos Municípios, que integrarão sistema descentralizado de defesa dos direitos da pessoa portadora de deficiência.

    Art. 14. - Incumbe ao Ministério da Justiça, por intermédio da Secretaria de Estado dos Direitos Humanos, a coordenação superior, na Administração Pública Federal, dos assuntos, das atividades e das medidas que se refiram às pessoas portadoras de deficiência.

    § 1º No âmbito da Secretaria de Estado dos Direitos Humanos, compete à CORDE:
    I - exercer a coordenação superior dos assuntos, das ações governamentais e das medidas referentes à pessoa portadora de deficiência;
    II - elaborar os planos, programas e projetos da Política Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, bem como propor as providências necessárias à sua completa implantação e ao seu adequado desenvolvimento, inclusive as pertinentes a recursos financeiros e as de caráter legislativo;
    III - acompanhar e orientar a execução pela Administração Pública Federal dos planos, programas e projetos mencionados no inciso anterior;
    IV - manifestar-se sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, dos projetos federais a ela conexos, antes da liberação dos recursos respectivos;
    V - manter com os Estados, o Distrito Federal, os Municípios e o Ministério Público, estreito relacionamento, objetivando a concorrência de ações destinadas à integração das pessoas portadoras de deficiência;
    VI - provocar a iniciativa do Ministério Público, ministrando-lhe informações sobre fatos que constituam objeto da ação civil de que trata a Lei no 7.853, de 24 de outubro de 1989, e indicando-lhe os elementos de convicção;
    VII - emitir opinião sobre os acordos, contratos ou convênios firmados pelos demais órgãos da Administração Pública Federal, no âmbito da Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência; e
    VIII - promover e incentivar a divulgação e o debate das questões concernentes à pessoa portadora de deficiência, visando à conscientização da sociedade.

    § 2º Na elaboração dos planos e programas a seu cargo, a CORDE deverá:
    I - recolher, sempre que possível, a opinião das pessoas e entidades interessadas; e
    II - considerar a necessidade de ser oferecido efetivo apoio às entidades privadas voltadas à integração social da pessoa portadora de deficiência.

    CAPÍTULO VII
    Da Equiparação de Oportunidades

    Art. 15. - Os órgãos e as entidades da Administração Pública Federal prestarão direta ou indiretamente à pessoa portadora de deficiência os seguintes serviços:

    I - reabilitação integral, entendida como o desenvolvimento das potencialidades da pessoa portadora de deficiência, destinada a facilitar sua atividade laboral, educativa e social;
    II - formação profissional e qualificação para o trabalho;
    III - escolarização em estabelecimentos de ensino regular com a provisão dos apoios necessários, ou em estabelecimentos de ensino especial; e
    IV - orientação e promoção individual, familiar e social.

    Seção I
    Da Saúde

    Art. 16. - Os órgãos e as entidades da Administração Pública Federal direta e indireta responsáveis pela saúde devem dispensar aos assuntos objeto deste Decreto tratamento prioritário e adequado, viabilizando, sem prejuízo de outras, as seguintes medidas:
    I - a promoção de ações preventivas, como as referentes ao planejamento familiar, ao aconselhamento genético, ao acompanhamento da gravidez, do parto e do puerpério, à nutrição da mulher e da criança, à identificação e ao controle da gestante e do feto de alto risco, à imunização, às doenças do metabolismo e seu diagnóstico, ao encaminhamento precoce de outras doenças causadoras de deficiência, e à detecção precoce das doenças crônico-degenerativas e a outras potencialmente incapacitantes;
    II - o desenvolvimento de programas especiais de prevenção de acidentes domésticos, de trabalho, de trânsito e outros, bem como o desenvolvimento de programa para tratamento adequado a suas vítimas;
    III - a criação de rede de serviços regionalizados, descentralizados e hierarquizados em crescentes níveis de complexidade, voltada ao atendimento à saúde e reabilitação da pessoa portadora de deficiência, articulada com os serviços sociais, educacionais e com o trabalho;
    IV - a garantia de acesso da pessoa portadora de deficiência aos estabelecimentos de saúde públicos e privados e de seu adequado tratamento sob normas técnicas e padrões de conduta apropriados;
    V - a garantia de atendimento domiciliar de saúde ao portador de deficiência grave não internado;
    VI - o desenvolvimento de programas de saúde voltados para a pessoa portadora de deficiência, desenvolvidos com a participação da sociedade e que lhes ensejem a inclusão social; e
    VII - o papel estratégico da atuação dos agentes comunitários de saúde e das equipes de saúde da família na disseminação das práticas e estratégias de reabilitação baseada na comunidade.

