Franz Kafka e o difícil acesso a proteção jurisdicional.

Uma releitura jurídica

Publicado em . Elaborado em .

Página 2 de 2»

VII – O princípio constitucional do amplo acesso à jurisdição

Pois bem, o texto de KAFKA revelou a dificuldade do acesso à lei enquanto ato normativo gerador de direitos e obrigações, no seu aspecto dinâmico, porque o homem do campo visava ter acesso à aplicação concreta do Direito, visando solucionar algum problema que lhe afligia.

Isto acabou não sendo possível, em razão da equivocada interpretação dada à negativa inicial do porteiro em termos de acesso à lei.

A partir desta situação artificialmente criada por KAFKA, compete-nos a análise do acesso à jurisdição em território pátrio.

O ponto de partida em termos dogmáticos reside no inciso XXXV do art. 5º da Constituição Federal de 1988, que estabelece que "A LEI NÃO EXCLUIRÁ DA APRECIAÇÃO DO PODER JUDICIÁRIO LESÃO OU AMEAÇA A DIREITO".

Trata-se de previsão constitucional das mais relevantes para o regime de Estado de Direito mantido no Brasil, dado que se garante a efetiva prestação jurisdicional, envolvendo atos de governantes e governados, inclusive nos casos de ameaça de futura lesão de direitos.

Este preceito constitucional acaba por revelar que nem mesmo uma equivocada interpretação poderá levar à vedação do acesso a uma prestação jurisdicional rápida, eficaz e justa. Isto decorre da utilização inicial da palavra LEI. Se nem o legislador poderá estabelecer limitações não previstas na Constituição, muito menos será admitido que o intérprete, o magistrado ou qualquer outro operador do Direito venha a enxergar limitações diante da plenitude do que se estabeleceu a título de direito ou garantia fundamental, que dificilmente poderia ser suprimido por Emenda (conf. art. 60, § 4º, inciso IV).

Conforme destacou Nelson Nery Junior, "embora o destinatário principal desta norma seja o legislador, o comando constitucional atinge a todos indistintamente, vale dizer, não pode o legislador e ninguém mais impedir que o jurisdicionado vá a juízo deduzir pretensão". (30)

Transportada a questão revelada por KAFKA para o território pátrio, tem-se que a Constituição se apresenta como elemento impeditivo de toda e qualquer atuação particular ou governamental que possa significar vedação ao acesso que todos têm ao Poder Judiciário.

Entendimento contrário violaria a interpretação sistemática da Constituição, que aponta realmente na direção de garantir no Brasil o amplo acesso à jurisdição, com os meios e recursos inerentes ao ato.

A compreensão exata do texto de KAFKA leva o estudioso a entender que não basta a previsão constitucional para o acesso à justiça se revelar como algo efetivo e concreto. Isto é assim porque também se faz necessário todo um delineamento infraconstitucional, por via da legislação ordinária, como forma de serem estabelecidas as leis de natureza processual que facilitem e incentivem a distribuição de um maior volume de demandas judiciais.

Ocorre que no Brasil o investimento realizado junto ao Judiciário é pequeno e insatisfatório, o que prejudica em muito a satisfação das pessoas que por um motivo qualquer estão em litígio. O preceito constitucional sob análise está diretamente vinculado a investimentos mais importantes quanto ao Poder Judiciário, pois de nada adianta a previsão geral e abstrata se não existem soluções administrativas e legislativas concretas e eficientes para viabilizar uma prestação jurisdicional rápida, eficiente e justa. Este é o ideal a ser buscado, ainda não alcançado no Brasil.

Só assim poderemos passar a visualizar ou a interpretar o princípio do amplo acesso à jurisdição de forma a dele extrair noções mais eficazes e que solucionem de forma mais imediata os conflitos de interesse qualificados por pretensões resistidas.


VIII – Conclusões

Com o objetivo de sintetizar o que foi visto ao longo do estudo, elencaremos, em seguida, sob a forma de itens, as principais conclusões a que chegamos.

1. Por conter normas que dão estrutura (organização) ao Estado, normas que estabelecem a forma de elaboração das outras normas e que fixam os direitos e as responsabilidades dos indivíduos, é que a Constituição passa a ser reconhecida como Lei Fundamental, por ser a base de todo o direito positivo da comunidade que a adote, em especial naqueles países que possuem um sistema baseado na lei escrita, sobrepondo-se, inclusive, em relação aos demais atos normativos por estar situada no vértice da pirâmide jurídica que representa idealmente o conjunto de normas jurídicas vigentes em determinado espaço territorial.

2. A Constituição Federal serve como referência obrigatória de todo o sistema jurídico, que ela própria inaugura, pondo-se como suporte de validade de todas as normas jurídicas da comunidade e sendo a matriz de toda e qualquer manifestação normativa estatal.

3. Por ocupar o cimo da escala hierárquica no ordenamento jurídico, todas as demais normas deverão conformar-se com a Constituição Federal. À supremacia das normas constitucionais todas as demais normas devem adequar-se.

4. O estudioso do Direito, em especial o jurista dogmático, não deve se afastar do conteúdo jurídico das normas a serem interpretadas, respeitando os limites oferecidos pela própria norma, visando unicamente compreendê-las para bem descrevê-las, pois não é sua tarefa julgar as normas do sistema.

5. A norma jurídica é a baliza da atividade interpretativa do jurista dogmático, algo que é assim colocado para que se respeitem as vigas mestras do sistema jurídico pátrio, que são os princípios da certeza e da segurança jurídica, além do tradicional princípio da tripartição das funções estatais.

6. O resultado das análises interpretativas realizadas neste estudo é apenas um dos resultados possíveis, nunca um resultado que seja o único correto, por não ser permitido ao cientista do Direito valorar a norma a ponto de sustentar ser esta ou aquela interpretação a única aplicável ao caso sob análise.

7. A coordenação e o inter-relacionamento das normas constitucionais sempre deverá ser buscado pela via da interpretação sistemática, em razão deste método da hermenêutica jurídica permitir uma visão grandiosa do Direito, pois não se deve atentar unicamente para regras jurídicas isoladas, mas sim voltar-se os olhos para o sistema constitucional, compreendido como um todo uno, harmônico e coerente.

8. O sentido jurídico da Constituição é o único sentido possível e válido de ser estudado pelo jurista dogmático, por ser este o sentido que aproxima o estudioso da característica própria do Direito – e, por conseqüência, das próprias normas constitucionais --, que é a imperatividade, que se traduz na obrigatoriedade do cumprimento dos preceitos normativos por parte daqueles a quem os mesmos são dirigidos.

9. O texto de KAFKA aponta para uma dificuldade de interpretação de alguém que pretendia ter acesso à Justiça, não tendo alcançado este objetivo em razão da equivocada interpretação da mensagem expedida por um agente estatal.

10. Fato é que se o homem do campo tivesse interpretado corretamente a negativa inicial do porteiro, o que não ocorreu, teria tido acesso posterior à lei ou à justiça, pois o encerramento da parábola é no sentido de que ali ninguém mais poderia entrar a não ser o próprio homem do campo, dado que a ele estava reservado aquele espaço.

11. O texto revela as dificuldades que surgem nos relacionamentos humanos, tudo porque às vezes não conseguimos desvendar com precisão as mensagens transmitidas por nossos interlocutores, algo muito freqüente em termos de transmissão de mensagens normativas.

12. O princípio do amplo acesso à jurisdição se revela como previsão constitucional das mais relevantes parra o regime de Estado de Direito mantido no Brasil, dado que se garante a efetiva prestação jurisdicional, envolvendo atos de governantes e governados, inclusive nos casos de ameaça de futura lesão de direitos.

13. Transportada a questão revelada por KAFKA para o território pátrio, tem-se que a Constituição se apresenta como elemento impeditivo de toda e qualquer atuação particular ou governamental que possa significar vedação ao acesso que todos têm ao Poder Judiciário.

14. A compreensão exata do texto de KAFKA leva o estudioso a entender que não basta a previsão constitucional para o acesso à Justiça se revelar como algo efetivo e concreto. É que também se faz necessário todo um delineamento infraconstitucional, por via da legislação ordinária, além de um necessário investimento material, algo que viria a incrementar a solução de conflitos de interesses qualificados por pretensões resistidas.


