Símbolo do Jus.com.br Jus.com.br

Direito sucessório - Uma análise do instituto da colação

22/05/2022 às 00:17

Os herdeiros que receberam doações como antecipação da legítima devem informar os bens e valores recebidos ao juízo que tramita o inventário a fim de igualar a legítima, denomina-se este ato de colação. Entenda mais sobre o instituto da colação.

O que é a colação?

É o ato do herdeiro em informar ao juízo que tramita o processo de inventário sobre as doações que recebeu do de cujus, possibilitando a divisão igualitária da herança entre os demais herdeiros. Isso porque a doação de ascendentes a descendentes, ou de um cônjuge a outro, importa adiantamento do que lhes cabe por herança.

Trata-se de uma conferência para comprovar que a doação não extrapolou a parte disponível da herança, invadindo a legítima dos herdeiros necessários.

A colação é uma obrigação legal imposta aos descendentes que concorrerem à sucessão do ascendente comum (art. 2.002 do Código Civil).

Se o cônjuge ou companheiro sobrevivente tiver direito a concorrência sucessória, haja vista desfrutarem da condição de herdeiros necessários, de igual forma, precisará trazer à colação os bens que lhes foram doados em vida.

As doações recebidas pelos ascendentes não configuram adiantamento de legítima, portanto, as doações recebidas não precisam ser trazidas a colação.

Se a doação for feita a favor de terceiros, que não é herdeiro necessário, então não será necessário trazer o bem à conferência (colação), cabendo ao herdeiro fazer prova do excesso, ou seja, que a doação ultrapassou a parte disponível da herança.

Os herdeiros testamentários e os legatários não são obrigados a colacionar.

Concluindo, todos os descendentes precisam colacionar as doações recebidas, quer tenham sido chamados à sucessão por direito ou por direito à representação. (art. 2009 do C.C)

Qual a penalidade imposta ao herdeiro que não trouxe o bem doado a colação?

A pena imposta para o herdeiro que omite a doação é perder o que recebeu, sendo ele rotulado de sonegador, conforme previsão do art. 1.992 do C.C:

Art.1.992. O herdeiro que sonegar bens da herança, não os descrevendo no inventário quando estejam em seu poder, ou, com o seu conhecimento, no de outrem, ou que os omitir na colação, a que os deva levar, ou que deixar de restituí-los, perderá o direito que sobre eles lhe cabia.

Entenda mais sobre a ação de sonegados no artigo Direito Sucessório - Anotações sobre os sonegados disponível no blog.

Se o donatário não possuir mais o bem é necessário informar a doação recebida?

É necessário que seja arrolado o bem recebido em doação, mesmo que o donatário não mais possua o bem que lhe foi doado na ocasião do falecimento do inventariado, conforme determina o artigo 639 do CPC:

Art. 639. No prazo estabelecido no art. 627, o herdeiro obrigado à colação conferirá por termo nos autos ou por petição à qual o termo se reportará os bens que recebeu ou, se já não os possuir, trar-lhes-á o valor.

Parágrafo único. Os bens a serem conferidos na partilha, assim como as acessões e as benfeitorias que o donatário fez, calcular-se-ão pelo valor que tiverem ao tempo da abertura da sucessão.

É necessário trazer a colação o bem do herdeiro que renunciou à herança?

Os bens recebidos pelo herdeiro que, posteriormente, renunciou à herança deverão ser colacionados.

O objeto da compra e venda de ascendente para descendente deverá ser trazido a colação?

Não. A obrigação da conferência só existe na doação.

Na compra e venda, por não haver a obrigatoriedade do herdeiro trazer o bem a colação é que a lei exige a concordância dos demais herdeiros no ato.

Dispõe o art. 496 do Código Civil:

Art. 496. É anulável a venda de ascendente a descendente, salvo se os outros descendentes e o cônjuge do alienante expressamente houverem consentido.

Os bens doados aos herdeiros respondem pelas dívidas do espólio?

Os bens doados em estrita observância à lei, bem como os bens e rendimentos privativos do cônjuge sobrevivente, não respondem pelas dívidas do espólio.

Prescrevem, respectivamente, o Código de Processo Civil e o Código Civil:

" Artigo 796. O espólio responde pelas dívidas do falecido, mas, feita a partilha, cada herdeiro responde por elas dentro das forças da herança e na proporção da parte que lhe coube."

"Artigo 1.997. A herança responde pelo pagamento das dívidas do falecido; mas, feita a partilha, só respondem os herdeiros, cada qual em proporção da parte que na herança lhe coube."

A íntegra do artigo, assim como o modelo de Petição do Herdeiro Informando os Bens Recebidos e Petição de Pedido de Colação De Bens está a sua disposição no link:https://jusdocsdigital.com.br/direito-sucessorio-colacao-de-bens/

https://jusdocsdigital.com.br/direito-sucessorio-colacao-de-bens/

Sobre a autora
Andrea Vieira

Andrea Vieira advoga há mais de 23 anos na área cível, prestando serviço jurídico de alta qualidade, com resultados expressivos em seus casos e atendimento humanizado, proporcionando uma experiência personalizada para cada novo cliente do escritório. Em constante busca pelo aprimoramento na profissão, encontra-se na mídia com diversos artigos publicados, além de E-books voltados para advogados iniciantes, os quais ensinam a prática jurídica. Nosso endereço eletrônico https://www.avadvocaciarj.com.br/

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!
Publique seus artigos