Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

Notícia

Distrato/Rescisão Contratual: Justiça condena incorporadora TIBÉRIO na devolução de 80% dos valores pagos + 100% da comissão de corretagem, acrescidos de correção monetária e juros de 1% a.m.

Juiz de Direito rechaçou cobrança de comissão de corretagem e taxa SATI, declarando sua ABUSIVIDADE e impõe a incorporadora a devolução à vista de 80% das parcelas e 100% da corretagem e SATI, tudo com correção monetária e juros de 1% a.m. Saiba mais!

Processo nº 1025464-78.2015.8.26.0100

Um comprador que havia adquirido uma unidade residencial perante a incorporadora TIBÉRIO no empreendimento localizado na Cidade de Santo André, chamado Condomínio Follow, obteve vitória expressiva na Justiça paulista com a declaração de quebra do contrato por ato do próprio adquirente, que já não mais suportava arcar com as parcelas, além de obter a devolução à vista de 80% dos valores pagos em contrato + 100% dos valores pagos indevidamente a título de suposta comissão de corretagem, tudo acrescido de correção monetária retroativa desde a época de cada pagamento e juros legais de 1% ao mês até o momento da efetiva restituição pela incorporadora.

Em abril de 2014 o interessado assinou o contrato perante a incorporadora TIBÉRIO (o nome da SPE na ocasião era: André Ramalho Projeto Residencial Ltda.). Após cerca de 1 ano pagando as parcelas, decidiu procurar pela incorporadora a fim de obter o distrato amigável do negócio anteriormente celebrado e a devolução de grande parte dos valores pagos.

Porém, de forma desarrazoada e claramente agindo com abuso de poder econômico, o departamento financeiro da incorporadora informou que devolveria somente o equivalente a R$ 500,00 (quinhentos reais).

Inconformado com o tratamento nitidamente ABUSIVO imposto pela vendedora, o comprador procurou a Justiça.

O escritório MERCADANTE ADVOCACIA ingressou com Ação de Rescisão Contratual perante o Foro Central de São Paulo, expondo a situação ao Juiz do caso e solicitando o desfazimento do negócio por ato do adquirente, bem como a condenação da incorporadora na restituição do equivalente a 80% dos valores pagos em Contrato e a integralidade das comissões de corretagem.

O Juiz de Direito da 31ª Vara Cível do Foro Central, Dr. Wander Benassi Junior, em sentença datada de 26 de novembro de 2015, JULGOU PROCEDENTE a ação para rescindir o Contrato por ato do comprador, amparado pela súmula nº 1 do Tribunal de Justiça de São Paulo, além de condenar a incorporadora na restituição à vista de 80% (oitenta por cento) dos valores pagos em Contrato e a totalidade da comissão de corretagem, acrescidos de correção monetária sobre cada um dos pagamentos e juros de 1% ao mês.

Para o Juiz, a cobrança de valores por fora do fluxo de pagamentos existente no contrato e que foram destinados pela incorporadora a título de supostas comissões de corretagem e taxa denominada SATI caracterizou inequívoca abusividade. Nas palavras do Juiz:

  • “Analiso o pedido de devolução dos valores pagos pelo autor a título de corretagem e tarifa de assessoria técnica (SATI).
  • Necessário o reembolso dos valores despendidos pelo autor a título de pagamento de taxa de corretagem e tarifa de assessoria técnica (SATI). É que, cediço, a ré organiza complexo mecanismo de vendas, elaborado em estratégia de mercado para facilitar ao máximo a assinatura dos contratos tão logo o consumidor visite seu stand de vendas, o que basta.
  • Procura-se dispensar qualquer outro ato de tratativa, a fim de se assegurar a lucratividade do empreendimento.
  • Assim, a uma, o repasse, no preço, de custo agregado de corretagem é absolutamente abusivo, porque não houve qualquer intermediação do negócio, que se deu diretamente entre as partes, clara a oferta ostensiva por parte da ré. Assim, se contratou equipe de corretores de imóveis, ela mesma deve arcar com a respectiva comissão.
  • A duas, a tarifa de assessoria técnico-imobiliária também não encontra fundamento, vez que é inequívoco o dever legal ao fornecedor de descrever com clareza o produto ou serviço vendido, alertando o consumidor sobre os riscos do negócio e sobre todas as cláusulas, principais ou acessórias. Pelo que, não pode repassar a ela o custo do seu dever legal, o que é manifestamente abusivo. Também, a parte autora em nenhum momento quis contratar qualquer tipo de assessoria, que foi imposta pela ré. Os valores pagos a esse título, então, devem ser devolvidos.
  • Assim, procede a demanda para que seja afastada a cobrança dos valores a título de serviços de corretagem e de assessoria técnica imobiliária, constituindo-se encargos indevidos em face dos autores.”