NOTAS
  1. Foram publicadas recentemente duas obras jurídicas de grande relevância para os que se preocupam com a interpretação da Constituição, a saber: Interpretação e Aplicação da Constituição, de Luís Roberto Barroso (Ed. Saraiva, 1996) e Manual de Interpretação Constitucional, de Uadi Lammêgo Bulos (Ed. Saraiva, 1997). É recomendável a leitura dessas duas obras, escritas por juristas que conhecem bem os mecanismos de interpretação constitucional.
  2. Aliás, como demonstrou Fran Figueiredo, principalmente quando o documento jurídico a ser interpretado é a Constituição, "não se pode contar com uma linguagem jurídica escorreita, isenta de equívocos e de variações. Resultando da transação de distintas tendências ideológicas e políticas, é natural que não se possa apresentar em uma linguagem jurídica uniforme, tecnicamente rigorosa, apresentando muitas vezes até nítidos contrastes interiores" (Introdução à Teoria da Interpretação Constitucional, pp. 175/200).
  3. Segundo Agustin Gordillo, "...a linguagem natural tem como característica o que se denominou textura aberta

, em razão da qual não se pode lograr uma precisão absoluta nas definições, nas palavras ou nos símbolos, a menos que construamos uma linguagem nova e totalmente artificial. Isso é o que foi feito pelas ciências exatas e o que até agora não pôde fazer o Direito: em conseqüência não pôde alcançar a precisão que caracteriza as chamadas ciências exatas" (Princípios Gerais de Direito Público, pp. 2-3).
  • Michel Temer, Elementos de Direito Constitucional, p. 24.
  • A respeito do arbítrio na interpretação do Direito, destaque-se o estudo realizado por Maury R. de Macedo (A Lei e o Arbítrio à Luz da Hermenêutica, Rio de Janeiro, Ed. Forense, 1981).
  • Na seara do direito constitucional sempre é importante observar, com Luís Roberto Barroso, que "A interpretação da Constituição, a despeito do caráter político do objeto e dos agentes que a levam a efeito, é uma tarefa jurídica, e não política. Sujeita-se, assim, aos cânones de racionalidade, objetividade e motivação exigíveis das decisões proferidas pelo Poder Judiciário. Uma Corte Constitucional não deve ser cega ou indiferente às conseqüências políticas de suas decisões, inclusive para impedir resultados injustos ou danosos ao bem comum. Mas somente pode agir dentro dos limites e das possibilidades abertas pelo ordenamento. CONTRA O DIREITO O JUIZ NÃO DEVE DECIDIR JAMAIS. EM CASO DE CONFLITO ENTRE O DIREITO E A POLÍTICA, O JUIZ ESTÁ VINCULADO AO DIREITO" (Interpretação e Aplicação da Constituição, p. 106, sem destaques no original).
  • Não é outra a lição de Carlos Maximiliano, seguramente o mais notável cientista que se preocupou com o estudo da Hermenêutica Jurídica em território pátrio, que deixou averbado o seguinte: "Substituir a lei (vontade geral) pelo juiz (critério individual), conforme pretende a corte chefiada pelo Professor Kantorowicz, seria retrogradar; a evolução realizou-se no sentido inverso, no de sobrepor a vontade coletiva à de um só" (Hermenêutica e Aplicação do Direito, p. 79, sem destaque no original).
  • Carlos Maximiliano, ob. cit., p. 103, sem destaques no original.
  • Como exemplo dessas regras, podem ser citadas as que foram coligidas por Linares Quintana, que procurou sistematizar as conclusões da jurisprudência em geral: a) Na interpretação constitucional deve sempre prevalecer o conteúdo teleológico da Constituição, que é instrumento de governo, além de ser instrumento de restrição de poderes de amparo à liberdade individual; b) a finalidade suprema e última da norma constitucional é a proteção e a garantia da liberdade e dignidade do homem; c) a interpretação da lei fundamental deve orientar-se, sempre, para esta meta suprema; d) em caso de aparente conflito entre a liberdade e o interesse do governo, aquela