Este artigo tratará sobre a história da escravidão relacionando com as legislações acerca do trabalho escravo,trazendo avanços e anacronismos a respeito.

A escravidão, embora foi oficialmente abolida no dia 13 de maio de 1888,através da Lei Áurea assinada pela Princesa Isabel, continua sendo o paradigma vivenciado por inúmeras pessoas, principalmente trabalhadores que habitam no Brasil. Conforme sustenta Adonia Antunes Prado(2005,on-line) “A condição do trabalhador escravizado é a de alguém que não pode decidir por si próprio, não é sujeito de direitos e é tratado como mercadoria.”Justifica-se o trabalho a partir da visão social e jurídico decorrente do seu valor histórico que permanece na atualidade. 

O objetivo geral busca se aprofundar nas legislações acerca do trabalho escravo, especificando os avanços e anacronismos que trouxeram à condição análoga a escravidão, fundamentando em torno dos posicionamentos de diversos especialistas da área do Direito. A metodologia utilizada será a bibliografia, através da análise de fontes como a legislação e doutrina. 

O presente trabalho iniciará com uma breve trajetória que trás conteúdo de “condições modernas” sobre o trabalho escravo e sua definição a partir de várias visões. Além de expor aspectos de dignidade e liberdade prevista na Constituição Federal juntamente com os Direitos Humanos e de forma concisa os pontos das legislações, principalmente o Código Penal, onde se busca respostas pela prevalência desse mal que abarca o trabalho escravo, bem como a análise de dados concretos que mostram a realidade de milhões de pessoas. 

Desenvolvimento: 

A escravidão não é recente, ela tem diretrizes desde a Antiguidade, como por exemplo, os escravos da Mesopotâmia, eram a última camada da população, por essa razão eram guerreiros e serviam como garantia de pagamento. Segundo Flávia Lages de Castro (2014, p.16) “Escravo é propriedade, bem alienável, ou seja, algo que pode ser comprado, vendido, alugado, dado, eliminado... Escravo é, portanto, coisa.” 

Por se tratar da escravatura, existem muitos conceitos do que é escravo, nas diferentes formas que assumiu e nos significados que cada sociedade e época lhe atribuíram (2009, on-line) e a que mais se encaixa é a definição de Claude Meillassoux (1995, on-line) “a escravidão é um modo de exploração que toma forma quando uma classe distinta de indivíduos se renova continuamente a partir da exploração de outra classe”. 

Por seguinte consta na Constituição Federal de 1988 em seu artigo 1°, inciso III “a dignidade da pessoa humana” e art. 5°caput “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade [...] ao se referir ao escravo, ele possui vida restrita a esses direitos, inclusive a liberdade e a vontade quando se sujeita ao comando de seu dono. (CONSTITUIÇÃO FEDERAL, 1988, on-line) 

Como supracitado, apesar da escravatura ter sido “abolida” pela Lei Áurea, assinada pela princesa Isabel, ela ainda é um fato presente na sociedade, a Organização Mundial do Trabalho prevê que aproximadamente mais de 20 milhões de pessoas em situações análogas a escravidão, 155 mil sendo no território brasileiro, vivendo em condições miseráveis e degradantes (SASAKI, 2017). 

Tendo por base o Código Penal, fundamentado no caput do artigo 149: 

Art.149. Reduzir alguém a condição análoga à de escravo, quer submetendo-o a trabalhos forçados ou a jornada exaustiva, quer sujeitando-o a condições degradantes de trabalho, quer restringindo, por qualquer meio, sua locomoção em razão de dívida contraída com o empregador ou preposto. 

Pena - reclusão, de dois a oito anos, e multa, além da pena correspondente à violência (CÓDIGO PENAL, 2017, p 60). 

Juntamente com o Código Penal onde estabelece como crime reduzir alguém a condição análoga à de escravo, a Declaração Universal de Direitos Humanos em seu artigo 4 define “Ninguém será mantido em escravidão ou servidão; a escravidão e o tráfico de escravos serão proibidos em todas as suas formas.”(DUDH,1948,on-line).Visto isso, trata-se da restrição de liberdade, e principalmente da dignidade que é o principio fundamental da pessoa humana. 