    § 1º - Para os efeitos deste Decreto, prevenção compreende as ações e medidas orientadas a evitar as causas das deficiências que possam ocasionar incapacidade e as destinadas a evitar sua progressão ou derivação em outras incapacidades.
    § 2º - A deficiência ou incapacidade deve ser diagnosticada e caracterizada por equipe multidisciplinar de saúde, para fins de concessão de benefícios e serviços.
    § 3º - As ações de promoção da qualidade de vida da pessoa portadora de deficiência deverão também assegurar a igualdade de oportunidades no campo da saúde.

    Art. 17. - É beneficiária do processo de reabilitação a pessoa que apresenta deficiência, qualquer que seja sua natureza, agente causal ou grau de severidade.
    § 1º - Considera-se reabilitação o processo de duração limitada e com objetivo definido, destinado a permitir que a pessoa com deficiência alcance o nível físico, mental ou social funcional ótimo, proporcionando-lhe os meios de modificar sua própria vida, podendo compreender medidas visando a compensar a perda de uma função ou uma limitação funcional e facilitar ajustes ou reajustes sociais.
    § 2º - Para efeito do disposto neste artigo, toda pessoa que apresente redução funcional devidamente diagnosticada por equipe multiprofissional terá direito a beneficiar-se dos processos de reabilitação necessários para corrigir ou modificar seu estado físico, mental ou sensorial, quando este constitua obstáculo para sua integração educativa, laboral e social.

    Art. 18. - Incluem-se na assistência integral à saúde e reabilitação da pessoa portadora de deficiência a concessão de órteses, próteses, bolsas coletoras e materiais auxiliares, dado que tais equipamentos complementam o atendimento, aumentando as possibilidades de independência e inclusão da pessoa portadora de deficiência.

    Art. 19. - Consideram-se ajudas técnicas, para os efeitos deste Decreto, os elementos que permitem compensar uma ou mais limitações funcionais motoras, sensoriais ou mentais da pessoa portadora de deficiência, com o objetivo de permitir-lhe superar as barreiras da comunicação e da mobilidade e de possibilitar sua plena inclusão social.

    Parágrafo único. São ajudas técnicas:

    I - próteses auditivas, visuais e físicas;
    II - órteses que favoreçam a adequação funcional;
    III - equipamentos e elementos necessários à terapia e reabilitação da pessoa portadora de deficiência;
    IV - equipamentos, maquinarias e utensílios de trabalho especialmente desenhados ou adaptados para uso por pessoa portadora de deficiência;
    V - elementos de mobilidade, cuidado e higiene pessoal necessários para facilitar a autonomia e a segurança da pessoa portadora de deficiência;
    VI - elementos especiais para facilitar a comunicação, a informação e a sinalização para pessoa portadora de deficiência;
    VII - equipamentos e material pedagógico especial para educação, capacitação e recreação da pessoa portadora de deficiência;
    VIII - adaptações ambientais e outras que garantam o acesso, a melhoria funcional e a autonomia pessoal; e
    IX - bolsas coletoras para os portadores de ostomia.

    Art. 20. - É considerado parte integrante do processo de reabilitação o provimento de medicamentos que favoreçam a estabilidade clínica e funcional e auxiliem na limitação da incapacidade, na reeducação funcional e no controle das lesões que geram incapacidades.

    Art. 21. - O tratamento e a orientação psicológica serão prestados durante as distintas fases do processo reabilitador, destinados a contribuir para que a pessoa portadora de deficiência atinja o mais pleno desenvolvimento de sua personalidade.
    Parágrafo único. O tratamento e os apoios psicológicos serão simultâneos aos tratamentos funcionais e, em todos os casos, serão concedidos desde a comprovação da deficiência ou do início de um processo patológico que possa originá-la.

    Art. 22. - Durante a reabilitação, será propiciada, se necessária, assistência em saúde mental com a finalidade de permitir que a pessoa submetida a esta prestação desenvolva ao máximo suas capacidades.

    Art. 23. - Será fomentada a realização de estudos epidemiológicos e clínicos, com periodicidade e abrangência adequadas, de modo a produzir informações sobre a ocorrência de deficiências e incapacidades.

    Seção II
    Do Acesso à Educação

    Art. 24. - Os órgãos e as entidades da Administração Pública Federal direta e indireta responsáveis pela educação dispensarão tratamento prioritário e adequado aos assuntos objeto deste Decreto, viabilizando, sem prejuízo de outras, as seguintes medidas:

    I - a matrícula compulsória em cursos regulares de estabelecimentos públicos e particulares de pessoa portadora de deficiência capazes de se integrar na rede regular de ensino;
    II - a inclusão, no sistema educacional, da educação especial como modalidade de educação escolar que permeia transversalmente todos os níveis e as modalidades de ensino;
    III - a inserção, no sistema educacional, das escolas ou instituições especializadas públicas e privadas;
    IV - a oferta, obrigatória e gratuita, da educação especial em estabelecimentos públicos de ensino;
    V - o oferecimento obrigatório dos serviços de educação especial ao educando portador de deficiência em unidades hospitalares e congêneres nas quais esteja internado por prazo igual ou superior a um ano; e
    VI - o acesso de aluno portador de deficiência aos benefícios conferidos aos demais educandos, inclusive material escolar, transporte, merenda escolar e bolsas de estudo.