deve prevalecer sempre sobre este último, pois a ação estatal manifestada através de normas constitucionais, não pode ser incompatível com a liberdade; e) o fim último do Estado é exercer o mandato dentro de seus limites (Teoría de la Ciencia del Derecho Constitucional Argentino y Comparado, apud José Alfredo de Oliveira Baracho, Hermenêutica Constitucional, in RDP 59-60/46). Também é oportuno, somente para ilustrar o estudo, citar as regras para a interpretação constitucional enumeradas por Henry Campbell Black (que foram expostas no estudo de Uadi Lammêgo Bulos, Manual de Interpretação Constitucional, pp. 58-90): "1) O Texto Constitucional deve ser interpretado de acordo com princípios técnicos, mas também literalmente, conforme as linhas gerais, estatuídas para efetivar os grandes princípios de governo; 2) uma Constituição deve ser interpretada para tornar efetiva a intenção do povo que a adotou; 3) a Constituição, em caso de ambigüidade, deve ser examinada na sua totalidade, objetivando a determinação do sentido de suas partes; 4) uma Constituição deve ser interpretada de acordo com a legislação previamente existente no Estado, a qual deverá compatibilizar-se com as normas constitucionais; 5) a norma constitucional não deve ser interpretada com efeito retroativo, salvo disposição expressa na Constituição; 6) os dispositivos de uma Constituição são quase que invariavelmente imperativos; 7) tudo que for necessário para efetivar uma norma constitucional deve ser considerado implícito ou subentendido – seja uma proibição, restrição ou uma concessão de poder; 8) o preâmbulo da Constituição e os títulos de seus vários artigos ou seções podem fornecer alguma prova de seu sentido e intenção, embora os argumentos deduzidos daí tenham valor apenas relativo; 9) não é permitido desobedecer ou interpretar um dispositivo de modo a negar-lhe aplicação somente porque possa ela parecer injusto, ou conduzir a conseqüências julgadas nocivas, ou a injustas discriminações; 10) havendo ambigüidade, que não possa ser esclarecida pelo exame da própria Constituição, deve-se recorrer a fatos e elementos extrínsecos, tais como a legislação anterior, o mal a ser remediado, as circunstâncias históricas contemporâneas e as discussões da Assembléia Constituinte; 11) as disposições transitórias não podem revogar ou transgredir a parte permanente da Constituição; 12) a interpretação judicial, após deliberadamente firmada, não deve ser abandonada sem graves razões; 13) os preceitos relativos á liberdade, ou que abrem exceção às normas gerais firmadas pela Constituição, devem interpretar-se de modo restrito; 14) a interpretação poderá recorrer ao Direito Constitucional Comparado, a preceitos de outras constituições, de caráter semelhante".
  • Manuel A. Domingues de Andrade, Ensaio sobre a Teoria da Interpretação das Leis, p. 31.
  • Teoria Pura do Direito, p. 469. É do mesmo autor a seguinte observação: "A interpretação jurídico-científica tem de evitar, com o máximo cuidado, a ficção de que uma norma jurídica apenas permite, sempre e em todos os casos, uma só interpretação: a interpretação ‘correta’. Isto é uma ficção de que se serve a jurisprudência tradicional para consolidar o ideal da segurança jurídica. Em vista da plurissignificação da maioria das normas jurídicas, este ideal somente é realizável aproximativamente" (ob. cit., pp. 472-473).
  • Kelsen, ob. cit., pp. 466-467.
  • Paulo de Barros Carvalho, Curso de Direito Tributário, p. 77.
