Um país é, sobretudo, a persistência do seu passado e a memória de suas infâmias repetidas à exaustão.

O Brasil está em crise. Os derrotados não aceitam o resultado da eleição. Com ajuda da imprensa, eles vão às ruas exigir o Impedimento da presidenta ou a deposição dela pelas Forças Armadas. Quem são os brasileiros que pretendem dar um golpe de estado disfarçado de Impedimento constitucional?

A resposta está na imprensa, nas fotos das passeatas que tentam limitar a “soberania popular”, revogar a decisão válida do TSE e/ou reduzir o valor dos votos dos eleitores de Dilma Rousseff:

FHC: assinou o Decreto que dispensou licitações na Petrobrás, permitindo a instalação da gestão mafiosa na petrolífera pública. No governo dele o Procurador Geral da República engavetava todas as denúncias de corrupção levantadas contra o governo;

Agripino Maia: participou da passeata contra a corrupção e responde a processo por ter se corrompido;

Aécio Neves: derrotado nas eleições presidenciais é acusado de desmandos na administração de Minas Gerais. Segundo denuncias na internet ele foi o campeão de doações de pessoas com dinheiro suspeito depositado no HSBC da Suíça;

Jair Bolsonaro: terrorista que planejou a explosão de uma adutora no Rio de Janeiro, campeão da falta de decoro no Congresso Nacional e pertencente ao partido com vários Parlamentares indiciados por crimes investigados na Lava a Jato;

Maria Alice Setubal: dona do Banco Itaú, empresa que sonega impostos federais;

Álvaro Dias: é suspeito de ter lucrado apenas 37 milhões com esquema de propina na Petrobrás;

Armínio Fraga: o candidato a Ministro da Fazenda de Aécio Neves é investigado pelo FBI por operações bancárias suspeitas, correntista no HSBC da Suíça;

Maitê Proença: artista da Rede Globo que tem ½ milhão de dólares em conta fantasma no HSBC da Suíça;

Ronaldo Caiado: suspeito de ter recebido 1 milhão de real das empresas envolvidas na Operação Lava Jato;

Silvinho Santos: radialista condenado por extorsão no Pará;

Carlinhos Metralhatorturador e assassino de suspeitos e detentos políticos durante a Ditadura.

Abaixo uma lista singela das empresas de comunicação que apóiam o golpe do Impedimento discreta ou escandalosamente:

Rede Globo: sonega impostos e seu dono tem dinheiro suspeito depositado no HSBC da Suíça;

Rede Bandeirantes: o dono tem dinheiro suspeito depositado no HSBC da Suíça;

Folha de São Paulo: o dono tem dinheiro suspeito depositado no HSBC da Suíça.

O exuberante moralismo dos canalhas não é uma novidade no Brasil. Reproduzo abaixo um episódio que ocorreu com dois jornalistas que foram entrevistar Capistrano de Abreu (1853-1927):

“Dois jornalistas, redatoras d’ “A Manhã”, do Rio, foram procurar Capistrano de Abreu, para entrevista-lo sôbre o problema social no Brasil. Ao encontra-lo  na rua, para solicitar-lhe um encontro, o erudito misantropo disse-lhes lógo, hostil:

- Estou em casa sempre até ás 11 do dia e depois das 9 da noite. Si quizerem ir, vão; si não quizerem, não vão. Para mim é indiferente.

No dia seguinte, houve a visita. O misantropo, deitado em uma rêde e cuspindo numa lata, achou que o país estava perdido. Tudo uma lástima. E concluiu, feroz:

- Agora andam falando em reforma constitucional. Querem atribuir os erros á lei... Eu proporia que se substituíssem todos os capítulos da Constituição, decretando: “Artigo único: todo brasileiro fica obrigado a ter vergonha”!

E cuspiu na lata.” (O Brasil Anedótico, obras completas de Humberto de Campos, livraria José Olympio, Rio de Janeiro, 1936, p. 60)

Ao ver o que a fina flor da imoralidade política, da desonestidade bancária, da falta de ética jornalística e da criminalidade policial ir às ruas levantando a bandeira da honestidade para derrubar uma Presidenta que facilita a apuração dos casos de corrupção, que nunca tentou proteger os membros de seu partido e cuja seriedade é internacionalmente reconhecida, só posso fazer duas coisas: cuspir numa lata e reproduzir a proposta de emenda constitucional de Capistrano de Abreu:

“Artigo único: todo brasileiro fica obrigado a ter vergonha”!



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria