O Jus.com.br é um dos integrantes da Frente Multissetorial de Checagem de Informações e Combate a Notícias Falsas.

O Jus.com.br é um dos integrantes da Frente Multissetorial de Checagem de Informações e  Combate a Notícias Falsas. O evento de lançamento foi realizado nesta terça-feira, dia 11, no Supremo Tribunal Federal, com a participação de várias entidades públicas e da imprensa.

A comunicação instantânea e em todos os sentidos aumentou o desafio de depurar a veracidade das informações. A divulgação de conteúdo produzido pelo usuário é o grande catalisador desse movimento. Aqui no Jus, a participação do público tem sido nosso principal insumo há 23 anos.

A maior preocupação de nossa curadoria de artigos jurídicos é a conciliação do frescor com o método, e da diversidade de opinião com o rigor acadêmico. A manifestação contramajoritária deve ser sempre respeitada quando impele o avanço, mas não pode servir de escudo para a indução maliciosa ao erro e para a pseudociência.

O juízo de credibilidade exige um processo contínuo. Por isso, aderimos a essa iniciativa que busca reforçar as luzes sobre os fatos.

Visite o site do Painel de Checagem de Fake News



Participantes: 



Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2002 ABNT)

JUS NAVIGANDI, Jus.com.br. Jus participa de grupo de apuração de fake news. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 24, n. 5824, 12 jun. 2019. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/74600>. Acesso em: 19 jun. 2019.

Comentários

1

  • 0

    Candido LS Malta

    Não obstante concorde com essa necessária prudente medida para que as fake news não emburreçam as pessoas, principalmente as mais desatentas, jamais haverá sucesso nessa maravilhosa empreitada se a imprensa não for severamente responsabilizada por suas notícias falsas, como por exemplo, as que relatam que a maioria do povo brasileiro está sendo favorável a essa Reforma da Previdência proposta pelo governo federal. Sem dúvidas uma notícia que tem a finalidade de induzir os parlamentares a votarem favoravelmente no que a “maioria” do povo (eleitorado) quer e assim aprovar o que a imprensa está apoiando. Sem conseguirmos exigir que a imprensa não espalhe fake news não teremos sucesso. O resto é demagogia tanto quanto falarmos que somos patriotas e menosprezarmos nossos compatriotas publicamente até no exterior.