Quando interpreta corretamente a CF/88 o Judiciário valoriza-a e eleva-se a si mesmo como instituição.

A decisão transcrita abaixo é importante, pois corrige uma grande injustiça que havia sido cometida pelo TRT/SP.  A estabilidade da gestante havia sido limitada a pouco mais de 1 mês porque ela ficou sabendo da gravides após a dispensa, não pediu ao Judiciário sua reintegração no emprego e ajuizou o processo pouco antes do fim da prescrição.

O TRT/SP, como bem decidiu o TST, interpretou de maneira incorreta o art. 10, inciso II, alínea "b", do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias e aplicou de maneira equivocada o item II da Súmula n.º 244 do TST. Como bem decidiu o TST nada pode limitar o direito da gestante, bastando a ocorrência da gravidez e o ajuizamento da ação dentro do prazo prescricional para que o Judiciário reconheça a obrigação do empregador a indenizar todo o período da estabilidade e não apenas parte dele. A empregada grávida não pode ser prejudicada em virtude de não pedir a reintegração no emprego como havia decidido o TRT/SP.

Eis a decisão do TST:

"Acórdão Processo Nº RR-0000138-14.2011.5.02.0385 Complemento Processo Eletrônico Relator Min. Maria de Assis Calsing Recorrente(s) JOICE DA SILVA SANTOS Advogado Dr. Fábio de Oliveira Ribeiro(OAB: 107642SP) Recorrido(s) LOTÉRICA OSASCO LTDA. Advogado Dr. José Omar da Rocha(OAB: 110324SP) Orgão Judicante - 4ª Turma DECISÃO : , por unanimidade: I - conhecer e dar provimento ao Agravo de Instrumento, para mandar processar o Recurso de Revista; II - conhecer do Recurso de Revista, por má- aplicação do item II da Súmula n.º 244 do TST, e, no mérito, dar-lhe provimento para condenar a Reclamada ao pagamento de indenização substitutiva (correspondente a salários, 13.º salário, férias, acrescidas de 1/3, e saldo do FGTS, acrescido da multa rescisória de 40%), desde a data da despedida até o final do período de estabilidade, nos termos das Súmulas n.os 244, II, e 396, I, desta Corte. EMENTA : AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA. ESTABILIDADE DA GESTANTE. DIREITO À PERCEPÇÃO DOS SALÁRIOS E DEMAIS CONSECTÁRIOS DE TODO O PERÍODO ESTABILITÁRIO A TÍTULO DE INDENIZAÇÃO SUBSTITUTIVA. Caracterizada a hipótese da alínea a do artigo 896 da CLT, merece ser processada a Revista. Agravo de Instrumento conhecido e provido. RECURSO DE REVISTA. ESTABILIDADE DA GESTANTE. DIREITO À PERCEPÇÃO DOS SALÁRIOS E DEMAIS CONSECTÁRIOS DE TODO O PERÍODO ESTABILITÁRIO A TÍTULO DE INDENIZAÇÃO SUBSTITUTIVA. LIMITAÇÃO DO DIREITO AO PERÍODO POSTERIOR AO DO AJUIZAMENTO DA RECLAMAÇÃO. IMPOSSIBILIDADE. Nos termos do item II da Súmula n.º 244 do TST, a garantia de emprego à gestante só autoriza a reintegração se esta se der durante o período de estabilidade. Do contrário, a garantia restringe-se aos salários e demais direitos correspondentes ao período de estabilidade. Desse modo, a Reclamante tem direito à reintegração ou à indenização correspondente aos salários, que deveriam ter sido pagos durante todo o período de estabilidade, porquanto o ajuizamento da respectiva Reclamação Trabalhista, no decorrer do período estabilitário, ou ainda que findo o período de estabilidade, não tem o condão de limitar a aplicabilidade da estabilidade provisória conferida à gestante (art. 10, inciso II, alínea "b", do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias), ou da indenização substitutiva correspondente. Recurso de Revista conhecido e provido." (TST, 4ª Turma, publicado no Diário Oficial em 20 de junho de 2014)

Além da corrigir uma injustiça no caso concreto, com sua decisão o TST fortaleceu sua própria jurisprudencia sobre o assunto impedindo, assim, que interpretações alternativas, restritivas e incorretas do art. 10, inciso II, alínea "b", do ADCT revoguem implicitamente a garantia constitucional de emprego e/ou indenização para a mulher gestante. Estamos diante de uma grande vitória do princípio da proteção a maternidade consagrada pela CF/88.

O Acórdão na íntegra do TST pode ser lido no seguinte endereço: 

http://aplicacao5.tst.jus.br/consultaunificada2/inteiroTeor.do?action=printInteiroTeor&format=html&highlight=true&numeroFormatado=RR%20-%20138-14.2011.5.02.0385&base=acordao&rowid=AAANGhAA+AAANUsAAQ&dataPublicacao=24/06/2014&localPublicacao=DEJT&query=



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria