Faço aqui algumas considerações sobre o discurso da líder francesa contra os refugiados sírios.

Esta semana Marine Le Pen, líder da extrema direita francesa, comparou o afluxo de refugiados sírios às invasões bárbaras do Império Romano. Esta comparação é mais impertinente do que interessante.

Os bárbaros povoam a literatura romana desde o século I aC e I dC. Tito Lívio (Ab Urbe Condita Libri) refere-se a centenas de povos que os romanos combateram e assimilaram durante os primeiros séculos de sua existência. Somente no livro I de seus Comentários de La Guerra de Las Galias (Obras Maestras, Barcelona, Espanha, 1945), Júlio Cesar refere-se aos helvécios, secuanos, alóbroges, tigurinos, eduos, latóbrigos, rauracos, boyos, germanos, suevos, trevirences galos*. Alguns séculos depois, todos estes povos já estavam mais ou menos romanizados. “Tu fizeste do mundo uma cidade” disse o galo-romano Rutilius Claudius Namatianus ao repreender Júlio César no século V.

O domínio romano na Gália deixaria de existir durante as invasões bárbarashttps://pt.wikipedia.org/wiki/Migra%C3%A7%C3%B5es_dos_povos_b%C3%A1rbarosGodos, ostrogodos, visigodos, hunos, alanos, alamanos, francos e outros povos invadiram a Gália e nela estabeleceram domínios temporários e duradouros. Os franceses modernos são descendentes destes bárbaros e dos galos-romanos que foram submetidos pelos invasores daquela porção da Europa.

A conquista da Gália por Júlio César terminou em 52 aC com a vitória na Batalha de Alésia https://pt.wikipedia.org/wiki/Batalha_de_Al%C3%A9sia . A Síria já havia sido conquistada por Pompeu em 64 aC https://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%Adria_(prov%C3%Adncia_romana). As diferenças entre sírios conquistados por Pompeu e os bárbaros submetidos por Júlio César na Gália são evidentes.

No século I aC a Síria já era uma nação com estruturas de poder centralizadas em Damasco há vários séculos. A cultura era mais ou menos homogênea, a escrita era bem difundida e muito empregada pelos sírios. A Gália era povoada por diversos povos, muitos dos quais ágrafos. A escrita não era largamente utilizada naquela porção da Europa e o alfabeto usado entre os bárbaros da região era o grego. Quando os romanos chegaram à Síria encontraram cidades vibrantes e antigas cercadas por imensas muralhas de pedra. Na Gália os aldeamentos eram fortificados com paliçadas de madeira. 

É evidente, portanto, que os sírios estavam num estágio de civilização bem mais avançado que os antepassados de Marine Le Pen  quer eles tenham sido galos-romanos, godos ou francos. Não me parece que ela mesma possa se dizer “romana”, mas é exatamente isto que a fala dela dá a entender.

A “romanidade” da líder da direita francesa é risível e não resiste a dois minutos de discussão histórica. De fato, a reação de Marine Le Pen a onda de refugiados sírios é histérica e, portanto, irracional. Os sírios modernos não são bárbaros, nem devem ser comparados aos antepassados dos europeus. Eles não estão invadindo a Europa para substituir um Império em declínio, tampouco pretendem conquistar territórios. Eles foram expulsos das suas cidades e casas por uma guerra civil que não desejaram. Os refugiados, quaisquer que sejam suas origens, são seres humanos e como tal devem ser tratados na forma da Lei Internacional (que garante o direito de asilo e reprime o racismo).

Uma última consideração. Não sou um cristão, mas fui catequizado quando era criança. Se não estou enganado, me parece que não haveria cristianismo na França se a religião pregada por Paulo de Tarso não tivesse fincado raízes em Antioquia, uma cidade na Síria. Quando chegou a Roma, a religião de Marine Le Pen já era praticada por sírios, só muito tempo depois se espalhou para o resto da Europa.  Ao rejeitar os refugiados sírios a líder da direita francesa rejeitou também a história do próprio catolicismo. Impossível esquecer que o catolicismo só se tornou a religião dos gentios (e não apenas de judeus como queria Pedro), após o Incidente de Antioquia https://pt.wikipedia.org/wiki/Paulo_de_Tarso#O_Incidente_em_Antioquia.

  

*ortografia espanhola



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria