Conclusão     

Ante o exposto estudo, concluiu-se que a ética na administração pública é o pilar no qual se concentra a razão de ser do Estado e o modo como de fato ocorre essa inter-relação entre os sujeitos que participam do processo. Assim, também, que a administração pública deve reconhecer suas responsabilidades diante de seus agentes públicos, investindo na sua capacitação e nos meios voltados para a atividade, como as melhorias de técnicas e condições de trabalho, com a finalidade de atingir seu objetivo, que sempre deve ser voltado para o interesse social.

Como bem se observou, na administração pública não há espaço para interesse que não seja o público. Fica evidente que, para mudar a visão da sociedade sobre a ética pública, é necessário que haja observação aos princípios constitucionais, com destaque, prezar pela eficiência do serviço e por via da publicidade, oferecer meios para que os cidadãos possam acompanhar os atos praticados pelos administradores e assim cobrarem e opinarem sobre melhorias.

O servidor público é quem determinará o papel ético. De fato, na administração pública, é a partir dele que todos as atos serão praticados. Seu maior compromisso é servir à sociedade e demonstrar comportamento inquestionável, preservando sempre o interesse coletivo e agindo sempre com impessoalidade, zelando pela eficiência, visto que o descrédito da sociedade no serviço público vem de sua ineficiência.

De todas as considerações feitas no decorrer desse trabalho, podemos concluir que a ética na administração pública inexiste sem o servidor, por isso o reconhecimento e e a valorização do mesmo torna-se indispensável para implantar uma cultura ética que nos faça sentir orgulho e a sociedade possa perceber a imagem de um serviço público honesto.


REFERÊNCIAS

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Trad. Pietro Nassetti. São Paulo: Martin Claret, 2007.

ARRUDA, M. C. C. Código de Ética: um instrumento que adiciona valor. São Paulo: Negócio Editora, 2002.

BOWMAN, J. B.; WILLIAMS, R. L. Ethics in government: from a winter of despair to aspring of hope. Public Administration Review, v. 57, n. 6, p. 517-526, nov./dez. 1997.

BRASIL, Constituição. Decreto n.º 1.171, de 22 de junho de 1994. Aprova o Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal. Disponível em:< http://www. planalto. gov. br/ccivil_03/decreto/d1171. htm>. Acesso em: 06 nov. 2018.

BRUHN, J. The functionality of gray area ethics in organizations. Journal of Business Ethics, Dordrecht, v. 89, p. 205-214, 2009. Disponível em: <http://link.springer.com/article/10.1007%2Fs10551-008-9994-7>. Acesso em: 07 nov. 2018.

CARVALHO, A. da S.; ALVES, C. A. A. A Ética no Serviço Público: Uma Análise dos Procedimentos Fiscais no Trânsito de Mercadorias no Estado da Bahia. Salvador, 2003-2004. Originalmente apresentado como Monografia. Universidade Federal da Bahia, 2004.

MARTINS, I. G. da S. Comentários à Constituição do Brasil, v. 6, tomo II, Saraiva, 2. ed., 2001.

MEIRELLES, H. L. Direito Administrativo Brasileiro. 30. ed. São Paulo: Malheiros, 2005.

MELLO, C. A. B. de. Elementos de Direito Administrativo. 3. ed. São Paulo: Malheiros, 1992.

SERRANO, P. J. Ética e Administração Pública. 1. ed. Alínea. 2010.

SIQUEIRA, M. V. Gestão de pessoas e discurso organizacional. 2. ed. Curitiba: Juruá, 2009.


Autor


Informações sobre o texto

Artigo Científico Apresentado à Universidade Candido Mendes – UCAM, como requisito parcial para a obtenção do título de especialista em Administração Pública.

Como citar este texto (NBR 6023:2018 ABNT)

QUEIROZ, Francisco Madson de. O papel da ética na administração pública. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 25, n. 6195, 17 jun. 2020. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/82845. Acesso em: 22 jun. 2021.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso