Ao analisar, a questão o  magistrado deu razão à candidata. Vejamos:

 

 

Trata-se de Trato de Mandado de Segurança com Pedido Liminar, impetrado por candidata contra ato praticado pela Prefeito Municipal de São José e pelo Presidente da Fundação de Estudos e Pesquisas Socioeconômicos (FEPESE), objetivando a declaração de "nulidade do ato de indeferimento do Título de Mestrado da impetrante e consequentemente a concessão da pontuação devida, Concurso Público para provimento do cargo de Professor - Inglês da Prefeitura Municipal de São José - SC - Edital nº 001/2020/SME".

 

 

Aduz, em síntese, que a autoridade apontada como coatora não realizou a leitura correta do Edital ao denegar a comprovação de titulação acadêmica.

 

 

No mais, juntou procuração, pedido de gratuidade de justiça e documentos (evento 1). Vieram os autos conclusos. Decido.

Inicialmente, impõe-se ressaltar que se concederá mandado de segurança para proteger direito líquido e certo, não amparado por habeas corpus ou habeas data, sempre que, ilegalmente ou com abuso de poder, qualquer pessoa física ou jurídica sofrer violação, ou de houver justo receio de sofrê-la, por parte de autoridade, seja de que categoria for e sejam quais forem as funções que exerça (Lei n. 12.016/09, art. 1º).

 

 

Para a concessão da liminar, por sua vez, devem concorrer os dois requisitos legais, ou seja, a relevância dos fundamentos em que se assenta o pedido na inicial e a possibilidade de resultar ineficaz a medida, caso o direito do impetrante venha a ser reconhecido apenas na decisão de mérito (Lei n. 12.016/09, art. 7º, inciso III).

 

Registre-se que, com a entrada em vigor da nova lei adjetiva, o pleito liminar pode ser enquadro como tutela de urgência de natureza antecipatória.

 

Dispõe o Código de Processo Civil:

 

Art. 300. A tutela de urgência será concedida quando houver elementos que evidenciem a probabilidade do direito e o perigo de dano ou o risco ao resultado útil do processo.

 

 

Assim, para a concessão da tutela de urgência, dois são os requisitos cumulativos: a) probabilidade do direito e b) perigo de dano. Candido Rangel Dinamarco ensina que "probabilidade é a situação decorrente da preponderância dos motivos convergentes a aceitação de determinada proposição, sobre os motivos divergentes, (...). A probabilidade, assim conceituada, é menos que a certeza, porque lá os motivos divergentes não ficam afastados, mas somente suplantados; e é mais que a credibilidade, ou verossimilhança ( ). o grau de probabilidade será apreciado pelo Juiz, prudentemente e atento à gravidade da medida a conceder" (A Reforma do Código de Processo Civil, p. 145)

 

 

 

Para Cassio Scarpinella Bueno, os requisitos presentes no dispositivo supracitado "são expressões redacionais do que é amplamente consagrado nas expressões latinas fumus boni iuris e periculum in mora" (Novo CPC Anotado, p. 219).

 

No caso concreto, é forçoso reconhecer, dentro de um juízo de cognição sumária, a presença dos requisitos da tutela de urgência em nível de suficiência.

 

Explico. O Edital n. 001/2020/SME destinado ao provimento de cargos efetivos de Auxiliar de Ensino, Orientador Educacional, Professor e Revisor de Braille do Quadro de Servidores Públicos do Município de São José/SC, estabeleceu no item 12.3 que serviriam para titulação de Mestrado:

 

 

Diploma ou certificado ou declaração de conclusão acompanhada do histórico escolar, de curso correlato e intrínseco à área de Educação e/ou à disciplina específica objeto da inscrição

 

 

Nota-se que a comprovação pode ser feita de três formas: 1) diploma, 2) certificado ou 3) declaração de conclusão. E a dicção "acompanhada do histórico escolar", observada a flexão de gênero, só pode se relacionar ao termo "declaração de conclusão"; afinal, os dois primeiros - diploma e certificado - são substantivos masculinos.

Em conclusão: para diploma e certificado basta a apresentação do documento, sem a necessidade de se fazer acompanhar do histórico escolar. E nisso é possível encontrar lógica, afinal são revestidos de natureza pública e gozam de presunção de veracidade.

 

Acerca do excesso de formalismo no desempenho da atividade administrativa (leia-se privilegiar forma em detrimento do conteúdo) diz o doutrinador Romeu Felipe Bacellar Filho:

 

O formalismo moderado determina a adoção de ritos e formas mais simples, importando, porém, no dever de serem resguardadas as formalidades necessárias à segurança jurídica, à observância de direitos, principalmente aos princípios do contraditório e da ampla defesa e ao atendimento do fim almejado.

 

No processo administrativo adota-se a instrumentalidade das formas, de modo a significar que, sem ofensa ao princípio da legalidade, podem ser dispensadas formalidades excessivas que não prejudiquem terceiros nem comprometam o interesse público. O que não implica afirmar o informalismo, nem mesmo a favor do cidadão, pois a forma está intimamente relacionada ao processo administrativo, eis que a ausência de formas não oferece critérios objetivos de decisão. O princípio também não pode ser utilizado como excusa ao cumprimento da lei.

 

De igual modo, a moderação indicada pode ser conducente à idéia, segundo a qual dúvidas em relação às formalidades devem ser interpretadas a favor do cidadão, para evitar que as formas sejam vistas como um fim em si mesmo, afastando a finalidade. O disposto nos arts. 2º, VIII e IX, 7º e 22, da lei utilizada como referencial, reflete a preocupação do legislador com o formalismo moderado no processo administrativo (BACELLAR FILHO. O Concurso Público e o Processo Administrativo. In: MOTTA, Fabrício (Coordenador). Concurso Público e Constituição. Belo Horizonte: Fórum, 2005, p. 83).

 

A fim de atender ao indisponível interesse público, o referido autor assinala que o julgador no processo administrativo deve buscar sempre a verdade real, ainda que tenha que se valer de outros elementos além daqueles trazidos aos autos, auxiliado pelo princípio da oficialidade (op. cit., 2005, p. 85.).

 

 A advogada do caso Dra. Cristiana Marques afirmou na defesa da candidata que os atos administrativos devem observar também os primados da razoabilidade e proporcionalidade.

 

Como exemplo cita-se o artigo 2º da Lei n. 9.784/99 que dispõe sobre os princípios da proporcionalidade e razoabilidade, dizendo que estes devem ser observados pela Administração Pública. O inciso VI do parágrafo único do referido artigo traz seus conceitos: "adequação entre meios e fins, vedada a imposição de obrigações, restrições e sanções em medida superior àquela estritamente necessária ao atendimento do interesse público".

 

E a caracterização do concurso como processo administrativo (sabidamente um encadeamento de atos da mesma natureza) impõe a observância de princípios constitucionais e legais, exigindo-se moderação no que toca aos requisitos formais.

 

Por fim, é preciso gizar um dado curioso: a justificativa aposta no ato coator leva em consideração que o título foi apresentado na forma de certificado, quando, na verdade cuida-se de verdadeiro diploma (evento 01, doc. 7)...

 

Assim emoldurada a questão, a concessão da liminar resta como medida impositiva.

 

Ante o exposto, visto que presentes os requisitos legais, defiro a tutela de urgência postulada pela candidata e determino que, no prazo de 05 (cinco) dias, o Diploma de Mestrado seja devidamente considerado para compor a pontuação da impetrante no concurso detonado pelo Edital n. 001/2020/SME.

 

Notifiquem-se as autoridades impetradas e o Procurador-Geral do Município de São José para informações no prazo legal.

 

 

No mais, defiro o pedido de gratuidade de justiça, uma vez que encontro demonstrados seus fundamentos legais. Intime-se e cumpra-se com urgência.

 

Processo: 5023839-93.2021.8.24.0064/SC

 

Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina

 

CRISTIANA MARQUES ADVOCACIA


Autor

  • Cristiana Marques Advocacia

    ADVOGADA ESPECIALISTA EM DIREITO ADMINISTRATIVO - DO CONCURSO A APOSENTADORIA Advogada Especialista em Direito Administrativo e Público – CONCURSO PÚBLICO (nomeação, posse, reprovação, estágio probatório) & SERVIDOR PÚBLICO (aposentadoria, licenças, transferências, PAD) . Atua no atendimento a pessoas físicas e jurídicas, o cliente será atendido desde a entrevista até a decisão final pela advogada. Mantendo – se assim a confiança entre advogado e cliente. Prestamos acompanhamento jurídico diário aos nossos clientes. A Experiência faz toda diferença! Advogada especialista em clientes exigentes que sabem dar valor ao direito que têm.

    Textos publicados pela autora

    Fale com a autora

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso