Comentários

A responsabilidade civil do advogado perante seu cliente por ato praticado no exercício da profissão

A responsabilidade civil do advogado perante seu cliente por ato praticado no exercício da profissão

O texto analisa a relação mais que jurídica que se forma entre o advogado e o seu cliente, e identifica as hipóteses e as causas em que o advogado, no exercício de sua profissão, pode produzir prejuízos a seu próprio mandante.

Publicado em . Elaborado em .


Comentários

10

  • 0

    Elza Mendez

    Profissionais liberais não têm responsabilidades de resultado é e eventualidade de causarem danos aos seus cientes cabe a esses últimos a comprovação de sua culpa
    Porém não inculpáveis por sua habilitação por si mesma
    O médico operou o cliente que morreu ou durante a cirurgia ou no pós operatório , ele pagará pelo erro se a morte do cliente se deu por imprudência negligência ou imperícia
    Cabe que se prove o erro no relato circunstanciado da série de fatos ocorridos e a linha tênue que os une chamada de índicos de culpa
    A falta total de materialidade de suas condutas , desde que sua simples habilitação não lhes exclue a infalibilidade , já serve como prova de seus erros

  • 0

    Pablo Henrique

    Minha advogada perdeu provas que eu passei para ela,provas que ajudariam no ganho do meu caso,como fotos e áudios,o que eu posso fazer?

  • -1

    clair stella carlini

    O Núcleo de prática juridica/UNINOVE Barra Funda, pode renunciar uma defesa de uma idosa, após a procuração assinada, sem nenhuma explicação? Ainda humilhar a idosa, deixando-a triste e confusa? Era uma emergência, porque o patrono anterior da idosa tinha abandonado o processo sem explicações.. Pedi para reconsiderar, baseada na lei 10741/2003, mas foram duros e rispidos com a idosa e sem a minima consideração e respeito. . O que devo fazer?

  • 0

    Antonio Carlos Dias Correia

    Meu comentário, é o seguinte: sendo eu mesmo, portador de sequelas antigas de um grave acidente, tendo sido operado 14 vezes cujos resultados foram tão somente paliativos pois até hoje encontro-me em tratamento médico que segundo os médicos, também são paliativos, e, por causa desse acidente fui encostado durante 6 anos e meio junto à Previdência Social, atrofiei toda minha vida laborativa, estou com 67 anos e nem ao menos tive o direito de uma simples aposentadoria para ajudar a comprar os inúmeros remédios que os médicos prescrevem, a previdência me deu alta na época ainda doente alegando a minha cura era lenta o que até hoje não aconteceu, com todo sacrifício consegui contribuir por mais ou menos 10 anos para o INSS, procurei um determinado advogado estoriei todo meu problema no sentido de só ele como advogado tentar reparar judicialmente a injustiça a mim cometida, então ele entrou com um processo na justiça federal com um pedido de LOAS, esse pedido foi julgado improcedente, porque lógico que o meu caso não é para benefício de LOAS e sim, reparação dos danos causados durante todo o seguimento da minha vida, e o que é pior, o advogado que ligou para minha residência marcando uma consulta no escritório dele, nem entrou em contato comigo para me dizer qual o caminho que ele iria seguir após o despacho do juiz em relação meu processo que foi julgado improcedente, se eu não posso contar com a nossa justiça para fzer justiça, com quem poderei contar? Gostaria se possível fosse obter uma orientação sobre o que fazer daqui pra frente, pois meu corpo está aqui, as sequelas também estão e os exames também, tanto antigos, recentes e todos os outros que me acompanham por toda a minha vida, se qualquer magistrado, qualquer advogado, qualquer promotor, desembargador, estivessem passando pelo que venho passando desde os meus 17 anos, com certeza absoluta eles iriam sentir o que eu senti e estou sentindo até hoje sem ao menos ter da onde encontrar possibilidade de arcar pelo menos com as despesas dos inúmeros remédios que os médicos prescrevem após fazer os exames que o meu caso requer! Gostaria de uma resposta com robustez e uma indicação de um outro advogado que peticionasse meu triste problema em um outro processo com o conhecimento da causa e fizesse o juiz entender que eu não quero ficar rico com uma quantia tão insignificante que para eles é injusta, mas para mim é necessária pois não foi isso que desejei nem pra mim nem pra ninguém, por outro lado fico a me perguntar: como um profissional do Direito nem ao menos dá satisfação ao seu cliente, tão pouco nunca gostou que telefonasse para ele, se ele mesmo ligou para mim me oferecendo seus serviços? Fico no aguardo de uma orientação e antecipadamente, agradeço pela atenção que me dispensarem.

  • 0

    Cristiana Santos

    Após entrar com representação contra maus advogados , na OAB, procurando a net pelo que ocorreria após a representação, encontrei este artigo e, simplesmente, tudo o que está aqui, foi feito pelos mesmos, absolutamente, todos os erros que a ética destes profissionais repudia, eles praticaram.
    Ví que, realmente, não fui injusta com ninguém, e , realmente, como pessoa mais esclarecida, fiz o que deveria ser feito.
    Me pergunto quantas pessoas esses caras já não lesaram, tenho pena dos coitadinhos que sem esclarecimento, recebem seu dinheirinho e deixam de lado punir quem errou, por medo do diploma que possuem.

  • 0
    Default avatar generic normal

    Usuário descadastrado

    quando eu contrato um advogado trabalhista e o mesmo não entra com o seu processo na justiça,agora não posso mais processar a antiga empresa que eu trabalhava,oque eu posso fazer processo meu advogado?

  • -1

    José Mauro Fialho

    Em maio de 2013 quando estava para ser expedido o meu Precatório (Auxílio-Doença Acidentário) fiquei sabendo através de vídeos no Youtube que eu tinha direito a parcela de antecipação corresponde do precatório, segundo o artigo 100, § 2º, da Constituição Federal, por ser idoso, mais de 60 anos de idade. Procurei o advogado e ele me pediu xérox autenticada da Identidade e do CPF para fazer o requerimento, más não o fez. Falei várias vezes com ele que eu estava com dívidas e pagando juros altos e precisando muito do adiantamento. Agora, já faz 8 meses que o precatório foi expedido e tudo indica que ele não fez o requerimento do Adiantamento Prioritário do Precatório. No nosso último contato este advogado me disse que não fez o pedido porque eu sou idoso más não tenho doença grave e por isso não tenho direito. Cheguei a fazer eu mesmo o requerimento, mas não foi aceito (disseram que eu tenho advogado e é ele que tem que fazer o pedido). ""Prejuízos a seu próprio mandante"".
    "O credor de precatório alimentar, desde a edição da Emenda Constitucional n. 62/2009, passou a contar com a possibilidade de receber, em antecipação, parte do valor de seu precatório."
    *** Por favor, alguém filho de Deus poderia me orientar para que eu consiga antecipação de parcela do meu precatório já que eu não tenho mais como contar com meu advogado. Desde já agradeço

  • -1

    Jandir Manoel

    DR. GIOVANI CARTER MANICA.

    Quero parabenizá-lo pela excelente matéria. O Sr. rasgou na própria carne com a coragem que deveriam ter todos os autênticos profissionais. Na verdade, a sua matéria deveria ser publicada em REDE NACIONAL, cuja finalidade seria alertar o leigo que deposita confiança ao constituir um profissional, e sai afanado descaradamente. Gostaria de apertar a sua mão pessoalmente e arrematando, o Sr. na realidade valoriza a sua classe, e extirpando os "inconvenientes" dessa classe tão importante na sociedade.

  • 0

    Jorge Luiz Lucas Neves

    Prezados, sabemos todos que atos praticados por estagiário, fora das determinações passadas por advogado e/ou sob sua supervisão ou, conhecimento, são nulos, no caso de cometimento de ato prejudicial, sem o devido conhecimento ou mando do advogado responsável, como fica a responsabilização civil do estagiário e do advogado, a meu sentir, no caso especifico somente recai responsabilidade civil sobre o estagiário visto que o ato é desconhecido e fora das limitações de sua atuação sob responsabilidade do advogado, ao mesmo tempo em que não haverá prejuízo pois o ato é NULO de pleno dirito pela falta de capacidade postulatória do estagiário, favor comentar quem achar por bem e em havendo citação de jurisprudência para que seja saciada minha necessidade de informação! agradeço de antemão!

Voltar para o texto: A responsabilidade civil do advogado perante seu cliente por ato praticado no exercício da profissão