O texto visa resumir e elencar os principais pontos da Medida Provisória 936/20, dividindo as características relacionadas aos procedimentos de Suspensão de Contrato de Trabalho e Redução de Jornada/Salário.

Nesta semana, dia 01/04/2020, foi publicada, em Diário Oficial da União, a Medida Provisória 936, motivada pela pandemia do COVID-19. Tal MP deu ensejo à inúmeros questionamentos, haja vista que, além de prever a possibilidade de suspensão provisória de contratos de trabalho, permite também a redução de jornada e, consequentemente, salario dos colaboradores das empresas, como meio de resguardar empregos e rendas diante da crise provocada pelo estado de calamidade pública decretado em nosso estado brasileiro.

Visando elucidar muitas questões, abaixo segue compilado dos pontos mais relevantes da Medida:

PROGRAMA EMERGENCIAL DE MANUTENÇÃO DE EMPREGO E RENDA

O governo através da Medida Provisória 936/2020, estabeleceu a criação do Benefício Emergencial, permitindo que as empresas possam reduzir jornada e salário de funcionários, além de autorizar a suspensão de contratos de trabalho.

REDUÇÃO DE JORNADA E SALARIO:

a) formalização em acordo individual (com início a partir de 2 dias da assinatura em conjunto de empregador e empregado);

b) período máximo de 90 dias;

c) necessidade de comunicar, no prazo de 10 dias o Ministério da Economia e Sindicato Laboral;

d) percentuais de redução de jornada e salário: 25%, 50% ou 70%, mantidos sempre o valor salário/hora de trabalho (ou seja, a redução do salário deve ser proporcional a redução da jornada)

e) reduções superiores à 25% somente poderão ser feitas para empregados com salário até R$ 3.135,00 e para aqueles que tenham nível superior mas não recebam mais que R$ 12.202,12. Ultrapassados esses limites, deve ser feito por convenção/acordo coletivo.

f) estabilidade provisória: pelo período que esteja vigente a redução jornada/salarial + o mesmo período a partir do final do prazo da redução (Ex.: Redução de salario de 02/04 à 02/05 a estabilidade do funcionário será de 02/04 à 02/06). Multa no caso de descumprimento.

g) valores pagos pelo governo ao funcionário que tiver a redução: valor equivalente ao seguro desemprego que o funcionário teria direito numa dispensa aplicando o percentual de redução. (ex.: Se dispensado e tivesse direito à R$ 1.500,00 de Seguro Desemprego, aplicado o percentual de redução salarial de 25%, o funcionário receberia R$ 375,00 de Beneficio Emergencial).

SUSPENSÃO DE CONTRATO DE TRABALHO

a) formalização em acordo individual (com início a partir de 2 dias da assinatura em conjunto de empregador e empregado);

b) prazo máximo de 60 dias, podendo ser fracionado em dois períodos de 30 dias;

c) benefícios devem continuar sendo pagos (VR, VA, Cesta básica, Assistencia Médica, Seguros);

d) estabilidade provisória: pelo período que esteja vigente a suspensão do contrato + o mesmo período a partir do final do prazo da suspensão (Ex.: suspensão de 02/04 à 02/05 a estabilidade será de 02/04 à 02/06). Multa no caso de descumprimento.

e) empresas que tiveram receita bruta superior à R$ 4.800.000,00 (quatro milhões e oitocentos) no ano de 2019 só poderão suspender contrato de trabalho mediante pagamento de 30% do salário do funcionário como ajuda compensatória (natureza indenizatória);

f) valores pagos pelo governo: 100% do valor do seguro desemprego que teria direito caso fosse dispensado e 70% do SD quando a empresa pagar a ajuda compensatória equivalente a 30% do salário (empresas com faturamento superior à R$ 4.800.000,00 em 2019).

Importante ainda relembrar que, Medida Provisória é um instrumento com força de lei, utilizado pelo Presidente da República, em casos de relevância e urgência, tendo como principal característica a produção de efeitos imediatos, razão pela qual os ditames da Medida Provisória 936 já se encontram válidos e vigentes, capazes de serem adotados por aqueles a que ela se dirija. 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0