    § 1º - Entende-se por educação especial, para os efeitos deste Decreto, a modalidade de educação escolar oferecida preferencialmente na rede regular de ensino para educando com necessidades educacionais especiais, entre eles o portador de deficiência.
    § 2º - A educação especial caracteriza-se por constituir processo flexível, dinâmico e individualizado, oferecido principalmente nos níveis de ensino considerados obrigatórios.
    § 3º - A educação do aluno com deficiência deverá iniciar-se na educação infantil, a partir de zero ano.
    § 4º - A educação especial contará com equipe multiprofissional, com a adequada especialização, e adotará orientações pedagógicas individualizadas.
    § 5º - Quando da construção e reforma de estabelecimentos de ensino deverá ser observado o atendimento as normas técnicas da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT relativas à acessibilidade.

    Art. 25. - Os serviços de educação especial serão ofertados nas instituições de ensino público ou privado do sistema de educação geral, de forma transitória ou permanente, mediante programas de apoio para o aluno que está integrado no sistema regular de ensino, ou em escolas especializadas exclusivamente quando a educação das escolas comuns não puder satisfazer as necessidades educativas ou sociais do aluno ou quando necessário ao bem-estar do educando.

    Art. 26. - As instituições hospitalares e congêneres deverão assegurar atendimento pedagógico ao educando portador de deficiência internado nessas unidades por prazo igual ou superior a um ano, com o propósito de sua inclusão ou manutenção no processo educacional.

    Art. 27. - As instituições de ensino superior deverão oferecer adaptações de provas e os apoios necessários, previamente solicitados pelo aluno portador de deficiência, inclusive tempo adicional para realização das provas, conforme as características da deficiência.
    § 1º - As disposições deste artigo aplicam-se, também, ao sistema geral do processo seletivo para ingresso em cursos universitários de instituições de ensino superior.
    § 2º - O Ministério da Educação, no âmbito da sua competência, expedirá instruções para que os programas de educação superior incluam nos seus currículos conteúdos, itens ou disciplinas relacionados à pessoa portadora de deficiência.

    Art. 28. - O aluno portador de deficiência matriculado ou egresso do ensino fundamental ou médio, de instituições públicas ou privadas, terá acesso à educação profissional, a fim de obter habilitação profissional que lhe proporcione oportunidades de acesso ao mercado de trabalho.

    § 1º - A educação profissional para a pessoa portadora de deficiência será oferecida nos níveis básico, técnico e tecnológico, em escola regular, em instituições especializadas e nos ambientes de trabalho.
    § 2º - As instituições públicas e privadas que ministram educação profissional deverão, obrigatoriamente, oferecer cursos profissionais de nível básico à pessoa portadora de deficiência, condicionando a matrícula à sua capacidade de aproveitamento e não a seu nível de escolaridade.
    § 3º - Entende-se por habilitação profissional o processo destinado a propiciar à pessoa portadora de deficiência, em nível formal e sistematizado, aquisição de conhecimentos e habilidades especificamente associados a determinada profissão ou ocupação.
    § 4º - Os diplomas e certificados de cursos de educação profissional expedidos por instituição credenciada pelo Ministério da Educação ou órgão equivalente terão validade em todo o território nacional.

    Art. 29. - As escolas e instituições de educação profissional oferecerão, se necessário, serviços de apoio especializado para atender às peculiaridades da pessoa portadora de deficiência, tais como:

    I - adaptação dos recursos instrucionais: material pedagógico, equipamento e currículo;
    II - capacitação dos recursos humanos: professores, instrutores e profissionais especializados; e
    III - adequação dos recursos físicos: eliminação de barreiras arquitetônicas, ambientais e de comunicação.

    Seção III

    Da Habilitação e da Reabilitação Profissional

    Art. 30. - A pessoa portadora de deficiência, beneficiária ou não do Regime Geral de Previdência Social, tem direito às prestações de habilitação e reabilitação profissional para capacitar-se a obter trabalho, conservá-lo e progredir profissionalmente.

    Art. 31. - Entende-se por habilitação e reabilitação profissional o processo orientado a possibilitar que a pessoa portadora de deficiência, a partir da identificação de suas potencialidades laborativas, adquira o nível suficiente de desenvolvimento profissional para ingresso e reingresso no mercado de trabalho e participar da vida comunitária.

    Art. 32. - Os serviços de habilitação e reabilitação profissional deverão estar dotados dos recursos necessários para atender toda pessoa portadora de deficiência, independentemente da origem de sua deficiência, desde que possa ser preparada para trabalho que lhe seja adequado e tenha perspectivas de obter, conservar e nele progredir.

    Art. 33. - A orientação profissional será prestada pelos correspondentes serviços de habilitação e reabilitação profissional, tendo em conta as potencialidades da pessoa portadora de deficiência, identificadas com base em relatório de equipe multiprofissional, que deverá considerar:

    I - educação escolar efetivamente recebida e por receber;
    II - expectativas de promoção social;
    III - possibilidades de emprego existentes em cada caso;
    IV - motivações, atitudes e preferências profissionais; e
    V - necessidades do mercado de trabalho.

    Seção IV
    Do Acesso ao Trabalho

    Art. 34. - É finalidade primordial da política de emprego a inserção da pessoa portadora de deficiência no mercado de trabalho ou sua incorporação ao sistema produtivo mediante regime especial de trabalho protegido.
    Parágrafo único. Nos casos de deficiência grave ou severa, o cumprimento do disposto no caput deste artigo poderá ser efetivado mediante a contratação das cooperativas sociais de que trata a Lei nº 9.867, de 10 de novembro de 1999.

    Art. 35. - São modalidades de inserção laboral da pessoa portadora de deficiência:
    I - colocação competitiva: processo de contratação regular, nos termos da legislação trabalhista e previdenciária, que independe da adoção de procedimentos especiais para sua concretização, não sendo excluída a possibilidade de utilização de apoios especiais;
    II - colocação seletiva: processo de contratação regular, nos termos da legislação trabalhista e previdenciária, que depende da adoção de procedimentos e apoios especiais para sua concretização; e
    III - promoção do trabalho por conta própria: processo de fomento da ação de uma ou mais pessoas, mediante trabalho autônomo, cooperativado ou em regime de economia familiar, com vista à emancipação econômica e pessoal.
    § 1º - As entidades beneficentes de assistência social, na forma da lei, poderão intermediar a modalidade de inserção laboral de que tratam os incisos II e III, nos seguintes casos:
    I - na contratação para prestação de serviços, por entidade pública ou privada, da pessoa portadora de deficiência física, mental ou sensorial: e
    II - na comercialização de bens e serviços decorrentes de programas de habilitação profissional de adolescente e adulto portador de deficiência em oficina protegida de produção ou terapêutica.
    § 2º - Consideram-se procedimentos especiais os meios utilizados para a contratação de pessoa que, devido ao seu grau de deficiência, transitória ou permanente, exija condições especiais, tais como jornada variável, horário flexível, proporcionalidade de salário, ambiente de trabalho adequado às suas especificidades, entre outros.
    § 3º - Consideram-se apoios especiais a orientação, a supervisão e as ajudas técnicas entre outros elementos que auxiliem ou permitam compensar uma ou mais limitações funcionais motoras, sensoriais ou mentais da pessoa portadora de deficiência, de modo a superar as barreiras da mobilidade e da comunicação, possibilitando a plena utilização de suas capacidades em condições de normalidade.
    § 4º - Considera-se oficina protegida de produção a unidade que funciona em relação de dependência com entidade pública ou beneficente de assistência social, que tem por objetivo desenvolver programa de habilitação profissional para adolescente e adulto portador de deficiência, provendo-o com trabalho remunerado, com vista à emancipação econômica e pessoal relativa.
    § 5º - Considera-se oficina protegida terapêutica a unidade que funciona em relação de dependência com entidade pública ou beneficente de assistência social, que tem por objetivo a integração social por meio de atividades de adaptação e capacitação para o trabalho de adolescente e adulto que devido ao seu grau de deficiência, transitória ou permanente, não possa desempenhar atividade laboral no mercado competitivo de trabalho ou em oficina protegida de produção.
    § 6º O período de adaptação e capacitação para o trabalho de adolescente e adulto portador de deficiência em oficina protegida terapêutica não caracteriza vínculo empregatício e está condicionado a processo de avaliação individual que considere o desenvolvimento bio-psico-social da pessoa.
    § 7º - A prestação de serviços será feita mediante celebração de convênio ou contrato formal, entre a entidade beneficente de assistência social e o tomador de serviços, no qual constará a relação nominal dos trabalhadores portadores de deficiência colocados à disposição do tomador.
    § 8º - A entidade que se utilizar do processo de colocação seletiva deverá promover, em parceria com o tomador de serviços, programas de prevenção de doenças profissionais e de redução da capacidade laboral, bem assim programas de reabilitação caso ocorram patologias ou se manifestem outras incapacidades.

    Art. 36. A empresa com cem ou mais empregados está obrigada a preencher de dois a cinco por cento de seus cargos com beneficiários da Previdência Social reabilitados ou com pessoa portadora de deficiência habilitada, na seguinte proporção:
    I - até duzentos empregados, dois por cento;
    II - de duzentos e um a quinhentos empregados, três por cento;
    III - de quinhentos e um a mil empregados, quatro por cento; ou
    IV - mais de mil empregados, cinco por cento.
    § 1º - A dispensa de empregado na condição estabelecida neste artigo, quando se tratar de contrato por prazo determinado, superior a noventa dias, e a dispensa imotivada, no contrato por prazo indeterminado, somente poderá ocorrer após a contratação de substituto em condições semelhantes.
    § 2º - Considera-se pessoa portadora de deficiência habilitada aquela que concluiu curso de educação profissional de nível básico, técnico ou tecnológico, ou curso superior, com certificação ou diplomação expedida por instituição pública ou privada, legalmente credenciada pelo Ministério da Educação ou órgão equivalente, ou aquela com certificado de conclusão de processo de habilitação ou reabilitação profissional fornecido pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS.
    § 3º - Considera-se, também, pessoa portadora de deficiência habilitada aquela que, não tendo se submetido a processo de habilitação ou reabilitação, esteja capacitada para o exercício da função.
    § 4º - A pessoa portadora de deficiência habilitada nos termos dos §§ 2o e 3o deste artigo poderá recorrer à intermediação de órgão integrante do sistema público de emprego, para fins de inclusão laboral na forma deste artigo.
    § 5º - Compete ao Ministério do Trabalho e Emprego estabelecer sistemática de fiscalização, avaliação e controle das empresas, bem como instituir procedimentos e formulários que propiciem estatísticas sobre o número de empregados portadores de deficiência e de vagas preenchidas, para fins de acompanhamento do disposto no caput deste artigo.

    Art. 37. Fica assegurado à pessoa portadora de deficiência o direito de se inscrever em concurso público, em igualdade de condições com os demais candidatos, para provimento de cargo cujas atribuições sejam compatíveis com a deficiência de que é portador.
    § 1º - O candidato portador de deficiência, em razão da necessária igualdade de condições, concorrerá a todas as vagas, sendo reservado no mínimo o percentual de cinco por cento em face da classificação obtida.
    § 2º - Caso a aplicação do percentual de que trata o parágrafo anterior resulte em número fracionado, este deverá ser elevado até o primeiro número inteiro subseqüente.

    Art. 38. - Não se aplica o disposto no artigo anterior nos casos de provimento de:
    I - cargo em comissão ou função de confiança, de livre nomeação e exoneração; e
    II - cargo ou emprego público integrante de carreira que exija aptidão plena do candidato.

    Art. 39. - Os editais de concursos públicos deverão conter:
    I - o número de vagas existentes, bem como o total correspondente à reserva destinada à pessoa portadora de deficiência;
    II - as atribuições e tarefas essenciais dos cargos;
    III - previsão de adaptação das provas, do curso de formação e do estágio probatório, conforme a deficiência do candidato; e
    IV - exigência de apresentação, pelo candidato portador de deficiência, no ato da inscrição, de laudo médico atestando a espécie e o grau ou nível da deficiência, com expressa referência ao código correspondente da Classificação Internacional de Doença - CID, bem como a provável causa da deficiência.

    Art. 40. É vedado à autoridade competente obstar a inscrição de pessoa portadora de deficiência em concurso público para ingresso em carreira da Administração Pública Federal direta e indireta.
    § 1º - No ato da inscrição, o candidato portador de deficiência que necessite de tratamento diferenciado nos dias do concurso deverá requerê-lo, no prazo determinado em edital, indicando as condições diferenciadas de que necessita para a realização das provas.
    § 2º - O candidato portador de deficiência que necessitar de tempo adicional para realização das provas deverá requerê-lo, com justificativa acompanhada de parecer emitido por especialista da área de sua deficiência, no prazo estabelecido no edital do concurso.

    Art. 41. A pessoa portadora de deficiência, resguardadas as condições especiais previstas neste Decreto, participará de concurso em igualdade de condições com os demais candidatos no que concerne:
    I - ao conteúdo das provas;
    II - à avaliação e aos critérios de aprovação;
    III - ao horário e ao local de aplicação das provas; e
    IV - à nota mínima exigida para todos os demais candidatos.

    Art. 42. - A publicação do resultado final do concurso será feita em duas listas, contendo, a primeira, a pontuação de todos os candidatos, inclusive a dos portadores de deficiência, e a segunda, somente a pontuação destes últimos.

    Art. 43. - O órgão responsável pela realização do concurso terá a assistência de equipe multiprofissional composta de três profissionais capacitados e atuantes nas áreas das deficiências em questão, sendo um deles médico, e três profissionais integrantes da carreira almejada pelo candidato.
    § 1º - A equipe multiprofissional emitirá parecer observando:
    I - as informações prestadas pelo candidato no ato da inscrição;
    II - a natureza das atribuições e tarefas essenciais do cargo ou da função a desempenhar;
    III - a viabilidade das condições de acessibilidade e as adequações do ambiente de trabalho na execução das tarefas;
    IV - a possibilidade de uso, pelo candidato, de equipamentos ou outros meios que habitualmente utilize; e
    V - a CID e outros padrões reconhecidos nacional e internacionalmente.
    § 2º - A equipe multiprofissional avaliará a compatibilidade entre as atribuições do cargo e a deficiência do candidato durante o estágio probatório.

    Art. 44. - A análise dos aspectos relativos ao potencial de trabalho do candidato portador de deficiência obedecerá ao disposto no art. 20 da Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990.

    Art. 45. - Serão implementados programas de formação e qualificação profissional voltados para a pessoa portadora de deficiência no âmbito do Plano Nacional de Formação Profissional - PLANFOR.
    Parágrafo único. - Os programas de formação e qualificação profissional para pessoa portadora de deficiência terão como objetivos:
    I - criar condições que garantam a toda pessoa portadora de deficiência o direito a receber uma formação profissional adequada;
    II - organizar os meios de formação necessários para qualificar a pessoa portadora de deficiência para a inserção competitiva no mercado laboral; e
    III - ampliar a formação e qualificação profissional sob a base de educação geral para fomentar o desenvolvimento harmônico da pessoa portadora de deficiência, assim como para satisfazer as exigências derivadas do progresso técnico, dos novos métodos de produção e da evolução social e econômica.

    Seção V
    Da Cultura, do Desporto, do Turismo e do Lazer

    Art. 46. - Os órgãos e as entidades da Administração Pública Federal direta e indireta responsáveis pela cultura, pelo desporto, pelo turismo e pelo lazer dispensarão tratamento prioritário e adequado aos assuntos objeto deste Decreto, com vista a viabilizar, sem prejuízo de outras, as seguintes medidas:
    I - promover o acesso da pessoa portadora de deficiência aos meios de comunicação social;
    II - criar incentivos para o exercício de atividades criativas, mediante:
    a) participação da pessoa portadora de deficiência em concursos de prêmios no campo das artes e das letras; e
    b) exposições, publicações e representações artísticas de pessoa portadora de deficiência;
    III - incentivar a prática desportiva formal e não-formal como direito de cada um e o lazer como forma de promoção social;
    IV - estimular meios que facilitem o exercício de atividades desportivas entre a pessoa portadora de deficiência e suas entidades representativas;
    V - assegurar a acessibilidade às instalações desportivas dos estabelecimentos de ensino, desde o nível pré-escolar até à universidade;
    VI - promover a inclusão de atividades desportivas para pessoa portadora de deficiência na prática da educação física ministrada nas instituições de ensino públicas e privadas;
    VII - apoiar e promover a publicação e o uso de guias de turismo com informação adequada à pessoa portadora de deficiência; e
    VIII - estimular a ampliação do turismo à pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida, mediante a oferta de instalações hoteleiras acessíveis e de serviços adaptados de transporte.

    Art. 47. - Os recursos do Programa Nacional de Apoio à Cultura financiarão, entre outras ações, a produção e a difusão artístico-cultural de pessoa portadora de deficiência.
    Parágrafo único. - Os projetos culturais financiados com recursos federais, inclusive oriundos de programas especiais de incentivo à cultura, deverão facilitar o livre acesso da pessoa portadora de deficiência, de modo a possibilitar-lhe o pleno exercício dos seus direitos culturais.

    Art. 48. - Os órgãos e as entidades da Administração Pública Federal direta e indireta, promotores ou financiadores de atividades desportivas e de lazer, devem concorrer técnica e financeiramente para obtenção dos objetivos deste Decreto.
    Parágrafo único. - Serão prioritariamente apoiadas a manifestação desportiva de rendimento e a educacional, compreendendo as atividades de:
    I - desenvolvimento de recursos humanos especializados;
    II - promoção de competições desportivas internacionais, nacionais, estaduais e locais;
    III - pesquisa científica, desenvolvimento tecnológico, documentação e informação; e
    IV - construção, ampliação, recuperação e adaptação de instalações desportivas e de lazer.

    CAPÍTULO VIII
    Da Política de Capacitação de Profissionais Especializados

    Art. 49. - Os órgãos e as entidades da Administração Pública Federal direta e indireta, responsáveis pela formação de recursos humanos, devem dispensar aos assuntos objeto deste Decreto tratamento prioritário e adequado, viabilizando, sem prejuízo de outras, as seguintes medidas:
    I - formação e qualificação de professores de nível médio e superior para a educação especial, de técnicos de nível médio e superior especializados na habilitação e reabilitação, e de instrutores e professores para a formação profissional;
    II - formação e qualificação profissional, nas diversas áreas de conhecimento e de recursos humanos que atendam às demandas da pessoa portadora de deficiência; e
    III - incentivo à pesquisa e ao desenvolvimento tecnológico em todas as áreas do conhecimento relacionadas com a pessoa portadora de deficiência.

    CAPÍTULO IX
    Da Acessibilidade na Administração Pública Federal

    Art. 50. - Os órgãos e as entidades da Administração Pública Federal direta e indireta adotarão providências para garantir a acessibilidade e a utilização dos bens e serviços, no âmbito de suas competências, à pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida, mediante a eliminação de barreiras arquitetônicas e obstáculos, bem como evitando a construção de novas barreiras.

    Art. 51. Para os efeitos deste Capítulo, consideram-se:
    I - acessibilidade: possibilidade e condição de alcance para utilização, com segurança e autonomia, dos espaços, mobiliários e equipamentos urbanos, das instalações e equipamentos esportivos, das edificações, dos transportes e dos sistemas e meios de comunicação, por pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida;
    II - barreiras: qualquer entrave ou obstáculo que limite ou impeça o acesso, a liberdade de movimento e a circulação com segurança das pessoas, classificadas em:
    a) barreiras arquitetônicas urbanísticas: as existentes nas vias públicas e nos espaços de uso público;
    b) barreiras arquitetônicas na edificação: as existentes no interior dos edifícios públicos e privados;
    c) barreiras nas comunicações: qualquer entrave ou obstáculo que dificulte ou impossibilite a expressão ou o recebimento de mensagens por intermédio dos meios ou sistemas de comunicação, sejam ou não de massa;
    III - pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida: a que temporária ou permanentemente tenha limitada sua capacidade de relacionar-se com o meio ambiente e de utilizá-lo;
    IV - elemento da urbanização: qualquer componente das obras de urbanização, tais como os referentes a pavimentação, saneamento, encanamentos para esgotos, distribuição de energia elétrica, iluminação pública, abastecimento e distribuição de água, paisagismo e os que materializam as indicações do planejamento urbanístico; e
    V - mobiliário urbano: o conjunto de objetos existentes nas vias e espaços públicos, superpostos ou adicionados aos elementos da urbanização ou da edificação, de forma que sua modificação ou translado não provoque alterações substanciais nestes elementos, tais como semáforos, postes de sinalização e similares, cabines telefônicas, fontes públicas, lixeiras, toldos, marquises, quiosques e quaisquer outros de natureza análoga.

    Art. 52. - A construção, ampliação e reforma de edifícios, praças e equipamentos esportivos e de lazer, públicos e privados, destinados ao uso coletivo deverão ser executadas de modo que sejam ou se tornem acessíveis à pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida.
    Parágrafo único. - Para os fins do disposto neste artigo, na construção, ampliação ou reforma de edifícios, praças e equipamentos esportivos e de lazer, públicos e privados, destinados ao uso coletivo por órgãos da Administração Pública Federal, deverão ser observados, pelo menos, os seguintes requisitos de acessibilidade:
    I - nas áreas externas ou internas da edificação, destinadas a garagem e a estacionamento de uso público, serão reservados dois por cento do total das vagas à pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida, garantidas no mínimo três, próximas dos acessos de circulação de pedestres, devidamente sinalizadas e com as especificações técnicas de desenho e traçado segundo as normas da ABNT;
    II - pelo menos um dos acessos ao interior da edificação deverá estar livre de barreiras arquitetônicas e de obstáculos que impeçam ou dificultem a acessibilidade da pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida;
    III - pelo menos um dos itinerários que comuniquem horizontal e verticalmente todas as dependências e serviços do edifício, entre si e com o exterior, cumprirá os requisitos de acessibilidade;
    IV - pelo menos um dos elevadores deverá ter a cabine, assim como sua porta de entrada, acessíveis para pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida, em conformidade com norma técnica específica da ABNT; e
    V - os edifícios disporão, pelo menos, de um banheiro acessível para cada gênero, distribuindo-se seus equipamentos e acessórios de modo que possam ser utilizados por pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida.

    Art. 53. - As bibliotecas, os museus, os locais de reuniões, conferências, aulas e outros ambientes de natureza similar disporão de espaços reservados para pessoa que utilize cadeira de rodas e de lugares específicos para pessoa portadora de deficiência auditiva e visual, inclusive acompanhante, de acordo com as normas técnicas da ABNT, de modo a facilitar-lhes as condições de acesso, circulação e comunicação.

    Art. 54. - Os órgãos e as entidades da Administração Pública Federal, no prazo de três anos a partir da publicação deste Decreto, deverão promover as adaptações, eliminações e supressões de barreiras arquitetônicas existentes nos edifícios e espaços de uso público e naqueles que estejam sob sua administração ou uso.

    CAPÍTULO X
    Do Sistema Integrado de Informações

    Art. 55. - Fica instituído, no âmbito da Secretaria de Estado dos Direitos Humanos do Ministério da Justiça, o Sistema Nacional de Informações sobre Deficiência, sob a responsabilidade da CORDE, com a finalidade de criar e manter bases de dados, reunir e difundir informação sobre a situação das pessoas portadoras de deficiência e fomentar a pesquisa e o estudo de todos os aspectos que afetem a vida dessas pessoas.