Grande parte das vítimas caracteriza-se como mulheres, crianças, negros ou imigrantes, que são ludibriados por ofertas falsas de emprego e acabam presas neste terrível regime, que está concentrado nas áreas rurais do norte do país e geralmente associados à exploração sexual e ao tráfico de drogas, alienando seu direito a liberdade e ferindo sua dignidade, ressaltando que nas grandes cidades também é notável a existência dessa prática. 

Conclusão: 

Após apresentados os fatos, é possível verificar que a escravidão infelizmente acompanha a raça humana desde os primórdios da humanidade, e, apesar de que grandes direitos foram conquistados com o passar das eras, ela é um fator ainda ativo mundialmente, apesar das inúmeras legislações e princípios que visão sua extinção.  

Sendo assim é imprescindível para a vida humana o reconhecimento da dignidade e liberdade, bem como visto na Declaração Universal dos Direitos Humanos e na Constituição Federal, pois trata de aspectos fundamentais ao ser humano, sem distinção de qualquer espécie, cor, raça, idioma ou outra condição.  

Referencias Bibliográficas: 

BRASIL.Código Penal,Decreto-Lei  2.848/1940,7 de dezembro de 1940. Código Penal.Retificado no DOU de 3/1/1941.Disponível em:< http://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/529748/codigo_penal_1ed.pdf>.Acesso em: 05 set.2019. 

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988.Disponível em:< https://www2. senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/518231/CF88_Livro_EC91_2016.pdf> 

Acesso em: 01 set.2019. 

CASTRO, Flávia Lages de.História do Direito Geral e do Brasil.10ed.Rio de Janeiro:Lumen júris,2014.  

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS, de 10 de dezembro de 1948.Proclamada pela Assembléia Geral das Nações Unidas. Disponível em:< https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2018/10/DUDH.pdf> Acesso em: 09 set. 2019. 

ESCRAVIDÃO. In: Dicionário de Conceitos Históricos. Editora Contexto,2009. 2.ed,p.110-115. 

GARCIA, Gustavo Felipe Barbosa. Trabalho Escravo, Forçado e Degradante: Trabalho Análogo à Condição de Escravo e Expropiação da Propriedade. Disponívelem:<http://www.lex.com.br/doutrina_23931020_trabalho_escravo_forcado _e  degradante>  Acesso em: 09 set.2019. 

MEILLASSOUX, Claude. Antropologia da escravidão: o ventre de ferro e dinheiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1995. 

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Trabalho forçado. Disponível em:< https:// www.ilo.org/brasilia/temas/trabalho-escravo/lang--pt/index.htm> Acesso em: 09  set. 2019. 

PINSKY, Jaime. A escravidão no Brasil.21ed. São Paulo: Contexto, 2010. 

PRADO,Adonia Antunes.Trabalho escravo hoje.Anamatra.Disponível em:  <https://www.anamatra.org.br/artigos/863-trabalho-escravo-hoje-0947722 34 27479363> Acesso em:01 set.2019. 

SASAKI, Fabio. A persistência do trabalho escravo no Brasil e no mundo. Disponível em: <https://guiadoestudante.abril.com.br/blog/atualidades-vestibular/a-persistencia-do-trabalho-escravo-no-brasil-e-no-mundo/> Acesso em 08 set. 2019. 

SCAFF, Luma Cavaleiro de Macêdo. Trabalho forçado é ilícito trabalhista ou penal?. Disponível em: <https://www.conjur.com.br/2012-out-21/luma-scaff-trabalho-forcado-ilicito-trabalhista-ou-penal> Acesso em: 09 set. 2019. 


Autores


Informações sobre o texto

Trabalho feito com destino a apresentação de EPIC -estudo de pesquisa e iniciação cientifica

Este texto foi publicado diretamente pelas autoresa. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso