Comentários

A (im)prescritibilidade dos crimes de desaparecimento forçado na guerrilha do Araguaia

A (im)prescritibilidade dos crimes de desaparecimento forçado na guerrilha do Araguaia

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos achou uma brecha na Lei de Anistia para impor sua jurisdição sobre o Brasil e recomendar que não mais fossem investigados os crimes de homicídio ou tortura, mas sim, que se iniciasse a investigação dos crimes de desaparecimento de pessoas, sobre os quais não incidiria a prescrição enquanto o paradeiro das mesmas não fosse descoberto.

Publicado em . Elaborado em .


Comentários

6

  • 0

    CLAUDIO RAFAEL DOERR VIEGAS

    Lembrando que os terroristas vagabundos daquela época, são os mesmos que estão sendo presos agora por corrupção... que enviaram dinheiro do BNDES pra Cuba, Venezuela, e outras ditaduras marxistas... ENTÃO, pouco importa se é REGIME MILITAR ou a suposta DEMOCRACIA, essa vagabundagem comete crimes em qualquer forma de governo. Colocam o partido vermelho acima da Pátria... Igual aos Nazistas (ideologia irmã gêmea do comunismo/socialismo)

  • 0

    CLAUDIO RAFAEL DOERR VIEGAS

    Fernando Monteiro, parabéns, muito bem lembrado. Esses terroristas vagabundos possuíam uns 10 nomes falsos cada um... por isso que para cada um deles existem uns 9 supostos desaparecidos... Tudo pensando em indenizações e benefícios para essa cambada de vagabundo que lutava para transformar o Brasil em uma nova Cuba... Se não fossem os heróis de 1964, com apoio do Congresso e da sociedade (marcha da família, etc...) hoje seríamos uma Venezuela ou pior... O resto é a versão comunista mimimi da história, contada por professores doutrinadores para alunos facilmente sugestionados. Abraço

  • -1

    Fernando Monteiro

    Realmente: "desaparecimento forçado" a expressão já diz tudo... Só Dilma tinha cinco codinomes: Estela, Patrícia, Luiza, Wanda, e o próprio. Imagine os restos dos terroristas. O que Getúlio e os militares de 64 deveriam fazer era aplicar a pena de morte consagrada pelas respectivas constituições. Ficam vocês falando de tortura só para sangrar os cofres públicos com indenizações. Vão se catar, caras...

Voltar para o texto: A (im)prescritibilidade dos crimes de desaparecimento forçado na guerrilha do Araguaia