Símbolo do Jus.com.br Jus.com.br

Autoalienação parental: uma nova perspectiva de abandono afetivo

Abordamos um tema muito importante e ainda pouco estudado: a autoalienação parental, proposta por Rolf Madaleno, e que dentre seus vários aspectos é uma forma de abandono afetivo.

Muito se ouve sobre alienação parental, que, nos termos do art. 2º, da Lei 12.348/2010 é a interferência na formação psicológica da criança ou do adolescente promovida ou induzida por um dos genitores, pelos avós ou pelos que tenham a criança ou adolescente sob a sua autoridade, guarda ou vigilância para que repudie genitor ou que cause prejuízo ao estabelecimento ou à manutenção de vínculos com este. Noutras palavras, consiste no ato de virar o filho contra um dos genitores, fazendo com que perca o afeto ou impedindo que desenvolva este sentimento.

A doutrina também se refere à alienação parental como implementação de falsas memórias, pois ela nada mais é do que uma lavagem cerebral feita pelo genitor alienador no filho, de modo a denegrir a imagem do outro genitor, narrando maliciosamente fatos que não ocorreram e não aconteceram conforme a descrição dada pelo alienador (DIAS, 2009, p. 48). A psicologia explica este fenômeno que ocorre quando as pessoas completam hiatos da memória com suposições plausíveis, como se, de fato, tivessem observado ou experimentado aquilo de que se recordam (FIORELLI; MANGINI, 2016).

No art. 2º, parágrafo único, da Lei acima referida constam algumas hipóteses de alienação parental:

 

I - realizar campanha de desqualificação da conduta do genitor no exercício da paternidade ou maternidade; II - dificultar o exercício da autoridade parental; III - dificultar contato de criança ou adolescente com genitor; IV - dificultar o exercício do direito regulamentado de convivência familiar; V - omitir deliberadamente a genitor informações pessoais relevantes sobre a criança ou adolescente, inclusive escolares, médicas e alterações de endereço; VI - apresentar falsa denúncia contra genitor, contra familiares deste ou contra avós, para obstar ou dificultar a convivência deles com a criança ou adolescente; VII - mudar o domicílio para local distante, sem justificativa, visando a dificultar a convivência da criança ou adolescente com o outro genitor, com familiares deste ou com avós.

 

Trata-se de rol exemplificativo, ou seja, que não se esgota nele mesmo, podendo, na análise do caso concreto se verificar formas diversas. Tanto é que o professor Rolf Madaleno (2015) reconhece a chamada autoalienação parental, que ocorre quando é o próprio genitor alienado que causa o afastamento:

 

 Neste caso é o próprio progenitor alienado quem provoca o afastamento da criança ou adolescente, a quem trata de maneira ríspida, por vezes cruel e desumana, ao imputar ao infante a culpa por se sentir afastado do processo de formação e de criação de seu filho. Em outros casos igualmente frequentes, exige que seus filhos convivam com sua atual companheira, a madrasta que, por sua vez, foi o pivô da separação dos pais do menor. Muitas vezes, o genitor exige, de forma imediata, uma adaptação dos filhos à sua nova companheira, ou, até mesmo, que tratem a madrasta como mãe. O autoalienador trata seus filhos de forma inadequada ou violenta, sem respeitar a inocência e vulnerabilidade de quem ama o genitor, não compreende sua gratuita violência verbal e é incapaz de se defender de outra forma que não seja se afastando deste progenitor, por medo e não por desamor (op. cit.).

 

Segundo Neves (2021), a autoalienação seria uma alienação parental inversa, provocada pelo alienado ora autoalienador , como forma de atingir o genitor que detém a guarda ou que resida com os filhos, ao se vitimar, criando, com isso, uma falsa alienação sofrida. Partindo desta premissa, vislumbra-se mais um ponto de convergência entre a alienação parental conceituada na Lei 12.348/2010 e a autoalienação parental: em ambas há o intuito de atacar o outro genitor ou responsável, usando da criança ou do adolescente para tanto, o que gera graves danos emocionais a eles:

 

As consequências para a criança, em geral, indicam sintomas como depressão, incapacidade de adaptar-se aos ambientes sociais, transtornos de identidade e de imagem, desespero, tendência ao isolamento, comportamento hostil, falta de organização e, em algumas vezes, abuso de drogas, álcool e suicídio. Quando adulta, incluirão sentimentos incontroláveis de culpa, por se achar culpada de uma grande injustiça para com o genitor alienado (FIORELLI; MANGINI, 2016, p. 348).

 

Enquanto não houver um regramento específico à autoalienação parental, esta deverá ser reconhecida e punida analogicamente ao modelo clássico, previsto na Lei 12.348/2010, a fim de se evitar graves danos à integridade psicoemocional e à existência digna das crianças e adolescentes (NEVES, 2021). Sem prejuízo, nota-se que a autoalienação parental, no mais das vezes, amolda-se naquilo que a doutrina e jurisprudência reconhece como abandono afetivo.

A Constituição Federal (art. 227) prevê que é direito das crianças e adolescentes a convivência familiar, ou seja, com ambos os genitores; noutras palavras, a convivência é um direito do filho e um dever dos pais, sendo que se descumprido há o chamado abandono afetivo.

Trata-se de importante constatação, tendo em vista que o STJ tem jurisprudência firme no sentido de que nas hipóteses em que o abandono afetivo gera dano, de natureza material ou emocional ao filho, este deve ser indenizado pelo genitor que o causou:

 

Sublinhe-se que sequer se trata de hipótese de dano presumido, mas, ao revés, de dano psicológico concreto e realmente experimentado pela recorrente, que, exclusivamente em razão das ações e omissões do recorrido, desenvolveu um trauma psíquico, inclusive com repercussões físicas, que evidentemente modificou a sua personalidade e, por consequência, a sua própria história de vida (STJ, 2022).

 

Concluindo, a autoalienação parental atrai a aplicação da Lei 12.348/2010, devendo o autoalienador ser responsabilizado nos termos dela. Sem prejuízo, quando gerar danos materiais ou emocionais aos filhos, a estes é devida indenização, por terem sido vítimas de abandono afetivo.

 

REFERÊNCIA

 

DIAS, MARIA BERENICE. Manual de Direito das Famílias. 5. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

FIORELLI, José Osmir; MANGINI, Rosana Cathya Ragazzoni. Psicologia Jurídica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2016.

MADALENO, Rolf. Debate OAB-RJ: autoalienação parental ou alienação autoinflingida. Genjurídico, São Paulo, 15 jul. 2015. Disponível em: http://genjuridico.com.br/2015/07/14/debate-oab-rj-autoalienacao-parental-ou-alienacao-autoinflingida/. Acesso em: 14 jul. 2022.

NEVES, Claudia. Autoalienação parental. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 26, n. 6698, 2 nov. 2021. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/94462. Acesso em: 14 jul. 2022.

STJ. Notícias: Pai é condenado a pagar R$ 30 mil de danos morais por abandono afetivo da filha, 2022. Disponível em: https://www.stj.jus.br/sites/portalp/Paginas/Comunicacao/Noticias/21022022-Pai-e-condenado-a-pagar-R--30-mil-de-danos-morais-por-abandono-afetivo-da-filha.aspx. Acesso em: 14 jul. 2022.

Webstories
Sobre o autor
João Gabriel Fraga de Oliveira Faria

Advogado (OAB/SP n. 394.378), professor universitário e pesquisador. Especialista em Direitos Fundamentais pela Universidade de Coimbra - Portugal. Especialista em Direito Constitucional Aplicado. Cursou especialização em Direito Público. É especialista em Direito Empresarial. Fez especialização em Direito e Processo Civil. É presidente da comissão de Direito de Família da 52º Subseção da OABSP. Foi membro da diretoria do núcleo regional (Lorena/SP) do IBDFAM. E-mail para contato: [email protected]

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!
Publique seus artigos