    Parágrafo único. - Serão produzidas, periodicamente, estatísticas e informações, podendo esta atividade realizar-se conjuntamente com os censos nacionais, pesquisas nacionais, regionais e locais, em estreita colaboração com universidades, institutos de pesquisa e organizações para pessoas portadoras de deficiência.

    CAPÍTULO XI
    Das Disposições Finais e Transitórias

    Art. 56. - A Secretaria de Estado dos Direitos Humanos, com base nas diretrizes e metas do Plano Plurianual de Investimentos, por intermédio da CORDE, elaborará, em articulação com outros órgãos e entidades da Administração Pública Federal, o Plano Nacional de Ações Integradas na Área das Deficiências.

    Art. 57. - Fica criada, no âmbito da Secretaria de Estado dos Direitos Humanos, comissão especial, com a finalidade de apresentar, no prazo de cento e oitenta dias, a contar de sua constituição, propostas destinadas a:
    I - implementar programa de formação profissional mediante a concessão de bolsas de qualificação para a pessoa portadora de deficiência, com vistas a estimular a aplicação do disposto no art. 36; e
    II - propor medidas adicionais de estímulo à adoção de trabalho em tempo parcial ou em regime especial para a pessoa portadora de deficiência.
    Parágrafo único. - A comissão especial de que trata o caput deste artigo será composta por um representante de cada órgão e entidade a seguir indicados:
    I - CORDE;
    II - CONADE;
    III - Ministério do Trabalho e Emprego;
    IV - Secretaria de Estado de Assistência Social do Ministério da Previdência e Assistência Social;
    V - Ministério da Educação;
    VI - Ministério dos Transportes;
    VII - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; e
    VIII - INSS.

    Art. 58. - A CORDE desenvolverá, em articulação com órgãos e entidades da Administração Pública Federal, programas de facilitação da acessibilidade em sítios de interesse histórico, turístico, cultural e desportivo, mediante a remoção de barreiras físicas ou arquitetônicas que impeçam ou dificultem a locomoção de pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida.

    Art. 59. - Este Decreto entra em vigor na data da sua publicação,

    Art. 60. - Ficam revogados os Decretos nº 93.481, de 29 de outubro de 1986, 914, de 6 de setembro de 1993, 1.680, de 18 de outubro de 1995, 3.030, de 20 de abril de 1999, o § 2º do art. 141 do Regulamento da Previdência Social, aprovado pelo Decreto nº 3.048, de 6 de maio de 1999, e o Decreto nº 3.076, de 1º de junho de 1999.

    Brasília, 20 de dezembro de 1999; 178º da Independência e 111º da República.
    FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
    José Carlos Dias.



    Vanessa, procure saber se não há gratuidade de passagem de transporte, vaga em empregos por cota, até mesmo ingresso em faculdade por cota.

    Espero ter colaborado e boa sorte.

  • celia_1

    boa noite , minha filha tem 23 anos é deficiente auditiva, gostaria de saber se como deficiente ela tem direito a desconto na faculdade, pois pela proune ela não consegue vaga, tem que fazer dois anos para concluir um, onde posso encontrar algo que que esclareçe isso

  • Marcelo Palhares

    Cara Maria de Fátima,

    Considerando a decisões já dentro do STJ não vejo impedimento, mas certamente deverá ficar atenta ao que o Edital diz, e o tipo de finalidade a qual o cargo se destina, ok?


    Data: 03/03/2008 22:37
    De: Renato
    IP: 189.71.91.169
    Assunto: SURDEZ UNILATERAL
    Vejam o que diz o MINISTRO PAULO MEDINA ""ADMINISTRATIVO - MANDADO DE
    SEGURANÇA - VAGA - CANDIDATO -
    ENQUADRAMENTO NO CAMPO DOS
    DEFICIENTES FÍSICOS - DEFICIÊNCIA AUDITIVA
    NÃO CARACTERIZADA POR APRESENTAR
    PERDA AUDITIVA PARCIAL UNILATERAL -
    RESOLUÇÃO Nº 17/2003 DA CONADE - PERÍCIA
    MÉDICA - JUNTA MÉDICA DESTE EGRÉGIO
    TRIBUNAL E EQUIPE MULTIDISCIPLINAR DA
    SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESPÍRITO SANTO/ES."

    "Assim, por expressa disposição legal, toda perda de audição,
    ainda que unilateral ou parcial, de quarenta e um decibéis (dB) ou mais, aferida por audiograma nas freqüências de 500HZ, 1.000HZ, 2.000Hz e 3.000Hz, é considerada deficiência auditiva."

    "Posto isso, DOU PROVIMENTO ao recurso ordinário, para
    conceder a ordem e assegurar ao Recorrente o direito líquido e certo à reserva de vagas e, dada a ordem de classificação no concurso, à nomeação e posse no cargo de Analista Judiciário, nos termos da 7.853/89, regulamentada pelos Decretos nºs 3.298/99 e 5.296/2004."




    Um abraço.