O governador do Paraná gosta de bater. Veremos agora se ele gosta também de apanhar.

Nero foi elevado à condição de Imperador de Roma graças à determinação e astúcia de Agripina. Mulher ambiciosa e autoritária, Agripina tentou controlar o filho e Nero resolveu se livrar dela. As três fontes históricas deste episódio (Tácito, Suetônio e Dião Cássio) concordam que Nero mandou matar a mãe. Dião Cássio relata que quando os assassinos a encontraram Agripina teria dito "Ataque meu útero!", pois se arrependia de ter gerado um "filho tão abominável" http://pt.wikipedia.org/wiki/Agripina_Menor .

Em uma versão cinematográfica laudatória de Nero feita em 2004, o imperador diz casualmente que gostaria de ver a mãe morta. Tigelino interpreta o desejo como sendo uma ordem e executa pessoalmente a mãe do imperador.

Semana passada, a PM comandada por Beto Richa proporcionou ao país cenas dignas dos filmes épicos rodados em Hollywood nos anos 1950. Os professores, muitos dos quais adeptos do cristianismo, tiveram a ousadia de se reunir para pedir clemência ao governo paranaense. O imperador do Paraná não hesitou, mandou sua guarda pretoriana dissolver a multidão com tiros, pauladas, socos e mordidas de cachorros. Nero Richa repetiu, portanto, o feito do seu duplo romano. Levado ao poder pela mãe, Nero a matou. Eleito pelo povo Nero Richa se voltou brutalmente contra o mesmo.

A imprensa santificou a ação de Nero Richa como se ele mesmo fosse uma espécie de Jesus imolado na cruz pelos perversos romanos metidos em trajes de professores inofensivos. Os jornalistas repetem, portanto, a convenção literária presente em Ab Urbe Condita Libri. Tito Lívio também descrevia as vítimas dos patrícios romanos como violentas, bárbaras e pérfidas. A glorificação da barbárie, dependendo de sua origem, não é algo novo. E para falar a verdade, a prosa de Tito Lívio é bem mais agradável e sofisticada que a dos editorialistas da Folha, do Estadão e do O Globo, que se esforçaram para justificar o injustificável.

Em razão da reação política e popular à violência que empregou, Beto Richa deu um ponta-pé na bunda do seu Tigelino. O coronel Chehade Elias Geha, comandante das operações de guerra contra os direitos cívicos e humanos dos professores em Curitiba, foi afastado do cargo. Isto basta? Creio que não.

As perversidades de Nero só tiveram fim quando ele se suicidou. O imperador do Paraná ainda não abdicou do cargo como se ele mesmo fosse a única fonte do poder que exerce. A soberania popular, contudo, já se faz sentir. A julgar pelo que ocorreu num estádio paranaense, o povo não vai perdoar Nero Richa enquanto ele não enfiar um adaga na garganta. 



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria