A Hipercard foi condenada a indenizar consumidora, visto que, é cabível indenização por danos morais, servindo essa para punir o infrator.

Hipercard foi condenada a indenizar consumidora, visto que, é cabível indenização por danos morais, servindo essa para punir o infrator, proporcionar à vítima uma compensação pelo dano causado e servir de exemplo, evitando assim a propagação de novos danos.

Com esse entendimento, o Juizado especial Cível de Vitória de Santo Antão PE deu provimento ao pedido de indenização de danos morais para reconhecer a obrigação da Hipercard em indenizar a consumidora, visto que, de fraude praticada por terceiros, não pode o demandado pretender eximir-se de condenação por dano causado à demandante.

Leia mais:
STJ: Prazo para exclusão da negativação no SPC e SERASA
FGV é condenada a indenizar ex-aluno por inscrição indevida no Serasa
Modelo: Ação de Indenização por Danos Materiais

A consumidora ajuizou ação em desfavor da Hipercard, objetivando desconstituir o débito, ser indenizada por danos morais, bem como ter seu nome retirado dos órgãos de proteção ao crédito, atribuindo à causa o valor de R$ 20.400,00 (vinte mil e quatrocentos reais).

Entenda o Caso

A consumidora realizou a solicitação para cadastramento e fornecimento do serviço de cartão de crédito, contudo não recebeu qualquer resposta acerca da referida solicitação nem mesmo os cartões chegaram à sua residência.

Todavia, recebeu uma fatura no valor de R$ 156,85, cobrando por compras que não realizou, até porque só recebeu os cartões após o recebimento da fatura e não chegou sequer a abrir os envelopes que continham os referidos cartões.

A consumidora entrou em contato com a Hipercard, mas o problema não foi resolvido e como se isso não bastasse, descobriu-se negativada, sem prévio aviso, pela empresa.

Hipercard por sua vez apresentou contestação, alegando que não fornece créditos indiscriminadamente, mas tão somente atende as solicitações de clientes e interessados, as quais são atendidas mediante o fornecimento de dados pessoais e confidenciais, cuja guarda é de inteira responsabilidade do respectivo titular.

Salientou que tais documentos jamais seriam de conhecimento do demandado se não pelo fornecimento do seu titular.

Informou ainda que se o caso for considerado fraude, demonstrada estaria a ocorrência de força maior, eis que tomadas todas as cautelas esperadas pelo demandado, o qual, igualmente à demandante, também seria vítima de terceiro de má-fé.

Entretanto, a Hipercard não acostou cópias dos documentos da consumidora, que alega em sua defesa ter tomado o cuidado de ter guardado. Também não demonstrou que a consumidora tenha recebido os cartões solicitados antes do envio das faturas e das compras que nelas constam, ou mesmo que os cartões tenham sido desbloqueados, sendo ônus que lhe competia, nos termos do art 333, II, do CPC.

Sentença

Em sua decisão a MM. Juíza julgou procedente em parte os pedidos para, condenar a Hipercard a pagar à consumidora, a título de DANOS MORAIS, indenização no valor de R$ 3.000,00 (três mil reais), devidamente corrigido, a partir da data da sentença, e juros de 1,0% (um por cento) ao mês, a partir da citação, bem como a desconstituir todo e qualquer débito referente ao cartão de crédito e a retirar o nome da demandante dos órgãos de proteção ao crédito, no prazo de 10 dias, sob pena de multa diária.

Esta notícia refere-se ao processo: 835-96.2010.8.17.8017

Fonte: https://lehmann.adv.br/hipercard-e-condenada-a-indenizar-consumidora/


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Regras de uso