Neste artigo é analisada a crise grega e criticada a ideologia do conflito de civilizações.

Os gregos inventaram a democracia e foram vítimas do Oriente, pois a Grécia foi invadida pelo império Persa. Nem toda a História é contada por este axioma ideológico da extrema direita que prega o conflito de civilizações.

“Gregos” é um vocábulo que significava bem pouco para os habitantes de cidades-estados que só conheciam um patriotismo: aquele devotado à sua cidade. A democracia não foi e não poderia ter sido uma invenção dos gregos. O regime político incensado pelos ideólogos do Ocidente foi uma invenção dos atenienses, mas não de todos os atenienses. Aristocratas como Platão desdenhavam ou detestavam a democracia, regime que foi abandonado tão logo Atenas perdeu a guerra do Peloponeso.

O conflito entre Oriente e Ocidente não é uma realidade histórica. Quando Xérxes invadiu a península grega em 489 a.C Demarato, um rei espartano exilado, o acompanhava como consultor. Submetido ao ostracismo, o herói de Salamina foi se exilar na Pérsia. O impasse da Guerra do Peloponeso, que opunha uma potência territorial (Esparta) a uma potência naval (Atenas), foi solucionado quando os persas financiaram a construção da frota espartana. As pontes existentes entre a Pérsia e alguns líderes e cidades estados gregas foram mais duradouras do que a ponte de barcos construída durante a II Guerra Médica.

Não bastasse isto, o que chamamos de democracia é algo bem diferente da democracia ateniense. Sobre este assunto vide http://jornalggn.com.br/blog/fabio-de-oliveira-ribeiro/democracia-ou-liberalismo-oligarquico. O Ocidente e o Oriente estão e sempre estarão mais ou menos juntos, mais ou menos separados. A crise grega revela esta realidade.

A esquerda foi eleita pelos gregos modernos. Mas o Ocidente se recusa a negociar a dívida da Grécia em bases justas. A justiça econômica e financeira do Ocidente é inexistente. O Irã foi hostilizado pela UE por fornecer petróleo subsidiado à Grécia http://br.sputniknews.com/portuguese.ruvr.ru/2012_04_10/ira-petroleo-grecia/. A democracia e o bem estar da população da Grécia não significam nada para os ideólogos financeiros ocidentais.

Give me your money and die!- dizem à Grécia em uníssono o FMI, os banqueiros e os governos europeus. Isto levou dois economistas renomados a reconhecer o absurdo da proposição http://www.publico.pt/mundo/noticia/krugman-e-stiglitz-defendem-que-gregos-votem-nao-no-referendo-1700523. Governos também têm obrigações humanitárias gostem ou não os banqueiros. A política não pode se resumir à submissão aos interesses daqueles que governam o vil metal digitalizado.

O Banco criado pelo BRICS se propõe a fazer o que o Ocidente julga impensávelhttp://br.rbth.com/economia/2015/06/02/banco_do_brics_promete_credito_a_grecia_30529.html. O Oriente, do qual faz parte um Brasil ocidental-oriental, retoma sua influência no berço da civilização. A história de um conflito de civilizações que nunca existiu está chegando ao fim? Creio que não. Ideologia também é irracionalidade. O mais provável é que a salvação da Grécia pelo BRICS leve os credores europeus, ingleses e norte-americanos daquele país à loucura.

Os banqueiros e os governantes títeres que eles controlam dos dois lados do Canal da Mancha acusarão o Oriente de ter recomeçado a guerra justamente onde ela deveria findar (mesmo que isto significasse o fim da Grécia e de boa parte do povo grego). Russos e chineses serão provavelmente mais hostilizados que os brasileiros e sul-africanos. Não porque o Brasil não seja uma potência mundial (como disse Obama) e sim porque o alcance mundial do Brasil se limite à América do Sul e a África. Além disto, todo mundo sabe que os músculos financeiros e militares do BRICS estão na China e na Rússia, desafiados pelas Frotas dos EUA no Mar da China e pelas tropas do Tio Sam na Ucrânia.

A Grécia é, neste momento, apenas um peão no tabuleiro mundial. Ela desempenhará nos próximos dias entre EUA-UE x Russia-China o mesmo papel que a Corcira desempenhou ao incendiar o conflito entre Atenas e Esparta  no século V aC? Esta meus caros é a verdadeira pergunta.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria