Este texto foi publicado no Jus no endereço https://jus.com.br/artigos/1816
Para ver outras publicações como esta, acesse https://jus.com.br

O bug do milênio: impactos setoriais

O bug do milênio: impactos setoriais

Publicado em . Elaborado em .

SIGNIFICADO DO BUG DO MILÊNIO

Y2K, vírus do ano 2000, bug do milênio, problema do ano 2000, são nomes distintos, mas que representam o mesmo problema, com data marcada para acontecer. No dia 1º de janeiro de 2000, em torno de 80% a 90% dos computadores e artefatos eletro-eletrônicos poderão ficar confusos em razão de uma falha (bug) de memória ou programação.

Nos primórdios da informática, procurando minimizar o custo da memória, os fabricantes de computadores, programas e microprocessadores decidiram usar o campo para a representação da data com apenas dois dígitos. Essa prática tornou-se comum até o final de 1997, mas ainda é utilizada por algumas empresas.

Dessa forma, muitos computadores e utensílios interpretam 1998 como 98, 1999 como 99 e 2000 como 00. Assim, no dia 01.01.2000, às 00:01 horas, muitos equipamentos poderão ter como data o ano 1900 ou simplesmente "00", desencadeando uma série de operações ilógicas e equivocadas.

O Bug do milênio é uma ameaça sem precedentes na história. Sabemos quando irá ocorrer, sua causa e sua solução, porém subestimamos o que poderá acontecer depois. Os prejuízos poderão afetar tudo e todos, inclusive aqueles que não tenham qualquer relacionamento com a informática. As estimativas de valor para as indenizações judiciais superam de 1 trilhão de dólares.

EQUIPAMENTOS EXPOSTOS

Peter de Jager (consultor americano que descobriu o bug): "Quando submetidos a testes, 95% dos computadores pessoais são reprovados."

90% dos computadores no mundo estão vulneráveis. (54)

90% dos computadores adquiridos em 97 poderão falhar (7 - 106); o computador com mais de 4 anos pode estar totalmente condenado. (83 - 42)

Existem 300 milhões de computadores pessoais no mundo; 250 milhões deles serão afetados (34); existem, ainda, 100.000 computadores de grande porte (34)

30% dos computadores não estarão adequados a tempo. (65)

A ComputerWorld testou 500 computadores pessoais e concluiu que 47% deles falharam (90% foram produzidos antes de 1997). (108 - 122)

O Brasil é o sexto maior usuário da informática no mundo (62), com 1,5% do mercado mundial de tecnologia. (54)

Já foram produzidos 25 bilhões de chips (34), dos quais 2 a 5% utilizam datas e serão afetados (109 – 46 – 44 – 92 - 40); em 1996 foram produzidos 4 bilhões de microprocessadores (41). Os microprocessadores ou "chips" integram todo o tipo de artefato eletroeletrônico, os chamados sistemas embutidos, dos quais podemos destacar: scanners, vídeos, aparelhos de fax, alguns tipos de marca-passos, satélites, GPS (navegação por satélite), carros, aviões, trens, navios e outros.

79% dos chips de bios fabricados em 97 não aceitam o ano com 4 dígitos e 14% não aceitam o ano bissexto (64)

O Banco da Escócia divulgou nota alertando sobre a venda de produtos ditos como adequados, mas que não estão adequados. Teste comprovou que 88% dos pcs vendidos como adequados tinham problema na RTC (real time clock) (28).

Internet: Os sistemas operacionais, os aplicativos e os servidores poderão falhar causando quedas no serviço e afetando seriamente os negócios. (122)

MUNDO

Holanda: 30% das grandes cias. não se adequarão a tempo. (52)

Alemanha: apenas 8% das grandes empresas tem um programa formal para a adequação. (85)

Rússia: Comitê Estatal de Telecomunicações avisou que o problema não será resolvido a tempo (1 - 87); o Ministro da energia atômica diz que vai esperar até 2000 para iniciar o conserto (12); 30% das empresas não estão preocupadas (27); O país não está preparado e poderá lançar mísseis acidentalmente. (46)

Japão: bancos não estão dando atenção necessária; Investimentos baixos (76); o orçamento dos principais bancos é de 249 milhões no total, ou seja, demasiadamente baixo em relação ao custo unitário dos bancos ocidentais (Citibank U$ 600 milhões e Chase U$ 250 milhões). (76 - 101)

China: pouca atenção ao problema e política de divulgação inadequada (16); o país não está preparado e pode lançar mísseis acidentalmente. (46)

Austrália: 30% dos negócios poderão quebrar (117 - 80); das 860 mil pequenas empresas, 76% não estão adequadas; apenas 10% tem conhecimento do problema (70 – 47 - 119); somente 22% dos pequenos e médios negócios estão tomando providências (121); 25% das empresas poderão ter problemas (6); é grande a possibilidade de recessão (73); 10% de falha nos pequenos e médios negócios poderá gerar a perda de 200.000 a 350.000 (93 - 73) empregos (118 – 119 –94); caso 20% das empresas não se adaptem, 5% de todos os negócios não sobreviverão (73 – 125); o país está empregando mais esforços que qualquer outro (36); o governo dará 100% de isenção fiscal nos equipamentos para as empresas que se adequarem; o país estima gastar U$ 6.1 bilhões (125 - 94); o governo vai investir U$ 10 milhões em campanha nacional de esclarecimento, com uma página na internet e um número de telefone gratuito (119).

Singapura: metade das instituições financeiras ainda não começaram o processo de adequação.

África do Sul: o nível de inadequação é crítico; os esforços estão no início; há baixo índice de divulgação do problema . (18)

Canadá: 50% das empresas estão tomando medidas; 1 bilhão para a adequação dos sistemas críticos na esfera governamental (58); 31 % dos sistemas de defesa estão adequados (11); 100% de isenção fiscal será concedida para pequenos e médios negócios (82 – 20); a Cidade de Toronto possui 7500 sistemas, 1750 sinais e 36 estações de tratamento de água e deverá gastar 750 milhões na adequação (106); um quarto das empresas do setor de utilidade pública não estarão adequadas. (78)

Nova Zelândia: 800.000 computadores pessoais inadequados. (103)

Inglaterra: O Primeiro Ministro Tony Blair criou a "Task Force 2000" especialmente para gerenciar o problema e tomar as medidas necessárias; 25% das empresas estão inertes na adequação; o governo vai gastar U$ 680 milhões em medidas e decidiu montar a campanha nacional ação 2000, um site específico na internet e uma linha telefônica exclusiva para informações e conscientização do problema; o governo resolveu também estipular doações de 2200 dólares p/ pessoa com o intuito de financiar treinamento dos 20.000 "bug busters"; o setor público deverá gastar 5,1 bilhões de dólares no problema. (104 – 40)

Relatório da CIA (Agência Central de Inteligência – EUA) (19):

Canadá, Inglaterra e Austrália: CIA afirma que estão 6 meses atrás dos EUA no processo de adequação;

Escandinávia, Holanda e o resto da Europa: CIA afirma que estão 9 meses atrás dos EUA no processo de adequação.

Japão, China, Hong Kong, França, Alemanha e Rússia: CIA afirma que estão 1 anos atrás dos EUA no processo de adequação.

Relatório do Gartner Group (probabilidades de falhas) (41):

Companhias com 5 a 60% de adequação - 50 a 80% de chance de falha no país: USA, Australia, Canadá, Africa do Sul, Holanda, Bélgica e Suécia

Companhias com 5 a 20% de adequação - 60 a 80% de chance de falha no país: Irlanda

Companhias com 0 a 20% de adequação - 60 a 100% de chance de falha no país: Israel, Inglaterra, Japão, Itália e Suiça

Companhias com 0 a 15% de adequação - 70 a 100% de chance de falha no país: Alemanha, México, Rússia, China, Taiwan, Malásia, Oriente Médio, Argentina e Brasil

Companhias com 0 a 5% de adequação - 80 a 100% de chance de falha no país: África, Tailândia, Filipinas e Venezuela

Malásia, Filipinas, Tailândia, Coréia do Sul poderão experimentar sérios problemas econômicos. (41)

40% do setor público europeu não estará preparado (41); a Europa não vai conseguir se adequar a tempo (14).

Índia, China, Europa, América do Sul e Oriente Médio não estarão adequados; um terço das nações irão ter problemas; para os países em desenvolvimento a preocupação vai começar somente em 1999, uma vez que apenas 10% possuem projetos de adequação. (63)

Somente USA, Canadá, Inglaterra e Austrália estão tomando medidas sérias. (11)

50% será o nível de adequação mundial e os piores problemas vão ocorrer na América Latina e nas economias emergentes da Ásia. (41 - 35)

Pesquisa do Banco Mundial: de 128 países, apenas 37 tinham ciência do problema. (104 - 40)

ONU: aprovou recentemente uma resolução determinando aos países membros o máximo de conscientização e cooperação na solução do problema. (53)

ESTADOS UNIDOS

O Presidente Bill Clinton criou um conselho para gerenciar os procedimentos de adequação (The Year 2000 Conversion Concil).

O Senado Americano organizou o Comitê Especial Year 2000 procurando estudar o problema detalhadamente. Em nota recente, o Senado atribuiu notas aos órgãos governamentais. As notas baixas ficaram com:

Nota "F" - Departamento de Transportes: inclui a Federal Aviation Administration (FAA) que o General Acconting office declara que caso continue no ritmo atual (lento), os sistemas não estarão adequados (101) e muitos aviões poderão ficar no solo (110).

Nota "F" – Departamento de Saúde, Energia e de Estado.

Nota "D" – Departamento de Defesa: inclui o Pentágono que possui 1,5 milhões de máquinas e está 4 meses atrás da programação (111), com apenas 17 % dos sistemas prontos, estimando gastar na área militar U$ 1,5 bilhões (11) (os caças F-15 e o míssil Tomahawk ainda não foram consertados – 2800 armas não estarão adequadas a tempo (101) - Marinha está atrasada (53), com apenas 29% do acervo adaptado (77)).

Nota "D" – Departamento de Agricultura, Justiça e Educação.

Apenas 40% dos sistemas governamentais estão prontos (11). O governo deverá gastar U$ 5 bilhões no processo de adaptação. (11)

Mais de 1/3 dos Americanos nunca ouviram falar do bug. (22)

Revista Byte, julho de 1998: "As agências governamentais estão entre as mais mal preparadas do país."

Recente declaração de Edward Yardeni: "This is Titanic America". (33)

Posição de alguns setores elaborada por Caper Jones, em Junho de 1998:

% On Time % Lagging
Urban Governments

10

90

Water Departments

20

80

Hospitals/Health Care

20

80

Retail Stores

20

80

State Governments

30

70

Electric Power

30

70

Federal government

30

70

Manufacturing

35

65

Telephone Companies

65

35

Airlines

60

40

Insurance

75

25

Banks

80

20

Overall in the US

40

60

ECONOMIA

O comércio Internacional poderá entrar em colapso e ocorrer inflação. (52)

Possibilidades de Recessão Econômica:

Pelo período de 1 ano, causada até por um pequenino setor, com 70% de possibilidade de recessão moderada (33 - 31).

Há 40% de chance de uma recessão comum (2 - 96).

Como a crise de 1929/1930 (120 - 94).

70% de ocorrer recessão mundial mais intensa que a de 1973/1974 (crise do petróleo) (33 - 41– 101 – 50 – 79 - 116), o que equivaleria a uma queda de 10% no PIB americano e 30% na bolsa (40).

