O que se pode dizer de um candidato a presidência que não dá esperança ao povo brasileiro e que diz que pretende governar justamente para prejudicá-lo?

Na condição de pré-candidato a presidência, Aécio Neves disse publicamente que o Salário Mínimo está muito alto e prejudica o lucro das empresas brasileiras. Armínio Fraga, o Ministro da Economia em potencial do pré-candidato tucano, reafirmou a necessidade de reduzir o salário mínimo.  Sou um defensor da política adotada por Luis Inácio da Silva e Dilma Rousseff de recuperação do Salário Mínimo. A confirmação de Aécio Neves como candidato a presidente do PSDB não me causou surpresa, indignação e temor, mas apenas um sorriso.

Cresci durante a Ditadura, época em que, quando indagadas sobre a distribuição de renda, as autoridades sempre repetiam o bordão “o bolo precisa crescer para ser dividido”. Historicamente a Ditadura proporcionou intensa concentração de renda, queda dos níveis do Salário Mínimo e redução da participação dos salários no PIB. Naquele período a divisão de renda não ocorreu nem mesmo quando as taxas de crescimento foram altas. Quando a economia fracassou, o governo passou a maquiar os índices inflacionários que eram empregados para reajustar salários provocando um prejuízo terrível para os trabalhadores.

Os dados estatísticos revelam que a esmagadora maioria dos brasileiros segue ganhando de 1 a 2 salários mínimos http://veja.abril.com.br/complementos-materias/renda-censo/renda.swf e http://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2012/12/19/ibge-72-dos-brasileiros-ganhavam-ate-2-salarios-minimos-em-2010.htm . Esta maioria, capaz de por si só decidir uma eleição presidencial, será inevitavelmente prejudicada caso Aécio Neves seja eleito.

A Ditadura Militar não distribuiu renda. Mas enquanto a economia cresceu, o regime foi apoiado ou tolerado pela maioria da população brasileira porque havia a esperança de que a distribuição de renda ocorreria. Esperança esta que era inspirada constantemente pelo discurso oficial de que “o bolo precisa crescer para ser dividido”. Os militares somente passaram a ser combatidos intensamente pelos trabalhadores no momento em que o fracasso da economia se somou à manipulação dos índices de correção salarial. 

Aécio Neves quer o voto da maioria da população (que ganha de 1 a 2 salários mínimos) com uma plataforma impopular: redução do salário mínimo. A arrogância imperial do candidato do PSDB o impede de dar à maioria da população qualquer coisa. Com ele nem mesmo esperança os trabalhadores brasileiros podem ou devem ter. É isto que condenará o tucano ao fracasso, a menos que, como o Barão Münchhausen, Aécio Neves seja capaz de se salvar do afogamento no pântano erguendo-se pelos próprios cabelos. 



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

1

Livraria