Direito e a educação pós pandemia de covid19

Leia nesta página:

INTRODUÇÃO 

Este trabalho procurou abordar uma análise da metodologia do ensino baseada na interatividade pela internet em cursos online no Brasil após a pandemia de Corona vírus, o processo de aprendizagem interativo por meio das metodologias de ensino utilizadas, a motivação e as trocas de experiência entre alunos e professores. 

A interatividade com recursos tecnológicos possibilitou aos educadores aumentar seu número de alunos online devido a pandemia, devido a proibição de educação presencial, promovendo a aprendizagem com participação ativa, cooperativa e colaborativa, entre todas as series de ensinos desde a educação infantil, básica e superior.

A internet figura atualmente como único meio possível de aquisição de capacitação, habilidades, desenvolvimento e construção coletiva de conhecimento, estimulando o pensamento analítico na pesquisa e solução de problemas significativos. A educação online permite ao aluno responder questionamentos pelo meio virtual de forma objetiva, seja nos fóruns de discussão, materiais didáticos, atividades ou em outra ferramenta de interação. O potencial da Internet, que quebra barreiras de tempo e espaço, nos coloca diante dos mais novos paradigmas de inovação da educação online no contexto pedagógico.

O objetivo deste artigo é analisar como metodologias de ensino na modalidade à distancia, podem se estabelecer de forma permanente em um mundo pós pandemia de corona-vírus; tendo como objetivos específicos analisar as vantagens e desvantagens das atividades realizadas nos cursos online,  caso deixem de existir cursos off-line após a pandemia de corona-vírus;  identificar estratégicasque possibilitem melhoria no processo interativo em curso de educação online.

Metodologia

Foifeito uma exposição do tema, enfatizando a contribuição do trabalho para educação online, uma vez que as metodologias que possibilitam interação na educação online, busca melhorias para o processo de produção de conhecimentosatravés das metodologias de ensino e interação no ambiente online. Discutidos conceitos de interação, interatividade, abordagens sócio interativas, metodologias de ensino baseadas na interação online e sua importância para construção de uma aprendizagem significativa nessa modalidade de ensino.

A metodologia utilizada foi de Pesquisa Bibliográfica. O que caracteriza a pesquisa como revisão bibliográfica, no que se refere à obtenção de informações, foi utilizado alguns livros de metodologia científica, entre os quais o de fundamentos de metodologia com os autores Marconi e Lakatos (2003) e de instrução para elaboração de projetos de pesquisas com o autor Gil (2008), a NBR 14724, e um manual para construção e apresentação de trabalhos científicos. A obtenção das informações foi de forma bibliográfica, a partir de fontes secundarias por materiais publicados sobre o assunto.  

 

DESENVOLVIMENTO 

A educação 

Para Freire (1975), em várias passagens de sua obra, discute esta questão. Para ele, a educação é condicionada pelos valores e interesses das classes dominantes e contribui, desta forma, para a preservação de seu poder. A educação, por si, não pode ser considerada como alavanca de transformação radical da estrutura de poder, porque o poder que controla a educação não permitirá que ela se volte contra ele. "É por esta razão que uma transformação profunda e radical da educação como sistema não pode se produzir -e menos ainda de modo automático e mecânico -senão quando também a sociedade se tenha transformado radicalmente" (Freire y IIIich, 1975:30-1).

Em sociedades capitalistas, o conhecimento também significa prosperidade. Durante muitos anos, desde o início da revolução industrial, o conhecimento foi associado, principalmente, à produção: avanços na indústria e tecnologia, coisas que poderiam tornar uma nação mais próspera, mais competitiva no comércio. Isso ainda é bastante visível nos países em desenvolvimento como China, Brasil e Índia. Consequentemente, a escola tornou-se e ainda tem se tornado, em muitos lugares, centros de preparação para o trabalho onde a educação é, na maioria das vezes, resumida em conhecimentos sobre uma série de disciplinas. Talvez, por isso, o conhecimento tenha sido concebido na mente de muitas pessoas como sinônimo de educação. Investir na educação é, portanto, primordial para garantir que o indivíduo exerça sua cidadania e alcance o pleno desenvolvimento. Um país que investe em educação acaba investindo também em todos os outros setores. A educação abre portas, desenvolve o senso crítico e garante a dignidade de uma sociedade. 

 

A Pandemia e seus aspectos 

No Brasil, a partir do início de fevereiro, o Ministério da Saúde decretou Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN), através da Portaria nº 188, iniciando a elaboração de um Plano de Contingência Nacional para a COVID-19, publicado em fevereiro de 2020, por apresentar um comportamento incomum de elevado risco para o Sistema Único de Saúde (SUS). Diante desse cenário, exigiu-se uma forte organização da Atenção Primária à Saúde (APS), que desempenha um papel crucial na organização e na coordenação do cuidado para o enfrentamento da doença, pois os profissionais que a compõem, acompanham mais de 100 milhões de brasileiros o que corresponde a cerca de 47,6% da população-residente no território nacional (BITTENCOURT, et al., 2020; HARZHEIM et al., 2020;SILVA; OLIVEIRA, 2020; SILVA; PROCÓPIO, 2020).

Sendo assim, uma das orientações não farmacológicas da OMS é o distanciamento social como a principal medida de prevenção e controle da doença visando desacelerar e postergar o pico de ocorrência na curva epidêmica e, assim, minimizar a morbidade e a mortalidade associadas, visto que não existe imunidade prévia da população humana, nem vacina contra este vírus SARS-CoV-2. Além disso, o monitoramento das fronteiras e ampliação de higiene pessoal podem reduzir a disseminação e, assim, modificar o comportamento da doença. Em contrapartida, comportamentos opostos aos descritos podem ocasionar a explosão de casos e, consequentemente, dos óbitos (GALLASCH et al., 2020; GARCIA, DUARTE, 2020; ESPÍNOLA et al., 2020; MENDONÇA et al., 2020; SOUZA FILHO; TRITANY, 2020; WERNECK; CARVALHO, 2020), o tema abordado é de grande relevância, uma vez que trata-se de uma doença de descoberta recente e de grande impacto mundial, além de que o conhecimento científico sobre a COVID-19 auxilia na diminuição dos efeitos negativos na saúde pública e informa os resultados a curto e longo prazo das medidas adotadas no seu combate.

 

O ambiente virtual como saída para a Educação 

A Internetsurge no mundo pós pandemia como suporte didáticopara a prática docente em termosmetodológicos. Segundo Castells (1999, p.397):           

Localidades ficam despojadas de seu sentido cultural, histórico e geográfico e reintegram-se em redes funcionais ou em colagens de imagens, ocasionando um espaço de fluxo que substitui o espaço de lugares. O tempo é apagado no novo sistema de comunicação já que passado, presente e futuro podem ser programados para interagir entre si na mesma mensagem. 

A educação do novo milênio, após a pandemia, deverá estar permeada por estudos que envolverão a cultura, a partir de intersecções, numa perspectiva que adote o entrelaçamento cultural. Em momentos como atual, torna-se necessário repensarmos a educação e todos os seus processos. Paulo Freire escreveu que “O homem está no mundo e com o mundo” (1983, p. 30). Se o homem estivesse apenas no mundo, não haveria transcendência e não interferiria na história desse mundo. Não poderia objetivar-se e, por consequência, não conseguiria distinguir entre um e o outro.O isolamento social causado pela COVID-19 levou bilhões de humanos à condição de reflexão e ao pensamento da necessidade mais efetiva de se considerar um ser social e histórico, pensante e capaz de encontrar uma saída para a educação da pandemia. Segundo Paulo Freire: 

(...) Assumir-se como ser social e histórico, como ser pensante, comunicante, transformador, criador, realizador de sonhos, capaz de ter raiva porque é capaz de amar. Assumir-se como sujeito porque é capaz de reconhecer-se como objeto. A assunção de nós mesmos não significa a exclusão dos outros. (2001, p.46) 

Assine a nossa newsletter! Seja o primeiro a receber nossas novidades exclusivas e recentes diretamente em sua caixa de entrada.
Publique seus artigos

O ambiente virtual facilita o processo de aprendizagem, para Harasim et al. (2005) o mundo online oferece diversas formas para a geração de conhecimento,  redes de aprendizagem “são grupos de pessoas que utilizam a internet para aprenderem juntas, no horário, no local e no ritmo mais adequado para elas mesmas e para a tarefa em questão”.Sendo a educação on-line, para Harasim et al. (2005), um campo novo e único, assim suas características determinam a maneira pela qual as atividades, os prazos e os processos de grupo podem ser implementados em comunicação de grupos, independentes do local, independentes de horário, cada vez mais multimídia, por troca de mensagens mediada por computador. 

CONCLUSÃO 

Prever o futuro da educação é complexo decorrente o cenário de educação em tempos de pandemia. Primeiramente, há de se ponderar que a EaD no Brasil é ainda incipiente e não foi ainda consolidada. Diversos fatores devem ser levados em conta, sendo alguns deles: a garantia de equidade de acesso tanto no fator tecnológico como equipamentos e internet, quanto de conhecimento sobre os usos didático-pedagógicos das ferramentas tecnológicas. Há uma gradação escalar da sabedoria digital, na qual se pode aprender “as diferentes e diversas posições do sujeito em sua relação com as novas mídias.” Com efeito, não podemos necessariamente afirmar que só porque o estudante é jovem que o indivíduo tem maior ou menor facilidade de acesso e de conhecimento sobre as tecnologias digitais. Esse é um mito dos nativos digitais – estes são, pessoas que nasceram depois da difusão dos computadores e da internet – que não deve ser estimulado, sobretudo no momento de pós-pandemia.

A distinção entre educação a distância (EaD) e ensino remoto. São concepções distintas e não devem ser abordadas como sinônimo. A primeira é uma modalidade não presencial assim como a segunda noção. Só que a EaD tem uma epistemologia que está sendo construída há muito mais tempo do que a noção de educação remota. Logo, quando a EaD se realiza, são necessários diversos e distintos profissionais. O ensino remoto, por sua vez, pode surgir a partir de adaptações e traduções pedagógicos. Esse tipo de trabalho não necessariamente é realizado por equipes especializadas na modalidade a distância. Já na maioria dos casos, quando se trata de EaD, existe um grupo de trabalho composto por diversos profissionais: designer instrucional; professor conteúdo; tutor; gestor educacional; etc. Logo, o contexto de pós-pandemia não pode influenciar que se pense que o ensino remoto seja necessariamente a realização de EaD, uma vez que são conceitos distintos e, práticas diferentes de atuação na modalidade não presencial. Entendo que a educação a distância irá se acentuar e no futuro 100% da educação será a distância.

 

REFERÊNCIAS

BARBOSA, Ana C. Estratégias metodológicas inerentes à dinâmicas colaborativas online. Disponível em: http://www.abed.org.br/congresso2008/tc/511200852108PM.pdf

CASTELLS, Manuel. 1999. A sociedade em rede. V. 1: A era da informação : economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra.   

HARASIM, L. (et al.). Redes de aprendizagem: um guia para ensino e aprendizagem on-line. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2005. 

MARTINS, António; REIS, Felipa. Desafios do professor no ensino online e no ensino presencial. Disponível em: http://www.virtualeduca.info/forumveduca/index.php?option=com_content&task=view&id=2 19&Itemid=26&lang=pt.

PALLOF, Rena M; PRATT, Keith. O aluno virtual: um guia para trabalhar com estudantes on-line. Porto Alegre: Artmed, 2004.

RODRIGUEZ, Izabel. Teoria EAD Tempos Velozes. Disponível em http://www.abed.org.br/revistacientifica/revista_PDF_Doc/2005_Teoria_Ead_Tempos_Veloz es_Isabel_Rodriguez.pdf. Acesso em 08 mar 09.

TESTA, M. G. Fatores críticos de sucesso de programas de educação a distância via internet. 2002. Dissertação (Mestrado em Administração). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2002.

VERGARA, Sylvia Constant. Estreitando relacionamentos na educação a distância. Cadernos Ebape. edição especial, jan. 2007. Disponível em: http://www5.fgv.br/fgvonline/fgv/artigos/estreitando_relacionamentos.pdf. Acesso em 08 mar 09. 

Sobre o autor
Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!
Publique seus artigos