Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

Notícia

Distrato/Rescisão Contratual: Justiça condena incorporadora W.ZARZUR na devolução de 90% dos valores pagos + 100% da comissão de corretagem, acrescidos de correção monetária e juros de 1% a.m.

Juiz de Direito confirma relação de consumo entre as partes, declara a abusividade da incorporadora na cobrança de comissão de corretagem e impõe a devolução à vista de 90% das parcelas e 100% da corretagem, tudo com correção monetária e juros de 1% a.m.

Um casal que havia adquirido uma unidade residencial no Condomínio Edifício Brasil em São Paulo, obteve vitória perfeita na Justiça paulista com a declaração de quebra do contrato por ato dos próprios adquirentes, que já não mais suportavam arcar com as parcelas, além de obter a devolução à vista de 90% dos valores pagos e a integralidade das comissões de corretagem.

Decidiram adquirir uma unidade residencial em novembro de 2011 na planta, perante a incorporadora W.ZARZUR, entretanto, após 4 anos pagando as parcelas, decidiram procurar pela incorporadora a fim de obter o distrato amigável do negócio anteriormente celebrado e a devolução de grande parte dos valores pagos.

Receberam como resposta da empresa que o distrato seria possível, porém, somente uma parte seria restituída, caracterizando confisco substancial das quantias pagas em prática considerada ILEGAL por nossos Tribunais para casos desta natureza.

Inconformados com o tratamento imposto pela vendedora, os compradores procuraram a Justiça.

Através do ingresso de Ação de Rescisão Contratual pelo escritório MERCADANTE ADVOCACIA o caso foi julgado em primeira instância PROCEDENTE, com a declaração de rescisão do negócio por ato dos adquirentes, bem como a condenação da incorporadora na restituição do equivalente a 90% dos valores pagos em contrato + 100% das comissões de corretagem, acrescidos de correção monetária sobre cada um dos pagamentos e juros de 1% ao mês.

O Juiz de Direito da 41ª Vara Cível do Foro Central de São Paulo, Dr. Marcelo Augusto Oliveira, declarou categoricamente o abuso de direito com que agiu a incorporadora ao cobrar dos clientes valores não contabilizados em contrato e destinados ao pagamento de supostas comissões de corretagem, ponderando ainda que a relação entre as partes era protegida pelo Código de Defesa do Consumidor, motivo pelo qual a restituição da grande maioria dos valores pagos a título de parcelas do contrato era de rigor, conforme entendimento jurisprudencial contemporâneo para a matéria.

Sobre a necessidade de condenação da incorporadora na devolução de 90% das parcelas pagas em contrato, assim determinou o magistrado:

  • “Os autores pretendem a resolução do contrato de promessa de compra e venda, com a consequente restituição de 90% das quantias pagas à requerida.
  • A requerida não se opõe à rescisão, mas pretende a limitação da restituição aos termos do contrato firmado, o que importaria em devolução de 70% dos valores pagos.
  • Considero que os compradores fazem jus à devolução dos valores pagos, com desconto de uma taxa de retenção para fazer frente aos custos administrativos do vendedor.
  • Dispõe a Súmula no 1 do Egrégio Tribunal de Justiça de São Paulo, in verbis: “O compromissário comprador de imóvel, mesmo inadimplente, pode pedir a rescisão do contrato e reaver as quantias pagas, admitida a compensação com gastos próprios de administração e propagada feitos pelo compromissário vendedor, assim como com o valor que se arbitrar pelo tempo de ocupação do bem”.
  • Em que pese haver disposição contratual regendo tal devolução (Cláusula 6.3, fl. 49), vislumbro ser tal regramento abusivo, por colocar em manifesta desvantagem o consumidor.
  • Conforme tabela de fls. 66/68, os autores pagaram o valor histórico de R$ 141.511,62, como amortização das parcelas. Portanto, fica a requerida condenada a restituir R$ 127.360,46 aos autores, devidamente atualizado, o que importa em 90% dos valores pagos como amortização das parcelas.”

Sobre a ILEGALIDADE na cobrança de comissão de corretagem pela incorporadora, como condição prévia a permitir aos compradores assinar o contrato, assim de pronunciou o Juiz:

  • “A requerida se opõe à restituição, afirmando que os autores estavam cientes da cobrança, e que remunera serviços que foram prestados.
  • Considero que os compradores fazem jus à devolução dos valores pagos.
  • É incontroverso que os autores compareceram diretamente junto ao “stand” de vendas da requerida a fim de formalizar a aquisição da unidade a ser edificada.
  • É muito comum, nesse tipo de empreendimento, a incorporadora ou a própria construtora disponibilizar espaço próprio para que os consumidores possam negociar e celebrar os contratos de compra e venda dos imóveis.
  • Evidente que os compradores não procuraram os serviços de um corretor, para que pudesse aproximá-la de um vendedor, pois simplesmente dirigiram-se até a requerida para efetuar a aquisição.
  • Nesta hipótese, os autores não podem ser compelidos ao pagamento de qualquer comissão de corretagem. Se a incorporadora requerida não disponibiliza funcionários próprios para formalizar a venda, optando pela contratação de corretores, o ônus de tal conduta deve ela própria suportar, e não os compradores.
  • Pela exegese do disposto nos artigos 722 e 724 do Código Civil, a comissão deve ser paga por aquele que contratou os serviços a requerida.
  • Assim sendo, impõe-se o reconhecimento da ilegalidade da cobrança de comissão de corretagem, com a condenação da requerida a restituir os valores pagos indevidamente, que importam em R$ 15.456,00.”

Condenação final:

“Posto isso, JULGO PROCEDENTE esta ação, para o fim de:

1) Declarar rescindido o contrato entre as partes; e

2) Condenar a requerida a devolver aos autores a integralidade da quantia paga a título de comissão de corretagem, o que soma R$ 15.456,00, além de R$ 127.360,46, que deverão ser corrigidos monetariamente pela Tabela Prática do Tribunal de Justiça a partir de cada desembolso, incidindo sobre ambos valores juros de mora de 1,0% ao mês, a partir da citação.”

Fonte: Tribunal de Justiça de São Paulo e Mercadante Advocacia (especialista em Direito Imobiliário e Rescisão de Contratos de Promessa de Venda e Compra de imóvel na planta)

www.mercadanteadvocacia.com

Gostou do artigo? Veja a íntegra da decisão judicial em:

http://mercadanteadvocacia.com/decisao/rescisaodistrato-do-contrato-por-ato-do-comprador/

* O texto apresentado tem caráter meramente didático, informativo e ilustrativo, não representando consultoria ou parecer de qualquer espécie ou natureza do escritório Mercadante Advocacia. O tema comentado é público e os atos processuais praticados foram publicados na imprensa oficial.

Página 1 de 1
Assuntos relacionados
Sobre o autor
Ivan Mercadante Boscardin

OAB/SP 228.082Advogado especialista em Direito Imobiliário e Consumidor • São Paulo (SP). Advogado atuante há mais de dez anos no Estado de São Paulo Formado pela Universidade São Judas Tadeu Especialista em: Direito Civil com ênfase em Direito Empresarial (IASP) Direito Processual Civil (PUC SP) Direito Imobiliário e Registral (EPD) Arbitragem nacional e estrangeira (USA/UK) Autor do livro: Aspectos Gerais da Lei de Arbitragem no Brasil Idiomas: Português e Inglês. E-mail: [email protected]: www.mercadanteadvocacia.com - Telefones: 11-4123-0337 e 11-9.4190-3774 (cel. Vivo) - perfil também visualizado em: ivanmercadante.jusbrasil.com.br

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!