O que são medidas liminares e sua aplicação prática

16/05/2023 às 17:16
Leia nesta página:

Afinal, o que são essas “liminares” que tanto se escuta falar nos noticiários, e o que essa medida pode auxiliar na resolução efetiva de situações do seu dia-a-dia ou no da sua empresa.

Na última eleição, muito se veiculou através da mídia sobre atos liminares concedidos pelo presidente do TSE, Ministro Alexandre de Moares, para o combate de “fake news” e o que o egrégio tribunal entende como “desinformação”, mas o que efetivamente é uma medida liminar e como essas medidas podem garantir ao cidadão a manutenção do seu direito.

Inicialmente, conceitua-se “liminar” como uma ordem judicial de caráter temporário e antes do oferecimento de contraditório pela parte contrária, usualmente utilizada quando o juiz ou relator verificam o risco que aquela situação objeto da lide pode prejudicar alguma das partes, caso o judiciário não atue de forma rápida. Outros requisitos são necessários para deferimento de uma ordem liminar, mas para fins de síntese conceitual o “perigo na demora” é o instituto mais relevante quando falamos desse instituto.

Dentro da legislação processual civil, dois institutos dividem o palco central das discussões envolvendo deferimento de liminares, sendo estes a tutela de urgência e a tutela de evidência, cabendo em cada requisitos diferentes e que viabilizam sua distinção para aplicação na prática. Basicamente, a tutela de urgência é uma das formas de tutela provisória, prevista nos arts. 300 a 310 do CPC, a qual tem por requisito essencial de concessão a existência de uma situação de perigo de dano iminente, que pode acarretar na demora do processo (periculum in mora), cumulado com a probabilidade de existência de direito (fumus boni iuris).

A tutela de urgência pode ter duas naturezas diferentes, isto é, antecipada, a qual tem por objetivo permitir a imediata realização da prática do direito alegado pelo demandante, sendo adequada, principalmente nos casos que se evidencie uma situação de perigo iminente para o próprio direito, e também há a cautelar, que é destinada a assegurar o futuro resultado útil do processo, nos casos em que uma situação de perigo coloque em risco a sua efetividade. Ainda, evidencia-se que a tutela de urgência, seja ela antecedente ou cautelar, pode ser requerida em caráter antecedente ou incidental.

A tutela de evidência, por outro lado, prevista no art. 311 do CPC, também trata-se de um tipo de tutela provisória satisfativa, isto é, declara a existência ou não de um direito e força a satisfação de um direito substancial, no entanto, esta apenas é aplicada em hipóteses específicas, as quais apenas são deferidas com base na alta probabilidade ou quase certeza da existência do direito alegado.

Nas palavras de Alexandre Freitas Câmara “Denomina-se tutela de evidência à tutela provisória, de natureza satisfativa, cuja concessão prescinde do requisito da urgência (art. 311). Trata-se, então, de uma tutela antecipada não urgente, isto é, de uma medida destinada a antecipar o próprio resultado prático do processo, satisfazendo-se na prática o direito do demandante, independentemente da presença de periculum in mora.”[1]

 

Esta tutela, conforme mencionado, é aplicada apenas em hipóteses específicas, como: (i) se trata-se de um caso em que está caracterizado o abuso do direito de defesa ou manifesto propósito protelatório da parte; (ii) se as alegações de fato puderem ser comprovadas apenas documentalmente e houver tese firmada em julgado de casos repetitivos ou em súmula vinculante; (iii) se trata-se de um pedido reipersecutório fundado em prova documental adequada do contrato de depósito, caso em que será decretada a ordem de entrega do objeto custodiado, sob cominação de multa; ou (iv) se a petição inicial for instruída com prova documental suficiente dos fatos constitutivos do direito do autor, a que o réu não oponha prova capaz de gerar dúvida razoável. Nesses casos, o juiz poderá decidir liminarmente.

 

Nesse sentido, verifica-se que o instituto da liminar é utilizado quando é verificada uma situação na qual a mora judiciária pode ou tem alta probabilidade de causar dano irreparável a direito da parte, desde que demonstrado a plausabilidade do direito pleiteado. Na prática, no dia a dia das pessoas e das empresas, essas medidas viabilizam a solução parcial de situações vexatórias ou pelo menos a garantia de que aquela situação não se prolongará até o final do processo.

 

Como exemplo prático dessas medidas, podemos utilizá-las para obter o fornecimento de medicações e tratamentos ou até mesmo o cancelamento de protestos e negativação indevidas, claro que sempre dependendo de uma análise de cada situação por um profissional capacitado e habilitado para realizar esse estudo.


[1] O novo processo civil brasileiro / Alexandre Freitas Câmara. – 2. ed. – São Paulo: Atlas, 2016 

Sobre o autor
Murilo Zerrenner

Advogado do Battaglia & Pedrosa Advogados, graduado em Direito e pós-graduando em Processo Civil pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Membro na comissão de compliance da OAB Santo Amaro.

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!
Publique seus artigos