Sobre a possibilidade de condenação da incorporadora na devolução do equivalente a 80% (oitenta por cento) dos valores pagos em contrato, assim fundamentou o magistrado:

  • “Na resolução do contrato, a parte autora não pode perder integralmente as parcelas pagas (art. 53, caput, do Código de Defesa do Consumidor). De outro lado, também não tem direito à restituição integral do que pagou, devendo-se reter porcentagem para remuneração da ré quanto aos custos administrativos e de divulgação para a concretização da venda.
  • Nesse sentido, a jurisprudência vem acolhendo o percentual de 20% (vinte por cento) de retenção sobre o valor atualizado das parcelas pagas, e não sobre a totalidade do preço, a fim de se evitar enriquecimento sem causa do fornecedor e esvaziamento do provimento de restituição de valores, via oblíqua.
  • Além disso, incidem sobre o caso os teores das Súmulas nº 1 e 2 do E. TJSP.
  • Assim, deverá a requerida, de uma só vez, proceder à devolução de 80% dos valores pagos pelo autor. Os valores pagos a título de preço devem ser restituídos pela ré com correção monetária pela tabela prática do E. TJSP desde cada desembolso, e com juros de mora simples de 1% ao mês, a partir da citação.”

Condenação final:

Ao final, o Juiz de Direito condenou a incorporadora na restituição à vista do equivalente a 80% (oitenta por cento) dos valores exclusivamente pagos em Contrato + 100% (cem por cento) dos valores indevidamente pagos pelo comprador no início da aquisição e que foram destinados a comissão de corretagem e taxa SATI, tudo acrescido de correção monetária desde cada pagamento realizado (ou seja, correção monetária retroativa!) e juros legais de 1% ao mês até o momento da efetiva restituição pela incorporadora.

Fonte: Tribunal de Justiça de São Paulo e Mercadante Advocacia (especialista em Direito Imobiliário e Rescisão de Contratos de Promessa de Venda e Compra de imóvel na planta)

www.mercadanteadvocacia.com

Gostou do artigo? Veja a íntegra da decisão judicial em:

http://mercadanteadvocacia.com/decisao/rescisaodistrato-do-contrato-por-ato-do-comprador/

* O texto apresentado tem caráter meramente didático, informativo e ilustrativo, não representando consultoria ou parecer de qualquer espécie ou natureza do escritório Mercadante Advocacia. O tema comentado é público e os atos processuais praticados foram publicados na imprensa oficial.

Página 1 de 1
Assuntos relacionados
Sobre o autor
Ivan Mercadante Boscardin

OAB/SP 228.082Advogado especialista em Direito Imobiliário e Consumidor • São Paulo (SP). Advogado atuante há mais de dez anos no Estado de São Paulo Formado pela Universidade São Judas Tadeu Especialista em: Direito Civil com ênfase em Direito Empresarial (IASP) Direito Processual Civil (PUC SP) Direito Imobiliário e Registral (EPD) Arbitragem nacional e estrangeira (USA/UK) Autor do livro: Aspectos Gerais da Lei de Arbitragem no Brasil Idiomas: Português e Inglês. E-mail: [email protected]: www.mercadanteadvocacia.com - Telefones: 11-4123-0337 e 11-9.4190-3774 (cel. Vivo) - perfil também visualizado em: ivanmercadante.jusbrasil.com.br

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!