A imprensa demoniza os metroviários paulistas para esconder as segundas intenções perigosas do governador de São Paulo?

A greve dos metroviários ocorre durante a data base da categoria. Esta não é uma greve política como disse o governador de São Paulo, mas manifestação de cunho econômico que calhou de ocorrer próxima ao início da Copa do mundo. Os grevistas querem aumento pouco maior do que o oferecido e determinado pelo TRT/SP, mas o governo Alckmin se recusa a negociar e mandou espancar brutalmente os grevistas. [[1]]

Os grevistas decidiram continuar em greve apesar do julgamento do movimento pelo TRT. Isto não chega a ser novidade. Esta não será a primeira ou última vez que uma categoria se rebela contra uma decisão oriunda de um Tribunal do Trabalho, mantendo a greve para forçar o empregador a negociar.

O governador Geraldo Alckmin certamente exigirá que a decisão judicial seja cumprida. A verdade, porém, é que ele mesmo não cumpriu centenas de decisões judiciais determinando intervenções em municípios que não pagam precatórios. Apenas para ilustrar a hipocrisia do governador de São Paulo citarei o caso do Acórdão decretando intervenção em Osasco proferido em 2010 e que até a presente data não foi por ele cumprido:

Alckmin pode ser hipócrita, mas não é bobo. Ao se recusar a negociar com os grevistas e mandar espancá-los o governador tucano calculadamente amplificou um conflito trabalhista para tirar proveito político e eleitoral de uma eventual reação de Dilma Rousseff. A continuidade da greve do Metrô SP durante a Copa do Mundo afetará as obrigações assumidas pelo Brasil para poder sediar o evento. Se a greve não for encerrada entes da abertura da Copa em São Paulo, o governo federal entrará inevitavelmente em rota de colisão com o governo estadual. Isto parece ser desejado por Alckmin. [[2]]

A ameaça de intervenção federal ou o pedido desta contra Alckmin permitirá que os cães de guerra do PSDB na imprensa possam acusar o PT de intransigência e autoritarismo, desencadeando uma campanha jamais vista contra Dilma Rousseff e sua candidatura presidencial que será certamente surfada pelo apagado Aécio Neves. Não se enganem. A tucanalha sabe que não vence a eleição presidencial e que pode perder a eleição paulista sem um fato novo. Este fato novo seria uma reação federal justificada pela Copa do Mundo por causa da greve dos metroviários que Alckmin estimula em São Paulo? A conferir.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria