A importância e única via do ensino à distancia no Brasil diante da virose

PROFESSORES DE SÃO PAULO

 

Não há mais tempo para continuarmos a desmerecer nossa Constituição no que concerne à educação, uma obrigação estatal livre e gratuita, multidisciplinar e para todos conforme os termos do art 205 e seguintes;

Já foi o tempo das palmatórias, das varinhas de marmelo, e do constrangimento ilegal praticado por maus professores que a utilizam apenas como instrumento da manifestação de seu ego e poder concentrado de ensino: Um aluno que não conseguiu se expressar e explicar o que aprendeu com suas próprias palavras é a própria representação do mau professor e de uma forma de ensino caduca.

Com a internet principalmente voltamos a nova inteligência, a pesquisa leiga, a bisbilhotice, as informações variadas, mas sempre os alunos necessitaram do apoio do professor, das fontes corretas de informações, do didatismo e auxílio ao ensino e aperfeiçoamento que não se dá pelo uso da força, mas sim pela liberdade, pelo prazer e adesão porque o homem é dotado de razão e inteligência que se amolda ao seu meio.

O amargor, a intolerância e o preconceito azedo de um sistema arcaico parece ser mesmo a última manifestação das cadeiras disputadas a ponta de faca e às “bombas” propositais, mas que continuarão pelas fontes e correspondências dos alunos com direito ao assento físico, e pelo símbolo do centro de local de conhecimento e contato direto com a cátedra.

Como poderá ser prazeroso algo que limita e constrange ? Uma imposição de que, ao mesmo tempo que os alunos e professores se reúnam, se distanciem... Ao mesmo tempo em que se formem os grupos e oficinas de estudo se proíba em falar muito perto, e aonde se necessite o contato humano e face a face, a virose fatal nos imponha uma máscara e desconfiança, tudo ao avesso do ensino livre e a distância.

A mudança virá dos professores e dos alunos que não devem mais se sujeitar a humilhações, dentre estas a mais violenta e ilegal pelo estrangulamento dos vestibulares e vestibulinhos, visto que a educação é obrigação estatal a qualquer um do povo...

E não há mal qualquer num aluno a mais que queira estudar livremente e a distância, Biomedicina, Genética, Direito ou Medicina, Ciências Sociais, Filosofia, Física e outras tantas ciências de suma importância social.

Não seriamos uma mesma sociedade avançada sem a luz elétrica, inventada pela Física e trabalhada pelo fluxo natural do conhecimento, e não seriamos os mesmos na erradicação de doenças e produção de alimentos sem as Ciências Biológicas, e não somos mais os mesmos com a possibilidade e necessidade que se abre de forma irreversível do ensino a distância e tudo mais que possa ser feito com os recursos tecnológicos de hoje, incluindo-se as consultas médicas gratuitas e diversas formas de possibilidade de trabalho e troca de informações gratuitas ou de baixo custo.

Esta virose que nos atormenta e amedronta mostrou a maior falha atual de nossa sociedade: A monopolização das profissões e do conhecimento, dos medicamentos e dos honorários às pesquisas, do fluxo concentrado de pensamento e do ensino, e agora estaremos muito mais unidos e combativos a esta doença na forma de rede e a distância...


Autor

  • Cassio Mussawer Montenegro

    Minha formação iniciou-se em 1998 estudando Filosofia do Direito e como calouro da FADIJA. Hoje, como autodidata, alcancei um razoável nível de conhecimento jurídico através da leitura, pesquisa e suporte on line, preparado por uma grade própria de ensino aonde se incluíram livros de grandes juristas e mestres, e comigo, o gosto pelo aprendizado e pesquisa.Fui aprovado no V Exame de Ordem dos Advogados do Brasil, entretanto, minha credencial encontra-se sub judice. Sou autor do Projeto de Lei "O Povo Advogado", uma tese que gostaria de defender numa pós graduação com o nome "O Povo e Sua Lei"

    Textos publicados pelo autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Regras de uso