Custo de adequação: U$ 600 bilhões no mundo (41); Brasil: U$ 10 (126) a 14 bilhões. (54)

Gasto Mundial deverá atingir de 1,3 (91 – 38) a 1, 635 trilhões de dólares (14). Parâmetros de valores: Guerra do Vietnã (U$ 500 bilhões); Terremoto de Kobe (U$ 100 bilhões); Terremoto de Los Angeles (U$ 60 bilhões). (62)

O gasto de adaptação equivale, aproximadamente, a 10% da economia feita com a memória, quando da opção dos fabricantes pelos dois dígitos de representação das datas. (123)

EMPRESAS

Os Estados Unidos contam com 23 milhões de pequenas e médias empresas (29), dos quais 5 milhões estão vulneráveis; mais de 330 mil fecharão ainda que estejam adequadas; 370 mil quebrarão pela falta de adaptação (9l - 88); 82% dos pequenos negócios estão em risco. (112)

U$ 11 bilhões serão gastos pelas maiores empresas americanas. O custo total no setor privado americano será aproximadamente U$ 50 bilhões. (32)

A GM identificou que mais de 500.000 equipamentos que poderão apresentar problemas e deverá gastar U$ 360 a 500 milhões para o conserto. (25)

A Wal Mart deverá gastar U$ 12 milhões; O K Mart U$ 50 milhões.

A Nova Zelândia estima gastar U$ 87 milhões para adequar os sistemas de comunicação. (25)

A British Telecom não vai efetuar ligações para empresas que não estejam adequadas. (105)

Das 4000 empresas consultadas no mundo, 80% não estão fazendo nada. (41)

Pesquisa em 6000 empresas de 47 países revelou que 20% não estarão adequadas a tempo (78); 25% de 6000 companhias pesquisadas no mundo ainda não começaram o processo de adequação. (41)

30% das 500 maiores empresas da "Fortune" não se adequarão. Dessas, 7 % já tiveram problemas em programas. (98)

Prazos estimados para adequação: Pequena empresa: 6 meses; média: 9 meses; grandes 2 anos.

EMPRESAS – BRASIL

Faltam técnicos e os programas são complexos e retalhados, com documentação deficiente; cada companhia gastará, em média, R$ 10 milhões para adaptar os respectivos sistemas; 800 empresas são usuárias de mainframes. (26)

Dos 50 maiores usuários de informática, 51% encontram-se na fase inicial (38); muitas empresas não vão conseguir fazer a correção a tempo (62); menos de 3% das empresas brasileiras de pequeno e médio porte estão adequadas. (37)

Somente entre 10% e 30% das empresas privadas começaram a corrigir seus sistemas. A maioria não terminará a conversão antes da virada do milênio. (122 – 41)

43% de 3000 empresas consultadas pela consultoria DRC não sabem se terminarão a adaptação a tempo; 19% ainda não mexeram em nada. (37)

O Brasil conta com 800 mainframes, 250 sistemas de grande porte e 2.200 sistemas médios; das 500 empresas de maiores e melhores (Exame), 90% usam mainframes; a IBM domina 70% do mercado brasileiro de mainframes. (38)

Os órgãos públicos serão os mais afetados. O Ministério da Fazenda possui 23.626 programas, com apenas 20% corrigidos. (122)

Telebrás: pesquisa realizada pela Merril Lynch em 3800 empresas do mundo, denominada "Implicações para Investidores", demonstra que até agora a Telebrás conta com uma preocupante inadequação (25). O Banco Central está atrasado na adaptação (122 – 41);

Um dos grandes problemas na esfera governamental é a falta previsão orçamentária específica. (37 – 122 - 41)

Gastos estimados para adaptação dos sistemas:

Dataprev: R$ 30 milhões (8 milhões de linhas - 4 mil programas) (37);

Prodesp: R$ 14 milhões (20 milhões de linhas - 30 mil programas) (37).

Volkswagen do Brasil: U$ 12 milhões (126) (25 mil programas, 3500 máquinas menores; interligada on-line com 580 fornecedores, 25 bancos e 850 revendedores) (38);

Credicard/Mastercard U$ 27 milhões (apenas no Brasil) (126);

Banco Central: R$ 10 milhões para adequar o Sisbacen. (37)

Gastos de adaptação aproximados para uma empresa: pequena R$ 105 mil, média R$ 1 milhão e grande R$ 3,3 milhões (107).

Prazo médio para adaptação: Pequena empresa: 6 meses; média: 9 meses; grandes 2 anos.

Grandes usuários de informática no Brasil e o bug do ano 2000
(Revista EXAME)

(127)

Empresa

Ramo de atividade

% do bug do ano 2000 já resolvida

Gasto com o bug do ano 2000 (US$ mil)

Bradesco Banco

78

40000

Itaú Banco

43

NI

Banco do Brasil Banco

80

NI

Caixa Econômica Federal Banco

5

1000

Petrobrás Petróleo

15

574

Banco Real Banco

24

7000

Telesp Telecomunicações

NI

NI

Nossa Caixa Nosso Banco Banco

31

1500

Serpro Processamento de Dados

NI

3000

Cemig Energia elétrica

7

75

Prodesp Processamento de Dados

22

600

Volkswagen Automóveis e Peças

30

3000

Copel Energia elétrica

40

1601

Pão de Açúcar Comércio Varejista

0

320

Celepar Processamento de Dados

15

168

Telerj Telecomunicações

0

NI

Brahma Bebidas

20

195

CESP Energia elétrica

20

200

Sudameris Banco

30

886

Eletropaulo Energia elétrica

70

NI

Xerox Eletro-eletrônica e computação

50

NI

Alcoa Siderurgia

10

100

Bemge Banco

10

175

Philips Eletroeletrônica

NI

NI

América do Sul Banco

15

290

Fiat Automóveis e peças

2,7

1200

Dataprev Processamento de Dados

NI

NI

Souza Cruz Fumo

10

300

CPFL Energia elétrica

39

250

Politec Computação

NI

NI

Itautec-Philco Eletroeletrônica e computação

60

NI

Andrade Gutierrez Construção civil

NI

NI

Cargill Alimentos

60

2000

Lojas Colombo Comércio varejista

NI

NI

Philip Morris Bebida e fumo

40

800

Basf Química

NI

NI

Celesc Energia elétrica

NI

NI

Paes Mendonça Comércio varejista

20

NI

Chesf Energia elétrica

15

NI

Metropolitano de São Paulo Transportes

NI

NI

Hewlett Packard Eletroeletrônica e computação

20

30

Scania Transportes

60

301

SPAL Bebidas

95

NI

Cosipa Siderurgia

10

NI

Sharp Eletroeletrônica

10

300

Procomp Eletroeletrônica e computação

23

NI

Perdigão Alimentos

NI

NI

Copene Química e petroquímica

90

50

Banco de Brasília Banco

0,10

NI

Comércio varejista

100

NI

BANCOS

A Febraban enviou 151 cartas aos fornecedores de equipamentos dos bancos brasileiros, indagando sobre a compatibilidade dos sistemas com o ano 2000. Dessas, apenas 26 cartas foram respondidas. O mesmo procedimento foi adotado quanto às centrais telefônicas brasileiras. Apenas 8 foram respondidas. (113)

A adaptação do sistema gerenciador de protestos de títulos dos bancos brasileiros só irá terminar no 2º semestre de 1999. (113)

Fusões e aquisições: o banco americano Corestates Financial Corp. foi absorvido pelo First Union Corp. Motivo: medo do Corestates não conseguir se adequar. (55)

12% ou 720 bancos americanos foram julgados inadequados pela US Deposit Insurance Corp.; 1% ou 60 bancos, não conseguirão se adequar. (8)

Os bancos pequenos em nações desenvolvidas estão atrasados na adaptação (69); menos de 10% dos bancos da América do Sul estão tomando medidas. (83 - 42)

Bancos avisam para clientes guardarem os extratos. (81)

New York: Presidente do Banco Central do Estado cancelou férias e pediu para que os executivos evitem viagens.

O Banco da Inglaterra sugere que o dia 31.12.1999 seja feriado. (94)

Gastos de adaptação dos sistemas:

Bank Of America: U$ 250 a 300 milhões (mundo); (100)

Citibank: U$ 600 milhões (mundo); (40)

Banco do Brasil: U$ 56 milhões; (61)

Chase Manhatan: U$ 250 milhões (10) (200 milhões de linhas, 70 mil computadores pessoais (128));

Banco de Boston: U$ 50 (67) a U$ 75 milhões (94) na adequação dos sistemas no mundo; U$ 10 milhões apenas no Brasil. (67)

Porcentagem dos problemas do bug do ano 2000 já resolvida
pelos principais bancos

(Revista Exame)(127)


BANCO

%

Banco do Brasil

80

Bradesco

78

Itaú

43

Nossa Caixa Nosso Banco

31

Sudameris

30

Banco Real

24

América do Sul

15

Bemge

10

Caixa Econômica Federal

5

SEGURANÇA – ENERGIA – SAÚDE - AVIAÇÃO

Rússia e China não estão preparadas e poderão lançar mísseis acidentalmente. (46)

Existem 120 sistemas sob suspeita nas plataformas de petróleo do mar do norte e 50% dos sistemas da Alcoa estão vulneráveis (41); 30% dos sistemas das plataformas não poderão ser adaptados a tempo (114); 100 plataformas de petróleo poderão parar; cada uma conta com mais de 10.000 microprocessadores (99). A Philips Petroleum testou sistemas de segurança em plataforma de no mar do norte: resultado: falha geral. (77)

Chrysler: testou sistemas de segurança em 1997: resultado: falha geral dos sistemas. (77)

Saúde:

1500 pessoas poderão morrer nas UTIs dos hospitais caso ocorra 10% de falha (89 - 84); 1 em 7 hospitais Britânicos está sujeito a falha (25);

A agência americana Food and Drug Administration (FDA) questionou 16.000 fabricantes de equipamentos médicos no mundo. Apenas 11% responderam.

30% dos 1600 fornecedores de equipamentos médicos americanos não confirmaram a adequação de seus produtos ao ano 2000. (50)

A Hewlett Packard (HP) detém 60% do mercado australiano de equipamentos médicos, incluindo monitores cardíacos e gerenciadores de imagens. A HP admitiu que alguns equipamentos médicos não funcionarão. (74)

Equipamentos médicos: 10% (4 – 41) a 50 % (51) poderão falhar; 20 a 25% serão sistemas automáticos dos próprios edifícios e 40 a 50% serão problemas nos softwares (4); 10 a 15.000 equipamentos médicos afetados (59); 25% das máquinas de hemodiálise estão incompatíveis (13); 30% dos hospitais americanos ainda não iniciaram o processo de adaptação. (45) Aviação:

Federal Aviation Administration (FAA): O processo de adaptação está demasiadamente lento e poderá não se concretizar (43); o orçamento foi subestimado (mais U$ 200 milhões serão necessários além do previsto) (30); metade dos vôos poderão ficar no solo (95); a FAA possui 20 controles principais de vetoração, 250 computadores e 23 milhões de linhas, apenas para controlar o tráfego aéreo; somente 38% dos sistemas foram adaptados. (92)

Nasa: 72% dos computadores pessoais não estão adequados.