  • Acerca dos estudos desenvolvidos por Luís Recaséns Siches, conferir: Lídia Reis de Almeida Prado, "A lógica do razoável na interpretação jurídica", in Revista Justiça e Democracia, Ed. RT, nº 2, p. 122. O estudo do princípio da razoabilidade ou da proporcionalidade já conta com boa doutrina entre nós: Carlos Roberto de Siqueira Castro, O Devido Processo Legal e a Razoabilidade das Leis na Nova Constituição do Brasil, Ed. Forense, 1989; Raquel Denize Stumm, Princípio da Proporcionalidade no Direito Constitucional Brasileiro, Ed. Livraria do Advogado, 1995; Suzana de Toledo Barros, O Princípio da Proporcionalidade e o Controle de Constitucionalidade das Leis Restritivas de Direitos Fundamentais, Ed. Brasília Jurídica, 1996.
  • Ob. cit., p. 76.
  • República e Constituição, p. 152. É conhecida e bastante divulgada a lição de Stammler, que se aplica à questão da interpretação sistemática, a saber: "Quando alguém aplica um artigo do Código, aplica todo o Código. Poder-se-ia dizer ainda mais, ou seja, ao aplicar um artigo do Código, aplica-se todo o Direito" (tradução de Eduardo Marcial Ferreira Jardim, Microempresa ao Lume do Regime Jurídico Tributário, p. 33).
  • Devemos esclarecer que, ainda que não se possa falar em uma "teoria da interpretação constitucional", é certo que os métodos interpretativos a serem aplicados à Constituição revestem-se de atributos próprios. Isto se dá em razão dos traços típicos ou das notas caracterizadoras das normas constitucionais, tão bem ressaltadas por Celso Ribeiro Bastos e Calos Ayres de Brito, que são as seguintes: a) inicialidade, pertinentemente à formação originária do ordenamento jurídico, em grau de superioridade constitucional; b) conteúdo marcantemente político de suas normas; c) estrutura de linguagem caracterizada pela síntese e coloquialidade; d) predominância das normas de estrutura, que têm por destinatário habitual o próprio legislador ordinário (Interpretação e Aplicabilidade das Normas Constitucionais, p. 12).
  • Luís Roberto Barroso, ob. cit., pp. 127-128.
  • J. J. Gomes Canotilho, Direito Constitucional, p. 232.
  • Ob. cit., p. 166.
  • Escritos del Derecho Constitucional, p. 17 (traduzimos o trecho citado).
  • Paolo Biscaretti di Ruffia, Direito Constitucional, p. 86.
  • Celso Ribeiro Bastos e Carlos Ayres de Brito, Interpretação e Aplicabilidade das Normas Constitucionais, p. 13.
  • Teoria Pura do Direito, pp. 309-310.
  • Segundo Michel Temer, hierarquia, "para o Direito, é a circunstância de uma norma encontrar sua nascente, sua fonte geradora, seu ser, seu engate lógico, seu fundamento de validade numa norma superior. A lei é hierarquicamente inferior à Constituição porque encontra nesta o seu fundamento de validade" (Elementos de Direito Constitucional, p. 140).
  • Não há como, ao contrário do que alguns têm sustentado (cf. Alfredo Buzaid, É constitucional o artigo 33 do Ato das Disposições Transitórias da Constituição de 1988 ?, in RT 669/7; Rui Stoco, A aposentadoria compulsória dos magistrados aos 70 anos de idade - inconstitucionalidade do art. 93, VI da CF, in RT 705/63), em obediência ao princípio da unidade normativa da Constituição, sustentar a correção da tese segundo a qual no interior da própria Constituição existiriam normas inconstitucionais. Com efeito, segundo recente e bem fundamentada decisão do STF, de lavra do Min. Moreira Alves, "A tese de que há hierarquia entre normas constitucionais originárias dando azo à declaração de inconstitucionalidade de umas em face de outras é incompossível com o sistema de Constituição rígida. Na atual Carta Magna `compete ao Supremo Tribunal Federal, precipuamente, a guarda da Constituição´ (artigo 102, `caput´), o que implica dizer que essa jurisdição lhe é atribuída para impedir que se desrespeite a Constituição como um todo, e não para, com relação a ela, exercer o papel de fiscal do Poder Constituinte originário, a fim de verificar se este teria, ou não, violado os princípios de direito suprapositivo que ele próprio havia incluído no texto da mesma Constituição. Por outro lado, as cláusulas pétreas não podem ser invocadas para sustentação da tese da