Congresso Internacional promovido pelo CBMA, no Rio, revela tendência de uso de plataformas on-line para resolução de conflitos

Nos dias 7 e 8 de novembro, o Rio de Janeiro recebeu o III Congresso Internacional CBMA de Mediação. O evento, realizado no Centro de Convenções da Firjan, contou com nomes de referência em mediação no Brasil e no exterior. Nessa terceira edição, o evento destacou como os novos ambientes de mediação têm contribuído para reduzir a judicialização. “Precisamos criar no país cada vez mais uma cultura da solução extrajudicial de litígios”, defende Gustavo Schmidt, presidente do Centro Brasileiro de Mediação e Arbitragem (CBMA).

Plataformas on-line ganham espaço

O primeiro dia de evento foi marcado pelos debates sobre as plataformas online para resolução de disputas. No painel que abordou o uso dos meios alternativos para solução de conflitos, o Secretário nacional do consumidor do Ministério da Justiça, Luciano Timm, destacou a importância da plataforma Consumidor.gov, que possui cerca de duas milhões de avaliações sobre empresas do Brasil. “O que mais pode ser feito? Apostar na autorregulação e corregulação, e em plataformas como a Não Perturbe (aplicativo gratuito que bloqueia promoção de vendas e serviços por meio de contato telefônico)”, comentou o secretário.

Ainda tratando sobre as disputas online, o Desembargador André Andrade comentou que “o magistrado ainda é cético em relação à mediação no Brasil”. E de acordo com a Juliana Vasquez, da 99 Táxi, a empresa segue diversas etapas para não chegar ao judiciário, por meio do autoatendimento, do  e-mail, e do portal Reclame Aqui. “O foco não está só em reduzir o número de processos, mas fazer o usuário usar a plataforma depois de resolver o processo”, assinalou Juliana.

Os palestrantes estrangeiros encerraram o primeiro dia trazendo as experiências internacionais. Ximena Bustamante, do Equador, explicou que no seu país, para se tornar mediador é preciso um treinamento teórico de 80 horas e comprovar a participação em cinco casos práticos. Já no Paquistão, Sohail Khoja, disse que são necessárias 40 horas de treinamento. “Tem que passar por um painel só. É preciso ter qualidade e competência. Hoje em dia os cursos só têm a estrutura, mas quando se atua, uma mediação é diferente da outra, tem que ser dinâmico”, explicou a representante da Australia, Mary Walker.

 

A Convenção de Singapura            

                A Convenção de Singapura foi o destaque da palestra de Marcus Lim, da SIMI, uma empresa não governamental que possui um esquema de credenciamento internacional e de multiplataforma para resolução de conflitos. Lim esclareceu que em Singapura a mediação é compulsória, ou seja, antes de ir para o tribunal deve-se tentar a mediação.  “E o que estamos tentando falar para o mundo é: usem nossos mediadores”, salientou. Ainda de acordo com Lim, em 2017, a Lei de Mediação de de seu país passou a garantir mediadores certificados pela SIMI. “Em 2015, quando começamos, eram 100 mediadores certificados pela SIMI. Hoje, em 2019, são 2.020”, completa.

                Outro destaque do segundo dia de programação foi a diversidade de gênero e o uso de métodos alternativos na resolução de conflitos. De acordo com Michele Lyra, da Shell, no Brasil 58% das mulheres têm nível superior, porém só 4% de CEO são mulheres. Michele lembrou que o CBMA  está no caminho certo, já que o núcleo de mediação da entidade é formado por 44 mulheres e 27 homens.

Vitor Castro, da Veirano Advogados, diz que, assim como no CBMA, na Inglaterra 50,1% das mulheres são mediadoras com certificação, porém, segundo ele, somente 33,6% dessas mulheres já participaram de alguma mediação, e 30,4% já participaram de dez casos. “É importante ter um homem e uma mulher em um caso de mediação, para que se tenham diferentes pontos de vista para solução de assuntos complexos”, concluiu Vitor.

 

 



Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0