modelo de petição.

EXCELETÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DO TRABALHO DA ... VARA DO TRABALHO DA .... COMARCA DE ......

 

 

Processo nº: ....

 

 

 

 

Nome do reclamante, nacionalidade, estado civil, profissão, portador da cédula de identidade RG nº..., inscrito no CPF sob o nº  …, portador da CTPS nº..., série…, PIS nº …, filho de ....., residente e domiciliado á Rua......,nº..., bairro..., CEP nº ..., juazeiro do norte-CE, vem, respeitosamente perante vossa excelência, por intermédio de seu advogado, adiante assinado( procuração anexa), com escritório profissional no endereço......., onde recebe intimações e notificações, com fulcro no Art. 840 da consolidação das Leis do trabalho( CLT), PROPOR:

RECLAMAÇÃO TRABALHISTA. Pelo rito ….

em face de NOME DA RECLAMADA, pessoa jurídica de direito privado( se for o caso), inscrito no CNPJ sob o nº..., no endereço ....., pelas razões de fato e de direito, a seguir expostas:

I – MÉRITO

1. Horas extras – excesso de jornada

A reclamante laborava das 7h às 16 h, de segunda a sexta-feira, com 30 minutos de intervalo, ou seja, seu labor era de 8 horas e 30 minutos.

Com base nos arts. 7º, XIII, da CF e 2º da LC no 150/2015, a duração normal do trabalho doméstico não excederá a 8 horas diárias e 44 semanais.

Diante do exposto, requer a condenação da reclamada ao pagamento de horas extras, assim consideradas as excedentes às 8 horas diárias, acrescidas no adicional de 50% (arts. 7º, XVI, da CF e 2º, § 1º, da LC no 150/2015), bem como seus reflexos em verbas contratuais e resilitórias, em DSR, aviso-prévio, 13o salário integral e proporcional, férias integrais e proporcionais acrescidas do terço constitucional (1/3) e FGTS (depósitos e multa de 40%).

2. Intervalo intrajornada

A reclamante realizava todas as atividades do lar, iniciando o trabalho às 7h e saindo às 16h, de segunda a sexta-feira, com 30 minutos de intervalo.

À luz do art. 13 da LC no 150/2015, é obrigatória a concessão de intervalo para repouso ou alimentação pelo período de, no mínimo, 1 hora, admitindo-se, mediante prévio acordo escrito entre empregador e empregado, sua redução a 30 minutos. No caso em tela não se houve o referido acordo, razão pela qual é indevida a redução do intervalo para 30 minutos.

Diante do exposto, requer a condenação da reclamada ao pagamento de 1 hora extra, acrescida do adicional de 50%, nos termos do art. 71, § 4º, da CLT e da Súmula no 437, I, do TST, bem como, por se tratar de verba de natureza salarial (Súmula no 437, III, do TST), reflexos em verbas contratuais e resilitórias, em DSR, em aviso-prévio, 13º salário integral e proporcional, férias acrescidas de 1/3 integrais e proporcionais e FGTS (depósitos e multa de 40%).

3. Devolução dos descontos – vale transporte

Reclamante tinha descontado do seu salário 10% referente ao vale-transporte.

Com fulcro no art. 19, parágrafo único, da LC no 150/2015, aplica-se aos trabalhadores domésticos a Lei no 7.418/85, a qual, em seu art. 4º, parágrafo único, determina que o empregador participará dos gastos de deslocamento do trabalhador com a ajuda de custo equivalente à parcela que exceder a 6% de seu salário básico. No mesmo sentido, encontra-se o art. 9º, I, do Decreto no 95.247/87. Logo, o empregador poderia descontar do salário do empregado apenas o equivalente a 6%.

Diante do exposto, requer a condenação da reclamada a devolução dos valores correspondente a 4% do salário da reclamante durante todo o curso do contrato de trabalho.

4. Devolução dos descontos – alimentação

Reclamante tinha descontado do seu salário 25% do valor da alimentação consumida no emprego.

Nos termos do art. 18 da LC no 150/2015, é vedado ao empregador doméstico efetuar descontos no salário do empregado por fornecimento de alimentação.

Diante do exposto, requer a condenação da reclamada a devolução dos valores descontados do salário da reclamante a título de alimentação.

5. Adicional – viagem

Em determinada ocasião, a reclamante viajou com a família por 4 dias úteis para Gramado/RS. Nesta ocasião, trabalhou como babá das 8h às 17h, desfrutando de uma hora de almoço. À luz do art. 11, § 2º, da LC no 150/2015, a remuneração-hora do serviço em viagem será, no mínimo, de 25% superior ao valor do salário-hora normal.

Diante do exposto, requer a condenação da reclamada ao pagamento de 25% por hora trabalhada na viagem.

6. Aviso-prévio e projeções

Reclamante foi contratada a título de experiência por 45 dias, findos os quais nada foi tratado e Suzana continuou trabalhando normalmente, de modo que o contrato de trabalhou passou a ser por prazo indeterminado. Apesar disso, quando dispensada a reclamante não recebeu o aviso-prévio e suas projeções nas férias e 13º salário.

Com base no art. 5º, § 2º, da LC no 150/2015, o contrato de experiência que, havendo continuidade do serviço, não for prorrogado após o decurso de seu prazo previamente estabelecido, passará a vigorar como contrato de trabalho por prazo indeterminado.

Em decorrência disso, nos termos do art. 23, § 1º, da referida lei, é devido à reclamante o aviso-prévio de 30 dias e reflexos em férias acrescidas de 1/3, na razão de 1/12, e 13o salário, também de 1/12.

Diante do exposto, requer a condenação da reclamada ao pagamento de 30 dias de aviso-prévio e 1/12 de férias, acrescidas de 1/3 e 1/12 de 13o salário.

7. Honorários advocatícios

Tendo em vista que o jus postulandi não foi recepcionado pelo art. 133 da CF, requer a condenação da reclamada ao pagamento de honorários advocatícios em razão da mera sucumbência, no importe de 20%, nos moldes do art. 85, § 2º, do CPC.

II – PEDIDOS

Diante do exposto requer:

a) a condenação da reclamada ao pagamento de horas extras, assim consideradas as excedentes à 8ª diária, acrescida do adicional de 50%, bem como reflexos;

b) a condenação da reclamada ao pagamento de 1 hora extra, em razão da redução do intervalo, acrescida do adicional de 50%, bem como reflexos;

c) a condenação da reclamada à devolução dos valores correspondente a 4% do salário da reclamante a título de vale-transporte e dos descontos com alimentação;

d) a condenação da reclamada ao pagamento de 25% por hora trabalhada na viagem realizada com a família;

e) a condenação da reclamada ao pagamento de 30 dias de aviso-prévio e 1/12 de férias e 1/12 de 13o salário;

f) a condenação da reclamada ao pagamento de honorários advocatícios.

 

III – REQUERIMENTOS FINAIS

Diante do exposto, requer:

a) notificação da Reclamada para oferecer resposta à Reclamatória Trabalhista, sob pena de revelia e confissão quanto à matéria de fato; e

b) a produção de todos os meios de prova em direito admitidos, em especial a prova documental, o depoimento pessoal e a oitiva de testemunhas. Por fim, a procedência dos pedidos com a condenação da reclamada ao pagamento das verbas pleiteadas, acrescidas de juros e correção monetária.

 

Atribui-se à causa o valor acima de 40 salários-mínimos.

 

Nestes termos,

espera deferimento.

 

Local e data.

 

Advogado/OAB

 

 

 

 

 

 

 

 



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0