A cliente ajuizou uma AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS contra plano de saúde, por negativa injustificada de autorização para consulta médica, sendo que o titular do plano é o esposo da Autora. No curso do processo a parte Ré (plano de saúde) juntou aos autos um documento que alega ter sido assinado pelo titular do plano (que, como dito, ainda não é parte no processo), documento este cuja autenticidade precisa ser contestada. Para contestar a autenticidade desse documento o titular do plano precisa ingressar no processo, então vem a pergunta: esse ingresso do titular do plano no processo já em curso se dá por LITISCONSÓRCIO ou por INTERVENÇÃO DE TERCEIRO? Se for por intervenção de terceiro, qual a modalidade de intervenção apropriada? Antecipadamente agradecido.

Respostas

0

Essa dúvida já foi fechada, você pode criar uma pergunta semelhante.