Comentários

Dia mundial do meio ambiente: festa ou pranto?

Dia mundial do meio ambiente: festa ou pranto?

Nessa retrospectiva da criação do Dia Mundial do Meio Ambiente, os principais eventos da agenda ambiental nos levam à triste constatação de que pouca coisa mudou mesmo após a Constituição de 88 e que ainda há muito a fazer rumo à sustentabilidade.

Publicado em . Elaborado em .


Comentários

7

  • 0

    oswaldo moreira antunes

    Concordo com essa triste realidade. O governo federal está mais preocupada com a COPA DO MUNDO tendo criado a arena do pantanal (Cuibá ) mato grosso do norte, em vez tratar o esgoto domestico e indusstrial que é despejado diretamente no RIO CUIABA, mesmo ocorrendo o mesmo fato na arena de Manaus, isto sem falar na ausencia de obras de infrainstrura em diversos municipios carentes de tais obras, a par da ausencia de hospitais adequadros para população. Vai faltar água potável em diversas capitais.

  • 0

    Maria Souto

    Pagamos com nossa qualidade de vida pela inépcia e ineficiência das pessoas designadas para tratar dos problemas socioambientais brasileiros. Isso é revoltante, principalmente se pensarmos em nossa carga tributária, que é a maior do mundo! OU seja: pagamos para ter saneamento adequado, água de boa qualidade, um ar despoluído, uma população atendida em suas necessidades básicas e o que recebemos em troca são apenas escândalos: dólares na cueca, mensalão, compra de Pasadena, paralisação da transposição do São Francisco, superfaturamento de obras e de brinde um trem bala que já consumiu milhões e sequer saiu do papel. Quanta palhaçada! Mas antes de tudo, quanta irresponsabilidade! Acho que o engenheiro Guilherme acertou ao perguntar se o Dia do Meio Ambiente deveria ser comemorado com festa ou pranto. Estou mais para pranto. Mas como acho que esses seres ignóbeis que ocuparam o poder sequer merecem minhas lágrimas, torço para que apareça um promotor público federal imbuído do espírito do Joaquim Barbosa, para botar ordem na casa responsabilizar a quem de direito. Por enquanto, no Brasil, só temos a lamentar. Se a região metropolitana de São Paulo tem apenas 49% de seu esgoto tratado, imaginou o que não acontece com o resto do país? E enquanto os poderes constituídos fogem da responsabilidade, vemos crianças nascendo com problemas, assistimos o aumento do número de abortos espontâneos, convivemos com a perda de olfato daqueles que vivem nas grandes cidades. É, não é uma data para se comemorar. É uma data para reflexão e uma real tomada de medidas. Chega de realizarmos uma comemoração mixuruca na qual plantamos algumas arvorezinhas após um discurso vazio. O povo necessita de ação e ação firme e bem intencionada.

  • 0

    Maria das Neves

    Eita! Enfim alguém matou a cobra e mostrou o pau! Muito boa a visão que esse engenheiro tem do que está acontecendo com o nosso mundo, onde tudo não passa de falatório inútil e promessas vãs. Há e se fazer alguma coisa de concreto pelas condições socioambientais. Mas isso, a meu ver, ainda está muito longe de acontecer. Por enquanto nossos governantes estão preocupados mesmo é com a eleição, a censura aos meios de comunicação e com seus próprios umbigos (prá não dizer saldo bancário) Enquanto isso, o meio ambiente que se dane!

  • 0

    Teresa Sauerbronn

    Meus cumprimentos por sua visão da realidade que nos cerca, Guilherme. Nessa área de proteção socioambiental e sustentabilidade, o que se escreve não se cumpre. Triste, não é? As ONGs fazem muito mais que o poder público. Criam cooperativas, dão palestras e seminários sobre a forma correta de tratarmos o meio ambiente, enquanto os donos do poder limitam-se a reuniões de ministério onde entre um canapé e outro, discutem o nada. Eles tinham que ser a mola propulsora dessa mudança de mentalidade. Educação Ambiental devia ser matéria curricular, desde o 1º grau. Mas, como já disse, eles ficam comodamente instalados em seus gabinetes, enquanto o mundo à sua volta caminha para um nível de condições que dificultarão, e muito, a vida humana. Já sofremos com a camada de ozônio, com o efeito estufa, com a poluição do ar e das águas. Aliás, água vai virar produto de luxo. É só ver o que está acontecendo com o Sistema Cantareira. Minha sugestão é que o sr. não gaste lágrimas com esse povo, não! Vamos criar um movimento para que tirem seus ricos bumbuns das cadeiras e façam jus aos milionários salários que recebem. Outra alternativa é colocar o pessoal das ONGs em seus lugares. Aí a coisa ia funcionar.

  • 0

    Claudia Siqueira di Couto Neves

    Ah, dr. Guilherme! Como dói tomar conhecimento da realidade! O que vejo aqui no TRF3 é um total desrespeito à legislação vigente. É desmatamento na Amazônia, queimadas em praticamente todos os estados brasileiros, descarte de esgoto sem tratamento até mesmo em São Paulo, a cidade mais desenvolvida do país, além de outras barbaridades. Seu artigo é muito esclarecedor pois nos explica que estão brincando de cuidar do meio ambiente. Principalmente o Poder Público. E já passou da hora de levarmos a sustentabilidade a sério. Que mundo deixaremos para nossos filhos e netos? Um mundo onde a água não poderá ser consumida, com condomínios construídos sobre solo contaminado e gerador de doenças e um ar irrespirável? Creio que seu texto é um alerta do que foi feito até agora e o muito que ainda falta fazer. Por isso, no Dia Mundial do Meio Ambiente, fico com o pranto. Não há o que comemorar.

  • 0

    Maria Luísa Duarte Simões

    Esplêndido! Não há outra palavra que defina um artigo tão abrangente, que faz uma retrospectiva da criação do Dia Mundial do Meio Ambiente, com todos seus congressos, tratados e comitês posteriores. Mas também nos leva à constatação de que até agora nadamos, nadamos e morremos na praia, pois muito pouca coisa foi efetivamente feita e o maior poluidor mundial, os EUA, não aderiram ao Protocolo de Kioto. É o ditado popular "Faça o que eu falo, mas não faça o que eu faço", mais uma vez imperando construção de um mundo mais sustentável. Parabéns ao articulista por seu enfoque legalista e realista sobre o muito que ainda há para se fazer para termos um meio ambiente mais sustentável.

Voltar para o texto: Dia mundial do meio ambiente: festa ou pranto?