Comentários

Lamentável confusão entre CPMF e CP

Lamentável confusão entre CPMF e CP

É preciso colocar os pingos nos is e enterrar de vez o fantasma da CPMF, a fim de não condenar a priori uma proposta positiva do secretário Marcos Cintra, que oferece uma salutar alternativa para o difícil momento socioeconômico que estamos atravessando.

Publicado em . Elaborado em .


Comentários

8

  • 0

    CARLOS ROBERTO DE SOUZA MARQUES

    Concordo que qualquer tributo especialmente sobre a folha salarial é um desestimulo. Mas não se engane. Ao acabar com esse tributo eles criarão outro porque nunca se pensa em cortar os gastos do governo. Considero que os repasses para os poderes legislativo e judiciário são muito altos. É muito dinheiro pra pouca gente. Deve começar os cortes por lá. Outro ponto a considerar é achar que temos muitos servidores publicos. Nem tanto assim mestre. Precisamos de mais. Todos os dias ouvimos e vemos reclamações pela falta de servidores em todas as esferas do governo. Mal distribuição de pessoal? Infelizmente nosso povo depende muito do Estado. Então precisamos urgentemente acabar com a miséria e melhorar a distribuição de renda pra que não precise existir tantos tributos. Quanto menos dinheiro no Governo, melhor pro povo.

  • 0

    Claudio SM Oliveira

    Prezado Jorge, ainda oscilo entre o desanimo e a esperança, afinal é a última que morre. Obrigado pela referencia solidaria. Não estamos sós. Um abraço

  • 0

    Jorge Oliveira

    Ao Professor Kiyoshi Harada meus cumprimentos e agradecimentos pela explicação.

    Porém, particularmente entendo que 20% sobre a folha bruta, mais as contribuições para outras entidades, mais RAT, etc, não chegam a quase dobrar a folha e não é apenas isso que espanta o empresário e se torna responsável pelos milhões de desempregados. Os milhões sem emprego tem dentre outras causas, a economia do Brasil esfacelada há décadas, com a demografia crescendo desenfreadamente. O mau uso da arrecadação dos impostos, e outros males conhecidos da população, causados por desgovernos que se foram. Mesmo trazendo a renda a patamares baixos que mais caminham para uma Índia, ou um Caribe e América Central, com vizinhos da América do Sul, ainda assim não são apenas os valores da Contribuição Previdenciária em si que afugentam os investidoress e o empresariado como um todo e faz com que a Folha de Pagamento chegue a mais de 125%. Uma visita a esta página da Delphin Contabilidade, https://www.delphin.com.br/orientacao/66-encargos-sociais-sobre-a-folha-de-pagamento - mostra que os 20% acrescidos de outros percentuais beiram apenas 36%.

    De qualquer forma se a economia não cresce como ter gente engrossando as fileiras de trabalhadores. Com salários baixos, como virou mania nacional há anos, não se tem poder de compra nas mãos de quem trabalha - já que os desempregados muitas vezes não tem nem o mínimo para um mínimo de sobrevivência e muitos passam fome - mas há quem diga que não há fome no Brasil. Claro, não olham além de suas janelas.

  • 0

    Jorge Oliveira

    Claudio S M Oliveira, meu aplauso!

    Eu não escreveria nada mais além do que escrevestes.

    É muito cômodo criar-se imposição tributária nova. Mas reduzir despesas desnecessárias no governo - falo dos Três Poderes e com isso não esqueçamos Estados e Municípios, onde há penduricalho de despesa para tudo.

    Sem contar certos desperdícios - (para lembrar um deles, o porta-aviões que mal foi comprado, com defeitos, sob crítica de pessoal naval conhecedor do assunto, depois de N dias no estaleirto para reformas, reparos e manutenção, resolvem descomissioná-lo e enviá-lo para ser sucateado nos confins da Índia - como foi o Minas Gerais depois de anos servindo à Marinha). Compraram o Airbus para a Presidência da República, agora se comenta que é necessário se comprar outro avião. Claro, um país pobre metido a besta. Ah!, rico de recursos naturais explorados, e uma boa parte - madeira, ouro e outros metais, pedras preciosas quem sabe contrabandeados para o exterior. Aliás, por falar em ouro, quem será mesmo que estava enviando 719,8 kg de ouro para o exterior, e os bandidos assaltaram o armazém de carga em Guarulhos e levaram. Nunca se saberá de quem era o ouro. Se bem que uma Lei diz que se mandar valores para o exterior a RFB precisa ser avisada e a PF também. E...?

    Pois é...dito isto, basta o governo com a força da caneta e do voto criar a Lei e todos passam a pagar mais um imposto, uma taxa, etc. E o poder de ganho da população cada vez menor. Mas polpudas aposentadorias sempre estarão a salvo.

  • 0

    Claudio SM Oliveira

    Cumprimento pela boa qualidade e reta intenção do seu trabalho mas não vem animo a concordar:
    1 - o Brasil vive de crises, uma atrás da outra - as suas próprias, entremeadas pelas do resto do mundo - mas nunca resolve nenhuma;
    2 nossas crises são sempre pretextos para justificar mais uma imposição tributária. Surgiu problema? é fácil resolver: arrecada-se um pouco mais. A atual derrocada da Previdência não vem a ser nenhuma novidade histórica. Vi esse mesmo cenário no governo Figueiredo. Solução? Em nome da ameaça do caos criaram a CIDE que passou a incidir sobre os combustíveis. Tudo bem... Hoje fui abastecer o carro e o preço da gasolina, aqui no RJ, é de US$ 1,00 o litro, contra os centavos que um americano paga por galão... A CIDE era para resolver a Previdência e não resolveu, por que? Porque o problema real mexe com tantos interesses privados 'maiores' que o nacional que nunca é enfrentado. O Estado nas suas diversas esferas e entes gasta mais com pessoal (apaniguados que se auto premiam com gratificações e penduricalhos que depois de tudo ainda integram a aposentadoria) do que se consegue arrecadar. Então qual a solução habitual? Cria-se mais uma imposição tributária porque é mais fácil e há a eterna desculpa: afinal estamos precisando sair da crise... O Brasil é um país primitivo que perdeu o bonde da História pela má qualidade da educação de seu povo e pela cupidez descarada dos detentores de (e do) poder. Pode criar CP, reduzir as deduções de despesas médicas no IR, e mais o que quiserem. Sempre a crise acontecerá e será mais um mero pretexto novo. Que outros países civilizados no mundo fazem o que fazemos aqui para 'resolver suas crises', que outros países praticam os juros que praticamos aqui?
    O americano prioriza acima de tudo a verdade. A verdade simboliza sua honra e dignidade; nós por aqui nos permitimos mentir em juízo quando falamos a nosso respeito porque 'não é exigível se autoincriminar'... Há solução para isso?
    Não creio mais. Infelizmente.

Voltar para o texto: Lamentável confusão entre CPMF e CP