Cumulação de auxílio-acidente e aposentadoria e o Recurso Especial 1296673

Publicado em . Elaborado em .

«Página 1 de 1»

Surgiu controvérsia sobre a aplicação – ou não – da nova regra aos segurados que já recebiam o auxílio-acidente anteriormente à vigência da norma proibitiva da cumulação com a aposentadoria.

O auxílio-acidente é o benefício previdenciário concedido para o segurado do RGPS que sofre uma redução em sua capacidade para o trabalho que exercia habitualmente, após a consolidação de lesões decorrentes de acidente de qualquer natureza (e não apenas de acidente de trabalho).

Em sua redação originária, o § 3º do art. 86 da Lei nº 8.213/91 previa o seguinte:

“Art. 86. O auxílio-acidente será concedido ao segurado quando, após a consolidação das lesões decorrentes de acidente do trabalho, resultar sequela que implique:

(...)

§ 3º O recebimento de salário ou concessão de outro benefício não prejudicará a continuidade do recebimento do auxílio-acidente”.

A Medida Provisória nº 1.596-14, publicada em 11/11/1997, convertida na Lei nº 9.528, com data de publicação em 11/12/1997, modificou o § 3º do art. 86 da Lei nº 8.213/91, que passou a dispor:

“§ 3º O recebimento de salário ou concessão de outro benefício, exceto de aposentadoria, observado o disposto no § 5º, não prejudicará a continuidade do recebimento do auxílio-acidente”.

Até então, o benefício podia ser recebido em conjunto com qualquer outro (exceto outro auxílio-acidente), ou com auxílio-doença por acidente de qualquer natureza concedido pela mesma causa. Com a nova redação, também passou a ser vedada a cumulação do auxílio-acidente com qualquer espécie de aposentadoria (por invalidez, por tempo de serviço/contribuição, por idade e especial).

Entretanto, surgiu controvérsia sobre a aplicação – ou não – da nova regra aos segurados que já recebiam o auxílio-acidente anteriormente à vigência da norma proibitiva, destacando-se dois principais entendimentos.

Para o primeiro, a vedação – ou não – à cumulação deve observar a data em que ocorreu a lesão, ou foi concedido o auxílio-acidente. Sustenta-se que o princípio tempus regit actum deve incidir no momento em que devido o auxílio-acidente: se na época a cumulação era devida, deve-se manter esse direito, mesmo que a aposentadoria seja requerida após a entrada em vigor do ato normativo alterador.

Conforme precedentes do Superior Tribunal de Justiça:

“EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. RECURSO ESPECIAL. EFEITOS INFRINGENTES. POSSIBILIDADE. PREVIDENCIÁRIO.  APOSENTADORIA POR TEMPO DE SERVIÇO E AUXÍLIO-ACIDENTE. CUMULAÇÃO.

1. Havendo equívoco manifesto na decisão recorrida, devem ser acolhidos os embargos de declaração que pretendem sua correção.

2. Diante do disposto na Lei nº 9.528/1997, a verificação da possibilidade de cumulação do auxílio-acidente com aposentadoria tem de levar em conta a lei vigente ao tempo do infortúnio que ocasionou a incapacidade laborativa.

3. No caso, tem-se que o Tribunal de origem reconheceu que a incapacidade se deu em momento anterior à entrada em vigor da Lei nº 9.528/1997, portanto, antes da proibição da cumulação de auxílio-acidente com aposentadoria.

4. Embargos acolhidos com efeitos infringentes para negar provimento ao recurso especial do INSS” (EDcl no REsp 590428/SP, 6ª Turma, rel. Min. Paulo Gallotti, j. 25/02/2008, DJ 24/03/2008, p. 1)[1].

Por outro lado, existem decisões (inclusive no STJ) no sentido de que a lei aplicável é aquela vigente na época do requerimento da aposentadoria:

“(...) 1. A jurisprudência de ambas as Turmas que integram a Terceira Seção firmou-se no sentido da possibilidade de cumulação do auxílio suplementar e da aposentadoria por tempo de serviço, desde que a concessão dos benefícios tenha ocorrido antes da Lei nº 9.528/97” (STJ, EREsp 399921/SP, 3ª Seção, rel. Min. Nilson Naves, j. 11/05/2005, DJ 05/09/2005, p. 202)[2].

Esses acórdãos são apoiados na lei aplicável na data em que o segurado preencheu os requisitos necessários à concessão do segundo benefício (aposentadoria), independentemente da data em que ocorreu a lesão que deu ensejo ao auxílio-acidente.

Recentemente, no julgamento do Recurso Especial 1296673, no dia 22 de agosto de 2012, a 1ª Seção do STJ padronizou a questão, ao decidir que o direito à cumulação dos benefícios só é garantido para quem cumpriu os requisitos de ambos os benefícios antes da modificação do § 3º do art. 86 da Lei nº 8.213/91 (adotando a segunda orientação citada)[3].

Acrescenta-se que não há ilegalidade na norma posterior que passa a proibir a cumulação de determinados benefícios previdenciários, nem direito adquirido ao segurado que já recebia o auxílio-acidente a mantê-lo com a concessão de aposentadoria após a modificação legal. O fato de o primeiro ser inicialmente vitalício não impede que norma posterior determine a impossibilidade de seu recebimento com outro benefício, não ferindo um direito (alegadamente adquirido) que não chegou a se constituir, a menos que o segurado já estivesse recebendo ambos.

Ademais, os valores recebidos a título de auxílio-acidente integram o PBC do salário-de-benefício da aposentadoria (art. 31 da Lei nº 8.213/91, com a redação conferida pela Lei nº 9.528/97), o que seria incompatível com o recebimento conjunto de ambos.

A aplicação adequada do tempus regit actum importa na observância da norma vigente na data em que o segurado alcançou o direito ao segundo benefício (a aposentadoria), caso contrário, haveria a aplicação de dispositivo legal (art. 86, § 3º, da Lei nº 8.213/91) após o término de sua vigência.

Destaca-se, por fim, que o REsp. 1296673/MG foi julgado pelo STJ sob o rito dos recursos repetitivos (art. 543-C do CPC), que, apesar de não ser vinculante, limitará o uso de recurso especial contra os acórdãos que seguirem a orientação de que a cumulação de auxílio-acidente e aposentadoria deve observar a norma vigente na data do requerimento da aposentadoria (e não no dia da concessão do auxílio-acidente).


Notas

[1] Da mesma forma: EREsp 431249/SP, 3ª Seção, rel. Jane Silva, j. 27/02/2008, DJ 04/03/2008, p. 1; AR 3276/SP, 3ª Seção, rel. Min. Laurita Vaz, j. 12/12/2007, DJ 18/02/2008, p. 23; REsp 414079/RS, 6ª Turma, rel. Min. Maria Thereza de Assis Moura, j. 01/03/2007, DJ 26/03/2007, p. 295.

[2] No mesmo sentido: REsp 594179/SP, 5ª Turma, rel. Min. Laurita Vaz, j. 15/03/2005, DJ 11/04/2005, p. 361; REsp 622018/SP, 5ª Turma, rel. Min. Jorge Scartezzini, j. 15/04/2004, DJ 28/06/2004, p. 415; REsp 329598/SP, 6ª Turma, rel. Min. Fernando Gonçalves, j. 06/12/2001, DJ 18/02/2002, p. 533.

[3] Conforme noticiado no Informativo nº 502, de 13 a 24 de agosto de 2012.


Autor

  • Oscar Valente Cardoso

    Juiz Federal na 4ª Região, exercendo o cargo de Juiz Auxiliar do Supremo Tribunal Federal, no Gabinete do Ministro Teori Zavascki. Doutorando em Direito (UFRGS). Mestre em Direito e Relações Internacionais (UFSC). Especialista em Direito Público, em Direito Constitucional, em Direito Processual Civil, em Comércio Internacional, e em Planejamento e Gestão Estratégica. Professor da Escola Superior da Magistratura Federal de Santa Catarina (ESMAFESC).

    Veja todos os textos publicados pelo autor

    Fale com o autor


Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2002 ABNT)

CARDOSO, Oscar Valente. Cumulação de auxílio-acidente e aposentadoria e o Recurso Especial 1296673. Jus Navigandi, Teresina, ano 17, n. 3350, 2 set. 2012. Disponível em: <http://jus.com.br/artigos/22534>. Acesso em: 27 jul. 2014.


Comentários

1

  • Paulo Cezar Pinheiro Caetano

    dr oscar cardoso gostaria de saber o seguinte eu sofri acidente de trabalho em junho de 1973 e desde lá recebia auxilio acidente no valor de meio salário mínimo e agóra em junho de 2013 o inss me implantou mais meio saláro e me aposentou por tempo de contribuição 36 anos de contribuição e cancelou o beneficio, o que eu gostaria de saber é se isso é certo porque a lei anterior dava direito a pessoa se aposentar com 25 anos de contribuição e levava o beneficio de auxilio acidente até o fim de sua vida. já que fiquei com sequela do acidente de grau máximo na mão direita e enconsequencia fiquei com vário problemas de saúde tais como cirúrgia da cervical com artrodese e cirúrgia na lombar e também o emocional por ter de trabalhar como pessoa portadora de necessidades especiais. desde agóra agradeço pela sua resposta . um abraço e que Deus lhes abençoe Paulo cezar pinheiro

Livraria