Comentários

A (des)necessidade da qualificadora do homicídio de policiais

A (des)necessidade da qualificadora do homicídio de policiais

Faz-se uma crítica à recente alteração legislativa que visa combater a violência contra os policiais. Seria esta mais uma norma populista e simbólica?

Publicado em . Elaborado em .


Comentários

6

  • 0

    Luciano Bezerra da Silva

    Meu caro Causídico, discordo totalmente do seu posicionamento, quando fala no seu primeiro argumento que é punitiva a inclusão do assassinato de policiais no rol dos crimes hediondos, O senhor fala isso porque não está na rua correndo atrás de bandido, com equipamentos e armamentos precários, enquanto que o bandido está de fuzil AR15 para lá.
    Dr. o policial é um representante do Estado, sendo assim o seu assassinato é uma afronta, ao estado de direito, Dr. transformar o assassinato de policiais em crime hediondo é o mínimo.Precisamos fazer muito mais pelos nossos policiais,como capacita-los e prepara-los melhor, equipa-los de forma que o embate com os bandidos seja menos desigual.Que haja um pouco de equilíbrio nessa balança, já que o policial não tem o direito de errar o alvo, mais o bandido não tem essa mesma preocupação.

  • 0

    ARMANDO ALVES FERREIRA NETO

    Com a devida Venia, Discordo de seu posicionamento Doutor, principalmente com relação ao seu primeiro argumento que defende a referida lei como simplesmente punitiva, ninguém entra pra exercer a função policial para ser morto ou sofrer qualquer tipo de lesão, isso é uma exceção a regra, o policial representa o estado, portanto, quando ele é ferido ou morto é um ataque direto a sociedade. Não creio que morte e lesão seja condições inerentes a atividade policial, mas sim, um lamentável ataque ao Estado Democrático de Direito, não devendo ser tratado como um simples fato natural, com esta explanação estamos lidando, de forma errada, como um "simples acidente de trabalho", o que não é o caso. O policial esta na "chuva" para manter a ordem publica e defender os direitos e garantias dos brasileiros não para ser morto ou ferido.

  • 0

    Robson Dias

    Já temos bastante leis e poucas punições principalmente contra ricos que nunca vão para a cadeia. Essa nova lei que da uma força maior para os responsáveis pela segurança melhora, pois o bandido pode cumprir sua pena sem apelar com seus benefícios. cabe ressaltar que eles não estão nem aí se tiverem que atirar atiram mesmo inclusive se for trabalhador. Esses estúpidos devem pagar por isso. O Estado não dá nenhuma condição para a segurança do policial, então acho eu que já é alguma coisa.

  • 0

    ENOQUE LOURENÇO DA SILVA

    Essa desnecessidade da qualificadora, creio que foi analisada de maneira um pouco simplória, tendo em vista que entendo que a referida inclusão do tipo, possui uma amplitude bem maior, como não só a proteção diferenciada do representante do estado, bem como das pessoas próximas, quanto a referida confusão com a torpeza o Doutor deve se lembrar do principio da especialidade, o qual dirimi conflitos entre normas, creio que veio em boa hora, bem como retoma o fortalecimento do poder do estado diante da criminalidade.

Voltar para o texto: A (des)necessidade da qualificadora do homicídio de policiais