inconstitucionalidade de normas constitucionais inferiores em face de normas constitucionais superiores, porquanto a Constituição as prevê apenas como limites ao Poder Constituinte derivado ao rever ou ao emendar a Constituição elaborada pelo Poder Constituinte originário, e não como abarcando normas cuja observância se impôs ao próprio Poder Constituinte originário com relação às outras que não sejam consideradas como cláusulas pétreas, e, portanto, possam ser emendadas" (in JSTF-LEX 213/16). Sobre o que não podem restar dúvidas, porém, é quanto à possibilidade do controle da constitucionalidade atingir as normas oriundas do Poder de Reforma da Constituição. A propósito, em estudo que elaboramos (Controle da Constitucionalidade dos Atos Normativos, monografia do curso de Mestrado da PUC/SP, 1993, inédito), consta a seguinte passagem: "Assim, as normas constitucionais oriundas do Poder Constituinte Derivado (aquele que é instituído para alterar a Constituição) não estão isentas do exame da sua constitucionalidade. No caso das emendas, por exemplo, seus limites explícitos, suas barreiras intransponíveis, são as cláusulas pétreas relacionadas no § 4º do art. 60 da CF/88. Qualquer proposta de emenda à Constituição que viole uma daquelas cláusulas será tida por inconstitucional, até porque a proposta sequer poderá ser objeto de deliberação. A questão do controle da constitucionalidade das emendas constitucionais coloca-se como justificável, em termos formais, pelo fato da própria Constituição ter estabelecido o procedimento a ser adotado para a sua reforma e também porque, em termos materiais, a Constituição prevê o seu cerne irreformável, consistente nas matérias de natureza inalterável pelo Poder Constituinte Reformador (conf. art. 60, § 4º, da CF/88)". Apenas na Alemanha, segundo observou Gilmar Ferreira Mendes (Jurisdição Constitucional, p. 115), é que se considerou, num julgado isolado e tendo por base teoria elaborada por Otto Bachof (Normas Constitucionais Inconstitucionais ?, Coimbra, Ed. Atlântica) , que o Tribunal Constitucional detinha competência para aferir a validade de normas constitucionais com base em parâmetros suprapositivos, sendo-lhe facultado declarar a nulidade da norma constitucional inconstitucional nos casos fundamentais para a preservação do Estado de Direito.
  • Fundamentos da Constituição, p. 45.
  • Norma inconstitucional, como se sabe, é norma nula, não operando (ou não podendo operar) nenhum efeito juridicamente válido. Esta é a lição que consta de voto do eminente Ministro Celso de Mello, que tem valorizado sobremaneira sua atuação junto à nossa Suprema Corte: "Impõe-se ressaltar que o valor jurídico do ato inconstitucional é nenhum. É ele desprovido de qualquer eficácia no plano do Direito. `Uma conseqüência primária da inconstitucionalidade´ -- acentua Marcelo Rebelo de Souza (`O Valor Jurídico do Acto Inconstitucional´, vol. I/15-19, 1988, Lisboa) -- `é, em regra, a desvalorização da conduta inconstitucional, sem a qual a garantia da Constituição não existiria. Para que o princípio da constitucionalidade, expressão suprema e qualitativamente mais exigente do princípio da legalidade em sentido amplo, vigore, é essencial que, em regra, uma conduta contrária à Constituição não possa produzir cabalmente os exactos efeitos jurídicos que, em termos normais, lhe corresponderiam´. A lei inconstitucional, por ser nula e, conseqüentemente, ineficaz, reveste-se de absoluta inaplicabilidade. Falecendo-lhe legitimidade constitucional, a lei se apresenta desprovida de aptidão para gerar e operar qualquer efeito jurídico. `Sendo inconstitucional, a regra jurídica é nula´ (RTJ 102/671)" (RE nº 136.215-4/210/RJ, Rel. Min. Octávio Galloti, in JSTF-LEX 177/212).
  • Ob. cit., p. 310.
  • Princípios do Processo Civil na Constituição Federal, p. 92.

  • BIBLIOGRAFIA

    ANDRADE, Manuel A. Domingues de. Ensaio sobre a Teoria da Interpretação das Leis. 4ª ed., Coimbra, Armênio Amado - Editor Sucessor, 1987.

    ATALIBA, Geraldo. República e Constituição. São Paulo, Ed. RT, 1985.

    BACHOF, Otto. Normas Constitucionais Inconstitucionais ? Trad. de José Manuel M. Cardoso da Costa. Coimbra, Ed. Atlântica, 1977.

    BARACHO, José Alfredo de Oliveira. "Hermenêutica Constitucional". In RDP 59-60/46.

    BARROS CARVALHO, Paulo de. Curso de Direito Tributário. 5ª ed., São Paulo, Ed. Saraiva, 1991.

    BARROSO, Luís Roberto. Interpretação e aplicação da Constituição. São Paulo. Saraiva, 1996.

    BASTOS, Celso Ribeiro. Curso de Direito Constitucional. 12ª ed., São Paulo, Ed. Saraiva, 1990.

    BASTOS, Celso Ribeiro, e Carlos Ayres de Brito. Interpretação e Aplicabilidade das Normas Constitucionais. São Paulo, Ed. Saraiva, 1982.

    BULOS, Uadi Lammêgo. Manual de Interpretação Constitucional. São Paulo, Ed. Saraiva, 1997.

    BUZAID, Alfredo. "É constitucional o artigo 33 do Ato das Disposições Transitórias da Constituição de 1988 ?". In RT 669/7.

    CASTRO, Carlos Roberto de Siqueira. O Devido Processo Legal e a Razoabilidade das Leis na Nova Constituição do Brasil. Rio de Janeiro, Ed. Forense, 1989.

    DI RUFFIA, Paolo Biscaretti. Direito Constitucional. Trad. de Maria Helena Diniz. São Paulo, Ed. RT, 1984.

    FIGUEIREDO, Fran. "Introdução à Teoria da Interpretação Constitucional". In Revista de Informação Legislativa, Brasília, Senado Federal, nº 87, jul/set 1985, p. 175-200.

    GOMES CANOTILHO, José Joaquim. Direito Constitucional. 5ª ed., Coimbra, Almedina, 1992.

    GOMES CANOTILHO, José Joaquim, e Vital Moreira. Fundamentos da Constituição. 1ª ed., Coimbra, Coimbra Editora, 1991.

    GORDILLO, Agustin. Princípios Gerais de Direito Público. Trad. de Marco Aurélio Grecco. São Paulo, Ed. RT, 1977.

    JARDIM, Eduardo Marcial Ferreira. Microempresa ao Lume do Regime Jurídico Tributário. Tese de Doutorado, PUC/SP, 1990.

    JUNIOR, Nelson Nery. Princípios do Processo Civil na Constituição Federal. 5ª ed., Ed. RT, São Paulo, 1999.

    KAFKA, Franz. O Processo. Editora Brasiliense. Trad. De Modesto Carone, 1988.

    KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito. 4ª ed., trad. de João Baptista Machado, Coimbra, Armênio Amado, 1979.

    LINARES QUINTANA, Segundo V. Teoría de la Ciencia del Derecho Constitucional Argentino y Comparado. Buenos Aires, Editorial Alfa, 1953, t. II.

    MACEDO, Maury R. de. A Lei e o Arbítrio à Luz da Hermenêutica. Rio de Janeiro, Ed. Forense, 1981.

    MAXIMILIANO, Carlos. Hermenêutica e Aplicação do Direito. 9ª ed., Rio de Janeiro, Ed. Forense, 1979.

    NETTO, André Luiz Borges. Controle da Constitucionalidade dos Atos Normativos. São Paulo, PUC/SP, monografia inédita, 1993.

    PRADO, Lídia Reis de Almeida. "A lógica do razoável na interpretação jurídica". In Revista Justiça e Democracia 2/122, Ed. RT, 1996.

    STOCO, Rui. "A aposentadoria compulsória dos magistrados aos 70 anos de idade - inconstitucionalidade do art. 93, VI da CF". In RT 705/63.

    TEMER, Michel. Elementos de Direito Constitucional. 10ª ed., São Paulo, Malheiros Editores, 1993.


    Autor


    Informações sobre o texto

    Texto baseado em trabalho do curso de Doutorado em Direito Constitucional da PUC/SP, objetivando uma releitura de texto de Franz Kafka frente à realidade jurídica atual

    Como citar este texto (NBR 6023:2002 ABNT)

    BORGES NETTO, André Luiz. Franz Kafka e o difícil acesso a proteção jurisdicional. Uma releitura jurídica. Jus Navigandi, Teresina, ano 5, n. 38, 1 jan. 2000. Disponível em: <http://jus.com.br/artigos/773>. Acesso em: 1 nov. 2014.


    Comentários

    0

    Livraria