A KLM (gastando 50 milhões no processo de adaptação((25)), a Continental, a North Western e a Alitalia estudam excluir seus vôos em zonas de perigo, incluindo os EUA. (48) U$ 1,6 bilhões serão gastos no processo de adaptação das empresas aéreas. Energia: Rússia: Ministro da energia atômica diz que vai esperar até 2000 para iniciar o conserto. (20)

A comissão responsável pela energia nuclear dos EUA (Nuclear Regulatory Comission) declarou que 10% das usinas nucleares americanas deverão ser desligadas (25); 1 usina nuclear possui 300 softwares de risco. (110)

Há 40 a 80% de chance de Blackouts; nenhuma empresa de eletricidade americana possui plano de contingência (90 - 92); apenas 20% das cias. tem controle sobre os sistemas automáticos (53).

PROBLEMAS REAIS JÁ OCORRIDOS NO MUNDO

Um sistema gerenciador de consultas em 3 hospitais e 75 clínicas na Pennsylvania (EUA) travou quando uma consulta foi marcada no ano 2000 (75);

O Royal Sutherland Hospital, de New South Wales identificou uma máquina de ultrassom e um aparelho de laser incompatíveis com o ano 2000. A substituição vai custar U$ 550 mil (5);

O Hospital San Rafael, de New Haven, identificou 18 ventiladores artificiais inoperantes (74);

Diversos postos de gasolina da rede Diamond Shanrock, no Colorado (EUA), não conseguem aceitar cartões de crédito com validade igual ou superior 2000 (74);

Plataforma de Petróleo no Mar do Norte: simulação dos efeitos do bug: equipamento de segurança que detecta gases tóxicos travou (74);

Em 01.01.1997, os computadores da Tawai Aluminum Melter travaram pois não reconheceram o ano bisexto e danificaram tanques de alumínio derretido (74);

Em 01.01.1997, computadores da polícia da Nova Zelândia travaram (74);

Teste feito pela companhia de eletricidade do Hawai conclui que o sistema travaria e os habitantes ficariam sem luz (74);

100 cinemas americanos da AMC não puderam aceitar cartões de crédito com validade igual ou superior ao no 2000 (74);

Mary Bandar, de 104 anos, recebeu um convite para ingressar no jardim de infância (74);

Em janeiro de 1998, membros da Federação Internacional dos Controladores de vôo, em reunião de emergência, fizeram um teste nos equipamentos de controle de tráfego aéreo simulando os efeitos do bug. Resultado: as telas de radar ficaram brancas (74);

Algumas lojas de chocolates Godiva rotineiramente não conseguem aceitar cartões de crédito com validade igual ou superior ao no 2000 (74);

O Bankboston trocou recentemente diversos caixas eletrônicos que não reconheciam cartões visa com validade igual ou superior ao no 2000 (74);

Uma usina hidrelétrica holandesa foi recentemente reparada pois os engenheiros de segurança descobriram que suas turbinas seriam desligadas pelos computadores no dia 01.01.2000 em razão de incompatibilidade com o ano 2000 (54);

Os mísseis americanos Patriot, instalados em Israel na guerra do golfo para defender o país dos mísseis iraquianos, não funcionaram bem em decorrência da inadequação do relógio interno do sistema de gerenciamento (77).

Em 1997, uma empresa agrocomercial de Detroit utilizava em sua rede de computadores um programa gerenciador de vendas. Sempre que os consumidores utilizavam cartões de crédito com validade igual ou superior ao ano 2000, o sistema travava, ficando inoperante por horas. O prejuízo era enorme visto que a rede agrupava dez terminais, todos inoperantes ao mesmo tempo. Dos 500 dias de utilização do software, apenas 400 foram aproveitados. A empresa está processando o fabricante e o vendedor do software, postulando a cobrança de indenização por perdas, danos e lucros cessantes.

No Brasil, há 2 anos, um laboratório químico da grande São Paulo registrou uma enorme perda de remédios por estarem com o prazo de validade vencido. O lote mais antigo tinha 6 meses e a maioria dos remédios era válido por cinco anos. O erro estava no sistema de controle de estoque que não conseguia reconhecer datas além do ano 2000. O sistema entendia as datas 01 e 02 como sendo 1901 e 1902 , jogando tudo fora. Resultado: milhões de reais em prejuízo. (122)

JURÍDICO

A empresa inglesa Prove IT 2000 acusa a Compaq de fazer propaganda enganosa, uma vez que seus produtos não estariam compatíveis com o ano 2000. De acordo com a Prove IT, os produtos não são compatíveis pois carregam um defeito no real time clock (RTC). (25 – 97)

O Banco da Escócia divulgou nota alertando sobre a venda de produtos ditos como adequados, mas que na realidade não estão. Um teste comprovou que 88% dos computadores pessoais vendidos como adequados tinham problema na RTC (real time clock). (28)

A comissão de seguros e câmbio dos EUA (SEC) deverá adotar medidas mais severas quanto a obrigatoriedade da divulgação de informações detalhadas pelas empresas no que tange as medidas e evolução de adequação dos sistemas. (25)

Simulação de julgamentos nos EUA: as fornecedoras de equipamentos (softwares, hardwares e sistemas embutidos) foram, quase que por unânimidade, julgadas responsáveis pelos prejuízos causados em decorrência da incompatibilidade dos produtos com o ano 2000. (91)

A Microsoft declarou que aguarda ser processada a qualquer momento. (39 - 115)

O s diretores de empresas americanas poderão ser responsabilizados e processados pela omissão, atraso ou negligência na correção do problema do ano 2000. Essa responsabilidade aplica-se a todos o ramos empresarias e está ligada ao dever de diligência ("due of care") dos diretores de empresas.

A Ordem dos Advogados do Canadá divulgou um estudo listando 139 possibilidades de implicações jurídicas relacionadas ao Bug do milênio.

A IBM lançou PC DOS 2000, cobrando U$ 65. 150 milhões de pessoas utilizam o DOS antigo e serão obrigadas a pagar por um programa compatível com o ano 2000. (92) – obs. O cliente não é obrigado a dispender qualquer quantia por um produto que não funciona. Essa afirmação é o pilar das alegações de cinco processos movidos nos EUA.

Processos em andamento nos Estados Unidos:

Califórnia:

Capellan x Symantec – ajuizada em 19.02.1998 - (discute a cobrança de atualização do programa Norton antivírus, uma vez que a versão 4.0 é incompatível com ano 2000 e a Symantec cobra pela atualização);

Jean Marie Cameron X Symantec – ajuizada em 07.05.1998 - (discute a cobrança de atualização do programa Norton antivírus, uma vez que a versão 4.0 é incompatível com ano 2000 e a Symantec cobra pela atualização);

Atlaz Intl. Ltd. x Software Business Tecnologies Inc. – ajuizada em 02.12.1997 – (discute a cobrança de atualização do programa SBT Pro Series, versão 2.5i, uma vez que é incompatível com ano 2000 e a SBT cobra pela atualização e devendo auferir aproximadamente U$ 50 milhões);

Alan Issokson X Intuit Inc. – ajuizada em 28.04.1998 - (discute a cobrança de atualização do programa Quicken, uma vez que as versões 5.0 e 6.0 são incompatíveis com ano 2000 e a Intuit cobra pela atualização);

New York:

Faegenburg X Intuit Inc. – ajuizada em 26.05.1998 (discute a cobrança de atualização do programa Quicken, uma vez que as versões 5.0 e 6.0 são incompatíveis com ano 2000 e a Intuit cobra pela atualização);

Rocco Chilelli X Intuit Inc. – ajuizada em 13.05.1998 (discute a cobrança de atualização do programa Quicken, uma vez que as versões 5.0 e 6.0 são incompatíveis com ano 2000 e a Intuit cobra pela atualização);

Ohio:

Paragon Inc. x Macola Software Inc. – ajuizada em 01.04.1998 (discute a cobrança de atualização do programa Macola Progression Series Software, versão 6.0, uma vez que as versões 5.0 e 6.0 são incompatíveis com ano 2000 e a Macola cobra pela atualização);

Michigan:

Produce Palace Intl. X Tec America Corp. e All American Cash Register Inc. – ajuizada em 1997 - (trata da cobrança de indenização por perdas e danos contra uma empresa vendedora de software e o respectivo fabricante. O problema ocorreu em uma loja agrocomercial de Detroit que teve o sistema inoperante por 100 dias em razão da incompatibilidade dos computadores aceitarem cartões de crédito com validade igual ou superior ao ano 2000).

O Procurador Geral do Estado da Carolina do Norte (EUA), pretende ajuizar uma ação contra os fabricantes de software, hardware e equipamanetos embutidos, cobrando U$ 132,8 milhões de gastos de adaptação nos sistemas estatais.

Nos Estados Unidos, os principais escritórios de advocacia já formalizaram mais de 200 acordos, a maioria envolvendo fabricantes e consumidores de produtos de informática, com cifras em torno de U$ 1 a 10 milhões. (41)

Legislação Americana sobre o Bug do Milênio:

Projetos de Lei Estaduais tornando alguns Estados imunes a qualquer responsabilidade decorrente da falha de seus sistemas e respectivos reflexos:

Florida: o projeto já foi sancionado;

Georgia: o Governador já assinou o projeto aprovado;

Hawaii: o projeto conta com boas possibilidades de aprovação;

Illinois: as perspectivas são incertas;

Indiana: há boas possibilidades de aprovação;

New Hampshire: sessão em 30 de junho de 1998;

Pennsylvania: existem pequenas possibilidades de aprovação em 1998; melhores perspectivas em 99;

South Carolina: as perspectivas são incertas;

Virginia: o projeto já foi aprovado, mas ainda não foi sancionado.

Existem, ainda, projetos de lei estipulando e concedendo crédito e incentivos fiscais para aqueles que estiverem adequando seus sistemas nos seguintes Estados: New York, Conecticut, Illinois, Maine.

Existem, também, projetos de lei criando organismos específicos de combate e adaptação do problema do ano 2000 ("Taskforces") nos seguintes Estados: Illinois, Iowa.

O Estado da Califórnia tentou aprovar um projeto que limitava a responsabilidade das empresas fabricantes de equipamentos de informática (hardware, software e equipamentos embutidos) aos custos de adaptação e eventuais danos a integridade física no teto de U$ 250.000. Esse projeto não foi aprovado pela assembléia legislativa do estado e foi arquivado em maio de 1998.

Projetos de Lei Federais (assuntos diversos):

HR 3968: obriga o governo americano a informar o congresso, 4 vezes ao ano, sobre todos os passos, esforços e evolução da adequação dos sistemas governamentais;

S 2000: obriga o governo a tomar todas as medidas necessárias na adaptação dos sistemas incompatíveis;

S. 1518: obriga a divulgação pública, a cada quatro meses, das medidas adotadas e da evolução dos esforços nas empresas.

O Senado Americano emitiu a resolução nº 298 que instituiu o comitê especial de acompanhamento e estudo "Year 2000". Esse comitê vem realizando palestras e convocando especialistas para depor perante o congresso de forma que o problema tenha toda a atenção e prioridade que o assunto requer.

O Presidente Bill Clinton deverá apresentar, em breve, um projeto de lei objetivando limitar a responsabilidade das empresas que compartilharem informações sobre como resolver o problema do bug, incluindo as experiências adquiridas. (111 – 128 – 129 – 92 – 15)

Em Portugal o governo baixou o Decreto-Lei nº 5898, dispensando os órgãos públicos da obrigatoriedade de realização de licitação (Concurso Público) para compra de equipamentos ou contratação de terceiros para a adaptação. A decisão foi tomada tendo em vista a importância do assunto e prazo ínfimo para a adaptação dos sistemas.

JURÍDICO – BRASIL – RESPONSABILIDADES E INDENIZAÇÕES

A Comissão de Valores Mobiliários ("CVM") baixou a Instrução nº 276/98 estipulando prazo até 31.12.1998 para que as entidades sob sua jurisdição (bolsas, caixas de liquidação e custódia, administradores de fundos, cias. abertas) tomem as medidas necessárias e adeqüem seus sistemas, sob pena de multa. A CVM determinou também que as entidades informem, trimestralmente, as medidas adotadas e a evolução do processo de adequação.

Instituto Brasileiro de Contadores emitiu o comunicado nº 98/004, de 14.05.1998, esclarecendo a comunicação do Banco Central inerente à resolução do Conselho Monetário Nacional ("CMN") nº 2453/97 que determinou a correção e a adequação dos sistemas das instituições financeiras e administradoras de consórcio até dezembro de 1998. Além disso, O CMN determinou também que as instituições informem, semestralmente, as medidas adotadas e a evolução do processo de adequação, impondo também a obrigatoriedade da menção do processo nos relatórios de auditoria.

Responsabilidade Jurídica:

O problema do ano 2000, ou Bug do Milênio (Y2K), vai atingir todas as áreas, negócios e até pessoas que não estejam relacionadas ou não possuam computador ou equipamentos eletro-eletrônicos.

Vejamos a seguinte suposição: atualmente muitas aeronaves estão equipadas com sistemas informatizados denominados "fly by wire". Um desses aviões está voando na transição do ano 1999 para 2000 e sofre pane generalizada nos sistemas. Para piorar, o controle de vetoração radar executado em terra também falha, pois seus computadores são antigos "mainframes". A aeronave entra em colapso e não conta com o acompanhamento da sua posição pelo controle de tráfego aéreo. Complicando um pouco mais, a empresa fornecedora de energia elétrica sofre uma pane em seus sistemas, causando a queda de energia no aeródromo, inclusive nas luzes de pista. O avião cai próximo ao aeroporto. Dezenas de vítimas.

Essa hipotética descrição serve como um alerta. Além do conteúdo drástico, enseja responsabilidades civis e criminais. Civis no sentido da atribuição de indenização aos legitimados. Criminais buscando impor a sanção ao responsável, seja por homicídio culposo múltiplo ou lesões corporais culposas. Os diretores de empresas poderão ser responsabilizados.

Responsabilidade é a palavra mágica que norteia os procedimentos reparatórios ou preventivos, objetivando resguardar ou valer direitos. O cerne da questão encontra-se na responsabilidade do fornecedor de produtos ou serviços defeituosos, seja ele o fabricante ou usuário fornecedor. Para esclarecer, tomamos o exemplo dos bancos e instituições financeiras. Os bancos utilizam os sistemas adquiridos de um fabricante de computadores; por outro lado, os bancos vendem seus serviços à população; assim, o banco é consumidor do fabricante de computadores e fornecedor de serviços aos correntistas. Caso os sistemas bancários entrem em colapso e prejudiquem seus clientes, estes poderão processar as instituições financeiras e exigirem a respectiva indenização pelos danos experimentados. O banco, por sua vez, poderá, na maioria dos casos, processar o fabricante de computadores alegando defeito dos sistemas adquiridos e cobrando o ressarcimento das indenizações pagas aos clientes, além dos respectivos danos e lucros cessantes. Todo aquele que sofrer prejuízo em virtude da falha (bug) poderá processar o responsável e cobrar os danos ocorridos. Danos de caráter moral e material.

As pessoas (físicas ou jurídicas) que ainda têm tempo para o reparo e adequação dos respectivos sistemas, devem fazê-lo o quanto antes, sob as expensas do responsável. Se já não há tempo, devem proceder de forma a noticiar o fato, uma espécie de "recall", nos termos das disposições legais em vigor. O seguro também deve ser cogitado como instrumento de apoio.

Para proteger direitos, os contratos devem trazer cláusulas específicas quanto às responsabilidades inerentes aos efeitos do Bug. E isso afeta tanto os que consertam os sistemas ("Bug Busters"), quanto os usuários e fornecedores. Os contratos celebrados com os especialistas no conserto deverão contar com cláusulas específicas, como a confidencialidade, penas relativas a danos imprevistos e a isenção ou assunção de responsabilidades quanto ao sucesso ou fracasso do serviço. Outros contratos que envolvam a prestação de serviços ou negócios entre partes que utilizem sistemas informatizados ou dependam deles, deverão merecer atenção especial quanto à realização do objeto (fim) e suas conseqüências, caso sua finalidade não seja alcançada em virtude do problema do ano 2000.

Em se tratando de relações entre fornecedor e consumidor, vale lembrar a aplicação da inversão do ônus probatório, o que torna difícil a prova quanto ao conhecimento do defeito pelo consumidor, ou seja a omissão deste. As regras do Código do Consumidor aplicam-se, inclusive, às pessoas jurídicas, tanto quanto fornecedoras, quanto consumidoras.

Os acionistas que amargarem prejuízos em decorrência da queda do valor das respectivas ações em razão da inadequação da empresa, poderão, em tese, cobrar os prejuízos dos administradores, fundamentando sua pretensão na quebra do dever de diligência ("due of care"). As fusões e aquisições de empresas deverão ter atenção especial.

Legislação Aplicável:

Código Civil;

Lei 8.078/90 – aplica-se à pessoa jurídica como consumidor – responsabilidade do fornecedor p/ defeitos e do fabricante p/ danos e propaganda enganosa - Produtos adequados que são inadequados: crime e responsabilidade civil;

Lei nº 9609/98 (Software): o artigo 8º responsabiliza o comerciante de programas de computador pelo seu funcionamento adequado; o art. 10, § 1º, II dispõe sobre a nulidade de cláusula contratual que exima a responsabilidade;

Responsabilidade dos administradores e diretores de empresas: art. 153 e art. 158, I da Lei 6404/76.

O custo estimado das indenizações judiciais no Brasil alcança, aproximadamente R$ 20 bilhões na área jurídica. (considerando U$ 1 trilhão no mundo – 3 – 41 – 66 - 44)

Para cada dólar não gasto na adequação, espera-se o desembolso de três (122) a 10 dólares em litígio (57).

Orientação para gerenciar o processo de conscientização: Existe a possibilidade do problema ocorrer? Qual a probabilidade de acontecer?



BIBLIOGRAFIA


  1. ABC News
  2. Alan Greespan – Presidente do Federal Reserve
  3. American Bar Association
  4. Associação dos Hospitais de Oklahoma
  5. Australian Financial Review
  6. Australian Stock Exchange
  7. Bill Lee – Consultant
  8. BT on line
  9. Business Journal
  10. Business Week
  11. Bussiness Today
  12. C News
  13. Canterbury health
  14. Caper Jones (Chairman da Software Productivity Research)
  15. Chicago Tribune
  16. China Computer Industry Association
  17. Choon Wong – Consultor
  18. Chris Anderson – Consultor
  19. Cnet News
  20. Cnews
  21. CNI
  22. CNN
  23. Computer Associates
  24. Computer Sciences Corp.
  25. Computerworld
  26. Consultoria Servir e Servir
  27. Coopers e Lybrand
  28. Sunday Times
  29. Cybernews
  30. Denver Post
  31. Deutsche Morgan Grenfell
  32. Edward Kelley – Consultor
  33. Edward Yardeni - Economista
  34. Edward Yourdon - Consultor
  35. Embaixador Kamal – Chefe do Grupo de Trabalho em informática da ONU
  36. Escola de Economia de Londres
  37. Estado de São Paulo
  38. EXAME
  39. Financial Review
  40. Folha de São Paulo
  41. Gartner Group
  42. Gazeta Mercantil
  43. General Accounting Office
  44. GIGA Information Group
  45. Gordon & Glickson
  46. GOVEXEC
  47. Graeme Inchley
  48. Guardian
  49. IBRACOM
  50. Industry News
  51. Infraestrutured Control Services
  52. ING Barings
  53. Intranets
  54. Isto é
  55. ITAA
  56. Jim Adrew – Chefe do Departamento de Tecnologia da cidade de Toronto
  57. Jimmy Blanchard - Consultor
  58. Joe Boivin – Consultor
  59. Jonh Grimm - Consultor
  60. Jornal da Tarde
  61. Jornal do Brasil
  62. José Roberto Faria Lima - Consultor de informática
  63. Joyce Amenta – Diretor de tecnologia da ONU
  64. Karl Feider – Grenwich Mean Time
  65. Karl Thieme - Consultor
  66. Lloyd’s of London
  67. Luis Scheliga – diretor de tecnologia
  68. Margareth Banaghan - Consultor
  69. Maria Cattaui – Secretária Geral da Câmara Internacional de Comércio
  70. Mark Sheehy - Consultor
  71. Marta Daniel – President of Information Management inc.
  72. Martin Staneck – Gartner Group
  73. Maurice Newman – Chefe Australian Stock Exchange
  74. Millenia – Business Continuity Services Inc.
  75. Money Magazine
  76. Moody’s Investor Service
  77. Nation World
  78. National News
  79. News desk
  80. NZInfotech
  81. Oklahoman
  82. Paul Martin, Canadian Finance Minister
  83. Peter de Jager – consultor americano de descobriu o bug
  84. Professor Mike Smith – Hospital São Bartolomeu em Londres
  85. Público
  86. Roberto Pupo Moreno - Consultor de Informática
  87. Rússia Today
  88. RX 2000 – Solutions Institute
  89. Scott Schuster – Atlanta Computer Consulter
  90. Senador Bob Benett – chefe do comitê Year 2000
  91. Software Productive Research
  92. Techweb
  93. The Age
  94. The Australian
  95. The Boston Globe
  96. The Business Journal
  97. The Gardian
  98. The Hindu
  99. The Irish Times
  100. The Oregonian
  101. TIME
  102. Tomas Tang – Executive Director of Hong Kong Productive Concil
  103. Tonny Trewinnard - Consultor
  104. Tony Blair
  105. Tony Keyes – President da YSK Investor
  106. Toronto Star
  107. Tribunal de Contas da União
  108. Tribune Review
  109. US Computer Industry
  110. USA Today
  111. Washington Post
  112. Wells Fargo Bank
  113. Wilson Gutierrez - Febraban
  114. World Oil
  115. ZD Net
  116. ZDNews
  117. Governo da Austrália
  118. Mr. Egan – Secretário do Tesouro da Áustrália
  119. The Sidney Morning
  120. Professor Paul Bailes
  121. The Sidney
  122. Revista Byte - Julho 1998
  123. Leon Kappelman
  124. SERPRO
  125. Infoseek
  126. Informática Brasileira em Análise
  127. Ministério da Administração e Reforma do Estado
  128. Computer Reseler News
  129. Wired News

Autor


Informações sobre o texto

O autor também escreveu o primeiro livro brasileiro sobre o bug do ano 2000 na área legal-financeira ("O bug do ano 2000 – aspectos jurídicos e econômicos") e patrocinou a primeira ação sobre o bug no Brasil. Os direitos autorais deste relatório encontram-se sob a proteção da Lei 9610/98. A divulgação das informações é autorizada, desde que citado o autor deste trabalho, sob pena de sanções civis e criminais.

Como citar este texto (NBR 6023:2018 ABNT)

BLUM, Renato Opice. O bug do milênio: impactos setoriais. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 3, n. 26, 1 set. 1998. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/1816. Acesso em: 17 set. 2019.