Tucanos não estão brincando com fogo e sim com explosivos.

Por indicação de um amigo visitei hoje a página de um senador do meu Estado. Em tom de brincadeira Aloysio Nunes incentiva as pessoas a bater panelas durante a propaganda do PThttps://www.facebook.com/aloysionunes/videos/896707770370959/ .

Este pequeno vídeo poderia ser objeto de longas digressões sobre Política e discurso político, com referências eruditas a Aristóteles,  Niccolò di Bernardo dei Machiavelli, Hannah Arendt, Carl Phillip Gottlieb von Clausewitz e até Jacques Lacan. Mas não vou me dar ao trabalho de fazer isto, pois a atitude do senador é infantil. E dentro deste campo, o das molecagens, é perfeitamente possível encontrar um paradigma que ajudará a compreender o verdadeiro sentido do vídeo em questão.

Em “Os Meninos da Rua Paulo” (1969), filme de de Zoltán Fábri com base na obra de Ferenc Molnár, dois grupos de garotos disputam o controle de um terreno baldio. A disputa evolui para uma guerra infantil, com regras, armas permitidas, hora marcada para a batalha e critérios para definir o vencedor. O resultado, conduto, é trágico. O mesmo tema é explorado de outra maneira em “A Onda” (2008), filme alemão em que, como parte de um trabalho em grupo, adolescentes são organizados em bases análogas ao nazismo. A brincadeira resulta em fortalecimento da identidade grupal, discriminação dos alunos que não fazem parte do grupo e atos de violência.

A diferença entre estes dois filmes é pequena. O primeiro se baseia num romance húngaro de 1907, que pode ser classificado como Realista. A obra Ferenc Molnár explora os processos que levam à formação e ao fortalecimento dos grupos humanos, bem como aos inevitáveis conflitos entre grupos distintos que disputam a mesma coisa. O segundo, apesar de ambientado na moderna Alemanha, tem como pano de fundo uma experiência social que ocorreu em 1967 na Califórnia, EUA.

Os seguidores de Aloysio Nunes foram convidados a participar de uma experiência política infantil. Eles não passam fome, mesmo assim devem bater panelas por razões exclusivamente partidárias. O inimigo, o PT, precisa ser simbolicamente rejeitado porque seu programa televisivo só veicula mentiras. O senador, como sempre ocorre em experiências deste tipo, presume ser ele mesmo a única fonte autorizada da verdade. Ele não conta mentiras. Só os petistas fazem isto. Não há qualquer possibilidade dos petistas dizerem verdades e do autor do vídeo contar mentiras.

A sociedade brasileira é, assim, convidada pelo senador maroto a se dividir em dois campos antagônicos. Entre eles a Terra de Ninguém, que logo ficará arrasada. Isto ocorrerá no exato momento em que os telespectadores perceberem que é bem mais eficaz parar de bater panelas na frente da TV e jogar as mesmas nos “outros”, os eleitores do PT. Se os “outros” revidarem, a identidade do grupo agressor será reforçada. Então, as crianças crescidas instigadas por Aloysio Nunes começarão a recorrer às suas facas, facões, pistolas, fuzis, etc…, obrigando os “outros” a se defender com igual intensidade. O senador brincalhão assumirá, então, o comando de suas tropas.

Todos os brasileiros são iguais perante a Lei. A discriminação política e partidária é proibida, os partidos com registro no TSE não podem fomentar ou financiar organizações paramilitares ou fazer propaganda da violência como forma de coagir seus adversários ou os eleitores. Por razões muito óbvias, a CF/88 contém uma regra basilar que limita o "campo político":

"Art. 19 É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

I-estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, na forma da lei, a colaboração de interesse público;

II- recusar fé aos documentos públicos;

III- criar distinções entre brasileiros ou preferências entre si."

O senador brincalhão, contudo, parece não estar muito interessado na preservação da normalidade constitucional. Ele fomenta uma guerra simbólica que pode evoluir para a criação de distinções e preferências políticas entre os brasileiros. Nunes parece querer criar ou fortalecer um grupo que exclua totalmente um "outro" grupo.

O vídeo analisado evoca a tragédia do filme  "Os Meninos da Rua Paulo" e propõe uma experiência social parecida com aquela que ocorre em "A Onda". No limite, a brincadeira virtual de Aloysio Nunes pode levar fanáticos a fazer a seguinte distinção: "Você que faz parte do PT só pode ser mentiroso, deve ser isolado e exterminado. Você que concorda comigo está falando a verdade e pode ser preservado."  A única questão que o senador precisa responder é a seguinte: Quando for confrontado com o resultado trágico de sua brincadeira ele está disposto a sangrar dentro e fora do Senado Federal ou dirá apenas que está brincando?



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria