A guarda externa dos presídios é de competência dos agentes penitenciários, e por uma questão de cautela, quis o legislador manter uma competência residual desta atividade à Polícia Militar.

CONSIDERANDO a recente instituição da Policia Penal Estadual pela Constituição da República Federativa do Brasil, cuja atribuição está a segurança dos estabelecimentos penais:

 

Art. 144. A segurança pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, através dos seguintes órgãos:

 

I - polícia federal;

 

II - polícia rodoviária federal;

 

III - polícia ferroviária federal;

 

IV - polícias civis;

 

V - polícias militares e corpos de bombeiros militares.

 

VI - polícias penais federal, estaduais e distrital. (grifamos)

 

(...)

 

§ 5º-A. Às polícias penais, vinculadas ao órgão administrador do sistema penal da unidade federativa a que pertencem, cabe a segurança dos estabelecimentos penais.        (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 104, de 2019)

 

 

CONSIDERANDO que a legislação estadual que Reorganiza a Estrutura Básica do Poder Executivo do Estado de Mato Grosso do Sul, LEI Nº 4.640, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2014, estabelece em seu Art. 20 inciso II alínea d item 4:

 

Art. 20. À Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública compete:

...

d) da Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário:

1. ...

 

2. ...

 

3. ...

 

4. a guarda externa dos presídios, em condições a serem regulamentadas pelo Poder Executivo. (acrescentado pela Lei nº 4.791, de 21 de dezembro de 2015)

           

           

CONSIDERANDO a Legislação Estadual Nº 5.147, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2017, que institui no âmbito da Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (AGEPEN-MS), o Comando de Operações Penitenciárias (COPE), que possui dentro de suas atribuições a vigilância de muralhas e guaritas, escolta de presos e revistas de segurança nos Estabelecimentos Prisionais Estaduais:

           

            LEI Nº 5.147, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2017

 

Art. 1º Institui-se, no âmbito da Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (AGEPEN-MS), o Comando de Operações Penitenciárias (COPE).

 

§ 1º O COPE constitui força de reação da AGEPEN-MS, e será constituído por (dois) grupos, o Grupo de Intervenção Tática (GIT) e o Grupo Tático de Escolta (GTE), especializados em intervenções rápidas em ambiente carcerário, vigilância de muralhas e guaritas, escolta de presos e revistas de segurança nos Estabelecimentos Prisionais Estaduais. (grifamos)

 

 

CONSIDERANDO a recente edição da PORTARIA AGEPEN Nº. 42 DE 13 DE FEVEREIRO DE 2020, que dispôs sobre normas e regulamentos para atuação em guaritas, torres de vigilância e segurança armada da penitenciária estadual masculina de regime fechado da gameleira, bem como a custódia de presos em período de internação em hospitais e unidades de saúde na comarca de campo grande.

CONSIDERANDO a necessidade de se estabelecer simetria constitucional entre a Constituição Federal e a Constituição Estadual, a Agepen encaminhou ao Governo Estadual o projeto de criação da Polícia Penal Estadual como prioridade ( Disponível em: https://www.agepen.ms.gov.br/agepen-encaminhou-ao-governo-projeto-de-criacao-da-policia-penal-estadual-como-prioridade-e-contemplando-as-tres-areas/), por meio de Proposta de Emenda que prevê o acréscimo do artigo 51-A à Constituição do Estado de Mato Grosso do Sul, cujo inciso IV traz a seguinte redação:

 

Artigo 51-A. A Polícia Penal, instituição permanente, subordinada ao governador do estado e vinculada à Secretaria de Justiça e Segurança Pública, dirigida por um diretor geral, cargo privativo de Policial Penal, com experiência mínima de 18 (dezoito) anos de efetivo exercício na carreira, de livre escolha, nomeação e exoneração do Governador do Estado, é a responsável pela fiscalização e manutenção da execução penal, nos limites de sua competência, além de outras atribuições estabelecidas em lei:

 

IV – garantir a segurança e a custódia de presos, inclusive durante as escoltas e permanência fora dos estabelecimentos penais, bem como atuar nos casos de fuga iminente e imediata, captura e recaptura de presos fugitivos e evadidos do cumprimento da execução;

 

 

Diante desta nova perspectiva legal apresentada, seria atribuída a Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário a guarda externa dos presídios, sendo conferida tão somente de maneira subsidiária tal atribuição à Polícia Militar, o que só justificaria o exercício da guarda externa dos presídios pela Polícia Militar diante da impossibilidade plenamente justificada da realização desta por agentes penitenciários estaduais, sob pena violação ao princípio da legalidade e eventual usurpação de função, já que a Polícia Militar somente fará guarda externa dos presídios quando esta não for realizada por agentes penitenciários, conforme legislação abaixo citada:    

 

CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL DE 1989.

 

Art. 47. À Polícia Militar incumbem, além de outras atribuições que a lei estabelecer:

...

IV - a guarda externa dos presídios, quando esta não for exercida por agentes penitenciários estaduais; (redação dada pela EC nº 69, de 17 de dezembro de 2015, publicada no D.O. 9.069, de 18 de dezembro de 2015, página 1)

 

 

LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 4 DE ABRIL DE 2014.

 

Dispõe sobre a organização, a composição e o funcionamento da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul, e dá outras providências.

 

Art. 2º Compete à Polícia Militar:

...

XXXIV - realizar a guarda externa dos presídios, quando esta não for exercida por agentes penitenciários estaduais; (redação dada pela Lei Complementar nº 211, de 21 de dezembro de 2015)

 

 

LEI Nº 4.640, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2014.

Reorganiza a Estrutura Básica do Poder Executivo do Estado de Mato Grosso do Sul, e dá outras providências.

 

Art. 20. À Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública compete:

...

II - por meio dos seus órgãos de regime especial e de autarquia que lhe é vinculada:

a) Polícia Militar de Mato Grosso do Sul:

...

3. a guarda externa dos presídios, quando esta não for exercida por agentes penitenciários estaduais; (acrescentado pela Lei nº 4.791, de 21 de dezembro de 2015)

 

 

A Constituição Federal em seu Art. 144 § 5º confere às polícias militares a polícia ostensiva e preservação da ordem pública, de modo que, não se vislumbra na atividade de Polícia Militar a Guarda de Presídios, já que sua missão não se destina a custódia de presos e nem a guarda de estabelecimentos prisionais, sendo uma característica indelével da Polícia Militar sua ostensividade e presença nas ruas de maneira constante, bem como, o seu emprego em atendimentos de emergência policial. Desta forma, não nos parece coerente retirar policiais destas atividades, atribuídas por força constitucional à Polícia Militar, para os colocarem em postos fixos serviço, dos quais estão impedidos de saírem, causando prejuízo a atividade de polícia ostensiva e de preservação da ordem pública, que obrigatoriamente exigem a presença dos policias militares em patrulhas nas vias públicas. . Toda vez que a Polícia Militar é solicitada para a custódia e transporte de detentos, provavelmente serão retiradas equipes das ruas e dos atendimentos de plantão para serem empregadas nesta atividade, o que pode causar redução das equipes de pronto emprego e aumentar sobremaneira o tempo de resposta aos atendimentos de ocorrências.

            Pelas razões de fato e  de direito expostas, nos parece que a guarda externa dos presídios é de competência dos agentes penitenciários, e por uma questão de cautela, quis o legislador manter uma competência residual desta atividade à Polícia Militar, no caso de algum motivo extraordinário que inviabilizasse exercício desta atividade por agentes penitenciários (como por exemplo: uma greves), funcionando a Polícia Militar como uma última barreira de proteção social. Priorizar que as guardas dos presídios sejam exercidas pela Polícia Militar pode causar prejuízo para atividade para a qual ela é destinada, polícia ostensiva e de preservação da ordem pública, caracterizando um eventual desvio de sua função. Soma-se a isto, o fato de uma possível violação ao princípio da legalidade, já que a legislação atual sobre o tema atribui com prioridade esta competência aos agentes penitenciários, revogando desta forma normas pretéritas em sentido contrário.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso